Meu Diário
21/10/2018 11h21
NARRATIVAS

            As narrativas são construídas por cada pessoa usando os argumentos que recebem de outras pessoas com base nos acontecimentos, vistos ou informados. A verdade e a mentira podem estar presentes numa mesma narrativa, e dependendo do narrador, das suas convicções, das informações que recebe e dos fatos testemunhados, a narrativa que ele constrói pode ter majoritariamente a verdade ou a mentira.

            Vivemos um momento importante no nosso País, onde surge uma personalidade política que se tornou porta voz da maioria da nação e sobre ele passam a surgir diversas narrativas de tons diferentes, uns puxados majoritariamente para a mentira e outros para a verdade. Interessante que tanto de um lado como do outro, os que querem destruir ou construir a personalidade do candidato, podem usar a mentira e a verdade. Isso é verdade, mas por outro lado, podemos constatar que um dos lados usa majoritariamente a mentira e com isso já conseguiu permanecer no poder por 13 anos e influenciar a mente de milhões de pessoas.

            O fato incontestável de que a gerência política dos partidos de esquerda no Brasil foi nefasta e criminosa, é ver o quanto de seus integrantes foram julgados e condenados, principalmente o seu líder, hábil mentiroso que chegar a se gabar das mentiras que diz; é ver o quanto de nosso capital financeiro fluiu para países de mesmo conteúdo ideológico com a anuência de quantos tinham responsabilidade de brecar essa sangria e não fizeram, por receberem propinas caracterizadas no escândalo do mensalão; é ver empresas importantes, ícones da nacionalidade, como a Petrobrás, serem destruídas no seu patrimônio, moral, e respeitabilidade frente ao mundo; é ver os pobres e doutores serem usados como massa de manobra por receberem benefícios que mitigam a fome de alimentos ou a sede de poder.

            Jair Bolsonaro, um deputado federal sem tanta influência, mas que era uma voz que sempre se manifestou sozinha no Congresso Nacional, como uma voz que bradava no deserto contra as iniquidades que ele via acontecendo, que evitava se contaminar por elas e acusava os seus autores com veemência, como acontecia com João Batista, nas suas falas enquanto batizava no Rio Jordão, terminou sendo reconhecido por isso.

            Enfim, o povo brasileiro, sofrido na ignorância e escravizado pela carga de impostos, revoltou-se quando a justiça começou a apontar os roubos escandalosos na forma de corrupção em todos os níveis e encheram as ruas das principais cidades do país pedindo uma saída dessa situação, que culminou com o impeachment da Presidente. As mentiras continuaram forjando narrativas falsas como a existência de um “golpe” no país que repetiam maquinalmente em todos os círculos, onde existiam pessoas associadas a essa verdadeira quadrilha que assolava o País, como bem identificou o Ministério Público.

            Hoje, com a quase certa vitória do obscuro deputado, que dava voz a nossa voz, as narrativas destrutivas contra a sua personalidade são vistas em demasia. É importante que nós, capazes também de construir nossas próprias narrativas, sem obrigatoriamente ter que seguir a narrativa de qualquer pessoa ou grupo, sejamos capazes de, honesta e de livre pensar, definir a relação desse personagem com o passado, quais as circunstâncias que motivaram o seu posicionamento, com o intuito de destacar sua importância para o presente.

            Seguir as narrativas, positivas ou negativas, sem se dar a esse trabalho crítico em busca da coerência e a da verdade, minimiza nossa condição humana e nos nivela a meros papagaios, marias vai-com-as-outras.


Publicado por Sióstio de Lapa em 21/10/2018 às 11h21
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
20/10/2018 02h17
DIA DO POETA

            CAMINHOS

Tenho a alma coberta pelo amor

De cores diáfanas, luminosas

Que me fazem navegar por essas terras

Tão cheias de perigos, de mentiras

 

Cada um que de mim se aproxima

É um porto onde ancoro a minha alma

É uma alma que da minha compartilha

É um caminho que o Pai abre pra mim

 

Assim eu vou pelos caminhos desta vida

Tantos amando, mas por poucos sendo amado

Tanto doando, mas de poucos recebendo

Tanto ensinando, mas por poucos entendido

 

Mas o Mestre já me disse que é assim

Que os meus atos de amor que distribuo

São sementes que eu planto nos caminhos

Mas nem todos são tão férteis quanto espero

 

Nessa estrada tão estreita e espinhosa

De semear tanto amor quanto eu possa

Pelos caminhos que surgem a cada dia

Sinto a dor da prepotência, ingratidão

 

Nem sabem eles que recebem tais sementes

Que nelas tem o meu sangue, o meu suor

Que estou doando neles minha vida

Temperadas com a Graça do meu Pai

 

Agora o tempo vai pintando meus cabelos

Minha pele se encolhe com o frio da idade

Minha força lentamente se esvai

Meu coração cada vez fica mais frágil

 

Agora eu vejo com os olhos da minh’alma

Agora eu rego as sementes com as lágrimas

Agora eu sinto tua dor mais que a minha

Agora eu sei ser mais o Mestre que aluno

 

Vejo á frente do caminho onde sigo

Uma luz que cada vez fica mais forte

Uma força que me atrai com compaixão

Sinto que enfim, vou encontrar quem tanto amo


Publicado por Sióstio de Lapa em 20/10/2018 às 02h17
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
19/10/2018 22h23
EDITORIAL DO ESTADÃO

            Circula hoje nas redes sociais o editorial do jornal “O Estado de São Paulo” e achei interessante colocar aqui para raciocinar junto com meus leitores sobre o que acontece no cume da nossa política nacional.

            Consciente de que será difícil reverter a vantagem de Jair Bolsonaro (PSL), o PT decidiu fazer campanha para deslegitimar a eventual vitória do oponente, qualificando-a como fraudulenta. É uma especialidade lulopetista.

            A ofensiva da tigrada está assentada na acusação segundo a qual a candidatura de Bolsonaro está sendo impulsionada nas redes sociais por organizações que atuam no “subterrâneo da internet”, segundo denúncia feita anteontem na tribuna do Senado pela presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, que lançou o seu J’accuse de fancaria.

            “Eu acuso o senhor (Bolsonaro) de patrocinar fraude nas eleições brasileiras. O senhor é responsável por fraudar esse processo eleitoral manipulando e produzindo mentiras veiculadas no submundo da internet através de esquemas de WhatsApp pagos de fora deste país”, afirmou Gleisi, que acrescentou: “O senhor está recebendo recursos ilegais, patrocínio estrangeiro ilegal, e terá que responder por isso. (...) Quer ser presidente do Brasil através desse tipo de prática, senhor deputado Jair Bolsonaro?”

            Como tudo o que vem do PT, nada disso é casual. A narrativa da “fraude eleitoral” se junta ao esforço petista para que o partido apresente ao eleitorado – e, mais do que isso, à História – como o único que defendeu a democracia e resistiu à escalada autoritária supostamente representada pela possível eleição de Bolsonaro.

            Esse “plano B” foi lançado a partir do momento em que ficou claro que a patranha lulopetista da tal “frente democrática” contra Bolsonaro não enganou ninguém. Afinal, como é que uma frente política pode ser democrática tendo à testa o PT, partido que pretendia eternizar-se no poder por meio da corrupção e da demagogia? Como é que os petistas imaginavam ser possível atrair apoio de outros partidos uma vez que o PT jamais aceitou alianças nas quais Lula da Silva não ditasse os termos, submetendo os parceiros às pretensões hegemônicas do demiurgo que hoje cumpre pena em Curitiba por corrupção?

            Assim, a própria ideia de formação de uma “frente democrática” é, em si, uma farsa lulopetista, destinada a dar ao partido a imagem de vanguarda da luta pela liberdade contra a “ditadura” – nada mais, nada menos – de Jair Bolsonaro. Tudo isso para tentar fazer os eleitores esquecerem que o PT foi o principal responsável pela brutal crise política, econômica e moral que o País ora atravessa – e da qual, nunca é demais dizer, a candidatura Bolsonaro é um dos frutos. Como os eleitores não esqueceram, conforme atestam as pesquisas de intenção de voto que expressam o profundo antipetismo por trás do apoio a Bolsonaro, o PT deflagrou as denúncias de fraude contra o adversário.

            O preposto de Lula da Silva na campanha, o candidato Fernando Haddad, chegou até mesmo a mencionar a hipótese de “impugnação” da chapa de Bolsonaro por, segundo ele, promover “essa campanha de difamação tentando fraudar a eleição”. Mais uma vez, o PT pretende manter o País refém de suas manobras ao lançar dúvidas sobre o processo eleitoral, assim como já havia feito quando testou os limites legais e a paciência do eleitorado ao sustentar a candidatura de Lula da Silva. É bom lembrar que, até bem pouco tempo atrás, o partido denunciava, inclusive no exterior, que “eleição sem Lula é fraude”.

            Tudo isso reafirma, como se ainda fosse necessário, a natureza profundamente autoritária de um partido que não admite oposição, pois se julga dono da verdade e exclusivo intérprete das demandas populares. O clima eleitoral já não é dos melhores, e o PT ainda quer aprofundar essa atmosfera de rancor e medo ao lançar dúvidas sobre a lisura do pleito e da possível vitória do seu oponente.

            Nenhuma surpresa: afinal, o PT sempre se fortaleceu na discórdia, sem jamais reconhecer a legitimidade dos oponentes – prepotência que se manifesta agora na presunção de que milhões de eleitores incautos só votaram no adversário do PT porque, ora vejam, foram manipulados fraudulentamente pelo “subterrâneo da internet”.

            O editorial traduz com perfeição a inteligência do eleitor que não tem compromissos escusos e viu o descalabro da administração petista dos últimos anos. Eles podem ser hábeis em escamotear a verdade, construindo falsas narrativas, mas felizmente a verdade surgiu de forma suficiente para derreter máscaras e falsas peles de lobo.

 


Publicado por Sióstio de Lapa em 19/10/2018 às 22h23
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
18/10/2018 07h54
QUENTE, FRIO OU MORNO?

            No Apocalipse vamos encontrar o seguinte: “Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo de minha boca. (3:15-16)

            Isto significa que a pessoa estar em cima do muro, não significa estar caminhando entre dois caminhos, para Deus isso não existe. Ou você se dá 100% para Ele, ou você não dá nada. Muitas pessoas entregam só uma parte de suas vidas para Deus, ou até mesmo ficam em cima do muro, em situações que não sabem o que fazer. Muitos cristãos vivem em cima do muro pelo fato de, irem a igreja, ao templo, ao centro, louvarem a Deus, mas no cotidiano, durante a semana, são pessoas diferentes. Isso é hipocrisia, e Deus não gosta desse tipo de pessoa.

            Nesse caso, o frio representa o lado do diabo, e o quente, o lado do anjo. E o morno? O morno é o muro. E Deus despreza tanto esse tipo de pessoa que diz que está prestes a vomitá-la.

            Uma coisa que temos que ter cuidado é com as influências políticas. Imaginemos um amigo nosso (não cristão), do outro lado do muro. Ai criamos intimidade com ele, começamos a conversar, e querer saber o que ele pensa. Quando de repente ficamos em cima do muro, vendo o que esse amigo pensa do outro lado. Aí ficamos na dúvida, se acompanhamos ele ou voltamos para o nosso lado do muro. Quando menos esperamos, esse amigo nos puxa para o outro lado do muro, e você fica totalmente do lado errado, o lado das iniquidades.

            Qual o problema de ser morno?

            Deus não gosta tanto de pessoas mornas como frias. O fato de Deus desprezar mais pessoas mornas, como está escrito na “Palavra de Deus” é por isso representar o caráter da pessoa. Uma pessoa hipócrita, com vida dupla, que não sabe o que quer! Tanto para Deus quanto para a sociedade, esse não é o melhor tipo de pessoa. A pessoa morna é aquela que um dia já foi quente e acabou se esfriando; melhor ser fria e ir se esquentando, pois pode chegar ao quente total.

            Uma pessoa morna é aquela que já se acostumou com a mensagem, não aceita correção, acha que sabe tudo, não se surpreende com as coisas de Deus... é aquele cristão que quer servir a Deus, mas não quer abandonar os prazeres mundanos, as recompensas iníquas. “Vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus” (Tiago 4:4)

            Como saber se somos um cristão morno? Quando não sente vontade de ir para a igreja, orar, ler a palavra, quando não sente o poder de Deus em suas em suas intuições e ações, quando se deixa dominar por narrativas dos mentirosos sem capacidade de usar a inteligência para ver a coerência dos fatos, quando fica absorvido pelos prazeres e recompensas do mundano. Bem que este pode ser um momento de passagem, afinal tudo está em transformação, tudo muda. O perigo é que estejamos mudando para o lado frio, para o lado das iniquidades, somente porque meus interesses materiais não podem ser contrariados. Este é o risco que o cristão corre, quando já está dentro da igreja, de ser cooptado pelo mal, pelas facilidades que existe em obter um prazer, um poder que não é lícito, como padres que abusam de crianças, como pastores que são grandes corruptos.

            Quando uma pessoa fica muito tempo em um lugar frio ela pode sofrer hipotermia, passando por um congelamento lento, que provoca sono e depois mata a pessoa congelada. Com Deus é assim! Se nós sentimos frios espiritualmente, devemos pedir para Deus aquecer nosso coração novamente, com o fogo do Espírito Santo.

            Diferença do cristão morno, frio e quente. O quente é aquele cheio da presença de  

Deus em sua vida, enquanto o frio, não se alegra com as coisas de Deus. O morno, por sua vez, já foi alegre, mas vive na indecisão.

            A temperatura do corpo pode ser medida com um termômetro; a temperatura espiritual é medida pelas nossas atitudes.        

            Não dá para servir a dois senhores! Não dá para servir 99% a Deus e 1% ao mundo! Deus é luz, e não há nEle trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com Ele e andarmos em trevas, mentimos e não praticamos a verdade.

            Uma das principais coisas para se manter quente é obedecer a Deus! Mesmo não entendendo seus planos, suas vontades, sabemos que a vontade dEle é melhor do que a nossa. Não podemos orar dizendo “Senhor, meu Deus”, se realmente não o tratamos como nosso Senhor, obedecendo-O. E a obediência tem que ser 100%, até quando você não gosta do que Ele ordena, ou quando você não entende.

            Demorar a obedecer é o mesmo que desobedecer.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 18/10/2018 às 07h54
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
17/10/2018 23h59
PALAVRA AMIGA

            Caminhando hoje pelo centro da cidade, Cidade Alta, encontrei um amigo, Vice-Presidente da Associação Cristã de Moradores e Amigos da Praia do Meio, com diversos exemplares do Jornal Show da Fé, “O Jornal da Palavra de Deus”, da Igreja Internacional da Graça de Deus, capitaneada pelo Missionário R.R.Soares e que tem uma coluna com o título “Palavra Amiga”, onde responde questionamento dos fiéis. Recebi um desses exemplares que ele me entregou (ano 13, nº 253, outubro de 2018).

            Como sempre procuro caminhar sintonizado com Deus, procurei logo saber o que Ele queria me dizer dentro desse jornal, já que tenho grande preocupação neste momento político de não usar a Verdade na qual acredito como forma de não ferir a sensibilidade de quem já cristalizou outra forma de pensamento, quem acredita em outras narrativas. Ao folhear o jornal, entre tantos milagres informados, encontrei a coluna que dá título a este artigo, e na última pergunta feita pela fiel Frida Barros, encontrei o seguinte:

            - Pergunta - Quando mentimos para não piorar uma situação complicada, estamos pecando também?

            - Resposta – Sem dúvida! O Senhor Jesus foi categórico ao afirmar que seus seguidores devem ser totalmente confiáveis, de sorte que a palavra deles deve ser sim, sim; não, não. Ele acrescentou: o que passa disso é de procedência maligna (Mateus, 5:37). No Evangelho de João, o Mestre revela que o Diabo é o pai da mentira (8:44), e isso nos leva a concluir que, de modo algum, um filho de Deus poderia agir como agem os filhos do inimigo, até porque o destino dos mentirosos é a condenação eterna no inferno (Apocalipse 21:8). Note que essa passagem fala de todos os mentirosos, e não só dos mentirosos contumazes ou maldosos. Essa história de “situação complicada” é meramente uma desculpa para quem não quer se comprometer de algum modo, mas a palavra é extremamente clara ao informar que precisamos ser verdadeiros sempre (Tiago, 5:12).

            Esta mensagem foi um reforço àquilo que acredito e procuro praticar: falar a verdade, mesmo que em alguns posicionamentos políticos posso estar errado pela infinidade de mentiras que são usadas, por todos os lados, e principalmente por aqueles mais associados ao mal. Porém, a verificação de quem mais está associado ao mal, que usa a mentira mais frequentemente, que provoca atos criminosos dentro de suas responsabilidades públicas, que negam os crimes mesmo a justiça tendo identificado e punido, que chegam ao cúmulo de dá sinais de júbilo pelas iniquidades que praticam. Nós, cristãos, que vemos e sabemos de pessoas com esse tipo de comportamento, deveremos nos precaver de narrativas que eles constroem, pois certamente está impregnada pela mentira. Alguns cristãos colocam o argumento, de aceitarem as narrativas dos mentirosos contumazes, por todos os políticos serem “farinha do mesmo saco”. Na minha compreensão, não podemos generalizar dessa forma, porque somente irá beneficiar os mentirosos encastelados no poder, pois nenhuma voz contrária poderá os alcançar, pois todas as vozes de oposição estariam niveladas com eles.  

            Não irei ficar rebatendo em grupos onde muitas pessoas tem opinião diferente. Nos grupos nos quais participo todos conhecem minha posição política e os argumentos como este que eu coloco, que constrói a minha narrativa. Se a pessoa usa a consciência, livre do efeito que qualquer tipo de benefícios possa causar no seu julgamento, e considera que outra narrativa é mais coerente com a Verdade, com os ensinamentos de Jesus e com a vontade de Deus, deve respeitar a sua inteligência e permanecer com ela.

Porém, é responsabilidade de quem usa a inteligência, ser coerente com os fatos e com o comportamento que expressa, verificar que somente a Deus sua consciência irá prestar contas, a qualquer momento e não somente no Juízo Final.


Publicado por Sióstio de Lapa em 17/10/2018 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 497 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr