Meu Diário
02/09/2017 20h08
PALMINHA

            Nos estudos do colegiado de Guardiões da Humanidade, encontrei a citação de dois espíritos que eu não conhecia, José Grosso e Palminha, que pertenceram ao bando de Lampião. Como desenvolveram um trabalho positivo, mesmo estando dentro de um grupo tão agressivo e destruidor, procurei mais informações sobre eles. Encontrei no site https://divulgandoadoutrinaespirita.wordpress.com/2015/06/04/palminha-espirito-uma-breve-biografia/, o seguinte texto:

            Palminha (espírito), uma breve biografia.

            4 de junho de 2015 por José Márcio de Almeida

            Relato ditado, através da audição, pelo espírito de José Grosso ao médium Ênio Wendling.

            Viemos de longe, de passadas eras e vamos falar sobre nosso irmão, chamado carinhosamente de Palminha (nome dado ao espírito que, quando se manifestava em reuniões de efeitos físicos, batia palmas). Hoje nessa altura de sua caminhada espiritual, deseja firmemente desempenhar, como vem fazendo, a tarefa de fraternidade, sob a égide de Jesus. Busquemos reportar marcantes épocas da vida desse querido amigo. Reafirmamos que viemos de longe.

            Vislumbramos os tempos dos Vedas (os Vedas formam a base do extenso sistema de escrituras sagradas do hinduísmo, que representam a mais antiga literatura de qualquer língua indo-europeia). Os grandes templos de Amon (erguidos à margem do rio Nilo, do lado oposto à cidade de Tebas). As colunas formidáveis da cidade de Soma (subúrbio de Memphis), sob a areia do deserto do antigo Egito.

            Identificamos, ainda, o nosso irmão Palminha em Tebas e Memphis (cidades do antigo Egito). Consta que após algumas encarnações de mandos e desmandos, reencarnou-se como escravo núbio (provavelmente da Núbia, região situada no vale do rio Nilo que atualmente é partilhada pelo Egito e pelo Sudão, onde, na antiguidade, desenvolveu o que se pensa ser a mais antiga civilização da África), vivendo por pouco tempo nessa condição, pois devido à circunstâncias que desconhecemos tornou-se senhor. Podemos percebê-lo descansando nos alpendres dos jardins de grande palácio, nas tardes solarentas e cálidas de verão, às margens do Nilo. Como senhor, mercadejou escravos e não demonstrou nenhum sentimento fraterno para com eles, esquecendo-se de que já fora um deles.

            Habitou, também, os templos de Carnac (uma comuna francesa na região administrativa da Bretanha, no departamento Morbihan.

            Viveu em áreas longínquas na China. Conviveu com os Persas (uma das mais expressivas civilizações da antiguidade; a Pérsia situava-se a leste da Mesopotâmia, num extenso planalto onde hoje corresponde ao Irã, localizado entre o golfo Pérsico e o mar Cáspio).

            Nosso Palminha viveu na época do cristianismo em Roma. Suas idas ao circo romano o empolgaram bastante. Segundo Charles Baudelaire, “a multidão sanguinolenta reunia-se no vasto circo de Roma. O Coliseu regurgitava ao murmúrio sinistro de patrícios e plebeus que buscavam, na dor dos desgraçados, o prazer e o tumulto”.

            Vivendo em Roma, Palminha conheceu e se identificou com muitos cristãos. Ouviu-os falarem de Jesus.

            Muitos deles estão reencarnados e vivendo no Brasil de hoje.

            Naquela época, alguns fizeram parte dos quinhentos da Galiléia.

            Viveu e ajudou a destruir os templos de Heliópolis (uma das cidades mais importantes do ponto de vista religioso e político do antigo Egito; situa-se a cerca de dez quilômetros a noroeste da atual cidade do Cairo), incendiando-os.

            Conviveu no palácio do Califa de Samira, sendo um dos seus familiares.

            Renasceu na Pérsia, reviu a Índia, mas desejava, nesse tempo, algo mais da vida.

            Seus sentimentos começaram a mudar. Conviveu com amigos e com a turba dos que gostavam de anarquia e destruição, pois seu passado falava muito forte, ainda, em seu espírito.

            Viveu numa aldeia em Simiansqui, ao norte do império chinês. Participou das ordens de Gengis Khan.

            Estreitou laços com os afins.

            Teve reencarnações na Tartária (nome utilizado por europeus desde a idade média até o século XX para designar uma grande extensão de território da Ásia central e setentrional que se estendia do mar Cáspio e das montanhas Urais até o oceano Pacífico, habitado pelos povos turcomanos e mongóis do império Mongol, geneticamente chamados de tártaros; o território conhecido por este nome abrange as regiões atuais da Sibéria, Turquestão (com exceção do Turquestão Oriental), Grande Mongólia, Manchúria e, por vezes, o Tibete). Após essa existência viveu nos Balcãs (região sudeste da Europa que engloba a Albânia, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Grécia, Macedônia, Montenegro, Sérvia, o autoproclamado independente Kosovo, a porção da Turquia no continente europeu (a Trácia), bem como, algumas vezes, Croácia, Romênia, Eslovênia e a Áustria) e reencontrou um espírito muito querido na Germânia (na época romana, era uma vasta região identificada pelos romanos como o território que se estendia do rio Reno às florestas e estepes do que hoje é a Rússia): o nosso José Grosso.

            Pertenceu também ao grupo dos seguidores de Alarico VIII (oitavo rei dos visigodos, um povo bárbaro-germânico oriundo do leste europeu).

            Após esse período, Palminha desejou ardentemente modificações mais profundas em seu espírito.

            Vieram então reencarnações mais suaves, tranquilas e religiosas na França, Espanha e Brasil.

            Nos dias de hoje, sua identificação espiritual com os companheiros encarnados é grande.

            Quer ser lembrado somente como Palminha.

            Seus objetivos se encontram no apostolado do bem, na simplicidade consciente e responsável do espírito que deseja valorizar o atual momento em que estamos vivendo, pois são marcos decisórios para a sua evolução e a de todos nós.

            Em sucessivas reencarnações, nosso irmão Palminha experimentou derrotas, conquistas e sofrimentos atrozes. Mas, hoje, considera o momento um oásis de bênçãos na tarefa junto aos companheiros espíritas do Brasil e da Fraternidade.

            Não podemos deixar de citar a encarnação de Palminha no Brasil como Antônio da Silva, um dos nove filhos do casal Gerônimo e Francisca, e irmão de José da Silva – José Grosso. Pertenceu, também, a um dos bandos da época, na década de trinta, no nordeste.

            Desencarnou com ferimentos, quando do cerco policial nas imediações da cidade de Floriano, no Piauí.

            Consta que tentava fugir quando foi alvejado.

            Correu sem perceber que seu corpo ficara para trás. Voltou e constatou que “havia desencarnado”.

            Não é sabido quanto tempo levou até ser amparado pelos espíritos de Joseph, Sheilla e José Grosso.

            Com o passar do tempo, foi convocado a cooperar nas reuniões do grupo Scheilla, em Belo Horizonte. Também junto ao médium Peixotinho, na década de 1940, no Grupo Espírita André Luiz, no Rio de Janeiro.

            (Junto ao médium Jairo Avellar ditou os livros Babili, a libertação do povo judeu na Babilônia pelo imperador Ciro II, abrindo os caminhos para a vinda de Jesus; e tudo pode esperar, mas existe um tempo certo para tudo! E presentemente tem comparecido às reuniões do Grupo Mediúnico Maria de Nazaré, da Casa de Caridade Herdeiros de Jesus, em Belo Horizonte).

            Observação: os textos entre parênteses foram incluídos por José Márcio de Almeida.


Publicado por Sióstio de Lapa em 02/09/2017 às 20h08
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
01/09/2017 00h50
ORAÇÃO DE SETEMBRO 2017

            Senhor, por que não queres me ver quieto? Até que eu gostaria de ficar de “pernas-para-o-ar” dentro de casa, sem ter nenhuma obrigação a cumprir, aproveitando da vida que me destes, e dos bens que colocas à minha disposição. Sim, talvez se tivesses colocado somente eu no mundo, como aconteceu com Adão no início, isso pudesse ser assim. Mas a lenda de Adão não tem um respaldo pragmático dentro da realidade. O respaldo real que temos na consciência é que nós fomos feitos por tua vontade como uma centelha divina preparada para se desenvolver no mundo espiritual e material, ir adquirindo consciência e sabedoria até chegar perto de Ti. Não sei bem o que queres com isso, se é um tipo de brincadeira para ver crescer o Universo com dinamismo e autocrítica ou se é outra coisa que não consigo imaginar.

            Não importa, Pai, tuas razões, sei que ainda não tenho compreensão suficiente para entender o que poderias me ensinar. Estou conformado em saber que minha origem foi a partir de uma partícula de ti, simples e ignorante, e que devo evoluir num trajeto de diversas experiências onde o livre arbítrio que tenho está sob o meu completo domínio, e não do Teu. Por isso posso cometer erros, e isso é uma certeza, pois não há como evoluir em caminho reto para Ti sem entrar em algum desvio devido a ignorância. E isso acontece com todos os irmãos que estão participando da mesma jornada, com a única diferença do tempo e do acúmulo de experiências, positivas e negativas de cada um.

            Como o Pai não pode intervir diretamente no livre arbítrio de ninguém e assim ajustar a sua rota, Ele usa os filhos mais experientes para ajudar os menos experientes. Para isso é necessário que o livre arbítrio de quem vai ajudar e o livre arbítrio de quem vai ser ajudado, sejam sensibilizados pela divina centelha que continua dentro do nosso psiquismo e que deve superar as forças da matéria, do instinto, que querem benefícios exclusivos, e muitas vezes em detrimento do próximo.

            É nesse sentido que compreendo que não posso ficar quieto, que tenho que agir para impulsionar minha própria e evolução e colaborar com o Pai naquilo que é necessário fazer para ajudar a correção de rotas dos meus irmãos, quer seja individual ou coletivamente.

            Sei que o Senhor já me proporcionou muitos benefícios e que eu aproveitei alguns deles para estar no nível que estou. Por esse motivo não posso rejeitar nenhum dos Seus pedidos, mesmo que na hora eu renegue, faça de esquecido, mas mais adiante eu sei que irei fazer a Tua vontade. É isso que sinto agora, Pai, sei de Tua vontade na minha consciência e sei que irei começar a agir nessa direção, mesmo que no momento eu não saiba com segurança aonde chegarei.

            Mas sei que estarás comigo em todos os momentos, que os espíritos santos que também estão engajados em Tua vontade estarão ao meu lado.

            Hoje, meu Pai, a minha conversa contigo á para dizer que recebi o Teu recado, e que mesmo eu desejando ficar na cama, irei me esforçar para cair em campo. Só quero fazer três pedidos: forças para vencer a preguiça, sabedoria para vencer a ignorância; e coragem para vencer o medo.


Publicado por Sióstio de Lapa em 01/09/2017 às 00h50
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
31/08/2017 07h22
DIMENSÕES DA VERDADE (15) – BENEFÍCIO E GRATIDÃO

            Observando a Natureza vamos concluir que tudo se faz com espontaneidade. O rio serpenteia pela terra sem fazer a conta do bem que produz na sua passagem, o perfume das rosas precisa apenas de espaço para que possa se espraiar e deliciar quem o sente, o sol não escolhe lugar para iluminar, e a chuva não tem preferência para levar fertilidade.

            Então, basta olhar a Natureza para ver que todos cooperam, todos são úteis e passam, nada esperam, nada impõem...

            Absorvendo essas lições da Natureza, devemos ter cuidado. Não digamos, quando a ingratidão nos bater à porta: nunca mais ajudarei ninguém! Quem tem a coragem de fazer o bem, tem que ter a sabedoria de suportar a ingratidão.

            Não exclamemos, quando a impiedade dos nossos beneficiários chegar ao nosso lar: para mim, chega! Pois devemos saber que, com a corrupção morre o corpo, mas com a impiedade morre a alma. Então, são pessoas de alma morta que precisam de nossa caridade.

            Evitemos exclamar, quando a soberba dos nossos beneficiários queimar a nossa face: e eu que tudo lhes dei!

            Evitemos sofrer, dizendo quando o chicote daqueles a quem amamos ferir o devotamento: arrependo-me de ter ajudado.

            Não retribuamos o mal por mal, porque assim vitalizaremos o próprio mal. Vejamos o exemplo de Stalin, ditador e comunista russo, que fez morrer milhares de pessoas e tinha como lema: “Nada melhor do que descobrir um inimigo, preparar a vingança e depois dormir tranquilo”. Foi um grande vitalizador do mal.

            Lembremos que a noite domina quando encontra sombras pelo caminho, mas o bem que se faz a alguém é luz que se acende interiormente. Evitemos as sombras em nosso íntimo e façamos todo o bem que irá nos iluminar.

            É muito bom experimentar os frutos da gratidão, daquele que foi beneficiado e se mostra reconhecido, mas essa procura de reconhecimento, de gratidão, não é nosso objetivo. Lembrar das lições da Natureza, que tudo faz e nada exige.

            Observemos o exemplo da árvore. Não pergunta a quem lhe colhe o fruto para onde o carrega, o que pretende dele. Felicita-se por poder dar e se multiplicar através das sementes, que atiradas alhures, abençoa o novo solo.

            Aceitemos sem resistência que nossos frutos bons, produzam frutos bons além; que nossas nobres tarefas, se desdobrem em tarefas superiores mais tarde; que tenhamos a alegria de fazer, doar, e nunca a ideia de colher reconhecimento ou gratidão, pois isso é um tipo de pagamento. Que seja grato o nosso coração, mas não esperemos reconhecimento de ninguém.

            Observemos os principais ciclos na vida. Na dimensão material temos o ciclo da água. Ela desce em forma de chuva para formar os rios e correrem em direção ao mar, como a reencarnação que sofremos e o nosso espírito passa a viver na dimensão material. Depois a água evapora, como um tipo de morte, sai da nossa visão e vai para o espaço, para o mundo espiritual, para daí voltar novamente em reencarnação/chuva.

            Na dimensão espiritual temos o ciclo do bem. O Mestre Jesus trouxe as lições fundamentais, foram seguidas por pessoas como Pedro, Paulo, Estêvão, Maria, Madalena e tantos outros. Mais próximos de nós temos os mantenedores do ciclo, Joana de Ângelis, Chico, Divaldo, Madre Tereza de Calcutá, Irmã Dulce, etc. E, finalmente, temos nós, que estamos recebendo essas lições como parte da etapa do ciclo do bem e temos por obrigação mantê-lo funcionando.


Publicado por Sióstio de Lapa em 31/08/2017 às 07h22
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/08/2017 10h43
O CHAMADO DE DEUS

            Apesar de críticas que recebo sobre a forma que explico do meu relacionamento com Deus, que Ele “fala” comigo constantemente, se mostra nos fenômenos da Natureza, me orienta e até me pune quando mereço corrigir meus caminhos, minha meta e meus pensamentos, sinto que cada vez mais se aprofunda essa sensação. Ontem, dia 29, tive uma forte sensação que Ele me chamava para uma nova tarefa que deve complementar minha atual vivência nesta terra. Deverá me levar a um destino que deve me consumir materialmente, assim como aconteceu com tantos espíritos que seguiram a Sua vontade, principalmente Jesus.

            Ontem fui à casa de uma amiga de posse do livro “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, pois os seus filhos, gêmeos, sexo masculino, adultos e marombados por atividades em academia, estavam se digladiando por motivos fúteis, dentro de casa, à socos e pontapés, pintando de sangue as paredes da sala e destruindo os móveis ao alcance. Percebi a angústia dela e combinei em passar no final da tarde para fazer o “Evangelho no Lar” junto com eles. Não foi possível, pois um deles não quis conversar, e o outro, apesar de ter aceito, não mostrou interesse em vir para a reunião. Combinei então com sua mãe que poderia atendê-los individualmente quando assim eles sentissem a necessidade, pois eu estaria à disposição.

            Então, no dia seguinte, ao dirigir pela manhã para o trabalho, refletindo sobre o caso, percebi o chamado de Deus para uma nova missão e a intuição de ver no livro, o texto que eu havia marcado para fazer o “Evangelho no Lar”: capítulo XII, Amai os vossos inimigos, e primeira parte, Retribuir o mal com o bem.

            Fazendo a leitura, agora com o foco que o Pai colocou na minha consciência, vou transcrever os trechos sublinhados que acredito irão fazer parte, com rigor, da nova tarefa que aceitei, apesar de pedir amparo para as minhas dificuldades intrínsecas: preguiça, medo, covardia...

            “Amai os vossos inimigos; fazei o bem ao que vos odeiam e amai pelos que vos perseguem e caluniam”.

            “Vossa justiça deve ser mais abundante que a dos escribas e fariseus”.

            “Fazei bem a todos e auxiliai sem esperar coisa alguma”.

            “Sede bom para os ingratos e até para o maus”.

            “Sede cheios de misericórdia, como cheio de misericórdia é o vosso Deus”.

            “Não tenha para com o seu inimigo a ternura que dispensa a um irmão ou amigo”.

            “Não deposite confiança numa pessoa sabendo que esta lhe quer mal”.

            “Não tenha com a pessoa expansões de amizade, sabendo-a capaz de abusar dessa atitude”.

            “Não pode sentir estar com um inimigo, prazer igual ao que sente na companhia de um amigo”.

            “Obedecer a lei física da assimilação e de repulsão dos fluidos; o pensamento malévolo determina uma corrente fluídica que impressiona penosamente – o pensamento benévolo nos envolve num agradável eflúvio”.

            “Não dê no coração, assim ao amigo, como ao inimigo, o mesmo lugar”.

            “Amar os inimigos é não lhes guardar ódio, nem rancor, nem desejos de vingança; é perdoar-lhes sem pensamento oculto e sem condições, o mal que nos causem; é não opor nenhum obstáculo à reconciliação com eles; é desejar-lhes o bem, e não o mal; é experimentar júbilo, em vez de pesar, com o bem que lhes advenha; é socorre-los, apresentando-se a ocasião; é abster-se, quer por palavras, quer por atos, de tudo que os possa prejudicar; é retribuir-lhes sempre o mal com o bem, sem a intenção de os humilhar”.

            Este é o roteiro que deverei cumprir na nova tarefa que deverei implementar e que deverá gerar inúmeros adversários ao meu redor. Não sei porque o Pai resolveu me dar tamanha incumbência, eu não me sinto devidamente preparado, mas não posso discutir isso com Ele. Sei que Ele sonda os meus pensamentos, sentimentos e comportamento, e sei que quando o trabalhador está preparado a tarefa aparece. Talvez as minhas dúvidas repousem sobre as fragilidades que eu possuo, mas confio nEle tanto quanto Ele confia em mim, e que Ele pode me dar as forças necessárias para vencer esses obstáculos.


Publicado por Sióstio de Lapa em 30/08/2017 às 10h43
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
29/08/2017 00h07
IMPLANTAÇÃO DO REINO DE DEUS

            O Evangelho é a Boa Nova que Deus mandou para a humanidade através do seu filho mais preparado, Jesus Cristo, para nos ensinar.

            Para que um Reino venha a existir é necessário que haja uma lei diretora (Lei do Amor) e que haja um governador (Jesus Cristo), sempre obediente ao Rei (Deus).

            Este Reino não é uma utopia, é uma realidade que por enquanto está sendo construída no interior de cada um, no coração, na consciência, no país das almas.

            É importante que possamos anunciar ao maior número de pessoas sobre esse projeto divino, principalmente aos jovens.

            A Associação Cristã de Moradores e Amigos da Praia do Meio (AMA-PM) se apresenta como uma ferramenta para se atingir esse propósito. Muitos jovens moram nesse bairro, com inúmeras dificuldades do sobrevivência e com pouco conhecimento da missão de Jesus como orientador da implantação do Reino de Deus. Então, nós que já temos essa consciência, devemos nos aproximar dos jovens e mostrar com clareza, acima de dogmas religiosos ou partidos políticos, sobre a intenção de Jesus. Que todos nós podemos trabalhar na construção desse Reino, iniciando pela Reforma Íntima, na construção desse alicerce em nossos corações.

            Esta é uma proposta que poderemos apresentar na próxima quarta-feira, dia 30-08, na reunião da AMA-PM. Convidar os jovens que moram nas redondezas do local de reunião para serem informados sobre a construção desse Reino e quem tiver interesse pode ser aceito como aluno, orientado mais de perto por algum integrante da AMA-PM.

            Poderemos elaborar aulas de evangelização com foco na Reforma Íntima que cada um tem de fazer. Serão incentivados a participarem da AMA-PM, criando um clube de jovens capaz de servir à comunidade.

            Terão identidade própria, mas cujo foco é sempre a Reforma Íntima, e a cada um terá a recompensa de suas ações de acordo com trabalho realizado. Será incentivado à participação em alguma igreja, de acordo com as vocações.

            Cada proposta, incentivo aos jovens dentro das ações do estado, devem ser colocadas para esses jovens em primeiro plano, e ser oferecido a ajuda que a AMA-PM possa oferecer.


Publicado por Sióstio de Lapa em 29/08/2017 às 00h07
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 10 de 423 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr