Meu Diário
12/09/2017 00h46
CGH – AULA 02 – LOCALIZAÇÃO E TEMPERATURA (PARTE 7)

            O mundo extrafísico mais denso tem início no limiar da frequência do duplo etérico, incluindo a frequência do psicossoma ou perispírito e o início da frequência do campo mental inferior.

            Onde está localizado esse plano extrafísico que nós chamamos de umbral? Ele começa exatamente na frequência do duplo etérico. O duplo etérico é um corpo físico, porém em estado plasmático, que todos nós temos, e que ele se deteriora logo após a morte. O duplo etérico sobrevive nesse ambiente crosta-a-crosta por no máximo 30-45 dias. Aí nessa frequência vibratória, começa o plano astral, o plano das emoções, e termina exatamente, incluindo algumas frequências do psicossoma, do perispírito até o plano mental inferior. Então, até o perispírito ainda vibra nessas zonas que nós chamamos de umbral, e não na zona do plano mental. Querem ver? Livro de André Luiz, “Nosso Lar”. André Luiz já está em Nosso Lar já há algum tempo, estudando, trabalhando, e com saudades da mãe dele. A mãe dele está no plano espiritual e ele no umbral, Nosso Lar está no umbral. Ela dorme, o perispírito se desdobra em Corpo Mental e ela desce em corpo mental similar ao corpo mental dele. Depois ele volta para o perispírito e ela volta para o plano espiritual dela. Ela estava no plano espiritual, ele não. Ele estava no umbral, como está até hoje ligado aos trabalhos do Nosso Lar. Isso não tem a ver com merecimento, depois a gente estuda isso. É só pra gente entender a localização. Então, quando se fala assim, ah, foi para o plano astral, um plano superior... não! Mesmo porque, os verdadeiros espíritos superiores, segundo Tereza de Calcutá fala no livro “A força eterna do amor”, o céu está vazio, porque os bons desceram para ajudar aqueles que precisam de auxílio. Ela até brinca, deixem o céu para os papas, cardeais, religiosos, porque enquanto estiver viva, essa força de ajudar, eu serei chamada de “Santa da Escuridão”, porque o meu lugar é junto dos que sofrem, dos que precisam de ajuda. É belíssimo o texto dela no livro “A força eterna do amor”.

            Vale registrar que as evidências colhidas através de observações extrafísicas, parapsíquicas diversas, sugerem a existência permanente, predominante, de temperaturas baixíssimas no plano extrafísico crostal, ao modo das temperaturas existentes no espaço interestelar.

            No plano astral inferior prevalece a temperatura que está externa ao planeta Terra, uma faixa de vibrações muito baixa, frio intenso

            Daí porque a condição de resfriamento que ocorre no ambiente humano das manifestações parapsíquicas, como efeito físicos, Ectoplasmias, telecinesias, desmaterializações, correntes de ar gélidas, etc.

            Através do ectoplasma os espíritos fazem baixar a temperatura que é preciso até colocar roupas apropriadas, mesmo que haja calor do outro lado, porque é uma zona intermediária onde vão transitar os espíritos. No plano astral prevalece temperaturas baixíssimas. Ocorrem muitas vezes nas reuniões mediúnicas tradicionais, desobsessão ou não, apometria, de contato com os mentores, e daí a pouco as pessoas começam a sentir frio. Isso significa que está entrando em sintonia com o plano astral intermediário, onde prevalece temperaturas baixíssimas. As vezes, manter a climatização do ambiente mais baixa, até ajuda os médiuns a entrar em sintonia com eles, se tiver condições. As vezes se fica arrepiado e pensa ser espírito; não, é a temperatura do plano astral, já se está entrando em sintonia mental e vibracional. Esse é um tema a parte belíssimo de estudar para entender as diferenças, e quando se sai do plano astral para o plano mental, também.


Publicado por Sióstio de Lapa em 12/09/2017 às 00h46
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
11/09/2017 23h57
CGH – AULA 02 – ZONAS DE DETERIORAÇÃO (PARTE 6)

            No plano físico como no plano extrafísico, nós temos as ondas de deterioração, que são aquelas zonas periféricas do plano extrafísico.

            Em sociologia já está bem definida a zona de deterioração ou área de vício.

Zona da cidade caracterizada pelo estado precário de edificação e pelo elevado grau de desajustamento de seus habitantes.

            Estas são as zonas onde se reúnem marginais, pessoas mal resolvidas, por mais que você leve educação, as pessoas bagunçam tudo... isso é zona de deterioração. Mas, necessariamente não fica só na periferia, está misturado em todos os lugares. É uma zona da cidade caracterizada pelo estado precário, pelo elevado grau de desarmonização dos habitantes, falta de educação para viver em comunidade, e a falta de educação para viver em harmonia com o meio em que a pessoa está inserida. Isso é zona de deterioração. No plano extrafísico é a mesma coisa que ocorre aqui na Terra, porque aqui é uma cópia mal feita daquilo que tem do outro lado.

            Os indivíduos que aí se localizam procuram fugir a certas formas de controle social e tendem a perder-se na confusão e variedades de padrões de comportamento da área.

            Os padrões de comportamento nessas áreas nem sempre são suficientes para a vida em comunidade. Não é suficiente a mudança estética do lugar, a pessoa precisa de educação para aprender a viver. Vale para os dois lados da vida.

            Concentram-se aí bandos juvenis, a prostituição, a delinquência, a miséria e o vício em suas formas variadas.

            Bando que nem sempre significa de marginais, mas de jovens, de adultos, que vão se unindo de acordo com suas tendências. Nós temos as gangues, os arrastões aqui na Terra, e no outro lado também. Essas são as zonas de deterioração que foge a esse controle social, pelo menos por enquanto.

            A zona de deterioração humana nada mais significa que a cópia imperfeita e caricatural das áreas extrafísicas, crosta-a-crosta, umbralinas, astrais ou purgatoriais.

            O que nós vemos aqui e que nos chocam, é uma caricatura do que se encontra do outro lado. Saímos do plano físico, é ilusão pensar que estamos no plano espiritual. O umbral não é plano espiritual. O plano astral não é plano espiritual. Então nós estamos entrando numa zona intermediária entre o físico e o espiritual, mas com várias gradações, vários tipos de matéria, ou como diz Ângelo Inácio, com a fisicalidade e materialidade diferentes, mas é sempre material.

            Características: parada evolutiva; atraso moral; degeneração da forma. Exemplos: Endógeos (seres que vivem escavando a terra – fura-terra), Troglóbios (cavernícolas – vivem escondidos em cavernas), Folióbios (habitantes de covas e montes de terra), Topóbios (ficam em baixo de pedras e rachaduras do solo) e Trogloditas (seres de aparência mais humana, mas que habitam cavernas do mundo astral).

As características próprias desses ambientes são como as zonas purgatoriais aqui na Terra. Hoje com o avanço dos chamados direitos humanos, que eu não sei onde isso irá nos levar, não que eu seja contra, mas eu não entendo direito, não tenho inteligência ainda suficiente para entender, pelo menos em minha cidade, ninguém pode andar em praça. Porque tem tanto morador de rua, que está tomando banho dentro dos locais públicos, andando nus nos locais públicos e a prefeitura tenta tirar, mas os ativistas dizem que é direito do ser humano. Mas você não pode passar mais ali. Eu mudei de um local aqui em Belo Horizonte, porque eu tinha medo de descer do meu prédio, porque tinha 18 pessoas deitadas, a partir das 5h da tarde, desde fumando maconha, usando uma série de outras coisas... eu estou com medo, não posso sair da minha casa, e olhe que é uma região relativamente nobre da cidade. Então, é direito humano, tudo bem, mas o cidadão que está pagando as contas, não tem direito de também ter o espaço próprio dele? E essas outras pessoas ter um lugar próprio para elas? Não entendo isso, veja bem, não é questão política, é falta de inteligência da minha parte. Mas basta você olhar, quando se descia do prédio tinha gente fazendo sexo debaixo da marquise, sujos, a prefeitura tentava dar roupas, a gente tem vários lugares, eles não aceitam ir porque lá tem regras, e na rua podem fazer o que querem, porque tem direitos humanos que garantem que eles façam o que querem, inclusive te afrontar de várias formas, de maneira abusiva. Imaginemos isso no plano astral, bem maior, uma parada evolutiva, pessoas que não produzem. Um atraso moral no sentido que não têm noção do que estão fazendo, se é uma aberração ou não, para eles é comum fazer aquilo... estou falando do plano astral, aqui não existe isso, principalmente no Brasil. Degeneração da forma, a pessoa passa a não se cuidar mais, a forma humana vai ficando cada vez mais cadavérica, mais deformada... imaginemos isso no plano astral. Quando eu saio do corpo pela morte, ou pelo desdobramento, o primeiro lugar que eu vou é para essa zona que está crosta-a-crosta ligado aqui. Não adianta você ser um santo ou um anjo, você não vai direto para o plano superior sem passar por esse local. É o caminho natural. Muita gente diz que Chico Xavier não passou pelo umbral... como? Se isso é uma lei universal? Não tem como pular de um plano para outro sem passar pelo intermediário ali. Não tem como! O próprio Cristo, está lá, no livro de Judas, no livro de Pedro, e fala que Jesus desceu aos infernos. E quando Maria Madalena queria tocar em Jesus após a ressurreição, ele disse: “não me toque, pois eu não fui ainda ao Pai”. Ele não subiu ao plano espiritual. Ele estava na zona umbralinas ainda. Voltou de lá com a energia densa e enquanto não liberasse não podia ser tocado senão o tóxico seria transferido. Era isso que ele queria dizer. Então existem esses diversos exemplos desses habitantes dos diversos locais do umbral. Vamos estudar com mais detalhes quando formos ver o plano astral e seus habitantes. Vimos de forma superficial as diferenças entre o plano físico, o astral e o umbral. O pensamento aliado com a emoção determina o local onde devemos ficar.


Publicado por Sióstio de Lapa em 11/09/2017 às 23h57
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/09/2017 16h05
NÃO DEIXEI A POLÍTICA - UM SONHO

            Fui por muito tempo filiado ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), dirigido por Leonel Brizola. Tive oportunidade de entrar no Partido dos Trabalhadores (PT) que estava sendo formado na ocasião que eu estava procurando filiar-me a algum partido. Eu acabava de terminar o meu curso de medicina, começava a clinicar, e percebi que o trabalho somente em consultório não levaria a um resultado consistente, era como se eu estivesse enxugando gelo, tratando as doenças que a sociedade provocava. O trabalho político eu via como mais importante para ter uma ação mais eficácia na resolução dos problemas da população. Percebi que o PT que estava em gestação tinha uma proposta muito radical, considerava os políticos que caiam em qualquer contradição, pessoas que precisavam ser punidas e expurgadas da vivência pública. Eu entendia que todos que se mostrassem arrependidos dos erros cometidos e quisessem fazer um trabalho honesto, mereciam uma chance. Essa forma de pensar no coletivo das pessoas que construíam o PT e que destoava dos meus pensamentos e convicções, foi o que fez eu me filiar ao PDT e desistir do PT, mesmo que ele estivesse surgindo nas universidades.

            Passei a trabalhar como médico e fazer a militância política, fui dirigente do PDT, e fui candidato a diversos cargos, vereador, deputado estadual, federal e até vice-governador, sempre com o lema da Dignidade Humana. Vi que a minha forma de trabalhar politicamente, dentro da coerência e da ética, não possibilitaria a minha eleição, eu não daria prioridade aos meios para alcançar os fins.

            Deixei o partido e pensei que havia deixado a política. Passei a investir maior tempo ao estudo e a prática dos assuntos espirituais. Fiquei mais sintonizado com Deus, percebia as suas mensagens e entendi que nós, que o consideramos como Pai, devemos fazer a Sua vontade quando assim surgir em nossas consciências.

            Foi assim que passei a praticar a lei do Amor Incondicional em minha vida, da forma que entendi, com toda coerência e honestidade. Isso me fez afastar da cultura atual da minha comunidade, principalmente com relação aos relacionamentos afetivos.

            Nos últimos dias comecei a perceber que o Pai tinha outra missão para mim, mais complexa e dentro das atividades políticas. Percebi que todo o meu treinamento até o momento, com as atividades políticas, com o Amor Incondicional, tudo foi uma preparação para essa última ação que deverá consumir a minha atual existência. Devido a sua complexidade não tenho uma ideia definida de como será procedida, sei apenas que o Pai está no comando e dEle surgirá as instruções e os caminhos que eu já decidi seguir para cumprir a Sua vontade.

            Ontem tive um sonho que deve ter sido resquícios de orientações sobre essa missão que recebi no mundo espiritual por ocasião do sono.   

            Estava andando pelas ruelas de Ceará-Mirim, pedindo ajuda as pessoas que se mostravam na sua totalidade amistosas. Procuravam ajudar, mas não conseguia encontrar essa rua central, na qual eu poderia me orientar para encontrar o meu objetivo. Cheguei a entrar dentro de uma igreja que estava superlotada. Fiquei em pé no corredor junto com diversas pessoas na mesma situação. Logo veio uma solicitação para todos que estavam no corredor sair da igreja, pois estavam dificultando o trabalho do padre na missa. Também havia a possibilidade de envolvimento sexual com pessoas dessa localidade, mas a oportunidade não surgiu.

            Interpretei esse sonho como orientações das dificuldades e facilidades dessa missão política que eu estava recebendo. Facilidade no contato com as comunidades que eu deverei interagir, mas dificuldade de focar no objetivo, com as possibilidades sexuais que devem surgir, mas que deverei evitar para não prejudicar o desenvolvimento da missão.

            Portanto, considero-me de volta à política, mesmo que não esteja tão preocupado em seguir com rigor os estatutos partidários, e sim a vontade do Pai que para mim agora é majoritária e definitiva.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 10/09/2017 às 16h05
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
09/09/2017 23h59
DIMENSÕES DA VERDADE (16) – FAZENDO O SOL

            Muitos vivem dentro de um enclausuramento mental, voltados para seus problemas, alimentando os sofrimentos criados nas sombras mentais das culpas e arrependimentos; não conseguem ver, ou não tem interesse em voltar os olhos ao redor, para o trabalho socorrista que espera por braços que trabalhem em favor dos outros.

            A vida flui, e leva consigo tanto as pessoas próximas ou distantes, como nós... elas passam pela vida entre soluções e provações a que desde cedo estão vinculados, e nós raciocinamos que essas pessoas já estão acostumadas a sofrer desde a tenra infância, não tem porque ficarmos preocupados por elas. Nós ficamos somente preocupados com nossas dores que classificamos como insuportáveis.

            E onde está a misericórdia e a justiça divina dentro deste quadro tão amplo de sofrimentos, internos e externos? Podemos indagar muitas vezes... onde está a justiça divina? Não a reconhecemos ao nosso lado! Todos que sofrem de alguma forma, seja um pai velho e abandonado, sejam crianças, órfãs e desamparadas pelas ruas, sejam os aflitos que sofrem dores morais, decepções, tristezas, angústias... todos estão pagando por seus erros à justiça divina, que permite a reencarnação em tal ou qual situação expiatória. E onde está a misericórdia divina? Está em nossas mãos, que mesmo padecendo e pagando por nossos próprios erros, temos também a oportunidade de ajudar o próximo, e assim corrigirmos com mais rapidez o que precisamos fazer.

            Todos que estamos aqui neste planeta de provas e expiações, certamente algo teremos que pagar, e daí vem as provações que teremos que passar, as nossas provações, sem esquecer que as outras pessoas também passam por provações que podemos amenizar, e fazendo assim amenizamos as nossas próprias provações, ajudando os outros, observando que há fome de amor perto do nosso leito de queixas. Levantemos da inércia psicológica e comportamental, e acionemos a máquina da beneficência! Sigamos o conselho de Madre Tereza de Calcutá, que dizia: “temos de ir à procura das pessoas que podem ter fome de pão ou de amizade”.

            Podemos ser raios de sol com as coisas muito simples, como uma palavra de acolhida fraternal a alguém que procura por uma ajuda em qualquer local, público ou privado, nas instituições ou nas ruas; ou com o simples freio comportamental, de evitar uma reprimenda ao próximo, perto ou longe da pessoa acusada, quer seja por usar drogas, roupas decotadas, adornos exagerados, etc.

            Somos todos imperfeitos, na luta para seguirmos em direção à luz. Quantos bens se demoram encurralados dentro de nossas mãos, e quantas oportunidades deixamos passar, deixamos de ser produtivos e fraternos? Devemos acompanhar a viagem da semente em transformações incessantes até uma nova semente seja germinada, seja no reino vegetal literalmente, seja dentro da humanidade, metaforicamente.

            Não podemos esquecer da importante parábola do Mestre Jesus, que falava dos talentos. Exemplificava com essa mensagem educativa, que não podemos deixar nossos talentos, nossos recursos enterrados, sem produtividade. Temos que fazê-los reproduzir com ética e generosidade dentro dos relacionamentos humanos. O dinheiro não pode ficar ocioso!

            Devemos aplicar o minuto do repouso desnecessário edificando algo bom em alguém ou para alguém, e as noites de desassossego brilharão com os lampejos das estrelas dos nossos esforços, clareando caminhos, por mínimo que aparentemente sejam. Muitas dores são filhas da ociosidade.

            As vidas que se voltam para si mesmo, podem se apresentar como colunas belas e decoradas, mas sem base nem utilidade. São dispensáveis e frágeis... São vidas vazias!

            É chegado o momento que Jesus recolhe os corações fecundados pela luz do seu evangelho, para a lavoura do Amor. Os corações que escaparam das pedras do caminho, das aves de rapina, dos espinheiros... são os corações que já começam a dar os seus frutos, pois para quem ama sempre está fazendo sol.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 09/09/2017 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
08/09/2017 07h22
CGH – AULA 02 – NOSSOS PENSAMENTOS = NOSSAS SOMBRAS (PARTE 5)

            Todo pensamento produz uma reação em sentido igual, em intensidade, força e qualidade ao pensamento gerador. Toda emoção dá força ao pensamento criador e lhe confere cor, textura, cheiro e vida, na medida exata da emoção cultivada. Nossas crenças determinam nossa sombra e nossa luz.

            Se você quiser saber a natureza do espírito que está ao seu lado, basta saber o tipo de pensamento, de emoção que está passando em você. Não importa quem você imagina que seja seu mentor, veja os seus pensamentos, como você pensa no dia a dia. É afinidade, afins atraem afins. Então, a natureza dos seus pensamentos, emoções, pesquisa, determina a natureza da sua companhia espiritual.

            Essa é uma das leis do mentalismo que irá ser estudada mais adiante. Todo pensamento, fora da matéria, gera uma reação em sentido igual, em intensidade, força e qualidade. Por isso, ao pensar mal sobre alguém, eu não tenho como evitar que isso atinja a pessoa, ela não tem, mas eu tenho como mandar imediatamente outro pensamento, mais forte ainda, mais intenso, de bondade, e que possa sobrepujar aquilo que eu fiz. Não tem como apagar, mas eu tenho como enviar outro pensamento bondoso. Uma vez lá na Editora Casa dos Espíritos, com a gerente nossa, que fez uma coisa que nos prejudicou muito, não foi por vontade própria, não foi deliberado, foi burrice. Imagine, eu falo que existe burrice progressiva, assim como existe aquela escova progressiva que as mulheres usam, e por isso houve um prejuízo muito grande. Então fiquei com muita raiva, e desejei algo para ela e imediatamente o Ângelo Inácio aparece e diz assim: “Robson, cuidado com seu pensamento, você é péssimo para fazer o bem, mas é ótimo para fazer o mal. Cuidado!” Eu liguei na hora pra ela e disse: faz uma prece, pois eu fiz isso e isso pra você, com raiva de você, e isso vai te atingir. Faz uma prece, te protege que eu não vou fazer pra você não, faça aí que foi intenso o negócio. Mas não deu outra, ela chegou em casa, foi um caos na família, quase houve morte, eu abri uma brecha pra ela... por isso, Ângelo Inácio falou, “eu disse, para fazer o bem você não vale nada, mas para fazer o mal você é ótimo!”        Então, cuidado com isso, com pensamento gerador. Foi uma coisa que eu não esqueci jamais. Então, depois ela veio e perguntou como deveria fazer. Eu disse para dar um passe, mas que eu não iria dar o passe, senão ela morreria, mas que iria arranjar alguém para dar o passe e liberar essa energia, eu vou falar pra pessoa o tipo de energia e ela vai saber como fazer. E fez, liberamos tudo, trabalhamos bem, rindo, e até hoje é tranquilo.

            Mas eu estou contando a força do pensamento. O pensamento que eu tenho irá irradiar e o que dá força ao pensamento é a emoção que eu gerei naquele momento. Esse é um dos princípios da lei do mentalismo. Por exemplo, quando um feiticeiro vai fazer um ebó, uma pajelança, um despacho, sob encomenda de alguém, para determinada pessoa que ele não conhece... Olhe só, alguém me encomenda para fazer uma coisa má, para outra pessoa que eu não conheço, então ela pede para a pessoa pensar com todo o ódio no coração naquilo que você quer, as retire isso de suas emoções, de você. E o próprio feiticeiro vê na sua memória algo que lhe deu muito ódio, muita raiva, junta os dois e coloca no pensamento aquilo ali e dispara o que chamamos de condensador energético que vai direto ao alvo. Se a pessoa não estiver preparada a energia é contagiante e imediata. Mas se a pessoa estiver preparada, existem certos respaldos que ela pode fazer, respaldada tanto nos benfeitores, mas principalmente da atitudes de auto defesa psíquica e energética que podem dissolver tudo isso. Mas é a emoção que vai dar mais força. Portanto, se eu desencarno com a emoção mal resolvida, mesmo pensando que é divino, que deu passes, cestas básicas, mas a emoção não está boa, eu gero o umbral perto de mim. Exemplo disso, leia o livro “Voltei” do irmão Jacob. O Irmão Jacob, ex-presidente da Federação espírita brasileira, chamado Frederico Figner, pai de Marta Figner, grande médium de materialização. Ele construiu várias creches, ajudou a obras sociais incríveis, ajudou a Federação Espírita Brasileira, e dirigiu de tal maneira, que esqueceu a própria família, a esposa, para se dedicar ao trabalho do Bem. Mas emocionalmente ele sentia-se culpado por estar deixando a família, estava mal resolvido isso dentro dele. Mas eram as crenças dele, que ele tinha que fazer algo para a humanidade. Desencarna e vai para uma situação muito complicada, difícil, complexa no mais alto nível. A Marta quando desencarna, tem uma luz envolvendo, ele olha para dentro dele e ver uma penumbra. E os espíritos falam com ele, “você não veio aqui para resolver o problema dos outros, você veio à Terra para si resolver. E aí, você ficou o tempo inteiro pensando no outro, não se resolveu. A culpa dele foi tanta que ele forjou o ambiente em torno dele. É lindíssimo o livro, “Voltei” do Irmão Jacob. Isso responde a segunda lei do mentalismo: toda emoção dar força ao pensamento criador. Mesmo que você pense assim: “ah, mas eu fui bonzinho, fiz isso, mas deixei minha família, ah, eu tive que deixar isso... a culpa gera essa situação constrangedora.

            Você pode chegar do outro lado... lembro muito bem de um dos espíritos que nos auxiliava, logo no início do meu trabalho mediúnico, por volta de 1983. Eu estava tenso, o espírito Martinho Lutero vinha com frequência me auxiliar, até mesmo pelo meu passado evangélico, e ele se manifestava sempre para nos auxiliar. As vezes ele falava assim: “Robson, você terá três surpresas no céu”. Aí, eu falava assim: “o único céu que eu conheço é o Centro Espírita do Umbral”. Ele dizia: “Entenda céu como o lugar para onde você for, o melhor lugar para onde você for. Você chama de céu, outro de paraíso, outro de plano astral superior, plano mental, o melhor lugar que você consiga chegar, terá três surpresas. A primeira delas é você se encontrar lá, pois você se conhece, sabe como você é, e sendo assim como é, eu estou aqui neste lugar bom? A primeira surpresa é essa. Ou o contrário, de acordo com a sua crença, mas eu fiz tanto bem, tanta bondade, dei palestras, e estou aqui nessa região trevosa. Será que Deus não gosta de mim, cadê a misericórdia de Deus? A primeira surpresa, seja onde você estiver, é você se descobrir lá. Temos culpa demais por um lado, então se você vai para um lado bom, e você se surpreende, pois sabe que não é tão bonzinho assim. Nós sabemos os nossos erros, os pecados mais cabeludos, e aí depois você se ver num lugar bom, e diz que não merece, por que está aí? Porque não é merecimento, existe outra coisa que será estudado depois, noutro contexto. Pode ser ao contrário, eu trabalhei como médium, dediquei 40 anos da minha vida, psicografei, dei passes, dei sopa, e estou aqui neste umbral... você sabe que existe sete cidades no plano astral só de médiuns e espíritas mal resolvidos e em sofrimento? São os mais difíceis de lidar? Por causa das crenças cristalizadas deles? Então, primeira situação que você vai encontrar do outro lado: eu estou aqui.

            A segunda surpresa, quem você achava que devia estar ali, não está. Seja do lado bom ou do lado mal. Ah, mas minha mãe foi uma pessoa maravilhosa, o meu pai, o meu filho adorado. Ou o contrário, vamos imaginar que você esteja no umbral e aquele vizinho miserável, ganancioso, aquele deputado, aquela infeliz de mulher que está derrubando tudo... não está. Por que é que eu estou? Eu sempre fiz o bem e eles fizeram tantas desgraças...

            A terceira surpresa, quem você achava que não devia estar, vai estar ali com você. Estou no céu, estou no paraíso, no Nosso Lar, na Aruanda... aquele médium, aquela pessoa maravilhosa, devia estar aqui comigo... não! Não está, não se conhece ele. Mas ele não fez tanto bem? –Não conhecemos ele! Ou então você está lá nas trevas, quem você achava que não devia estar lá, pois era tão bom, e como está aqui desse jeito. Você só conhecia a parte que a pessoa lhe dava para conhecer. Eu tenho muito exemplo disso quando recebo a psicografia, uma vez por mês a gente faz um trabalho de cartas consoladoras, psicografias dos parentes das pessoas que estão ali presentes. As mães chegam perto de mim e dizem, “Ah, o meu filho era uma pessoa boa demais, e ele perto de mim falando assim: -Eu não era isso não, isso era só o que eu deixava ela saber. Eu fazia isso e isso, e isso... se ela soubesse disso tudo... Então eu dizia, então engana na carta, não fala do jeito que você é não, pois sua mãe cai dura ali, não fala nem a metade do que você me falou... Aí o espirito escreve assim: “Mãezinha do coração, eu estou aqui auxiliado por um bom espírito, não posso te dizer muitas coisas porque tenho dificuldades com a mediunidade. É mentira! É para enganar a mãe mesmo depois de morto, pois se ele contasse o que ele fazia, e a situação real, ela cairia dura ali. Porque ela só conhecia do filho, o que o filho deixava. Minha mãe querida, eu estou tendo ainda reações comuns ao corpo físico, dor, sofrimento, tesão; ele não está no plano espiritual, ele está no intermediário, entre uma zona umbralinas e outra. Ai ele fala que está ainda com as mesmas reações que tinha quando no corpo físico. Como médium a gente entende, não vai explicar pra pessoa, pois ela vai desmaiar ali por saber a realidade. Ou seja, o pensamento que a gente tem das pessoas, não é o que elas são. Quer viver bem com um médium? Leva ele para dentro de sua casa uma semana. Nunca mais você vai querer! Nós os médiuns somos as pessoas mais compromissadas, complexas... eu costumo dizer que eu moro sozinho, vivo sozinho, não é nem por opção, isso é Deus preservando as pessoas de mim. Deus está preservando o mundo de mim, pois se alguém ficasse perto de mim, não sei quem destruiria quem. Nós não nos conhecemos nem as pessoas com as quais lidamos. Conhecemos apenas a máscara, a persona, a aparência apenas.


Publicado por Sióstio de Lapa em 08/09/2017 às 07h22
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 8 de 423 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr