Meu Diário
22/08/2019 17h52
MANIFESTO CRISTÃO (03) – LIBERDADE

Continuação da digitação sequencial do sermão do filósofo e pastor Francis Schaeffer disponibilizado no Youtube há 2 anos e que já conta com 10.000 visualizações, para que possamos refletir sobre seus argumentos.

            Uma pesquisa bastante recente dos 150 países que agora constituem o mundo, mostra que apenas 25 destes países têm liberdades. O que temos, e temos tão pouco garantido, é único. Isso foi trazido por uma cosmovisão específica e esta cosmovisão específica é a cosmovisão judaico-cristã, especialmente como foi refinada na Reforma, colocando a autoridade, de fato, em um ponto central, não na Igreja e no Estado e na Palavra de Deus, mas somente na Palavra de Deus.

            Todos os benefícios que conhecemos – repito – que temos tomado, tão facilitados como garantidos, são únicos. Eles foram fundamentados nesta cosmovisão que há um Criador que dá direitos inalienáveis. E esta outra cosmovisão aqui, que está se tornando cada vez mais dominante, da cosmovisão da matéria e energia como a realidade final, moldadas por puro acaso, jamais teria, não poderia e não tem base em valores a fim de dar esse equilíbrio de liberdades que conhecemos tão facilmente e que, infelizmente, se não tivermos cuidado, tomaremos como garantidos. Estamos agora perdendo essas liberdades e podemos esperar continuar perdendo se esta outra cosmovisão continuar a ganhar força e poder em nosso país. Podemos ter certeza disso, eu direi novamente: inevitavelmente, matematicamente, todas essas coisas virão à tona. Não há nenhuma maneira possível de curar o pensamento relativista de nossos dias, se de fato, tudo que existir é um universo que está em silêncio sobre quaisquer valores. Nenhum, qualquer que seja! Não é possível! É uma perda de valores e é uma perda de liberdades que podemos ter certeza que irão crescer continuamente. Um bom exemplo está nas escolas públicas. Esta visão é ensinada em nossas escolas públicas de maneira exclusiva - por lei. Não há outra visão que possa ser ensinada.

            Por lei, nas escolas públicas dos Estados Unidos da América em 1982, legalmente só há uma visão da realidade que pode ser ensinada. E esta é que a realidade última é apenas matéria e energia moldadas por puro acaso.

            A tendência das ciências é focar apenas na matéria e energia, mesmo que se veja em beco sem saída, como é o caso do big-bang, a grande explosão que deu início ao universo. Mas quem ou o que provocou essa grande explosão, esse big-bang?

            Isso apoia a fala de Schaeffer, pois a academia se debruça sobre as características materiais e energéticas da Natureza e não consegue ver as causas transcendentais, até porque não pode ver mesmo, não pode usar os sentidos naturais que possui nem os artefatos tecnológicos que fabrica para perceber isso. Nem mesmo a energia maior, fonte de tudo, que é Deus, não é percebido por esses instrumentos utilizados pela ciência. Apenas um poderia ser usado, a lógica e a coerência, fluindo pelos caminhos da inteligência. Mas até isso não consegue vencer o bloqueio da desconfiança, que tudo isso não seja fruto da imaginação. Então, preferem continuar na perseguição do próprio rabo, pois isso também é uma tarefa interminável, a não ser que em algum ponto a coerência exija a existência do Poder Criador, além da matéria e da energia que por Ele já foi criada.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 22/08/2019 às 17h52
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve sitar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr