Textos

ESCRAVO DA VIDA
Sou a rocha fincada em alto mar
Sou o tronco de casca secular
Sou o vento que sopra ao luar
Sou a voz de quem chora no calar

Sou aquele que espera sem saber
Nem o dia nem a hora do chegar
Nem quem vem e de qual é o lugar
O que traz ou o que deseja achar

Os meus olhos são faróis no anoitecer
Sempre atentos ao que pode acontecer
Minha lágrima é o óleo que ao pingar
Gira a luz, faz qualquer nau se encontrar

A solidão deste meu posto faz doer
Pois eu sinto que não posso merecer
Alguém que fique ao meu lado sem sofrer
Que me toque o coração, me saiba amar

Mas como escravo tenho que obedecer
Que importa para a Vida meu querer?
Que desejo em noite fria me aquecer?
Que do amor que tanto sei um dia ter?

Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 28/12/2011
Alterado em 23/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net).


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr