Meu Diário
15/12/2018 01h01
AMOR... FILHO BASTARDO

               Como acreditar num sentimento que anula o que sentimos em favor de quem se ama? Como deixar de lado os meus interesses para priorizar os interesses de quem amo? Um sentimento como esse não pode ser benéfico para quem o possui, acreditava eu, fortemente nisso. Por isso evitava o amor, esse sentimento tão elogiado, e para mim tão... pernicioso!

               Mas, eu não sabia que jamais conseguiria evitar o amor, pois minha constituição biológica e psicológica estava pronta para germiná-lo e espalha-lo por onde eu andasse, com quem meu coração sintonizasse, independente das minhas razões.

               Foi assim que eu te vi, amada, e sem querer me apaixonei. Não consegui evitar, muito menos procurar raciocinar; quando dei por mim o fogo da paixão já me consumia. A minha mente não cansava de construir pensamentos de fulgor romântico, já que era proibido eu me aproximar afetivamente de pessoa tão distante socialmente de mim.

               Agora, não penso mais em mim, e somente nela... os meus sonhos não viajam mais pelo infinito perscrutando a beleza das galáxias, mas ao redor da silhueta do seu corpo e na adrenalina das suas curvas; meu olfato não procura mais captar o perfume melífluo das flores, e sim o aroma inebriante da sua presença; meu coração bate mais rápido na sua presença como se quisesse raptá-la como houvera já acontecido com as sabinas, e quase fica parado no vácuo de sua ausência.

               Quando a noite chega eu procuro confundi-la com meu travesseiro, e se a luz do sol me acorda, evito abrir os olhos e acabar com a minha ilusão.

               Assim vivo eu, mergulhado num amor que se diverte comigo, se travestindo em paixão. Minha alma se tornou prisioneira dessa cadeia de sentimentos; não sei se prevalece o prazer de imaginá-la em meus braços ou o sofrimento de vê-la abraçada com outro, esquecida da minha existência. O amor diz para eu sentir o prazer dela ser feliz onde está, a paixão diz que eu sou torturado por ela jamais poder ficar comigo... cada pensamento que constata essa realidade é um açoite no coração.

               O tempo passa, pinta de neve os meus cabelos que ainda restam, e a fome de amar quem tanto amo rivaliza com a sede de beijar o oásis desses lábios que de tão longe se tornaram uma miragem sempre perto...

               Vai, meu sentimento de amor, filho bastardo do meu coração... vai, para nunca mais voltar... vai, antes que eu perceba que tu indo vão contigo os meus sonhos, felicidade, ventura... vai, enfim, a minha vida!


Publicado por Sióstio de Lapa em 15/12/2018 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
14/12/2018 01h01
O MÉDIUM FALIDO

               Encontrei um texto com o título acima, assinado por José Maria Alencastro, que aborda a falência daquelas pessoas que possuem o dom de comunicação com o mundo espiritual, que devem ter um compromisso maior com a espiritualidade superior e que, no entanto, desviam da porta estreita por onde devem caminhar. Vejamos o que diz o texto para nossas reflexões:

O MÉDIUM FALIDO

               Muitos leitores perguntaram sobre o caso envolvendo acusações contra o médium João de Deus. As investigações apontarão o que há de verdade nesse caso. Caso seja verdade, infelizmente, não será o primeiro e nem o último caso. Muitos médiuns que trabalharam com o Dr. Fritz e outros espíritos, faliram espiritualmente pelos mais diversos motivos: busca por poder político, deslumbre com a mídia entre outros problemas que colocaram a espiritualidade em segundo plano.

               Sabemos que os médiuns são humanos e falhos e na sua grande maioria longe de serem os missionários que muitos espíritas e espiritualistas acreditam. Mas há uma diferença entre aqueles que entre erros e acertos buscam vencer as más inclinações, entre aqueles que se entregam ao equívoco com a desculpa de pecadores convictos. Pecadores ou falíveis todos somos, mas há que se lutar para não jogar fora todo um compromisso mediúnico por conta de questões menores,

               Quando o médium de cura começa a atender cada paciente em 15 ou 30 segundos ou ainda cobra de quase todos um “remédio” padronizado como essencial a cura “espiritual”, quando o médium começa a priorizar o atendimento de pessoas mais ricas ou socialmente poderosas, quando começa a fingir possuir determinadas mediunidades mais “vistosas” como a incorporação inconsciente mesmo claramente se observando que se trata de mediunidade 100% consciente mistificada de inconsciente, quando o médium preocupado com questões financeiras se obriga a lançar 4 ou 5 livros por ano (muitas vezes de qualidade literária duvidosa) para garantir a manutenção da empresa que criou, quando o médium começa a cobrar altos valores por cursos e eventos (mais preocupado com a aparência exterior da estrutura do que com o número maior de estudantes que poderia atrair), quando o médium se torna uma máquina comercial na qual estudos e ensinamentos todos envolvem alguma espécie de cobrança financeira e praticamente nada é gratuito, então definitivamente temos um médium falido. Quando se usa a mediunidade ou determinado poder, conhecimento ou fama advindas da mediunidade para matar, roubar, estuprar ou qualquer coisa do gênero, pior ainda.

               Que cada médium possa se erguer caso esteja enveredando por um desses caminhos e que as pessoas que buscam auxílio ou conhecimento espiritual tenham um olhar mais racional sobre os médiuns e os resultados que estes produzem, evitando fanatismos e defesas cegas. Infelizmente muitos usam de palavras doces para iludir e desejam arrogar um poder que verdadeiramente não possuem, por isso muita atenção e razão antes de acreditar totalmente em algum médium e naquilo que ele diz ser capaz de fazer, pois são as ações, tanto para o bem como para o mal é que mostrarão a verdadeira índole e a verdade capacidade mediúnica do médium. 

               Nos 15 anos de reuniões do Dr. Fritz que acompanhei, quando ele incorporava no meu pai, pude presenciar, infelizmente, muitos médiuns falindo na trajetória. Começavam com um belo trabalho, mas depois de 10, 20 anos sucumbiam e na maioria delas em definitivo. Por isso também alerto: tempo de mediunato não representa imunidade contra a queda e falência espiritual.

               Que cada um tenha essa consciência, pois em um mundo provacional como o nosso, atualmente a Espiritualidade Superior precisa não apenas lidar com as limitações mediúnicas e morais da maioria dos médiuns (que volto a dizer, em sua maioria não são missionários) como também precisar lidar com o constante assédio das trevas interessada em manipular os médiuns, tanto pela falência na difusão do conhecimento da vida espiritual, como também retirar do campo de combates possível soldados que poderiam trabalhar pelos ideais do Cristo em benefício de muitas pessoas.

               Mais razão e observação meus amigos, são os melhores remédios para evitar a manipulação da fé.

                                                                             José Maria Alencastro

               Um texto bem apropriado para refletirmos sobre nossa condição de médiuns, que todos nós somos. Aquela virtude que possuímos em grau maior, que pode trazer benefícios ao próximo, devemos saber lidar com muito cuidado, para que não se torne uma ferramenta do egoísmo e do sofrimento de quem deveríamos ajudar. Quanto mais ostensiva a nossa mediunidade, mais esse compromisso com a espiritualidade superior deve ser observado, para não sairmos das fileiras do Cristo e terminarmos como soldados de outros senhores.


Publicado por Sióstio de Lapa em 14/12/2018 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
13/12/2018 01h01
PREGAÇÃO NAS DOBRAS DO TEMPO

               Minha mente, curiosa pelos ensinamentos do Mestre Jesus, emaranhou-se nas dobras do tempo. Como a minha vibração procurava sintonizar com as vibrações vindas do Mestre, terminei ouvindo o que Ele dizia em Sua despedida da Terra, do alto de um monte, no lusco-fusco do crepúsculo, assistido por aqueles que, como eu, ansiavam por ouvir a Sua voz, mesmo que não fosse pelos ouvidos, mas que ecoassem nas câmaras do coração. Senti Sua auréola divina atingir os meus sentidos, meus joelhos dobraram em resignada submissão enquanto os olhos úmidos interpretavam o que a mente registrava...

               Amados, é tempo de retornar à vida na proximidade com meu Pai, na intimidade do Seu Reino. Enviei meus discípulos mais próximos como ovelhas ao meio dos lobos, e recomendo a todos vocês, que agora me ouvem aqui e através dos séculos, que lhes sigais os passos no caminho escabroso. Depois deles, é a vós que confio a tarefa sublime da redenção pelas verdades do Evangelho. Eles serão os semeadores, vós sereis o fermento divino. Considero-vos os primeiros trabalhadores, os herdeiros iniciais dos bens divinos. Para entrardes na posse desse tesouro celestial, muita vez experimentareis o martírio da cruz e o fel da ingratidão. Em conflito permanente com o mundo, estareis na Terra, fora de suas leis implacáveis e egoísticas, até que as bases do meu Reino de concórdia e justiça se estabeleçam no espírito das criaturas. Negai-vos a vós mesmos, como neguei a minha própria vontade na execução dos desígnios de Deus, e tomai a vossa cruz para seguir-me.

               Séculos de luta vos esperam na estrada universal. É preciso imunizar o coração contra todos os enganos da vida transitória, para a soberana grandeza da vida imortal. Vossas estradas estarão repletas de fantasmas de aniquilamento e de visões de morte. O mundo inteiro se levantará contra vós, em obediência espantosa às forças tenebrosas do mal, que ainda dominam as fronteiras. Sereis escarnecidos e aparentemente desamparados; a dor vos assolará as esperanças mais caras; andareis esquecidos na Terra, em supremo abandono do coração. Não participareis do venenoso banquete das posses materiais, sofrereis a perseguição e o terror, tereis o coração coberto de cicatrizes e de ultrajes. A chaga é o vosso sinal; a coroa de espinhos o vosso símbolo; a cruz, o recurso ditoso da redenção. Vossa voz será a do deserto, provocando, muitas vezes, o escárnio e a negação da parte dos que dominam na carne perecível.

               Porém, no desenrolar das batalhas, sem sangue, do coração, quando todos os horizontes estiverem abafados pelas sombras da crueldade, dar-vos-ei da minha paz, que representa a água viva. Na existência ou na morte do corpo, estareis unidos ao meu reino. O mundo vos cobrirá de golpes terríveis e destruidores, mas, de cada uma de vossas feridas, retirarei o trigo luminoso para os celeiros infinitos da graça, destinados ao sustento das mais ínfimas criaturas!... Até que o meu reino se estabeleça na Terra, não conhecereis o amor no mundo; eu, no entanto, encherei a vossa solidão com a minha assistência incessante. Gozarei em vós, como gozareis em mim, o júbilo celeste da execução fiel dos desígnios de Deus. Quando tombardes, sob as arremetidas dos homens ainda pobres e infelizes, eu vos levantarei no silêncio do caminho, com as minhas mãos dedicadas ao vosso bem. Sereis união onde houver separatividade, sacrifício onde existir o falso gozo, claridade onde campearem as trevas, porto amigo, edificado na rocha da fé viva, onde pairarem as sombras da desolação. Sereis meu refúgio nas igrejas mais estranhas da Terra, minha esperança entre as loucuras humanas, minha verdade onde se perturbe a ciência incompleta do mundo!...

               Amados, eis que também vos envio como ovelhas aos caminhos obscuros e ásperos. Entretanto, nada temais! Sede fieis ao meu coração, como vos sou fiel, e o bom ânimo representará a vossa estrela! Ide ao mundo, onde teremos de vencer o mal! Aperfeiçoemos a nossa escola milenária, para aí seja interpretada e posta em prática a lei de amor do nosso Pai, em obediência feliz à vossa vontade augusta!

               Senti o peso da responsabilidade, da voz do Mestre através dos séculos, como se fosse hoje, como se o homem rude do campo fosse hoje, eu, o homem letrado da cidade. Senti o peso da cruz sobre meus ombros, o caminho estreito a seguir, a perversidade dos apupos, da hipocrisia... Senti a solidão do amanhã como se hoje fosse, mas a promessa do Mestre, a esperança e a ventura que brotavam dEle, me fez balbuciar...

               - Sim, Mestre, eis-me aqui!


Publicado por Sióstio de Lapa em 13/12/2018 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
12/12/2018 01h01
REFLEXÕES EM GRUPO DE AA 09-12-18 - FARÓIS

               Vamos verificar a condição espiritual que estamos dentro dela há muito tempo, que é a Batalha Espiritual entre a humanidade e as forças das trevas. Deus, querendo que essa Batalha fosse encaminhada ao nosso favor e não para o lado dos demônios, mandou a Luz para a Terra, para nos iluminar, na forma de Jesus, o seu filho mais aperfeiçoado. Mas desde a Sua vinda, não faltou atribulações ao Seu redor. Foi nascer em Belém num dia que a cidade estava lotada, não conseguia os seus pais um lugar para ficar, com muito esforço foi cedido uma estrebaria. Nasceu entre os animais e logo teve que fugir para o Egito para se salvar do massacre das crianças promovido por Herodes. Depois que voltou para a Galiléia aprendeu o ofício do pai e o ajudava até completar os 30 anos, quando sentiu que devia cumprir sua missão. Foi até o Jordão onde João Batista profetizava para ser batizado por ele e logo em seguida foi para o deserto onde ficou 40 dias sendo provado a sua firmeza, recebendo constantes tentações do demônio.

               A Luz estava enfim, chegando ao homem e nestes três anos de lições que Jesus nos legou, vou ressaltar uma delas, a que foi dada no final, no seu último dia entre nós. Jesus sentindo que iria ser preso e passar por todo aquele sofrimento físico, entrou em forte angústia e procurou sair para orar e meditar. Escolheu para ir com Ele os discípulos mais próximos: João, Tiago e Pedro. Chegaram ao pé do monte e Jesus pediu para os três ficarem orando e vigiando enquanto Ele subia para o Horto das Oliveiras. Após seu angustioso momento de oração, Jesus desceu e viu que os três discípulos estavam dormindo. Reclamou da situação e disse que precisava voltar mais uma vez para completar suas orações. Os discípulos se desculparam e disseram que isso não iria se repetir, eles ficariam orando e vigiando como o Mestre orientou. Porém, mais uma vez os discípulos não conseguiram cumprir o que prometeram. Antes que pudessem se justificar outra vez frente ao Mestre, eis que chegam os soldados tendo a frente Judas, que com um beijo sinaliza quem era aquele que os soldados deviam levar preso.

               João, o mais sensível e dedicado dos apóstolos, assumiu uma culpa enorme em sua consciência, tanto assim que ela venceu o medo que afastou todos os discípulos da proximidade com o Mestre nos momentos cruciais da crucificação. Somente João estava presente ao lado de Maria, a mãe do ironizado “Rei dos Judeus”.

               Uma noite em que João em sua cama se debatia com os remorsos da culpa, Jesus apareceu em seus sonhos. Pediu para ele rever todo o processo dramático daquele momento da crucificação, quando ele podia ter fugido, mas permaneceu firme e sozinho, e parecia ouvir a voz do Mestre mais uma vez dentro da sua mente: “Olha, João, nenhum dos que tanto ajudei e curei, ninguém dos que ouviram minhas lições estavam comigo... Eu tive que enfrentar sozinho o auge de minha decisão de cumprir a vontade do Pai. Mesmo Eu desejando que os amigos ficassem orando e vigiando, o Pai fez vocês dormirem, Eu teria que sozinho ser capaz de cumprir a minha determinação, sem ser “empurrado” por ninguém.”

               Então, temos que compreender isso aqui em AA... nós devemos evoluir com a ajuda de todos, claro, como Jesus teve ajuda para implementar o seu ministério. Mas chega um momento crucial onde nossa decisão, pessoal, individual, solitária, é importante para o seguimento de nossa evolução. Eu tenho que decidir para onde eu quero ir, e ninguém pode fazer isso por mim, nem me “empurrar” para onde eu ainda não queira ir.

               Estamos neste ponto da Batalha Espiritual: Jesus espalhou a Luz a partir da Galiléia e as trevas encontraram outra estratégia para ocultar a Luz. Criou o alcoolismo, a partir de uma droga fácil de encontrar e fácil de entorpecer os sentidos e o raciocínio do homem. Porém, Deus vendo o sofrimento do Homem dentro dessa prisão do alcoolismo, intuiu que duas pessoas alcoólicas pudessem conversar sobre o problema e sentirem o surgimento de Seu poder entre eles, o Poder Superior. Bill e Bob perceberam que ali estava a “luz no fim do túnel” e criaram a irmandade de Alcoólicos Anônimos. Cada sala de AA que existe ao redor do mundo, corresponde a um farol de luz pronto para guiar quem navega na escuridão. Agora, quem está operando este farol? Somos nós! Se nós não estivermos aqui para abrir a sala, quem estiver lá fora, perdido no mar das trevas, não vai se salvar. Esta responsabilidade é grande. Deus faz sua vontade acontecer através dos homens de boa vontade. Portanto, nós somos instrumentos de Deus, aqui nesta sala para fazer com que a oração de tantos pais, mães, filhos, esposas, maridos, possam fazer com que seus entes queridos que estão à deriva do mar trevoso, consigam ver a Luz, o alcoólico chegar na sala e tomar sua decisão. Aí, companheiros, não cabe mais a nós participar dessa decisão de não mais tomar o “primeiro gole” e de ser um membro efetivo da irmandade. É responsabilidade individual, solitária, e a pessoa assumir as suas consequências.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 12/12/2018 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
11/12/2018 01h01
QUERO NASCER DE NOVO

               Fui escolhido pela graça divina para nascer de um casal que iria ter filho pela primeira vez. Quando cheguei ao útero e a mãe sentiu os primeiros sintomas, foi grande a alegria quando os testes confirmaram a gravidez. Os pais, os avós, amigos e até a bisavó, todos entraram no planejamento de grandes festas. Mas, infelizmente cometi um erro bioquímico... percebi que minhas estruturas biológicas não estavam se desenvolvendo como havia planejado a engenharia divina, e logo adverti ao Pai e roguei que Ele me fizesse nascer de novo, eu não merecia viver com aquele aleijão e nem os meus pais também mereciam passar por tais provações durante toda minha vida. O Pai viu que eu tinha razão e acolheu o meu pedido. Sem esperar, nem saber o que estava acontecendo, a minha mãe observou o sangramento e a minha partida precoce. Ela não sabia o que se passou e a tristeza foi grande, tanto para ela quanto para todos que já participavam da alegria da minha vinda à luz. Portanto, pedi mais um favor ao Pai, para que de alguma forma eu pudesse mandar um recado ao mundo material, e Ele atendeu...

               Mãe, pai, não fiquem tristes nem desesperados. O que aconteceu foi a vontade de Deus que aos meus rogos viu que não era justo todos nós passássemos por sofrimentos desnecessários. Permitiu que eu saísse do ventre e pudesse voltar em outro momento, e que eu fosse mais sábio para evitar o erro que aconteceu. Portanto, vendo que há sofrimento onde deveria haver alegria, o Pai permitiu que eu mandasse este recado. Mesmo porque, a tristeza de vocês termina por interferir na minha alegria pelo Pai ter atendido o meu pedido. Quero nascer novamente entre vocês, mas com condições de aprender, brincar e rezar... assim, minha mãe, desculpe o meu primeiro erro dentro de sua vida, e agradeçamos ao Pai a oportunidade que Ele está nos dando de eu nascer de novo. Este é o grande presente que recebemos do Pai, minha mãe, o dom da vida. Mas vida com saúde, com capacidade de perceber toda a beleza da natureza... esperem por mim!


Publicado por Sióstio de Lapa em 11/12/2018 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 508 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr