Meu Diário
25/10/2017 13h38
A IGREJA

            A Igreja, seja qual for a denominação, geralmente é a responsável por trazer o homem à presença de Deus, fazer a religação, re-ligare, religião. Mas o Cristo trouxe uma nova interpretação a essa conexão com Deus, que independe de uma instituição para isso acontecer, mesmo que nos tempos atuais, a Igreja seja importante para guiar as massas animalizadas e exploradas, ignorantes e egoístas.

            No livro “Ave Cristo” tem um diálogo de Varro com Corvino que é muito esclarecedor nesse sentido:

            Varro abraçou Corvino com mais ternura e aduziu:

            - O senhor tem fé e virtudes que estou longe de possuir. Doravante sentir-me-ei sozinho, sozinho...

            - Onde situas a confiança em Deus? És moço. Os dias amadurecem a experiência. Atende as instruções do Mestre e nova luz brilhará em tua alma... Em Lyon, muitos de nossos irmãos relacionam-se com os mortos, que são simplesmente os vivos da eternidade. Em nossos ofícios, comunicam-se conosco e amparam-nos cada dia... Em muitas ocasiões, nos martírios, tenho visto companheiros que que nos precederam recebendo os que são perseguidos até o sangue... Acredito, pois, que poderemos continuar sempre juntos... A Igreja, para mim, não é senão o Espírito do Cristo em comunhão com os homens...

            Neste instante, Corvino arquejou penosamente. Fitou no amigo os olhos calmos, com mais insistência, e prosseguiu:

            - Sei que te vês relegado à solidão, sem parentes, sem lar... Mas não te esqueças da imensa família humana. Por muitos séculos, ainda, os servidores de Jesus serão almas desajustadas na Terra... Nossos filhos e irmãos encontram-se dispersos em toda a parte... Enquanto houver um gemido de dor no mundo ou uma nesga de sombra no espírito do povo, nossa tarefa não terminará... Por agora somos desprezados e escarnecidos, no caminho do Pastor celeste que nos legou o sacrifício por abençoada libertação e, amanhã, talvez, legiões de homens tombarão pelos princípios do Mestre, que, sendo tão simples em seus fundamentos, provocam o furor e a reação das trevas que ainda governam as nações... Morreremos e renasceremos na carne muitas vezes... até que possamos a vitória da fraternidade e da verdadeira paz... Contudo, é indispensável amar muito para, antes, vencermos a nós mesmos. Nunca odeies, filho meu! Bendize constantemente as mãos que te ferirem. Desculpa os erros dos outros, com sinceridade e pleno olvido de todo mal. Ama e ajuda sempre, ainda mesmo os que te pareçam ingratos... Nossas afeições não desaparecem. Quem exercita a compreensão do Evangelho acende lume no próprio coração para clarear a senda dos entes queridos, na Terra ou além da morte... Tua mulher e teu filhinho não se perderam... Tornarás a encontra-los em novo nível de amor... Até lá, porém, luta na conquista de ti próprio!... O mundo reclama servidores leais ao bem... Não procures riquezas que o desengano enferruja... Não te prendas a ilusões e nem exijas da Terra mais do que a Terra te possa dar... Só uma felicidade jamais termina – a felicidade do amor que honra a Deus no serviço aos semelhantes...

            Estas lições são sobremaneira a essência do Cristo que devemos consolidar dentro de nossos corações e com elas ser capaz de agir nas diversas áreas do nosso comportamento, na família, trabalho, comunidade...


Publicado por Sióstio de Lapa em 25/10/2017 às 13h38
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
24/10/2017 23h59
AMA-PM REFLEXÃO E ATA (13-09-17) – PREGAÇÕES

“E ele lhes disse: Vamos às aldeias vizinhas para que eu ali também pregue; porque para isso vim.” (Marcos, 1:38)

            Neste versículo de Marcos, Jesus declara ter vindo ao mundo para a pregação. Todavia, como a significação do conceito tem sido erroneamente interpretada, é razoável recordar que, com semelhante assertiva, o Mestre incluía no ato de pregar todos os gestos sacrificiais de sua vida.

            Geralmente, vemos na Terra a missão de ensinar muito desmoralizada. A ciência oficial dispõe de cátedras, a política possui tribunas, a religião fala de púlpitos.

            Contudo, os que ensinam, com exceções louváveis, quase sempre se caracterizam por dois modos diferentes de agir. Exibem certas atitudes quando pregam e adotam outras quando em atividade diária. Daí resulta a perturbação geral, porque os ouvintes se sentem à vontade para mudar a “roupa do caráter”.

            Toda dissertação moldada no bem é útil. Jesus veio ao mundo para isso, pregou a Verdade em todos os lugares, fez discursos de renovação, comentou a necessidade do amor para a solução de nossos problemas. Nos entanto, misturou palavras e testemunhos vivos, desde a primeira manifestação de seu apostolado sublime até a cruz.

            Por pregação, portanto, o Mestre entendia igualmente os sacrifícios da vida.

Enviando-nos divino ensinamento, nesse sentido, conta-nos o Evangelho que o Mestre vestia uma túnica sem costura na hora suprema do Calvário.

ATA DA REUNIÃO DA AMA-PM E PROJETO FOCO DE LUZ

No dia 13-09-17, as 19h, na casa de Paulo Henrique, foi realizada mais uma reunião da AMA-PM e Projeto Foco de Luz com a presença das seguintes pessoas: 01. Soraia (98711-3316); 02. Paulo; 03. Edinólia; 04. Leandro (99956-3030); 05. Francisco; 06. Ana Paula; 07. Nivaldo; 08. João Maria; 09. Mano; e 10. Netinha. Após os 30 minutos de conversa livre, foi lido o preâmbulo espiritual com o título “Semeadura”. Após a reflexão sobre o conteúdo do texto, foi lida a ata da reunião anterior que foi aprovada pelos presentes sem alterações. Francisco faz referência aos moradores da proximidade com o muro do hospital que ficaram de fazer um documento coletivo, mas não compareceram a reunião para fazer qualquer encaminhamento. Edinólia deixou agendado para a próxima terça feira às 10h no hospital Onofre Lopes, a prestação de contas do mês de setembro. Nivaldo coloca o desinteresse da direção da Escola nas atividades da Associação e que poderia ser autorizado alguma atividade pontual dos moradores dentro da escola, desde que solicitado com antecedência. Frente a essas dificuldades que surgem dentro de um trabalho associativo com base cristã, onde não se exige nenhuma forma de recompensa pelo trabalho realizado, político ou financeiro, foram feitas diversas reflexões pelos presentes. A partir da grande maioria dos moradores que não possuem mobilidade nem consciência suficiente para participar do trabalho associativo e esperam sempre a ajuda assistencialista. O pequeno grupo que faz parte da Associação sente que precisa compreender essa dificuldade dentro da comunidade e ser coerente com as lições do Cristo, se tornando uma tocha de Luz, onde o sacrifício do nosso corpo impregnado pelo Amor divino sirva para afastar as sombras e ser modelo para as pessoas de bom coração se aproximem e colaborem conosco, na seara que o Pai colocou à nossa disposição. Paulo ficou de ver a possibilidade de convidar 1 ou 2 jovens a cada reunião para verificar a possibilidade de nossa ajuda as suas dificuldades pessoais e familiares e possível engajamento nas atividades da Associação. As 20h30 a reunião foi encerrada, Nivaldo conduziu a oração do Pai Nosso e todos posamos para a foto oficial.    


Publicado por Sióstio de Lapa em 24/10/2017 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
23/10/2017 23h14
A TOCHA DO AMOR

            Quinto Varro, o nobre patrício romano, que tentava viver as lições do cristianismo, descobre que a sua esposa está lhe traindo com seu patrão, a quem tinha como amigo e dedicava toda estima. Fica desesperado com essa descoberta, principalmente por não saber o que fazer com o seu filho pequeno, por não possuir posses suficientes para a sua manutenção e educação. Procurou o aconselhamento de Corvino, um velho gaulês que fazia palestras nas catacumbas sobre o cristianismo e estava hospedado na casa de um amigo. As palavras experientes do gaulês, burilado nas dores do próprio sofrimento, são importantes instruções para nós que pretendemos também seguir as lições do Cristo.

            - Varro, aceitaste o Evangelho para que Jesus se transforme em teu servidor ou para que te convertas em servidor de Jesus?

            - Oh! Sem dúvida – suspirou o rapaz -, se alguma coisa aspiro no mundo é  ao ingresso nas fileiras dos escravos do Senhor.

            - Então meu filho, cogitemos dos desígnios do Cristo e olvidemos nossos desejos.

            E, fitando o céu pela janela humilde, deixando perceber que solicitava a inspiração do Alto, acrescentou:

            - Antes de tudo, não condenes tua mulher. Quem somos nós para sondar o coração do próximo? Poderíamos, acaso, torcer o sentimento de outra alma, usando a maldade e a violência? Quem de nós estará irrepreensível para castigar?

            - Todavia, como extinguir o mal, se não nos dispomos a combate-lo? – ajuizou Varro, gravemente.

            O ancião sorriu e considerou:

            - Acreditas, porém, que possamos vencê-lo à força de palavras bem feitas? Admites, porventura, que o Mestre haja descido das Alturas, simplesmente para falar? Jesus viveu as próprias lições, guerreando a sombra com a luz que irradiava de si mesmo, até o derradeiro sacrifício. Achamo-nos em um mundo envolvido em trevas e não possuímos outras tochas para clareá-lo, senão a nossa alma, que precisamos inflamar no verdadeiro amor. O Evangelho não é somente uma propaganda de ideias libertadoras. Acima de tudo, é a construção de um mundo novo pela edificação moral do novo homem. Até agora a civilização tem mantido a mulher, nossa mãe e nossa irmã, no nível de mercadoria vulgar. Durante milênios, dela fizemos nossa escrava, vendendo-a, explorando-a, apedrejando-a ou matando-a, sem que as leis nos considerem passíveis de julgamento. No entanto, não será ela igualmente um ser humano? Viverá indene de fraquezas iguais às nossas? Por que conferir-lhe tratamento inferior àquele que dispensamos aos cavalos, se dela recebemos a bênção da vida? Em todas as fases do apostolado divino, Jesus dignificou-a, santificando-lhe a missão sublime. Recordando-lhe o ensinamento, será lícito repetir – quem de nós, em sã consciência, pode atirar a primeira pedra.

            E, fixando significativamente o ouvinte, acentuou:

            - O cristianismo para redimir as criaturas, exige uma vanguarda de espíritos decididos a executar-lhe o plano de ação.

            - No entanto – ponderou o jovem romano, algo tímido -, poderemos negar que Cíntia esteja em erro?

            - Meu filho, quem ateia fogo ao campo da própria vida, decerto seguirá pelas chamas do incêndio. Compadece-te dos transviados! Não serão suficientemente infelizes por si mesmos?

            - E meu filho? – perguntou Varro com a voz embargada de pranto.

            - Compreendo-te a aflição.

            E vagueando o olhar lúcido pela sala estreita, Corvino pareceu mostrar um fragmento do próprio coração, acrescentando:

            - Em outro tempo, bebi no mesmo cálice. Afastar-me dos filhinhos foi para mim a visitação de terrível angústia. Peregrinei dilacerado, como folha relegada ao remoinho do vento, mas acabei percebendo que os filhos são de Deus, antes de pousarem suavemente em nossas mãos. Entendo-te o infortúnio. Morrer mil vezes, sob qualquer gênero de tortura, é padecimento menor que esse da separação de uma flor viva que desejaríamos reter ao tronco do nosso destino...

            - Entretanto – comentou o patrício amargurado -, não seria justo defender um inocente, reclamando para nós o direito de protege-lo e educa-lo?

            - Quem te ouviria, contudo, a voz, quando uma insignificante ordem imperial poderá sufocar-te os gritos? E além do mais – aduziu o ancião, afetuosamente -, se estamos interessados em servir ao Cristo, como impor a outrem o fel que a luta nos constrange a sorver? A esposa poderá não ter sido generosa para com o teu coração, mas provavelmente será abnegada mãe do pequenino. Não será, pois, mais aconselhável aguardar as determinações do Altíssimo, na graça do tempo?

            Detendo-se na dolorosa expressão fisionômica do pai desventurado, Corvino observou, depois de longa pausa:

            - Não te submetas ao frio do desengano, anulando os próprios recursos. a dor pode ser comparada a volumosa corrente de um rio, suscetível de conduzir-nos à felicidade na terra firme, ou de afogar-nos, quando não sabemos sobrenadar. Ouve-nos. O Evangelho não é apenas um trilho de acesso ao júbilo celestial, depois da morte. É uma luz para a nossa existência neste mundo mesmo, que devemos transformar em Reino de Deus. Não te recordas da visita de Nicodemos ao divino Mestre, quando o Senhor asseverou convincentemente: “importa renascer de novo”?

Ante o sinal afirmativo de Quinto Varro, o ancião continuou:

- Também sofri muito, quando, ainda jovem, me decidi ao trabalho da fé. Repudiado por todos, fui compelido a distanciar-me das Gálias, onde nasci, demorando-me por dez anos consecutivos em Alexandria, onde renovei meus conhecimentos. A igreja de lá permanece aberta às mais amplas considerações, em torno do destino e do ser. As ideias de Pitágoras são ali mantidas em um grande centro de estudos, com real proveito, e, depois de ouvir atenciosamente padres ilustres e adeptos mais esclarecidos, convenci-me de que renascemos muitas vezes na Terra. O corpo é passageira vestidura de nossa alma que nunca morre. O túmulo é ressurreição. Tornaremos à carne, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, até que tenhamos alijado todas as impurezas do íntimo, como o metal nobre que tolera o cadinho purificador, até que arroje para longe dele a escória que o desfigura.

Corvino fez ligeiro intervalo, como a dar oportunidade a reflexão do ouvinte, e prosseguiu:

- Jesus não falava simplesmente ao homem que passa, mas, acima de tudo, ao espírito imperecível. Em certo passo dos seus sublimes ensinamentos, adverte: “melhor entrares na vida aleijado que, tendo duas mãos, te aproveitares delas para a descida às regiões inferiores”. Refere-se o Cristo ao mundo, como escola onde procuramos nosso próprio burilamento. Cada qual de nós vem à Terra, com os problemas de que necessita. A provação é remédio salutar. A dificuldade é degrau na grande subida. Nossos antepassados, os druidas, ensinavam que nos achamos num mundo de viagens ou em um campo de reiteradas expe4riências, a fim de que possamos alcançar, mais tarde, os astros da luz divina para sermos um com Deus, nosso Pai. Criamos o sofrimento, desacatando as leis universais e suportamo-lo para regressar a harmoniosa comunhão com elas. A Justiça é perfeita. Ninguém chora sem necessidade. A pedra suporta a pressão do instrumento que a desgasta, a fim de brilhar soberana. A fera é conduzida à prisão para domesticar-se. O homem luta e padece para aprender a reaprender, aperfeiçoando-se cada vez mais. A Terra não é o único teatro da vida. Não disse o próprio Senhor – a quem pretendemos servir – que “existem muitas moradas na Casa de nosso Pai”? O trabalho é a escada luminosa para outras esferas, onde nos reencontraremos, como pássaros que, depois de se perderem uns dos outros, sob as rajadas do inverno, se reagrupam de novo ao Sol abençoado da primavera...

Passando a mão pelos cabelos brancos, o velho acentuou:

- Tenho a cabeça tocada pela neve do desencanto... Muitas vezes, a agonia me visitou a alma cheia de sonhos... Em torno dos meus pés, a terra fria me solicita o corpo alquebrado, mas dentro do meu coração a esperança é um sol que me abrasa, revelando em suas projeções resplendentes o glorioso caminho do futuro... Somos eternos, Varro! Amanhã, reunir-nos-emos, felizes, no lar da eternidade, sem o pranto da separação ou da morte...

Ouvindo aquelas palavras, repletas de convicção e de ternura, o moço patrício aquietou o espírito atormentado.

Importante esse diálogo, principalmente na imagem que somos a Tocha do Amor, o corpo é a estrutura material embebido na essência do Amor e que gera a luz ao nos consumirmos em benefício do próximo.


Publicado por Sióstio de Lapa em 23/10/2017 às 23h14
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
22/10/2017 23h59
IGNORÂNCIA E MISÉRIA

            O Pai colocou à minha frente o livro que estava parado na minha biblioteca, “Ave Cristo” e logo percebi que Ele queria que eu o lesse, certamente alguma instrução para os meus próximos futuros passos eu irei encontrar. Pois então, deparei-me com o trecho da descrição do personagem Quinto Varro, um jovem patrício romano, que dizia o seguinte:

            “Encantado com conceitos sábios, Varro confrontava-os com os ensinamentos de Jesus, que detinha de memória, refletindo sobre a facilidade da conversão da cultura romana aos princípios do cristianismo, desde que a boa vontade pudesse penetrar  o espírito dos seus compatriotas.

            Descendente de importante família cujas raízes remontavam à República, não obstante a grande pobreza de bens materiais em que se debatia, era apaixonado cultor dos ideais de liberdade que invadiam o mundo.

            Doíam-lhe na alma a ignorância e a miséria com que as classes privilegiadas mantinham a multidão e perdia-se em vastas cogitações para encontrar um ponto final aos milenares desequilíbrios da sociedade de sua pátria.

            Reconhecia-se incapaz de qualquer mensagem salvadora e eficiente ao poder administrativo. Não possuía ouro ou soldados com que pudesse impor as opiniões que lhe fervilhavam na cabeça, entretanto, não ignorava que um mundo novo se formava sobre as ruínas do velho.

            Milhares de homens e mulheres modificavam-se mentalmente sob a inspiração do espírito renovador. A autocracia do patriciado lutava, desesperadamente, contra a reforma religiosa, mas o pensamento do Cristo, como que pairava acima da Terra, conclamando as almas a descerrarem novo caminho ao progresso espiritual, ainda mesmo a custa de suor e sangue no sacrifício.”

            Esta descrição de uma forma de pensar há dois mil anos, continua ainda atual nos dias de hoje. Mesmo que tenhamos tido avanços sociais nesse período de tempo, continuamos com massas de ignorantes e miseráveis. Miseráveis de todos os níveis, aqueles que mendigam pela sobrevivência, mergulhados na mais negra ignorância, e aqueles afortunados, com riquezas incalculáveis, distribuídas por paraísos fiscais, longe do olhar da Justiça, laureados pelas honras acadêmicas, mas que permanecem ignorantes dos valores e consequências espirituais.

            Também me sinto incapaz de levar de forma pragmática uma mensagem corretora desses desvios comportamentais que fogem dos caminhos da divindade. Mesmo assim, continuo fazendo o que posso para seguir a vontade Deus conforme Ele coloca em minha consciência e afirma indicando textos como este.


Publicado por Sióstio de Lapa em 22/10/2017 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
20/10/2017 23h59
65 ANOS

            Este ano completo 65 anos nesta data. Posso considerar que entrei definitivamente na Terceira Idade. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), é a fase da vida que começa aos 60 anos nos países em desenvolvimento e aos 65 anos nos países desenvolvidos.

            A Constituição Federal Brasileira menciona a Terceira Idade com início aos 65 anos, enquanto o Código Penal Brasileiro refere a idade de 70 anos. Ambos são incoerentes com o limite de 60 anos que consta na Política Nacional do Idoso.

           Mesmo que eu esteja inserido num país em desenvolvimento, considero a minha biologia e perspectiva de vida dentro de um país desenvolvido, e por esse motivo considero que agora é que entrei realmente na Terceira Idade.

            Os geriatras, sob o ponto de vista biológico, divide as idades em: primeira idade (0 -20 anos); segunda idade (21 – 49 anos); terceira idade (50 – 77 anos); e quarta idade (78 – 105 anos).

            Há ainda outra classificação que divide os idosos em 3 ramos: idoso jovem (66 – 74 anos); idoso velho (75 – 85); e manutenção pessoal (86 anos em diante).

            O envelhecimento ocorre em diferentes dimensões como posso testemunhar com a minha vida: biológica, pela queda de hormônios e consequente queda da vitalidade;  social, pelo engajamento em atividades acadêmicas e o reconhecimento em função disso;  psicológica, pela aceitação da perda de vitalidade biológica e o fortalecimento do foco espiritual; econômica, representado pelos empregos conquistados e as diversas opções de renda que surgem; jurídica, principalmente pelo estado civil, tendo casado com duas mulheres hoje estou divorciado e sem pretensão de voltar a casar; política, pela opção de conquistar o poder de forma eleitoral, onde percebi que a forma de fazer política atualo não é coerente com o meu pensamento e sentido ético, tendo feito eu me afasta da política partidária, entrar na política do Evangelho e agora ter me filiado mais uma vez a um partido político, mas agora com um objetivo mais perto do Divino.

            Hoje fiz uma reunião com todos meus cinco filhos e abordei com eles o sentido da vida, da progressão da idade e da consolidação dos motivos paradigmáticos e éticos que nos norteiam. Cada um também teve a oportunidade de se manifestar e dizerem o pensam e sentem nessa relação com um pai tão diferente dos demais, que não chegou a viver com nenhum deles por todo o tempo que eles necessitavam da sua presença, e ele sempre se envolvia com outras atividades deixando apenas as mães com o maior nível de responsabilidade. Notei que todos demonstraram uma réstia de sofrimento por essa condição, mas que todos também apresentaram algum nível de compreensão que evita a marca da mágoa ou ressentimento em seus caráteres.

            Combinei com todos a criação de um grupo no whatsapp denominado “Pais e Filhos” para que possamos manter nossa sintonia ao longo do tempo, sem que a distância ou outras ocupações atrapalhem a nossa harmonia e solidariedade mútua.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 20/10/2017 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 11 de 434 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr