Meu Diário
12/07/2018 08h00
QUE TENHO APRENDIDO?

            Que Deus é infinitamente sábio, justo, bom e poderoso. Uma energia onipresente, onipotente, onisciente, caracterizado pela essência do amor incondicional.

            Que sou uma alma em caminhada redentora, purificando-me com esforços dos meus inúmeros defeitos, aprendendo cada vez mais, exercitando-me na vida de relação, principalmente os relacionamentos afetivos onde procuro praticar o amor incondicional.

            Sou eterno e estou à caminho da perfeição. Faço parte de uma grande família que um dia se tornará reconhecidamente universal, onde todos coabitam como irmãos no mesmo planeta.

            Viver é caminhar nos caminhos que o Senhor oferece, sentindo-se feliz por ser um instrumento da Sua vontade.

            Após devolver este meu corpo ao pó, retornarei ao mundo verdadeiro, ao mundo espiritual. Ali farei uma avaliação dos acertos e dos erros, para então voltar em nova oportunidade, quando Deus permitir.

            Quando eu tiver alcançado todo o progresso que a Terra pode me oferecer, ascenderei a mundos melhores, e assim seguirei evoluindo incessantemente. Jesus nos ensinou: “Há muitas moradas na casa de meu Pai”.

            Sou interdependente do meu próximo e devo amá-lo como Jesus nos ensinou: perdoando aos nossos inimigos para sermos igualmente perdoados pelo Pai.

            Os maus são espíritos imperfeitos e equivocados na caminhada de aprendizagem. Já fui igual a eles, por isso estou aqui em luta para a minha transformação, que se faz de acordo com o meu maior ou menor esforço. O mal é passageiro, o bem é eterno!...

            O céu e o inferno são estados da alma. Sentimentos, emoções, angústias, independem de lugar, porque estão dentro de mim.

            Fica uma interrogação? Realmente vim para cá com uma missão? Com um motivo para agir de tal ou qual forma? Ou desenvolvi esse pensamento de forma autônoma, sem nenhuma responsabilidade previamente assumida?

            Essas dúvidas podem surgir dentro de um cuidado cognitivo que devemos ter com as falsas impressões que não se adequem à realidade. É natural que isso aconteça, porém elas não podem desconsiderar todas as informações que possuímos sobre o mundo espiritual, o trabalho que foi realizado em todas as partes do mundo informando sobre a influência do mundo espiritual sobre o mundo material e vice-versa, dentro de um processo evolutivo que está totalmente adaptado à Natureza, em qualquer dimensão da vida.

            Isso já aprendi, e as dúvidas que surgem na minha mente, que não tenham força suficiente para superar com a força dos fatos e argumentos os paradigmas que já construí, são automaticamente descartadas como incoerentes.

            Resta apenas uma dúvida que é mais persistente: é a missão que tenho como realidade, uma construção da minha mente ou uma determinação do alto? Porém, como ela está sintonizada com o Bem, não me traz maiores preocupações, pois a energia divina, como a concebo, faz parte dela.


Publicado por Sióstio de Lapa em 12/07/2018 às 08h00
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
11/07/2018 09h58
AVISO ESPIRITUAL

            Somos cidadãos com dupla cidadania, no mundo material e no mundo espiritual, e ambos se relacionam, quer tenhamos ou não conhecimento dessa realidade. É como a força da gravidade, que muitos não tem conhecimento da sua existência, como se dá os seus efeitos sobre nós, mas todos estão submetidos à sua influência. Assim acontece com o mundo espiritual. Poucos conhecem a real dimensão do mundo espiritual, muitos acreditam apenas na virtualidade do mundo material, mas ninguém escapa da influência do mundo espiritual, para o bem ou para o mal.

            Como o Brasil passa por sérias dificuldades no campo político, social, com o avanço das forças do mal na administração do país, o mundo espiritual manda um aviso aos brasileiros, conforme podemos encontrar nas redes sociais:

            Queremos fazer um pedido a vocês que escolheram nascer e vivenciar nesta terra e nesta época de grandes transformações: Esta semana não enviem piadas sobre vossas condições e a crise pela qual estão passando, pois vocês estão vivendo um momento extremamente complicado, uma espécie de desencanto coletivo, como o caminhar pelo deserto da alma de uma civilização. Há necessidade de seriedade neste momento. Não titubeiem nem se percam em pequenas piadas, valorizando essas pequenas besteiras, apenas para rirem das suas desgraças. Agindo assim estão dando a devida autorização para a entrada da Besta em vossas vidas, pois onde há besteiras há também a Besta em ação. Nesses próximos dias e semanas elevem vossas consciências com esclarecimento e lucidez. Tentem compreender o que está se passando e para onde querem ir com o país. Pois se perderem este momento de grandes transformações e se lançarem novamente na lama da ignorância, estarão abnegando do direito de se tornarem a Pátria do Evangelho que um dia nosso amigo Chico veio lhes revelar. Sim, o Brasil, a Terra da Santa Cruz, está fadada a se tornar a terra sagrada de Cristo sobre o planeta. Muitas forças desejam que isso não ocorra, e estamos dizendo sobre forças nocivas das sombras. Não conseguirão, pois a Luz sempre vence. Qual é a Luz que vence? Não há política no plano espiritual. Há sim, Luz e Sombra. E afirmamos: a força que vencerá é a da Luz de Cristo. Portanto pedimos a vocês seriedade, vigília, atenção e oração. Não promulguem medo, não promulguem discórdia, discussão e besteiras. Promulguem confiança, força e energia de Vitória, pois essa é a palavra de ordem para o vosso país. Uma limpeza muito grande precisa ser feita para que esta Terra se transforme naquilo que se propôs a ser, um Império, o Reino da Luz neste mundo, que um dia a vossa Imperatriz Leopoldina veio construir ao lado do seu marido Pedro I. não é para este tempo esta manifestação, mas sim o início do tempo onde seus filhos e netos viverão. Façam isso por eles e também por nós. Em Luz nos despedimos agora. (Mensagem recebida da falange de Arcanjo Miguel, guerreiros templários celestes)   

            Estas mensagens que recebemos do mundo espiritual, geralmente através de médiuns, tem que passar naturalmente pelo crivo mental desse médium. Portanto, sempre algum grau de impureza podemos observar sobre a mensagem espiritual que chega até nós. Porém, o conteúdo básico, como este que reproduzi, encontra sintonia das ideias com os fatos, coerente com as lições recebidas do mundo espiritual e sem refutação pela lógica. Portanto, sigamos as sugestões e procuremos corrigir com serenidade e harmonia os descalabros que as sombras fizeram e continuam a repercutir em nosso país.


Publicado por Sióstio de Lapa em 11/07/2018 às 09h58
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/07/2018 07h45
(AA-02) – 7ª TRADIÇÃO DE ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

            No estudo que iniciei dentro do “Grupo Ceará-Mirim de AA” surgiu uma controvérsia sobre a 7ª Tradição. No livro azul, “Alcoólicos Anônimos”, considerado como o texto básico para Alcoólicos Anônimos, vamos encontrar o seguinte:

            Os grupos de A.A. devem ser inteiramente autofinanciados pelas contribuições voluntárias de seus próprios membros. Acreditamos que cada grupo deve atingir, em pouco tempo, esse ideal; que qualquer solicitação de fundos se usando o nome de A.A. é altamente perigosa, seja ela feita por grupos, hospitais ou outros agentes externos; que a aceitação de grandes donativos de qualquer fonte ou de contribuições que acarretem quaisquer obrigações é desaconselhável. Vemos ainda com muita preocupação aquelas tesourarias de A.A. que continuam a acumular fundos além da reserva prudente, sem um propósito específico. A experiência tem nos demonstrado, frequentemente, que nada pode destruir nosso patrimônio espiritual com tanta certeza, como as discussões fúteis sobre propriedade, dinheiro e autoridade.

            No momento foi colocado o exemplo de alguém fora da irmandade, querendo ver o acolhimento que se fazia com doações, disse que iria para a reunião e colocaria na sacola da 7ª Tradição, cem reais. O membro de A.A. que ouviu a provocação, foi antecipadamente ao coordenador e disse para ele recusar essa doação. Deixou, assim, o exemplo de que A.A. não deveria receber contribuições de fora.

            O coordenador da reunião, no momento colocou uma opinião contrária, que se um visitante chega pela primeira vez e se sente motivado a contribuir com a 7ª Tradição, ele não iria se opor.

            Ficou assim instalada a controvérsia. Quem estaria correto?

            Vamos examinar a situação dentro dos princípios de A.A.: com humildade e a sabedoria necessária que o Poder Superior nos proporciona dentro da Consciência Coletiva.

            Que nos diz a literatura básica? “Que os grupos de A.A. devem ser autofinanciados pelas contribuições voluntárias de seus próprios membros.” Imaginemos que o grupo está aberto e funcionando. Os membros alcoólicos estão levando a mensagem a quem está ali pela primeira vez, alcoólico ou não. Com essa mensagem de alcoólicos anônimos que está sendo praticada, a Consciência Coletiva está exposta e envolve todos os presentes, membros alcoólicos, alcoólicos não membros e visitantes. Os membros alcoólicos já estão dentro dessa Consciência Coletiva, mas os alcoólicos não membros e visitantes estão tendo contato pela primeira vez. Caso a consciência deles tenham sintonizado com a Consciência Coletiva de A.A., podem muito bem ficar motivados para contribuir para que esse serviço onde tal consciência se manifestou, não deixe de existir. Com certeza, a Consciência Coletiva de A.A., onde se expressa a essência de Deus, não vai rejeitar tal contribuição, mesmo porque nenhum dos membros do grupo pediu donativo de ninguém, e os próprios membros de A.A. já deixaram claro em suas exposições que os grupos de A.A. são autossuficientes, que não precisam de contribuições de fora, seja qual for o valor.

            Porém, existem pessoas ignorantes que veem maldade em todo lugar, inclusive em A.A. e que pode ir à uma reunião com esse firme propósito de testar a honestidade do grupo, dos membros de A.A. Essa pessoa que também visita o grupo pela primeira vez, com a intensão de doar para testar a honestidade ou ambição, está sintonizada com a Consciência Coletiva? Não! Mas pode ser que ninguém no grupo saiba quais são suas intenções quando ele se dirige com a mão fechada e deposita uma doação na sacola. Por esse motivo a doação termina sendo aceita.

            Podemos pensar assim... Isso foi muito ruim, agora vão falar mal de A.A. Pelo contrário, essa pessoa foi usada pelo Poder Superior para testar a Consciência Coletiva do grupo, se vai publicar como sempre faz o alto valor que foi encontrado, se vai melhor encaminhar o local da reunião da forma mais eficaz possível para levar a Mensagem e se vai encaminhar o excedente pelos devidos trâmites para os Serviços que devem ser mantidos à nível regional e nacional. Tudo isso feito de forma transparente para que todos que frequentem a sala vejam qual o destino de suas doações.

            Com certeza essa pessoa voltará ao grupo para ver o que foi feito com sua alta doação, quem foi que a embolsou... e quando perceber o destino que seu dinheiro teve, poderá até fazer novos testes, mas a tendência é ela sair da sala conhecendo a honestidade do grupo, ou então permanecer nele, tocado pela Consciência Coletiva, quer seja alcoólico ou não, pois percebe a importância de transmitir a mensagem.

 


Publicado por Sióstio de Lapa em 10/07/2018 às 07h45
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
09/07/2018 00h01
FASCISMO É AUTORITÁRIO

          Concluindo o estudo feito por Rodrigo da Silva, volto a colocar as últimas informações trabalhadas pôr ele, para melhor conceituar o Fascismo, termo tão usado e pouco entendido pelos que o usam como arma de ataque.

            Sabe aquela imagem estereotipada do grande líder totalitário concentrando todo poder possível nas mãos para dar cabo ao seu plano psicopata de destruir completamente o mundo? Sinto dizer, mas longe dos desenhos animados e dos pastelões de Hollywood, ela é falsa. Em geral, a mesma noção altruísta que teoricamente move políticos dos mais diversos credos ideológicos também inspiram diferentes líderes totalitários: todas as suas ações políticas são justificadas a partir de uma hipotética luta pela transformação do mundo vigente, do combate às mazelas históricas, da crença que as suas ideias são naturalmente superiores e benéficas ao maior número de pessoas.

            E é justamente graças a esse entendimento que seu plano político é infalível na construção de uma sociedade mais justa e estável, e que seus opositores representam uma ameaça ao bem-estar geral da população, que líderes totalitários e seus simpatizantes usualmente criam algumas das ditaduras mais perversas que a humanidade já testemunhou – dentre as quais uma muito peculiar, ainda tão em voga nos dias atuais: a do pensamento único.

            Via de regra, todos aqueles que buscam construir o paraíso na terra concentrando poder, acabam produzindo catástrofes infernais.

            E se a tirania atinge seu ápice na instauração da nova identidade política, com muita repressão policial, ela alcança forte poderio também no campo das ideias. Acreditando defender um mundo moralmente superior, fascistas – assim como seus irmãos bastardos, os populistas de esquerda – condenam aquilo que entendem como pensamento dominante (essencialmente capitalista e individualista) para dar lugar a um novo reino da opinião e das condutas pessoais, construídas sobre o mito da juventude como artífice da história, da total dedicação à comunidade, da camaradagem e do espírito guerreiro e revolucionário. Em geral, fascistas e populistas de esquerda não apenas censuram todos aqueles que destoam de suas crenças, tratados literalmente como politicamente incorretos, como ameaçam física e moralmente seus opositores.

            Dessa forma, a liberdade de expressão vira um mero conceito pequeno burguês: a própria palavra é um instrumento do coletivo, da maioria do “povo”, e deve ser silenciada quando utilizada pelos não alinhados ao pensamento único. Não apenas os veículos de informação que denunciam descasos do partido são condenados ao descrédito – quando não à censura – como pensadores de oposição acabam tratados como arqui-inimigos dos trabalhadores e do bem comum. Sem escapatória, ou você repete o discurso coletivo, ou você morre abraçado ao riso da estupidez.

            Assim, a essa altura do texto, é muito provável que muitos daqueles que você está acostumado a ver acusando os outros de fascistas, com expressões autoritárias, dedos em riste e soluções inquestionáveis para todos os problemas do mundo, quase sempre são eles mesmos os mais fervorosos praticantes do fascismo – um fascismo velado, cínico e demagogo, mas não menos autoritário. Escondidos sob o véu desse autoritarismo do bem, pretensiosamente inclusivo de justiceiro, os fascistas envergonhados dos dias atuais, como os do passado, são quase sempre os primeiros a acusar os outros daquilo que eles mesmos fazem, e justificam seus protestos, suas greves, seus boicotes e suas vaias, com toda uma insolência muito peculiar, à incendiária construção de um novo mundo, mais justo.

            Isto posto, não nos resta dúvida que o fascismo atravessou o século e deixou de ser uma marca registra aos líderes totalitários. Por isso, esqueça Hitler, Vargas ou Mussolini. Olhe ao seu redor. O fascismo é um instrumento da modernidade que concentra sua luta na construção de um mundo melhor através de ações estatais muito específicas e irredutíveis que moldam as particularidades humanas sob a égide do politicamente correto e do pensamento único.

            Lembre disso na próxima vez que sair por aí acusando os outros usando esse nome. Você pode ser o fascista da vez. Você só não sabe disso ainda.

            Observando e sentindo o que se passa no Brasil atual, chego a refletir que seria necessária uma intervenção, tipo de “salvador da Pátria”, mesmo com uma pessoa de postura autoritária, mas com firmeza de intenções para passar no máximo um ano no poder. Deveria ter o apoio popular massivo, com o objetivo de nesse curto espaço de tempo corrigir as sérias distorções que as últimas administrações impuseram ao país. O primeiro passo seria dissolver as instancias superiores de justiça, deixando em funcionamento apenas as primeiras e segundas instâncias, para logo em seguida abrir concurso público com exigências éticas e competência profissional para cada candidato. As eleições seriam realizadas sem dinheiro público ou privado sendo injetado nos candidatos, apenas com o tempo na mídia igual para todos e o santinho com a foto e no verso a plataforma política defendida. Seria construída de imediato uma cidade correcional no espaço amazônico onde todos os apenados devidamente julgados pela justiça seriam encaminhados para cumprirem suas penas trabalhando na agropecuária, e infraestrutura coletiva.

            Com o Supremo recomposto e a criminalidade afastada da coletividade sadia, esse interventor promoveria ações informativas e educativas por todo o país sobre o sistema de governo, presidencialista, parlamentarista ou monarquia parlamentarista. Após decisão em plebiscito de qual sistema de governo iriamos seguir, as eleições seriam convocadas, os eleitos assumiriam e esse interventor autoritário sairia de cena, sem deixar dentro da administração pública nenhum apadrinhado de suas ações.

            Acredito que se tivéssemos condições de colocar em prática essa ideia, sairíamos da zona de perigo onde nos encontramos, a mercê de um populismo/fascista, dentro de um caldeirão de ignorância e marginalidade, dos descamisados e dos colarinhos brancos.

            Mas, talvez, esta seja mais uma utopia que nossa imaginação cria e que a realidade não permite. Mas como nosso país está indicado para ser o coração do mundo e a pátria do Evangelho, talvez tenhamos uma mãozinha...


Publicado por Sióstio de Lapa em 09/07/2018 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
08/07/2018 00h01
FASCISMO É POPULISTA

          Continuando o estudo feito por Rodrigo da Silva, volto a colocar as informações para melhor conceituar o Fascismo, termo tão usado e pouco entendido pelos que o usam.

            Há algo inegável a respeito das ideologias: fascistas e populistas de esquerda nasceram como uma espécie de irmãos Karamazov dos dicionários políticos. E não sem motivos.

            Em geral, tanto o primeiro grupo quanto o segundo, construíram suas plataformas ideológicas no último século a partir do aumento do gasto público, da criação de políticas econômicas equivocadas, justificadas para atender as massas, da propagação da ideia que o livre mercado é um mal a ser combatido, da figura centrada num grande líder carismático, do uso das estruturas do Estado para a construção da propaganda oficial, do combate à globalização como proteção à economia nacional, da crença no partido como um instrumento inquestionável de criação de prosperidade e justiça social, da luta contra um inimigo em comum (os norte-americanos, o comércio internacional, os judeus), da construção de um discurso que uma o grande líder ao “povo” e condene todas as figuras contrárias ao partido como “antipovo”, da perseguição à propriedade privada, da ,manipulação dos números oficiais, da descrença em escândalos de corrupção do governo.

            Isso tudo está em Getúlio, Hitler ou Mussolini. Mas também está em Chávez, Peron e Fidel.

            Há evidentes diferenças entre fascistas e populistas de esquerda, certamente. Ainda assim, não é um equívoco apostar que há mais coisas que aproximam do que os afastam.

            Esta tendência desses dois tipos de movimentos, fascistas e populistas, de aumentar os gastos públicos e condenar a evolução dos mecanismos de mercado, traz num primeiro momento um aparente bem-estar para a população, mas logo em seguida, com a queda na entrada dos recursos associada ao aumento de sua saída, iremos ver o desastre econômico, como aconteceu na Venezuela e começou a acontecer no Brasil.

            Entre nós, o aparelhamento do Estado com figuras que se comportam alinhadas a esse tipo de pensamento, inclusive nas altas esferas, como as instâncias superiores da justiça, mostram atitudes tão incompatíveis com a ética como o favorecimento da corrupção que assola o país.

            O investimento em propaganda se torna mais importante que o investimento nas ações básicas e prioritárias do governo, como saúde, educação e segurança. Esses governos populistas desejam manipular a vontade popular com mentiras, falsas narrativas, entendendo que a maioria são ignorantes e necessitados da sobrevivência biológica.

            Nesse contexto, entendo que todos que conseguiram desenvolver uma consciência crítica devem denunciar em seu entorno esse tipo de política populista, fascista, que seja respeitado o livre mercado, o individualismo, o liberalismo, e também tenhamos pulso para que não seja gerada injustiça à condição humana, única forma desses movimentos nocivos prosperarem dentro da sociedade.


Publicado por Sióstio de Lapa em 08/07/2018 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 3 de 478 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr