Meu Diário
28/10/2019 03h09
CAIXA PRETA

            O livro de Roberto Shinyashiki, “A Carícia Essencial”, traz importantes elucubrações sobre uma forma de fazer terapia. Começa citando Eric Berne, um psiquiatra canadense que desenvolveu o conceito de strokes, que significa carícia, toque, estímulo e reconhecimento.  

            A introdução feita pelo psiquiatra José Ângelo Gaiarsa, afirma que “é preciso começar a trocar carícias, a proporcionar prazer, a fazer com o outro todas as coisas boas que a gente tem vontade de fazer e não faz, porque ‘não fica bem’ mostrar bons sentimentos”.

            A citação de Sigmund Freud coloca mais ênfase na forma de fazer terapia com mais afeto, pois diz que ele ajudou a atrapalhar mostrando o quanto nós escondemos de ruim. Porém, não é só coisas ruins que colocamos dentro da chamada Caixa Preta. Também escondemos dentro dela o que é bom em nós, a ternura, o encantamento, a alegria, o romantismo, a poesia, sobretudo o brincar com o outro.

            Por que tudo tem que ser tão sério, respeitável, comedido, contido, fúnebre, chato, restritivo? Por que o desejo, mesmo tendo sintonia com o Amor Incondicional deva ser reprimido? Até porque o desejo tem a ver com o sideral, com as estrelas. Seguir o desejo é seguir a estrela, estar orientado, saber para onde se vai, conhecer a direção.

            A gama de preconceitos em nossa cultura não deve impedir de tomarmos a direção correta, seguir o desejo compatível com o Amor Incondicional, principalmente em terapia, quando o outro que está ao meu lado merece ter todos os recursos, os mais apropriados para a melhora de sua condição afetada. 

            Nesse contexto, o medo é nosso maior inimigo, pois o outro está sempre observando atentamente tudo que fazemos e que não pode sofrer desvios do padrão cultural estabelecido. Assim, criamos mentalmente uma prisão sem grades para o nosso comportamento. Vivemos sob vigilância mútua, todos contra todos, observando, criticando, comentando.

            Quem tem coragem e quebra essas algemas mentais e faz o que dita a sua consciência, logo vai para a fogueira moderna queimar nas labaredas da maledicência até voltar a ser pequenos, insignificantes, imperceptíveis, uma espécie de normopatia. 

            O corajoso que assume abrir sua Caixa Preta e assumir qualquer conduta que não se afasta do Amor Incondicional, pode ser considerado um iluminado, apesar de todos o considerar um louco delirante que faz tudo diferente de todos. Interessante é que fazendo assim, o corajoso mostra um alto senso de dignidade humana, o que faz ele se tornar insuportável para todos os outros, que são indignos. 

            Amar ao próximo deixa de ser um idealismo místico de alguns poucos espiritualistas honestos. Iremos observar que a união na sintonia do Amor nos transfere sua força. Iremos, afinal, construir o Reino de Deus, recuperando nossos irmãos com afetos em primeiro plano.


Publicado por Sióstio de Lapa em 28/10/2019 às 03h09
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
27/10/2019 00h26
ORAÇÂO E AFLIÇÃO 

           Mesmo sabendo da importância da oração, sempre tenho dificuldade de realiza-la, por esquecimento mesmo. Isso é uma prova que não dou a importância devida. Mas aconteceu um caso comigo em Caicó onde a oração de repente assumiu a sua relevância.

            Sempre corto o cabelo com um senhor idoso, quando tenho necessidade. Neste dia não havia tanta necessidade, mas como meu trabalho terminou cedo, resolvi entrar na barbearia e fazer o cabelo. Resolvi também, por curiosidade, fazer a barba. Não havia também a necessidade. Mas a curiosidade venceu a prudência. Podia muito bem ter esperado e fazer a barba quando chegasse em Natal.

            O drama começou cedo, quando o idoso barbeiro terminou o cabelo e começou a barba. Ao sentir a proximidade daquela navalha afiada no meu pescoço, de imediato veio á minha mente a necessidade de fazer a oração. Sempre tenho vontade de fazer orações regulares com palavras bem concatenadas dirigidas ao Pai. Nunca consegui fazer isso a contento e muito menos nessa ocasião. Ai foi que a minha mente não encontrava palavras. Só vinha na minha mente as pequenas frases... “Pai, me ajuda!”, “Pai, me socorre!”. 

            Sentia a lâmina desfilar pelas áreas frágeis do meu pescoço e ficava a pensar: tenho um cachorro idoso em casa, que treme frequentemente devido a idade, e se esse barbeiro idoso também tremer e me cortar? Mas, ainda vinham pensamentos piores: sei que tem gente que sem motivos aparentes entra em surto psicótico e machuca quem está perto. E se o barbeiro entrasse em surto? Mas, ainda vinha pensamento pior do que estes: sei que a mente pode captar pensamentos pela telepatia e o pensamento de uma pessoa pode influenciar outra pela hipnose. E se esses meus pensamentos influenciassem a mente do barbeiro para ele fazer aquilo que eu temia, dar um simples corte na minha garganta e, com certeza, eu não levantaria jamais daquela cadeira.

            Enquanto a minha mente fervilhava com esses pensamentos misturados com os fragmentos de oração, o meu corpo queria responder com rigidez. Não podia deixar essa minha contração muscular ser aparente, pois sei que os cachorros quando percebem que uma pessoa estar com medo aí é que eles ficam mais valentes. 

            O coração queria acelerar, mas também aceleraria a respiração, e assim o barbeiro perceberia minha situação emocional. Precisava controlar os pensamentos catastróficos para não influenciar no ritmo do coração, mas tinha que fazer a oração que era a minha única tábua de salvação.

            A aflição se desenvolvia na minha mente e corpo enquanto a navalha persistente passeava por minha face, sentia mais arranhar do que alisar, muito diferente do alisar do meu estojo de barbear. Foi ai que eu senti a força do arrependimento e a extrema necessidade da prece. 

            Comecei a ficar mais aliviado quando percebi os movimentos finais do trabalho. Mas ainda tinha uma surpresa que eu não esperava. Ele molhou as mãos com um liquido, possivelmente contendo álcool, e alisou o meu rosto com ele. Parecia um lança-chamas incendiando meu rosto. Mais uma vez fiz outra acrobacia física e mental para controlar a rigidez do meu corpo, a contenção de lágrimas e até um grito preso na garganta. 

            Finalmente terminou a tortura. Posso não ter sido competente com a oração mais uma vez, mas fui muito competente com meus controles internos, pois o barbeiro comentou satisfeito: aproveitou bem o momento que chegou a dormir, né? Não iria destruir minha performance contando a verdade, dei simplesmente um sorriso desbotado de alegria, paguei, recebi o troco e sai em direção do mercado, com o rosto ainda afogueado pela brisa que lhe tocava. 

            Querendo aliviar a intensa pressão que acabava de sofrer, aceitei o convite de um senhor para sentar no seu banco para ele engraxar meu sapato, na frente do mercado. Foi quando passou um transeunte e procurou me fazer um favor, pois eu estava com uma camisa branca e iria sujar, dizia ele, o meu rosto estava manchado de sangue. Perguntou se eu tinha feito a barba com o referido barbeiro e confirmei, com o já tradicional sorriso amarelo, que talvez tivesse também vermelho. Ele disse que aquele profissional já era conhecido em retalhar o rosto de quem ia fazer a barba, e certamente eu não era da cidade para ter ido lá. Não quis prolongar a conversa, pois afinal de conta eu até gostava do tal barbeiro, pois sempre me dava um desconto sem eu pedir, quando fazia meu cabelo, alegando que não tinha o que cortar, com muita justiça, por causa da minha careca.

            Agora que estou digitando essa história, vejo como sou resistente com relação a oração. Fiz a oração, desesperado, durante a aflição, mas depois, não mais voltei a orar e agradecer ao Pai por ter saído vivo. 


Publicado por Sióstio de Lapa em 27/10/2019 às 00h26
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
26/10/2019 00h23
ESTUDO DA VERDADE

            O primeiro passo para o estudo da Verdade, é não termos a convicção que já somos portadores dela e que o outro é quem está equivocado dentro das mentiras.

            As lições que vêm do mundo espiritual nos convidam ao estudo da Verdade e ensina a distingui-la da Mentira. Vêm estimular e desenvolver nossa experiência, perspicácia e devotamento, clareando a inteligência, iluminando o coração e nos tornando dignos da assistência dos Espíritos elevados e capazes de ser por eles conduzidos à Verdade inteira. Vêm como precursores do estado de perfeição que devemos atingir.

            O objetivo dessas lições é nos preparar para esse estado de perfeição, abrindo pouco a pouco os olhos à luz, desenvolvendo gradualmente a inteligência e pondo-nos em condições de romper francamente e para sempre com todas as fraquezas de nossa humanidade contaminada pela condição animal, instintiva e egoísta. Devemos estar prontos para construir o Reino de Deus conforme as lições de Jesus, o Espírito da Verdade.

            Para alcançar essa meta é necessário que trabalhemos sem cessar sobre nós mesmos, destruindo tudo que pertence ao homem animal, repelindo as fraquezas e as faltas, nos protegendo contra os desejos da carne, incoerentes com a Lei do Amor.

            Para vencer as tentações incoerentes da carne, trabalhemos continuamente pelo progresso moral, ajudando também os nossos irmãos, dividindo a Luz que conseguirmos alcançar, agitando sobre nossas cabeças para que as suas centelhas iluminem ao longe.

            Existem três meios de atingir a perfeição humana: o amor, o estudo e a caridade. É importante conceder ao corpo tudo o que a matéria exige, mas sempre nos limites da sobriedade, da Lei do Amor. Devemos manter o nosso corpo num equilíbrio necessário, principalmente no que se refere ao amor romântico e ao Amor Incondicional, pois estamos sempre sob as vistas do nosso Pai. Ele julga não só nossas mais secretas ações, como também os pensamentos mais ocultos do nosso coração.

            O conselho de “vigiar e orar” é importante, a fim de que nossos pensamentos e ações possam ser postos a nu, saiam da caixa preta, não somente diante do nosso Pai, mas também diante de cada um de nossos irmãos. Oremos para que nossos atos estejam sempre em relação com os nossos pensamentos

            A oração agradável a Deus é o trabalho, tanto da inteligência quanto do corpo. Cada um de nós devemos trabalhar conforme a tarefa que nos foi confiada.

            Vigiar constantemente a nós mesmos, assim o espírito se tornará mais forte e não mais estaremos subjugados a tentações incoerentes.

            Seguindo essas orientações, o Espírito da Verdade nos dará a conhecer de tudo, mesmo aquilo que por muito tempo terá que permanecer oculto, e nos ensinará a fitar a Luz divina sem ser por ela ofuscado.


Publicado por Sióstio de Lapa em 26/10/2019 às 00h23
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
25/10/2019 00h23
DISCÍPULOS DE JESUS, HOJE

            No passado Jesus escolheu 12 homens para serem os seus discípulos. Hoje a escolha depende de cada um que conhece suas lições e deseja seguir, coloca-las em prática. São pessoas esclarecidas da existência do mundo espiritual, da criação de Deus, da necessidade da Reforma Íntima para se considerar um cidadão do Reino dos Céus.

            São pessoas que buscam a Verdade, iluminadas pelos espíritos santos sintonizados com a vontade do Pai. Caminham em busca da perfeição moral e intelectual.

            Jesus disse a Verdade, mas não toda a Verdade. Só deu aos homens o que eles podiam suportar e entender. Mesmo assim, se os homens se tivessem contentado e desenvolvido com honestidade o que receberam, a Verdade já teria construído o Reino dos Céus entre nós. No entanto, as tradições, os preconceitos, os dogmas, todos provocados, encorajados e conservados por espírito de dominação, de tirania, cupidez, se encarregaram de manter a semente adormecida.

            Estamos na época do advento da Verdade. Ela se despoja de todas as falsas narrativas que a cobre aos olhos humanos, afogados nas trevas da mentira, pois são chegadas ondas de luz divina.

            Deus não abandona seus filhos nas garras da Mentira. Deixa que sigam seus caminhos escolhidos pelo livre arbítrio, pois assim ganham experiências e verificam a inutilidade de seus esforços para alcançar felicidade pelos caminhos da iniquidade, iludindo e escravizando o próximo em benefício dos seus interesses, dos interesses da família nuclear, dos amigos, comparsas do mesmo mal feito.

            Hoje, muitos como eu, percebem que estavam tateando nas garras da mentira. Percebi que enquanto estava militando em partidos de esquerda, por um ideal de justiça e solidariedade, fazendo vista grossa a comportamentos incoerentes com esse propósito, só veio cair os véus dos meus olhos quando o presidente que elegi pelas esquerdas, o Lula, na primeira vez, fazia de conta que não era nem com ele, os crimes do mensalão que existia dentro dos seus gabinetes. Foi aí que chegou a Luz à minha consciência.

            Quem sustenta a Luz é a Verdade. Podemos considerar o próprio Jesus como o Espírito da Verdade, pois Ele mesmo disse: “Eu sou o caminho, a Verdade e a vida”. A Sua vinda sobre nós, para quem tem olhos para ver, marcará o fim de nossa fraqueza e ignorância. Para isso é necessário a era preparatória na qual nós estamos.

            João, precursor de Jesus, aconselhava os homens ao arrependimento e os batizava com água. Hoje percebemos tanta gente vivendo dentro da iniquidade, promovendo crimes contra a humanidade, sem um pingo de remorso, de arrependimento, sempre se defendendo como se fosse pessoa honesta, a alma mais pura do mundo, que tem mais a aparência de deboche de que uma defesa real.

            Jesus chegou, nos ensinou o modo de nos arrepender, observando o crime que cometemos ao fazer ao próximo aquilo que não queremos que façam conosco. Quando seguimos Suas lições, ficamos capacitados em receber a influência dos espíritos do Senhor, desenvolvendo em nós as faculdades para receber as intuições divinas.

            O batismo com o Espírito Santo corresponde a comunhão com os Espíritos elevados que velam por nós, orientam e protegem. Mas para chegar a essa comunhão é preciso estar sintonizado com a Verdade, ser puro, cheio de zelo, de amor e de fé, como eram os apóstolos fiéis.


Publicado por Sióstio de Lapa em 25/10/2019 às 00h23
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
24/10/2019 00h23
QUEM NASCEU PARA VINTÉM, NUNCA CHEGA A TOSTÃO

            Encontrei este texto que reproduzo abaixo, assinado por Felipe Fiamenghi em 19/10/2019, com o título acima, que faz uma crítica a atual política brasileira, aos homens que chegaram ao poder central no Brasil, que é importante também fazermos aqui nossas reflexões.

QUEM NASCEU PARA VINTÉM, NUNCA CHEGA A TOSTÃO

Para entender o "racha" do PSL, primeiro deve-se entender a estrutura partidária do Brasil. A possibilidade de criar um número infinito de partidos, em terras tupiniquins, possibilitou a criação de inúmeras agremiações de "aluguel". Legendas criadas com a finalidade de abrigar políticos sem ideologia definida, que serviam para "vender" apoio, durante as eleições.

O PSL era apenas mais uma dessas e, justamente por ser assim, "comportou" um candidato como o Bolsonaro, com um viés político absolutamente divergente do stablishment. O "alto escalão" não levou a sério o discurso de mudança, proposto pelo candidato. Ninguém, realmente, acreditava que a intenção do presidenciável era "implodir" o sistema. Durante décadas, todos os políticos usaram desta retórica, simplesmente para "atacar" seus adversários. Era a praxe.

Os "donos" da legenda, então, viram uma mina de ouro, em Bolsonaro. Era a oportunidade de membros do "baixo clero", como eles, chegarem ao centro do poder.  Um raciocínio muito parecido, aliás, com os dos "artistas".

Todos acreditaram que, depois de eleito, o presidente distribuiria o "bolo" com os aliados, como sempre foi feito.

O "problema" começou quando entenderam que o discurso de campanha não era puramente eleitoreiro; que a intenção REALMENTE era fazer um governo diferente e que cargos não seriam "leiloados".

Neste momento, acabou o "amor".

Políticos como Bivar e artistas como Frota não têm nenhuma ambição social, moral ou histórica. Não querem eternizar seus nomes, nem serem lembrados por grandes feitos. São apenas ratos e têm consciência disso. São cientes das próprias limitações. Seus objetivos são PURAMENTE oportunistas. Visam somente o máximo e imediato retorno financeiro.

Ao se darem conta de que Bolsonaro é absolutamente inútil para seus projetos escusos, saíram em busca de um novo padrinho. Frota, em sua insignificância, teve que se contentar com o PSDB; Nando Moura continuou sendo o que sempre foi, um youtuber soberbo, que agora se dedica a apertar o saco que puxava; o PSL, por sua vez, virou a rainha do baile.

Mas, tal qual a Cinderela, o encanto tem prazo de validade. A popularidade do presidente transformou um partido insignificante, com míseros 2 deputados, na 2ª maior bancada da câmara, com os bolsos cheios de fundo partidário e uma força política bastante expressiva. Porém, ao darem as 12 badaladas, do fim dos mandatos, o feitiço acabará. Perderam a fada madrinha. Têm, portanto, apenas mais 3 anos para encontrar um novo "provedor".

Não se enganem com a maquiagem, plásticas e roupas caras. Bivar e companhia sempre foram prostitutas políticas. Agora, com mais status, se tornaram "sugar babies". O nome mudou, o ofício é o mesmo. São as velhas putas: Dinheiro na mão, calcinha no chão.

"Não há pior inimigo do que um falso Amigo" (PROVÉRBIO INGLÊS)

Felipe Fiamenghi - 19/10/2019

Percebo o intenso ataque, implícito e explícito sobre o presidente Bolsonaro, principalmente por ele está determinado em fazer o que prometeu em campanha: lutar contra a corrupção. Com esse propósito, adquire todo tipo de adversários, até aqueles que subiram com ele e pensavam que iriam se locupletar como tantos outros fizeram, enganar o povo com discursos de honestidade. No entanto, nós, os seus eleitores, estamos muito satisfeitos com sua firme honestidade de princípios, contra tudo e contra todos, exclusive seus eleitores e apoiadores que não tem interesse em ficar mamando nas tetas do governo, qualquer que seja a posição.

Esse texto do Felipe vem colocar com clareza esse tipo de político que sempre olha para os seus interesses e jamais para o interesse da nação. Mas nós já estamos aprendendo a diferenciar cada vez mais o joio do trigo.


Publicado por Sióstio de Lapa em 24/10/2019 às 00h23
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 10 de 580 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr