Textos

PRINCÍPIOS E DOGMAS PESSOAIS
            Recebi do site do escritor espiritualista, Dalton Campos Roque, um texto retirado e editado por ele, na sua página www.consciencial.org, do site https://educacao.uol.com.br/disciplinas/filosofia/principios-e-dogmas-a-etica-e-o-leito-de-procusto.htm. Vejamos o que é escrito, para nossa reflexão.
Princípios e dogmas pessoais, a ética e a inteligência
Muitas pessoas, ao defenderam posições extremadas que ferem o bom senso mais elementar ou que não admitem a possibilidade de avaliar possíveis exceções em determinados casos, alegam, geralmente, que estão apenas seguindo seus princípios éticos.
Tal conduta pode dar a entender que as pessoas capazes de ponderar caso a caso ou de levar em conta as circunstâncias são relativistas sem princípios. Ora, o fato de termos princípios não implica necessariamente que tenhamos de ser dogmáticos. Ou seja, achar que existem verdades absolutas válidas para toda e qualquer situação.
Princípios éticos são ideais regulativos a que “nada de empírico pode corresponder”, como dizia Kant. São modelos ideais que nos ajudam a definir metas possíveis, mesmo sabendo que os ideais em si mesmos jamais poderão ser realmente alcançados.
Um engenheiro que projeta trens sabe que se conseguir reduzir o atrito entre o trem e o trilho, obterá trens mais velozes com menor consumo de energia, mas sabe igualmente que um trem sem atrito é impossível, pois os trens viajam em um meio físico e não no vazio.
No caso de princípios éticos não é diferente. Precisamos de valores ideais, como justiça ou igualdade, para nos orientar em direção a sociedades mais justas e igualitárias, mesmo sabendo que uma situação de justiça ou igualdade absoluta é impossível. Pois nós, seres humanos, estamos sujeitos a contingências e limitações que sempre podem nos levar a cometer erros em nossos julgamentos e ações, levando-nos a tratar alguém de maneira injusta ou desigual.
Mas isso não significa que devemos ficar de braços cruzados frente às injustiças, pois se elas não podem ser eliminadas, pelo menos podem ser reduzidas – e quanto mais trabalharmos para isso melhor será a vida de todos.
O leito de Procusto - Limitação mental é viver dentro da caixa.
Algo bem distinto é desconsiderar os limites que a realidade nos impõe e obriga-la a se adequar aos nossos ideais, como fazem os dogmáticos. Para eles a pureza de seus princípios e a cega observância dos mesmos é tudo o que importa – e qualquer ponderação é vista como fraqueza ou traição a ser combatida.
Uma bela ilustração disso pode ser encontrada na mitologia grega: Procusto é um bandido que assalta viajantes e os obriga a se deitar em seu leito de ferro. Caso a vítima seja maior que o leito, Procusto amputa o excesso de comprimento: se é menor, estica. Como nenhuma pessoa é exatamente do tamanho da cama, ninguém sobrevive.
De modo semelhante agem aqueles que tentam obrigar a realidade a se adequar as suas crenças, aos seus imperativos morais, pouco lhes importando o sofrimento ou até mesmo a morte de outras pessoas.
Muitos usam como subterfúgio para seus atos o argumento de que seguem a vontade de algum deus igualmente intransigente e sanguinário. Mas será que pode existir um deus assim? Um deus que castiga seus filhos, ao invés de compreendê-los e amá-los? Ou será que pessoas ou grupos dogmáticos querem na verdade obrigar o próprio Deus a se deitar em um leito de Procusto?
Assim seguem os intransigentes em seus dogmas políticos, em seus purismos doutrinários, em suas “verdades relativas de ponta”, em sua intransigência dogmática, seja qual for: religiosa, cética, materialista, política, econômica, etc.
Excelente texto! Importante fazermos a vigilância íntima para evitar cairmos no dogmatismo de emparedar nossas convicções como se verdade absoluta fosse. Sofro o impacto emocional de alguns amigos que desenvolvem a forte convicção política que estão certos e que estou totalmente envolvido nas mentiras que existem do outro lado. Não seria melhor nós, amigos que somos, deixarmos de lado o dogmatismo de nossas convicções e avaliarmos com neutralidade os fatos sem contaminação de narrativas tendenciosas?
 
Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 03/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr