Textos

A DOR
Vou à procura de um castelo, a dor
Aonde mora minha alma gêmea
Profundo fosso que não passa o amor
Deixa isolada a minha doce fêmea

Eu sinto em mim toda sua tristeza
Procuro ver o seu olhar em mim
Olho o horizonte, busco uma certeza
Tudo inicio, mas não chego ao fim

Prisioneira da tristeza, sei que choras
Porque eu sinto, no passar das horas
Um charco etéreo a acolher teu pranto

A noite rogo a meu Deus, meu Pai
Que deixe eu ir como meu sonho vai
Ficar com ela seja em qualquer canto

Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 19/05/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve sitar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr