Meu Diário
12/11/2019 00h10
BOLSONARO, O TOSCO

            Encontrei uma postagem de colegas médicos que estudaram em Portugal, referente aos nossos presidentes, que achei oportuno a sua divulgação neste espaço para nossa reflexão, minha e de meus leitores.

E MEU TEXTO CHEGOU EM PORTUGAL...

PARABÉNS BETO!  Faço parte de um grupo no Whatsapp denominado "Ex Estudantes Uni Coimbra" e fiquei bem feliz ao ver postado aquele seu artigo "O Tosco", sobre o nosso Presidente. O grupo é formado na maioria, por médicos(as) que estudaram na Universidade de Coimbra nos anos 60/70. Quase metade mora em Portugal e 99 % apoia Bolsonaro. Edite, a pessoa que postou, teve o cuidado de anotar o seu "compartilhamento autorizado", SSA, ALBERTO SARAIVA. É o menino da Ribeira em terras lusitanas. Beleza garoto! Segue a postagem.

E AÍ VAI O DITO:

BOLSONARO, O TOSCO

Alberto Saraiva

E não é que é verdade? O cara atropela as palavras, engole outras, passa por cima de algumas regras gramaticais, solta palavrões.

Mas vamos dar uma olhadinha nos seus antecessores, que ainda estão vivos:

🗣SARNEY: um intelectual. Membro da ABL Escritor e poeta. O multimilionário "dono" do Maranhão. Deixou o país quebrado, após sucessivos e malsucedidos planos econômicos, e com uma inflação que, só no último mês do seu mandato (ampliado para 5 anos, sabe-se lá como) foi superior a 80%. Num mês!

🗣COLLOR: nascido em berço de ouro. Bom orador, teve educação de 1o. Mundo. Foi impichado por corrupção. Indiciado em vários processos, teve bens apreendidos. Não está preso graças à leniência do STF.

🗣FHC: Outro intelectual. Professor catedrático da USP. Professor visitante da Sorbonne. Ao cabo de seu segundo mandato (conseguido sabe-se lá como!) entregou a inflação sob controle, mas com o Brasil no FMI. Passou a faixa para Lula, seu velho companheiro de palanque e de ideias socializantes.

🗣LULA: Um farsante, semianalfabeto, comia os plurais com a mesma gula com que devorava dinheiro e amantes, como nunca antes na história deste país. Levou 8 anos enganando, trapaceando, roubando. Está preso, condenado em 2a. Instância, em vias de ser condenado também no TRF-4 num outro processo. E com uma outra condenação na 13a. Vara de Curitiba. É réu em mais um monte, no Rio e em Brasília.

🗣DILMA: A economista que não sabia nada de economia, a anta que não consegue construir uma frase com sujeito, verbo e predicado nos seus devidos lugares. Com a "expertise" de quebrar uma loja de 1,99, foi bem mais longe: quebrou um país inteiro. Foi impichada. E acaba de ter prisão preventiva requerida, mas ainda não deferida pela Justiça.

🗣TEMER: A finesse em pessoa. Nunca elevou a voz. Nunca disse uma frase que não fosse rebuscada, com direito a mesóclises empoadas e gongóricas. Chefiou por décadas o MDB, um partido que saqueou o país também por décadas - e não por mera coincidência. Está em prisão domiciliar, acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

🙏Aí Bolsonaro, menino pobre, estudante de Colégio Militar e Capitão reformado, sucede a essa súcia de letrados e iletrados, espertos e corruptos, carreiristas e punguistas (e até ex-terrorista!), quebra todas as regras sujas de se fazer política e é trucidado por ser tosco com as palavras? Por não ser politicamente correto? Por falar o que pensa, sem rodeios? Por corajosamente dar nome aos bois? Por enfrentar sem medo a mídia que o massacrou na campanha? E que continua massacrando um presidente legitimamente eleito?

Como deputado, estava no Congresso quando todos esses presidentes exerceram o poder roubando, ou aliciando partidos e deputados com ministérios, cargos e até dinheiro vivo, o Mensalão que o diga. O Petrolão também.

Mas ele nunca se deixou contaminar. Era uma voz isolada no Plenário e nas Comissões, e desprezado pelos colegas de tantas legislaturas, que nunca davam as assinaturas necessárias para que seus projetos andassem na Casa.

👎🏼Ou então seus projetos eram engavetados pelos presidentes da Câmara - e muitos deles foram processados e/ou foram ou estão presos, como Ibsen Pinheiro, Severino Cavalcanti, João Paulo Cunha, Michel Temer, Eduardo Cunha.

😱Ele sobreviveu incólume àquele antro!

Bolsonaro é uma total e absoluta exceção à regra de como se faz política no Brasil. Um alienígena completo. Que se elegeu sem partido importante, sem dinheiro, sem a mídia, sem as corporações, sem nada além de seu discurso conservador, que reverberou nas redes sociais por quem viu nele - com toda a razão - um político que iria fazer diferente de quem o antecedeu. E ele está fazendo.

👍Tem a sutileza de um rinoceronte? Sim. Tem a coragem dos loucos? Também sim. Tem os cacoetes das raposas da política? Definitivamente não. E ainda bem que não, dados os exemplos acima.

Ele não é, nem nunca foi um Rolls Royce. Está mais pra um tanque de guerra, daqueles que passam por qualquer terreno para abrir caminho para a infantaria, que vem atrás. E a infantaria somos nós.

Para Bolsonaro, todo mato é caminho. E ele vai (vamos) chegar lá. Não interessa se o homem é um tosco, ante o quanto é verdadeiro. E comprovadamente honesto.

😁O resto é choro de corruptos, mimimi de contrariados e o coro de mal informados pela mídia, que não engole o fato que um presidente se elegeu à sua revelia.

            Compactuo totalmente com o que foi escrito. Tudo está dentro da realidade do que vivemos e estamos vivendo hoje. O presidente tosco que estão querendo difamar, me representa e assim penso aos cidadãos de boas intenções, que desejam a paz e a justiça, de viverem numa sociedade sem o predomínio das iniquidades que tantos acadêmicos ou pessoas de boa lábia não puderam alcançar ou quiseram fazer.


Publicado por Sióstio de Lapa em 12/11/2019 às 00h10
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
11/11/2019 00h09
BATALHA ESPIRITUAL – CONFRONTO PRESIDENCIAL

            Após o ex-presidente Lula, preso por corrupção, ter sido liberado por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o país se agita e alguns textos são divulgados fazendo ligação com o fato e com o comportamento dos dois personagens emblemáticos da presidência e onde observamos um fundo espiritual.

            Texto sem autoria

Havia um burro amarrado a uma árvore, ai veio o demônio e o soltou.

O burro entrou na horta dos camponeses vizinhos e começou a comer tudo.

A mulher do camponês dono da horta, quando viu aquilo, pegou o rifle e disparou.

O dono do burro ouviu o disparo, saiu, viu o burro morto, ficou enraivecido, também pegou seu rifle e atirou contra a mulher do camponês.

Ao voltar para casa, o camponês encontrou a mulher morta e matou o dono do burro.

Os filhos do dono do burro, ao ver o pai morto, queimaram a fazenda do camponês.

O camponês, em represália, os matou.

Aí perguntaram ao demônio o que ele havia feito e ele respondeu:

– “Não fiz nada, só soltei o burro”.

Conclusão, Se você quiser destruir um país, Solte o Burro

QUANDO UM ANALFABETO CONSEGUE MANIPULAR MAGISTRADOS É SINAL DE QUE O PAÍS VIROU UM CURRAL...OS JUMENTOS TOMARAM O PODER!

            A orientação evangélica e que pelos frutos se conhecem a natureza da árvore. Se uma árvore traz os seus frutos de violência, agressividade, destruição... quem plantou essa árvore com frutos tão negativos? Entramos na seara espiritual.

            Vejamos o próximo texto, como um tipo de contraponto.

Orientação de nosso presidente, Jair Bolsonaro.

Todos os antibrasileiros, os partidos vermelhos, planejam realizar manifestações em todo o Brasil. A principal finalidade é a provocação, gerar o descrédito das autoridades e perturbar a ordem.

Vocês que são brasileiros do bem, não filmem os eventos, não repassem o que receberem, não encaminhem para ninguém. Apaguem a propaganda vermelha, force-os a fazerem propaganda para si mesmos.

Quebrem a rede de difusão do mal.

NÃO DISCUTAM. NÃO CRIEM ECO. IGNORE-OS NA REDE. NÃO FAÇA COMENTÁRIOS.

As redes sociais só funcionarão como uma mídia de divulgação para eles se assim o permitirmos. Trate-os como se não existissem. Eles só ganham força se tiverem contrapontos, discussões, divulgação e encaminhamento de mensagens. Não caia na armadilha de disseminar o ódio e quebre a corrente.

Para eles, Deus, o país, a família e os valores não têm nenhum sentido.

NÃO DÊ ECO!

Eles cairão por si só! Ignore-os!

Repassem essa mensagem em todas as suas redes sociais.

BRASIL ACIMA DE TUDO!

DEUS ACIMA DE TODOS!

Observamos uma convocação pacífica, para resistir ao mal sem as armas da violência que eles usam. É importante que os nossos irmãos de boas intenções mas que permanecem hipnotizados por essa avalanche do mal, consigam raciocinar no tipo de frutos que essas duas árvores estão produzindo e a partir daí procurem perceber quem são os seus semeadores espirituais.


Publicado por Sióstio de Lapa em 11/11/2019 às 00h09
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/11/2019 00h09
KALIL GIBRAN – O AMOR - I (02)

Continuação do pensamento da filósofa Lucia Helena sobre o escritor Kalil Gibran que contribuirá para a maturação de nossa consciência. Este texto inicia sua interpretação sobre as colocações do Gibran sobre o Amor.

            Quando o amor vos chamar, segui-o, embora os seus caminhos sejam árduos e íngremes. A figura foi muito apropriada, “seus caminhos são árduos e íngremes”, porque o amor classicamente é colocado como aquilo, é a busca daquilo que te falta para ser completo como ser humano, portanto, amar significa ser cada vez mais humano.

Platão tem uma frase muito famosa que ele diz o seguinte: a melhor coisa que você pode fazer pelas pessoas que ama, é crescer como ser humano, que só você pode garantir alguma coisa a elas. A melhor coisa não é ficar grudado, nem dar coisas materiais; é crescer como ser humano, assim você pode garantir alguma coisa a pessoa que ama.

Crescer é vertical, é íngreme, exige esforço, é árduo, algumas coisas têm que ser deixadas pra trás. Tem uma estátua de Marte, deus da guerra, com a deusa do amor, que pode parecer engraçado, amor junto com a guerra. Na prática dentro de nós é assim, uma guerra para poder deixar as coisas que atrapalham o amor para trás, quando necessário, e crescermos com liberdade.                       

O amor é resultado da derrota de certas debilidades, certos defeitos, e a conquista de territórios novos de capacidade e fraternidade, de compreensão, de profundidade. Percebemos que amor e guerra andam juntos, tem que ter sido vitorioso por alguma coisa para se elevar a um novo patamar de generosidade, de fraternidade, de entrega que nos permita evoluir verdadeiramente.

Então, algumas coisas vão ficando pra trás no caminho árduo, íngreme. Há gente acostumada a ver aquele cupido com aquela bochecha cor-de-rosa, e aquela flechinha ´´ó, que coisa doce´´ e de repente o Gibran trás pra gente o que é forte, exigente, duro. Ele praticamente te reconstrói. Não se estava esperando por isso, a gente estava esperando uma coisa doce e cândida. Bem, esse não é Gibran. Aquele coraçãozinho vermelho é um símbolo, lembrando que é da paixão e não do amor. A brincadeira que eu sempre faço com o desenho do coração porque sobe desce, sobe desce e começa tudo de novo, não é amor e sim paixão.

Então, esse amor que Gibran fala é duro é árduo e íngreme, muito de você  e ele vai continuar, ele assusta realmente aqueles que estão querendo viver o amor, e pra quem não está esperando esse tipo de definição: “e quando as suas asas vos envolverem, abraçai-o, embora a espada oculta sob as suas asas vos possa ferir”. Ou seja, o amor vai lapidar você, vai tirar tudo aquilo que sobra, ele vai lhe deixar cada vez mais leve, e Gibran o tempo todo vai estar falando sobre isso.

O amor o convida para esse voo ascensional, ele vai exigir de você que seja mais leve para poder voar junto com ele, portanto, algumas coisas você vai deixar para trás. É como se você imaginasse que estivesse subindo uma montanha com mochila bem pesada nas costas, ai eu digo pra vocês: “deixa esse travesseiro, esse... sei lá, essa coisa que você quer levar e não sobe de jeito nenhum”.

Observamos o pensamento de Gibran interpretado por Lucia Helena, que coloca pensamentos de outros autores para reforçar o que é dito. Percebemos uma forma mais dura, objetiva, de compreender o amor, como um instrumento para burilar a alma, de deixar coisas insignificantes ou negativistas para trás, para não atrapalhar ou impedir a nossa caminhada ascensional.


Publicado por Sióstio de Lapa em 10/11/2019 às 00h09
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
09/11/2019 14h22
AA – FORTALECIMENTO DOS GRUPOS

            O tema do Seminário da região nordeste de Alcoólicos Anônimos (AA) que acontece em 9 e 10-11-19, em Maceió-Al, trouxe como objetivo o “Fortalecimento dos grupos”. Muita gente reunida no Centro de Convenções e Exposições Ruth Cardoso, alcoólicos e seus familiares. Momento de estudos, debates e congraçamento.

            A irmandade de Alcoólicos Anônimos surgiu por inspiração divina, uma forma de controlar a doença do alcoolismo que grassava sobre a humanidade de forma perversa, galopante. A simples ideia da troca de experiências entre dois alcoólicos, foi suficiente para anular naquele momento a compulsão pelo uso de bebidas alcoólicas, levando o insight de que essa era uma forma eficiente de conter a doença.

            A partir daí aconteceu uma serie de procedimentos que formou a irmandade da maneira que ela existe hoje e cuja atuação básica se observa na sala de reunião, no grupo de alcoólicos anônimos que se reúnem regularmente para relatarem mutuamente suas experiências de um passado da doença alcoólica, fortalecendo a manutenção da sobriedade e acolhendo com fraternidade e esperança aquele alcoólico, que como eles vivem atormentados e escravizados pelo álcool.

            O grupo de Alcoólicos Anônimos se torna assim a estrutura básica da Irmandade, onde tudo acontece, onde tudo se harmoniza e decide, com a egrégora do Poder Superior que é formada em cada reunião.

            Portanto, o fortalecimento dos Grupos de Alcoólicos Anônimos deve ser uma preocupação sempre constante entre os membros, como forma de mantar saudável e operante a própria irmandade. A presença regular do membro de AA que se encontra em recuperação, como uma forma de gratidão, é o principal fator de fortalecimento da irmandade. Quando isso se torna esquecido a um ponto que ameaça a saúde da irmandade, um seminário que discute esse objetivo se torna necessário.

            Assim, discutir estratégias de reforçar no membro atuante e principalmente naquele que não frequenta as reuniões, a importância de sua contribuição, é o primeiro passo.  O segundo, seria como alcançar aquele alcoólico e seus familiares que se encontram vítimas da doença, sem conhecimento da irmandade e que também são doentes. Terceiro, mesmo tendo o conhecimento da doença, da existência de AA, mesmo assim não se sentem motivados para, nem ao menos conhecer o funcionamento de um grupo de AA.

            Estas são as linhas mestras, no meu entendimento, de como procurar formas de fortalecer a existência dos grupos, fortalecendo a filosofia da irmandade e atingindo de forma mais eficaz, os membros da sociedade que se encontram atingidos pela doença.


Publicado por Sióstio de Lapa em 09/11/2019 às 14h22
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
08/11/2019 07h00
DAR O QUE TEM (30)

Tomé estava em Caná da Galileia, em meditação, procurando buscar pela razão a essência espiritual dos elevados princípios ensinados pelo Mestre. Em uma tarde, sentiu a inspiração divina lhe comandando até as portas de um casebre. A intuição lhe sugeriu que deveria dar o que estivesse ao seu alcance, pois os sofredores sempre abrem os braços para todos que se propõem a consolá-los. Era uma família triste que perdera uma filha. Tomé, cientificado do caso, começou a dar ânimo aos familiares. “Por que chorais tanto reclamando de um fato comum? Não queirais impedir a vontade de Deus. Quando morremos aqui no corpo físico, nascemos em corpo espiritual, e a vida continua com mais amplitude.” As quatro pessoas que lamentavam a morte da moça calaram-se e escutaram com interesse a palavra do apóstolo. Fazia efeito extraordinário no coração dos parentes.

Tomé entrou na sala onde o corpo da moça estava, pôs a mão na cabeça da morta e pediu ao Senhor Todo Poderoso para que aquela alma pudesse abrir os olhos no mundo espiritual com a alegria de ter vivido na Terra. Quando o discípulo terminou a oração, ouviu nitidamente uma voz falar dentro de sua cabeça. “Meu Senhor! Deus te abençoe no trabalho de confortar as criaturas. Fizestes muito por essa gente que me acolheu por 30 anos e a quem muito devo. Estou livre deste fardo que vai ser entregue a terra, mas ficarei sempre com o amor por esses.”

Tomé ainda estava impressionado com o que acontecera, da voz em sua cabeça que se identificou como Maria Celeste e que depois os parentes confirmaram o nome. Ficou contrariado por não ter pedido ao espírito que falara em sua cabeça para se tornar visível, a fim de que ele, Tomé, desse aprovação do fato e sentisse a realidade da existência do espírito depois da morte. Esquecera. Que pena!

Estava em Betsaída em reunião rotineira com os colegas quando perguntou ao Mestre: “podes nos explicar sobre o Dar o Que Tem de modo a nos justificarmos com justiça perante os deveres que temos conosco mesmos e com a nossa família? Que queres dizer com isso, quando nos pede para darmos o que temos?

Jesus, leu na sua mente os fenômenos mais recentes ocorridos com ele, analisou os fatos e respondeu com segurança e carinho.

- Tomé! O usurário não é somente aquele que junta o ouro, os bens terrenos, mas muito mais, quem já começou a ser rico com Deus, na Sua ciência espiritual e na dinâmica do Seu amor. A sabedoria é qual um rio que se expressa por grande volume de águas e que necessita dessa água para ser útil à coletividade. Haverá de percorrer milhares de quilômetros, contornando todos tipos de obstáculos, ajudando sem cessar e encontrando nisso maior motivo de vida, até se integrar de onde procedeu, pois a alma tem as mesmas funções. A inteligência é muito mais expressiva, muito maior que todos os rios da Terra e  pode fazer benefícios maiores. Ela é uma fonte inesgotável e, quando educada nas hostes do amor, ela é Deus mais presente, consolando e instruindo os mais necessitados de tais bênçãos do Criador. É bom que compreendas, meu filho, que “Dar o Que Tem”, no trabalho que vamos fazer entre os seres humanos, está sujeito às perseguições, aos ataques, às calúnias. Serve de instrumento sem nem de leve apresentar exigências, que aparecem nas ideias disfarçadas, de modo que até os escolhidos são enganados por suas vestes. Faz o bem pelo prazer de fazê-lo. Se ainda não podes executar essa linha do amor, faz o que podes fazer, mas nunca te esquecendo de pensar e fazer com que a tua conduta se encaminhe para a perfeição.

‘Tomé! Já pensaste se alguma coisa pudesse interromper o caminho dos rios? As águas, ao invés de beneficiarem muitas aldeias pelo trajeto, onde residem e trabalham milhares de famílias, com sua ausência tornariam a lavoura impraticável, acabariam os animais, as pastagens, enfim, toda a vida da comunidade. Represar egoisticamente o que se tem para dar, é morrer. Pois é isso que acontece com a alma que tem para dar e se faz esquecida pelo amor próprio, pela ganância de viver sozinha. Fizeste muito bem quando entraste naquela casa onde a maior preocupação era a dor, o sofrimento. Procuraste dar consolo que muito agradou. Foi um gesto do coração. No entanto, desvalorizaste muito a tua dádiva, ao ficares contrariado pela não aparição do anjo que deixava aquele ninho familiar. Esquecestes de que já estavas recebendo testemunho que ultrapassa os limites do existir. A tua dúvida é como fogo que queima as tuas próprias vestes, embriaga a tua mente, de tal forma que não agradeces a cama onde dormiste, nem dá graças a Deus pela água que bebestes todos os dias.

‘Tomé! Volta àqueles que ficaram sofrendo pela ausência do familiar que partiu e repara, com todo desprendimento, o que fizeste no silêncio e o que te pede o dever. Já tiveste, Tomé, muitos testemunhos e havereis de ter mais ainda, mas provavelmente a tua exigência vai continuar na sequencia do tempo, porque a dúvida no ser humano, é uma espécie de enfermidade da alma, que somente os milênios tem o poder de curar. Não basta ver para crer, é preciso, acima de tudo, conhecer a verdade, sentindo-a e amando-a. É muito lindo contemplar a vida no além, desde que a espontaneidade seja a força dessa presença. É sempre justo que peçamos ao Senhor que faça a vontade d’Ele e não a nossa, ou que esperemos por Ele, que sabe mais do que todos nós juntos: o que devemos suportar e que caminhos devemos percorrer.

Tomé, quanta coisa bela falaste aquela família. Foste inspirado pelo anjo familiar. A tua presença naquela casa não foi obra do acaso, como queiras talvez pensar. Alguém te levou. Foi a própria morta que, livre do fardo físico, encontrou em ti melhores condições para servir aos que ficaram. Não sejas qual o agricultou descuidado que lança a semente no solo e esquece de cuidá-la, deixando que os pássaros, percebendo a falta de vigilância, desenterrem e comam a semente. Quando puderes, junta-te aos que sofrem e lanças a semente da imortalidade, do perdão, da caridade e do amor, da crença em Deus.

‘Porém, não deixes de cuidar dessas sementes de luz, para que cada criatura que ajudares se torne uma estrela nos céus de Deus. E o mais importante é que cuides dessas sementes de luz em ti mesmo, pra que não venhas a duvidar daquilo que falas com os outros nem a desacreditar, pelo exemplo, do que dispões a ensinar por palavras. Dar o que tens para dar, Tomé, não tira o teu dever contigo mesmo e com os teus. Amplia mais ainda esse teu trabalho. Escuta bem essa verdade: bem-aventurado aquele que tem para dar com abundância. Se a inteligência e o coração são rios espirituais que encontram na sua frente o imenso campo humano para servir, faz a tua luz clarearem as trevas, pois a paz maior será a tua. Quem trabalha por amor carrega consigo a paz da consciência e paz universal. Não esqueças de alimentar teu coração com a fé, pois ela é a alavanca capaz de remover o mundo das imperfeiçoes. Estou na Terra para dar o que tenho para dar, de mim e da parte do Nosso Pai Celestial. É muito bom que aprendais a receber. As vossas intenções são nobres, mas não bastam só boas intenções no campo de aprendizado em que estais. As condições em que vos encontrais requerem algo mais, é executar o que pensais e o que falais aos outros daquilo que ouviste de mim. Dar o que tem para dar, não se refere somente aos bens terrenos. Uma palavra na hora certa, nascida do coração, pode valer muito mais que toneladas de ouro. A fortuna que tens na consciência, quanto mais dá, mais se multiplica.


Publicado por Sióstio de Lapa em 08/11/2019 às 07h00
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 574 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr