Textos

ORAÇÃO JULHO 2017
Pai, obrigado por me dar o dom da vida, da inteligência, do Amor... dá-me, Pai, também o dom da Sabedoria. Quero compreender melhor porque Tu me deu o dom de amar e a missão de doar esse Amor da forma que me entregastes... sem qualquer espera de recompensa, sem qualquer tipo de condicionamento.
Mas, Pai, acho que estou fazendo algo muito errado... o Amor que eu procuro doar, da forma que eu recebi do Senhor, era para trazer alegria e felicidade a todos que se beneficiassem dele... mas, justamente àquelas pessoas que mais intensamente O recebem, são àquelas que mais intensamente passam a sofrer, querem este Amor somente para elas, sofrem quando percebem que estou a distribui-Lo com outras pessoas, sofrem com a simples ideia de que isso possa acontecer...
Algo muito errado estou a fazer, meu Pai! Termino sendo instrumento de sofrimento, quando o que desejo é ser instrumento de felicidade, pois o Amor que tu me dás não traz tanta felicidade para mim? Por que então, quando eu dou às pessoas que se aproximam intimamente de mim, elas passam a sofrer tanto? Será que este é o erro? Ter que doar o Amor que recebo de Vós, mas não chegar na intimidade do coração ou do corpo de ninguém?
É isto, Pai, que não entendo! Quanto mais proximidade eu tenha com alguma pessoa na retransmissão deste Amor, não era para deixar a pessoa muito mais feliz, por ter sido escolhida entre tantas por sentir esse benefício? Não era para essa pessoa sentir-se regozijada também quando outra pessoa passa a sentir esse mesmo Amor na mesma intensidade que ela sentiu? Não é assim que funciona comigo?! E por que até agora não funcionou assim com ninguém que recebeu esse Amor de mim?
Será que esta é a cruz que o Senhor construiu para mim? A tantos ter capacidade de amar, de aglutinar, de juntar... e por todos ser repudiado, excluído, expulso até com ares de crueldade? Viver como o judeu errante, sem ter a quem abraçar, a quem contar a intimidade da minha alma...
A minha cabeça está confusa, Pai, chega a imaginar coisas absurdas... penso que talvez tudo isso seja reflexos do ciúme que Tu sentes de mim... provocas nas pessoas que mais se aproximam de mim, impulsos de raiva e de exclusão, para que eu seja jogado fora de suas proximidades e me acolhas em Teus braços... Queres me ver jogando minhas lágrimas no mar que explode suas ondas abaixo do meu apartamento; Queres me abraçar com Teu vento frio e chorar junto comigo com Teus pingos de chuva; na solidão do meu quarto, eu sinto a melancolia de Tua alma divina, nas nuvens cinzentas que cobrem todas as estrelas e o brilho do luar.
Sim, Pai, dá-me Sabedoria para que eu saia dessas trevas de ignorância, para que eu saiba nadar nesse mar de Amor que me inunda a minha alma, mas que afoga o meu coração!

Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 01/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr