Textos

DESAFIO DA ÉPOCA
O desafio religioso desta época é dirigido àqueles homens e àquelas mulheres que, pela sua visão ampla e voltada para o futuro, e, pelo discernimento da sua luz interna, ousarão construir uma nova e atraente filosofia de vida, partindo dos conceitos modernos, sutilmente integrados, da verdade cósmica, da beleza universal e da bondade divina. Uma tal visão, nova e reta, da moralidade, atrairá tudo que existir de bom na mente do homem e convocará o que há de melhor na alma humana. A verdade, a beleza e a bondade são realidades divinas, e à medida que ascendemos na escala da vida espiritual, essas qualidades supremas do Eterno tornam-se cada vez mais coordenadas e unificadas em Deus, que é amor.
Toda a verdade – material, filosófica ou espiritual – é tanto bela quanto boa. Toda a beleza real – a arte material ou a simetria espiritual – é tanto verdadeira, quanto boa. Toda a bondade genuína – seja a moralidade pessoal, a equidade social ou o ministério divino – é igualmente verdadeira e bela. A saúde, a sanidade e a felicidade são integrações da verdade, da beleza e da bondade, ao misturarem-se na experiência humana. Esses níveis de uma vida eficaz, são capazes de construir a família universal. Advém da unificação de sistemas de energias, geradas inicialmente na família nuclear, de sistemas de ideias que se dilatam na família ampliada, e de sistemas espirituais plenos, que atingem todo o planeta, onde cada ser humano se considera verdadeiramente como irmãos, que qualquer órfão encontra um pai ou mãe em qualquer pessoa, que não existe a mínima possibilidade de atos de corrupção, pois qualquer iniquidade construída contra qualquer família, será sofrida pela própria família do autor do crime.
Essa verdade tem que ser coerente, bela, atraente e com a bondade na forma de fraternidade aplicada por todos. E quando esses valores, na estrutura real da sociedade, são coordenados pela experiência e força da personalidade, o resultado é a ordem elevada do amor incondicional com referência ao próximo, mas condicionado pela sabedoria e qualificado pela lealdade.
O propósito real de toda a educação, no universo, é tornar efetivo esse amor incondicional, com a nossa melhor coordenação, mesmo num mundo isolado de outras inteligências planetárias como o nosso, mas sintonizado com as realidades mais amplas da verdade, e com uma experiência sempre em expansão. A realidade é finita no nível humano, mas é infinita e eterna nos níveis mais elevados e divinos.
Sei que já vivencio essa condição e provavelmente tenho sido favorecido por chegar a exibir esse comportamento, por experiências prévias, talvez em outros orbes. Digo isso porque não vejo, apesar de para mim parecer tão fácil, ninguém com o mesmo comportamento, de aplicar na prática os critérios inclusivos, libertários e justos do amor incondicional. Quando tenho a ousadia de orientar a prática desse comportamento para algum paciente ou amigo, vejo a reação dele até com certo ar de escândalo. Ninguém aceita a aplicação desse comportamento, o máximo que fazem é concordar que essa atitude é correta, não sei ainda se dizem assim como forma de tentar algum grau de sintonia comigo, mas na primeira oportunidade, seja teórica ou prática, presencial ou à distância, se comportam diametralmente opostas ao que penso.
Mas, este é o desafio que enfrento nesta época em que vivo minha atual existência. Próximo afetivamente de tantas pessoas, e ao mesmo tempo afastado consciencialmente de todos. Espero que um dia não tão distante, se consigam perceber a verdade cósmica, a coerência racional, a atração instintiva, a justiça solidária, a tolerância compreensiva, a liberdade responsável, a beleza dos relacionamentos e a bondade divina, implícita nestas ações tal qual eu vejo.    
Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 23/01/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr