Textos

O LADO DIREITO
            Nas minhas diversas leituras, geralmente aleatórias, encontrei no livro “Lindos casos de Chico Xavier”, de Ramiro Gama, o texto 37 que me fez ficar curioso e trazer aqui para meus leitores:
            O LADO DIREITO
            Todas as coisas tem o seu lado direito e esquerdo, como temos nossas mãos direita e esquerda.
            Para nós, destros, tudo quanto fazemos com a direita sai mais ou menos certo; com a esquerda sai mais ou menos errado...
            Pedro, apóstolo pescador de peixes e de almas, quando pescava no Lago Genezaré juntamente com outros pescadores, lançava a rede pelo lado esquerdo e não apanhava nenhum peixe.
            Apareceu-lhe, então, Jesus e mandou que a lançasse, de novo, mas pelo lado direito, e a rede se rompeu de tanto peixe.
            Na própria escolha dos premiados, que saem vitoriosos de suas provas, o Mestre os separa dos fracassados, passando o primeiro para a sua direita e o segundo para a esquerda.
            O lado direito é, pois, o da Justiça, do Bom Combate, do Bom Caminho, da Vereda Certa, da Vida Verdadeira, da Verdade mesma.
            Assim conversávamos com o Chico, em caminho da Fazenda do Ministério da Agricultura, em Pedro Leopoldo, quando o médium concluiu:
            - O lado direito é o lado de Deus.
            - O esquerdo é de César.
            O primeiro é dos que vivem com Deus, cumprindo-lhe a Lei. O segundo é dos que estão apenas vivendo para o mundo e desejando o muito sem Deus.
            Este texto parece muito determinista entre o bem e o mal, localizados à direita ou a esquerda, respectivamente. Mas vamos focar na simbologia que leva à conceituação. Na Bíblia, o livro sagrado, o lado direito assume essa conotação de estar mais perto da vontade de Deus. A partir daí pode se justificar a preferência positiva pelo lado direito. Mas, como é que isso se perde no contexto político? Por que a esquerda é vista com mais glamour, que os seus integrantes exigem posturas fortes dentro da sociedade, que implicam até no uso da violência, que contamina igrejas, universidades, parlamentos, gabinetes e comarcas? Por que os atos genocidas que a história mostra, associados à esquerda e ao socialismo/comunismo, não são devidamente absorvidas pelas consciências? Será que estão, a partir das escolas, condicionadas dentro do erro, ou hipnotizadas pelo mal?
            Por outro lado, a direita... por que, se está tão próxima da vontade de Deus, passam os seus integrantes a explorarem o suor dos irmãos, aplicando um capitalismo selvagem, onde cada vez mais os recursos são concentrados na cúpula da pirâmide social e a base rasteja sem dignidade humana em busca da sobrevivência?
            Tanto num como noutro caso, o fator convergente para a emergência do mal, é o egoísmo, que tanto está colocado à direita quanto à esquerda, e que se manifesta na forma de corrupção, as mais diversas, apoiada pelas mentiras e hipocrisias.
            O antídoto para nos livrar dessa influência maléfica que vem de todos os lados, é usar a Verdade em todos os momentos.
 
 
Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 04/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr