Meu Diário
20/01/2019 01h01
ASSASSINO ECONÔMICO (12) – VERDADEIROS TERRORISTAS

Continuação da entrevista com o economista John Perkins.

Os verdadeiros terroristas do nosso mundo não se encontram no escuro à meia-noite ou gritam “Allahu Akbar” (Alá é grande) antes de um ato violento. Os verdadeiros terroristas usam ternos de 5 mil dólares e trabalham nos mais altos cargos das finanças, do governo e das empresas.

E então, o que fazer? Como paramos um sistema de ganância e corrupção que tem tanto poder e impetuosidade? Como paramos esse comportamento grupal aberrante, que não tem compaixão por, digamos, os milhões massacrados no Iraque e no Afeganistão para que a corporatocracia controle recursos energéticos e a produção de ópio e gere lucro em Wall Street?

Antes de 1980, o Afeganistão produzia 0% do ópio mundial. Depois que o Mujahadeen ganhou a guerra com a URSS com apoio da CIA e EUA, eles passaram a produzir 40% da heroína mundial em 1986. Em 1999, eles estavam produzindo 80% do total no mercado. Mas então, algo inesperado aconteceu. Os talibãs subiram ao poder e em 2000, já haviam destruído a maioria dos campos de ópio. A produção caiu de 3 mil toneladas para apenas 185, uma redução de 94%. Em 9 de setembro de 2001, os planos de invasão do Afeganistão estavam na mesa do presidente Bush. Dois dias depois, eles tinham uma desculpa (ataque as torres gêmeas). Hoje, a produção de ópio no Afeganistão controlada pelos EUA fornece mais de 90% da heroína do mundo, quebra de recordes de produção todo ano.

Como paramos um sistema de ganância e corrupção que condena populações pobres à escravidão nas fábricas em benefício da avenida Madison? Ou que arquiteta ataques terroristas falsos com o propósito de manipular? Ou que cria “Modos Embutidos” inerentemente explorados de operação social? Ou que reduz sistematicamente as liberdades civis e viola direitos humanos para se proteger da consequência dos seus próprios atos?

Como lidamos com as inúmeras instituições encobertas, como o Conselho das Relações Internacionais, a Comissão Trilateral, o Clube de Bildenberg e outros grupos eleitos de forma não democrática, que a portas fechadas, se reúnem para controlar os elementos políticos, financeiros, sociais e ambientais de nossas vidas?

Para encontrar a resposta, primeiro devemos encontrar a causa principal, pois o fato é, que os grupos egoístas, corruptos e famintos de lucro não são a fonte do problema. Eles são sintomas

            A conceituação de “terrorista” para as corporações, parece forte, mas não deixa de ser bem aplicada. O terrorista é aquele que desenvolve atos de terror, de aniquilação do próximo sem nenhuma consideração, desde que sua ação o beneficie e fortaleça seu ideal. A corporações, pelos seus modos de agir, em busca do lucro cada vez maior, a qualquer custo... e esse custo implica no sofrimento de milhares de pessoas em determinadas situações. Pode ser que a ação das corporações não causem derramamento de tanto sangue como é a ação terrorista. Mas, com certeza, abrange muito mais vítimas.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 20/01/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
19/01/2019 01h01
ASSASSINO ECONÔMICO (11) – TERRORISTA

Continuação da entrevista com o economista John Perkins.

O mundo está sendo dominado por um punhado de negócios poderosos que controlam os recursos naturais que precisamos para viver, enquanto controla o dinheiro que precisamos para obtê-los. O resultado final será um monopólio mundial, baseado não na vida humana, mas em poder corporativo e financeiro.

Conforme a desigualdade cresce, claro, mais e mais pessoas se desesperam, então o sistema foi forçado a criar um novo modo de lidar com quem desafia este sistema. Assim nasceu o “Terrorista”.

O termo terrorista é uma descrição vazia, dada a qualquer pessoa ou grupo que escolhe desafiar o “establishment”. Isso não deve ser confundido com a fictícia Al Qaeda, que é na verdade o nome de um banco de dados criado pelo Mujahadeen com apoio americano nos anos 80.

“Na verdade, não existe nenhum exército terrorista islâmico chamado Al Qaeda e qualquer oficial da inteligência bem informado sabe disso. Mas existe uma campanha de propaganda para que o povo acredite na presença de uma entidade identificada. O país por trás dessa propaganda é os EUA”.

Em 2007, o Departamento de Defesa recebeu 161,8 bilhões de dólares para a chamada guerra global contra o terrorismo. De acordo com o Centro Nacional Antiterrorismo, em 2004 cerca de 2000 pessoas tinham sido mortas intencionalmente em razão de supostos atos terroristas. Desse número, 70 eram americanos. Usando esse número como uma média, o que já é muito generoso, é interessante notar que o dobro de pessoas morre de alergia ao amendoim por ano, comparado com o terrorismo. Ao mesmo tempo, a causa principal de mortes nos EUA são doenças coronárias que matam cerca de 450 mil por ano. Em 2007, os fundos destinados pelo governo para pesquisa nessa área foram cerca de três bilhões de dólares. Isso quer dizer que em 2007, o governo dos EUA gastou 54 vezes mais dinheiro prevenindo o terrorismo do que gastou prevenindo a doença que mata 6.600 vezes mais pessoas por ano do que o terrorismo. Ainda assim, os nomes terrorismo e Al Qaeda estão obrigatoriamente estampados em todos os jornais ligados a qualquer ato realizado contra interesses dos EUA. O mito se expande!

No meio de 2008, o Procurador Geral dos EUA chegou a propor que o congresso americano declarasse oficialmente guerra à fantasia, para não falar que até julho de 2008 existia mais de um milhão de pessoas na lista de terroristas monitorados dos EUA. Essas “Medidas Antiterrorismo”, naturalmente não tem nada a ver com proteção social e tudo a ver com preservação do sistema enquanto cresce o sentimento antiamericano dentro do país e internacionalmente, o que é legitimamente baseado na expansão gananciosa do império corporativo que está explorando o mundo.

Nesse ponto, minha racionalidade entra em certo confronto com as ideias do autor do texto, com o economista e analista político. Ele tenta mostrar o interesse deslocado para o controle dos “terroristas” enquanto casos bem mais graves, que causam bem mais mortes, não tem uma atenção equivalente. Tenho a impressão que se o governo não tomar essas providências quanto o “terrorismo”, eu me sentiria muito mais inseguro em ser vítima de algum ataque que não foi devidamente previsto. Enquanto as doenças, eu posso cuidar da prevenção ou usar medicamentos para atenuar as crises e a progressão da doença. No entanto, não posso fazer o mesmo com as pessoas que atacam de forma sorrateira o ser humano para mostrar a boa relação com suas ideologias. Jesus é o exemplo perfeito para essa situação. Jamais usou de violência para ensinar suas lições e foi assassinado pelos interesses corporativos do templo. Enfim, acredito que o investimento alto no combate ao terrorismo é necessário para dar segurança a nós, cidadãos pacatos e que vivemos desarmados, eternamente do medo de alguém armado entrar em nossas casas, ou nos ameaçar dentro do carro,, nas estradas, sem nada podermos fazer.


Publicado por Sióstio de Lapa em 19/01/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
18/01/2019 01h01
ASSASSINO ECONÔMICO (10) – CORPORAÇÕES

Continuação da entrevista com o economista John Perkins.

            É importante entendermos que o Banco Mundial é na verdade um banco americano, atendendo a interesses americanos, pois os EUA tem poder de veto sobre as decisões, já que é o maior fornecedor do capital. E de onde eles tiraram esse dinheiro? Acertou: ele foi criado do nada pelo sistema bancário de reservas fracionadas. Das 100 maiores economias do mundo, com base no PIB, 51 são corporações, das quais 47 ficam nos EUA. A Wal-Mart, a General Motors e a Exxon têm mais poder econômico que a Arábia Saudita, a Polônia, a Noruega, África do Sul, Finlândia, Indonésia e muitos outros. E a medida que as barreira comerciais são quebradas, moedas são unificadas e manipuladas nos mercados de especulação, as economias do governo passaram para o lado do inimigo no capitalismo global. O império se expande.

            Você fica diante de sua telinha de 21 polegadas e reclama sobre os EUA e a democracia. Os EUA não existem, nem a democracia. Existem apenas a IBM, a ITT e AT&T, DuPont, Dow, Union Carbide e a Exxon. Estas são as nações do mundo de hoje.

            Do que você acha que os russos falam em seus conselhos de estado, Karl Marx? Eles pegam seus gráficos de planejamento linear, teorias de decisões estatísticas, soluções mínimas e máximas, e calculam as probabilidades de custo-benefício de suas transações e investimentos, como nós. Não vivemos mais em um mundo de nações e ideologias, Sr. Biel. O mundo é um grupo de corporações, inevitavelmente determinadas pelas regras imutáveis dos negócios. O mundo é um negócio, Sr. Biel. Tomadas de modo crescente, as integrações do mundo como um todo, especialmente no quesito qualidades de capitalismo de “mercado livre”, representa um verdadeiro “império” no seu direito. Poucos têm sido capazes de controlar os “ajustes estruturais” e “condicionalidades” do Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional, ou as decisões da Organização Mundial de Comércio, que mesmo inadequados, ainda determinam o significado de globalização econômica. O poder da globalização é tão grande que durante nossas vidas provavelmente veremos a integração mesmo que desigual de toda economia nacional no mundo num único mercado de sistema livre global.

            A tese defendida é que não existe países nem democracia. O que existe na realidade são as corporações que manipulam tanto os países quanto a democracia para atingir os seus interesses, cada vez mais eficazes em detrimento à liberdade e a saúde do ser humano. No entanto, parece que essa tese foi derrotada na última eleição para presidente do Brasil. O candidato eleito declarou que não aceitaria nenhum donativo das corporações e assim fez. O pouco que foi arrecadado ainda teve devolução. A democracia parece que foi fortalecida, pois venceu a opinião do povo, cansado de tanta corrupção, a avalanche de mentiras e falsas narrativas, atacando a honra e até a própria vida desse candidato tão diferente. Vejamos agora como se comportará esse candidato, eleito dessa forma, com democracia e sem corporações. Veremos se esses dois aspectos continuarão vigorando, pois sem a ingerência das corporações podemos ter democracia. Veremos a verdade sobrepujar a mentira e isso fará toda a diferença para mudar a nossa história e talvez contribuir para o pensamento político do planeta.


Publicado por Sióstio de Lapa em 18/01/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
17/01/2019 01h01
ASSASSINO ECONÔMICO (9) – GLOBALIZAÇÃO

Continuação da entrevista com o economista John Perkins.

            Esse processo de manipulação corporativa através de dívidas, corrupção e golpes também é chamado de globalização. Assim como a RF mantem o povo americano em uma posição de servidão incondicional através de dívidas infinitas, inflação e juros, o Banco Mundial e o FMI cumprem esse papel em nível global. A farsa é simples. Coloque um país em dívida, seja por sua própria imprudência ou pela corrupção do líder desse país, e então imponha “condicionalidades” ou “políticas de ajuste estrutural” que frequentemente consistem em: 1. Desvalorização da moeda – quando o valor de uma moeda cai, o mesmo vale para tudo avaliado através dela. Isso torna os recursos nativos disponíveis para países predadores por uma parcela do seu valor real; 2. Cortes no financiamento de programas sociais, que normalmente incluem educação e saúde, comprometendo o bem-estar e a integridade da sociedade e deixando as pessoas vulneráveis à exploração; 3. Privatização de empresas públicas – isso significa que sistemas com importância social podem ser comprados e controlados por corporações estrangeiras que visam lucro. Por exemplo, em 1999 o Banco Mundial insistiu que o governo boliviano vendesse o sistema de água e esgoto da terceira maior cidade e isso aconteceu a uma subsidiária americana Bechtel. Assim que isso aconteceu, as contas de água dos moradores locais já empobrecidos, dispararam. Foi só depois de uma intensa revolta popular que o contrato com a Bechtel foi anulado. 4. Liberação do comércio ou a abertura da economia pela remoção de obstáculos para o comércio exterior. Isso dá margem de manifestações de abuso econômico, como corporações transnacionais trazerem seus produtos de fabricação em massa, prejudicando a produção nativa e arruinando economias locais. Um exemplo é a Jamaica, que depois de aceitar empréstimos e condicionalidades do Banco Mundial perdeu seus maiores mercados e safras por causa da competição com importados ocidentais. Hoje, muitos agricultores estão sem trabalho porque não podem competir com as grandes corporações. 5. Outra variação é a criação aparentemente despercebida das várias fábricas exploradoras, desumanas e não-fiscalizadas que se aproveitam das dificuldades econômicas vigentes. 6. Além disso, devido a produção descontrolada, a destruição do meio ambiente é contínua uma vez que os recursos de um país são frequentemente explorados por corporações indiferentes que também emitem enormes quantidades de poluição proposital. O maior processo em direito ambiental da história mundial está ocorrendo em favor de 30 mil pessoas do Equador e da Amazônia, contra a Texaco, agora propriedade da Chevron logo, é contra a Chevron, mas sobre atividades realizadas pela Texaco. Estima-se que a quantidade de poluição seja 18 vezes o que o Exxon Valdez despejou na costa do Alasca. No caso do Equador, não se tratou de um acidente. As petroleiras agiram de propósito, elas sabiam que estavam fazendo isso para economizar, em vez de fazer o escoamento correto. Indo além, uma rápida observação do histórico de desempenho do Banco Mundial revela que a instituição que declara publicamente ajudar países pobres e reduzir a miséria, não fez nada além de aumentar a pobreza e as diferenças sociais, enquanto os lucros corporativos só sobem. Em 1960, a desigualdade de renda entre o quinto mais rico e o mais pobre do mundo era de 30 para 1. Em 1998, era de 74 para 1. Enquanto o PIB global cresceu 40% entre 1979 e 1985, a margem de pessoas na faixa da pobreza cresceu 17%. Entre 1980 e 2000, o número de pessoas vivendo com menos de um dólar por dia cresceu 18%. Mesmo a Comissão Conjunta de Economia do congresso americano admitiu que a taxa de sucesso dos projetos do Banco Mundial é de meros 40%. No fim dos anos 60, o Banco Mundial interveio no Equador, com grandes empréstimos. Nos 30 anos seguintes, a pobreza cresceu de 50 para 70%. O sub ou o desemprego foi de 15 para 70%. A dívida pública saltou de 240 milhões para 16 bilhões, enquanto a parcela de recursos destinados aos pobres caiu de 20 para 6%. Em 2000, 50% do orçamento nacional do Equador estava sendo alocado para pagamento de dívidas.

            O fenômeno da globalização atende a evolução que acontece no mundo material, principalmente na área tecnológica, digital, informática, que deixa o mundo conectado dentro de segundos. No entanto, essa tendência globalizante, que não podemos evitar pois faz parte da enxurrada evolutiva, atende aos interesses egoístas de nossa natureza animal, deixando o homem mais explorado pelo próprio homem, afirmando o adágio: “o homem é o lobo do homem”.

            Essa orientação comportamental dentro do processo evolutivo do homem contra o próprio homem, vamos observar que não obedece a lei de amor que está na base de tudo e que determina a evolução positiva em direção ao Criador. Assim, é necessário que surja outra orientação, de natureza positiva, que privilegie a fraternidade ao invés do egoísmo. Somente quando isso acontecer a globalização se torna positiva, partiremos para a construção de um planeta de regeneração, formação da família universal e instalação do Reino de Deus.


Publicado por Sióstio de Lapa em 17/01/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
16/01/2019 01h01
UMA LUZ PARA SEGUIR

            Feliz quem ama o Senhor, nosso Pai, e segue os caminhos que Ele coloca à nossa disposição, com Amor, Justiça e Misericórdia. Que saibamos reconhecer o monstro que habita em nossas entranhas, como criado por Deus para garantir nossa sobrevivência biológica, mas que ele não tenha força suficiente para fazer nosso espírito desviar dos caminhos que levam à intimidade com o Pai.

            Viveremos do trabalho de nossas mãos, da inteligência do nosso cérebro, entendendo que tudo foram dons que Deus nos deu a cada um, sem favorecimentos, e que desenvolvemos de acordo com o nosso esforço pessoal. Jamais deveremos permitir que qualquer aspecto de superioridade que exista como uma conquista nossa, não sirva para colocar e manter nossos irmãos dentro da escravidão, usando o seu suor para garantir a nossa ociosidade ou mordomia.

            Viveremos assim, felizes e satisfeitos, nossa esposa será como uma vinha fecunda, geratriz dos nossos filhos, apaziguadora dos nossos erros no interior de nossas casas, e orientadoras virtuosas em nossos caminhos das labutas externas. As tentações demoníacas não terão oportunidade de corromper nossos princípios de amor e fraternidade, justiça e paz, ensinados pelo Mestre Jesus.

            Nossos filhos serão como ramos da mangueira ou cajueiro, dando seus frutos/netos, tenros e doces ao alcance de nossas mãos, de acordo com a fonte saudável e nutritiva de nossos troncos. Trazem alegria e afeto ao redor da nossa mesa, com suas histórias de lutas e aprendizados.

            Assim seremos abençoados, todos nós que amamos sem negociações, sem trocas ou exigências, sem condicionamentos, a todos nossos irmãos, a toda Natureza, ao Senhor, nosso Pai.

            Do nascer ao pôr, do sol e da lua, que possamos ver nossa casa feliz e harmonizada como as estrelas no céu, todos os dias da nossa vida, sabendo que a casa do irmão, por mais distante que esteja, também está dentro da mesma felicidade.

            E que vejamos os filhos dos nossos filhos, os netos dos nossos netos, e onde quer que esteja uma pessoa humana que não pertença ao nosso sangue, mas que sejam considerados como um verdadeiro irmão, um pai, uma, mãe, um tio, um filho, um neto, de acordo com suas características de faixa etária, de espaço físico, de condição social.

Que a paz e o amor sejam as sombras dos nossos corpos, os perfumes dos nossos espíritos, por onde andarmos.


Publicado por Sióstio de Lapa em 16/01/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 515 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr