Meu Diário
14/05/2017 02h35
DOMÍNIO FINAL DO FATO

            A quadrilha que foi formada para atacar o estado brasileiro, quando instada no Tribunal Superior de Justiça a veracidade dos seus atos nocivos, sempre colocava nos argumentos de defesa a inexistência de provas materiais para o julgamento final.

            No artigo publicado por Merval Pereira no Jornal “O Globo”, em 04-08-12, ele faz lembrar que a peça acusatória do Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, dava os detalhes da crise política ocorrida nos dias de 2005, quando a todo momento surgia um fato novo para estarrecer a cidadania. Diante da profusão de provas e evidências desfiadas por Gurgel, ficava muito difícil sustentar que o mensalão foi uma farsa, que nunca existiu. Essa tese passou a ser mais facilmente disseminada nos anos seguintes à crise, quando o ex-presidente Lula se recuperou do golpe e passou a fazer um governo muito popular, o que permitiu que mudasse de posição sem que lhe fosse cobrada mais rigorosamente essa incoerência.

            Daquele homem arrasado que pensou em renunciar ao mandato no fundo de uma depressão, e que pediu perdão aos brasileiros, dizendo-se traído, ao líder arrogante que passou a defender todos os envolvidos e disse que se encarregaria de demonstrar a “farsa” do mensalão, que teria por objetivo derrubá-lo do poder, vai uma distância muito grande que nada justifica, a não ser a decantada capacidade do brasileiro de, a cada quinze anos, esquecer os últimos quinze, segundo Ivan Lessa, ou, mais pessimista ainda, Millôr Fernandes, que dizia que a cada quinze minutos o brasileiro esquece os últimos quinze. Pois a acusação de Gurgel teve a virtude de relembrar as “tenebrosas transações” ocorridas naquele período. Desde os carros-fortes que carregava a dinheirama dos mensaleiros até a lavagem de dinheiro em diversas modalidades financeiras e os saques na boca do caixa, tudo se encadeia, perfeitamente provado em perícias e documentos.

            Diante do exposto, inclusive das confissões feitas rigorosamente por todos os acusados, fica impossível alguém de índole honesta, sem estar direta ou indiretamente envolvido ou se beneficiando dos atos criminosos, e analisando os fatos expostos ao público, dizer que não houve movimentação ilegal de dinheiro entre o PT e seus aliados políticos, com a utilização de diversas manobras para mascarar as negociações.

            O que a razão procura entender, é porque as instituições públicas, republicanas, que têm o dever de zelar pelo bem da ética e da justiça dentro do estado brasileiro, não resolveram essa questão logo no seu nascedouro e deixaram se arrastar durante sete anos até chegar ao Supremo. E mesmo dentro do Supremo, podia-se observar a posição de alguns de seus membros, como o ministro Ricardo Lewandowski que tinha uma postura de fazer sistematicamente o contraponto do relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, no claro propósito de atrasar o processo ou inocentar os acusados.

            Os fatos atuais que foram colocados para a opinião pública pelas ações da Lavajato, fazem o nosso racional supor que o saque escandaloso às diversas instâncias do Estado Brasileiro, principalmente na Petrobrás através das propinas, tenha servido para jogar para o povo humilde e ignorante, miserável em suas condições de vida, mas capazes de dizerem em quem votava devido a esmola em nome de cidadania, migalhas dos bilhões que foram distribuídos com outros objetivos, inclusive comprar a consciência de quem não podia vender, parlamentares, acadêmicos, religiosos e juízes.

            A tese do mero caixa dois para pagamento de campanhas eleitorais ficou fragilizada ante o sofisticado sistema de desvio de dinheiro público montado para irrigar os cofres dos partidos com empréstimos fictícios e contas no exterior. E, mesmo que fosse verdade, o desvio de recursos públicos é crime que não se atenua com o objetivo final da aplicação do produto do roubo, mesmo que se tivesse feito doação a obra de caridade ou ao Fome-Zero, conforme salientou Gurgel.

            Naquela ocasião, a acusação encarou também os comentários de que não haveria provas nos autos para condenar o ex-ministro José Dirceu, classificando-os de “risíveis”. Para derrubar essa visão, Roberto Gurgel salientou que as provas testemunhais tem o mesmo valor das documentais e citou a teoria do “domínio final do fato”, do jurista Heleno Fragoso, que define o autor do crime como aquele que pode decidir quanto à sua realização e consumação. “Nas palavras do mestre, seria autor não apenas quem realiza a conduta típica, objetiva e subjetivamente, e o autor imediato, mas também, por exemplo, o chefe da quadrilha que, sem realizar a ação típica, planeja e decide as atividades dos demais, pois é ele que tem, eventualmente em conjunto com outros, o domínio final da ação.

            Para enfatizar que José Dirceu era realmente o “mentor, protagonista e idealizador” do esquema, Gurgel citou o testemunho de diversos políticos, líderes partidários e empresários que negociavam diretamente com ele “entre quatro paredes”, algumas vezes até mesmo no Palácio do Planalto. O intrigante é que o ministro José Dirceu era subordinado do presidente Lula. Então, se ele não sabia como dizia inicialmente e pedia desculpas ao povo brasileiro, então a tese do ministro José Dirceu ser o chefe da quadrilha, que conseguiu ludibriar, o presidente estaria correto. Mas logo em seguida o presidente Lula passou a defender os criminosos do alto de sua boa aprovação na opinião pública, então assumiu o verdadeiro comando das ações.

            Roberto Gurgel chamou a atenção para o fato de que os chefes de quadrilha não mandam ordens por escrito, não combinam os golpes por telefone ou por emails. E, mesmo sem o chamado “ato de ofício”, é possível definir responsabilidades. Foi esse o objetivo da Promotoria Pública organizar e publicar um powerpoint mostrando a relação do ex-presidente Lula com o crimes que aconteciam ao seu redor.   

            Este é o trabalho da verdadeira justiça, esclarecer os fatos e demonstrar as relações de causa e efeito em torno de determinadas pessoas. É daí que a verdade é extraída e as narrativas contrárias perdem força frente as mentes honestas, quando essas narrativas não são coerentes com os fatos que são analisados. Infelizmente ainda temos muitas mentes no Brasil incapazes de raciocinar nesse nível, ou livres de interesses subalternos que não conseguem ver ou reconhecer a Verdade. Muitos vão para a rua repetindo chavões que nada significam para eles, mas ganharam algum dinheirinho e algum tipo de lanche, e ainda por cima assinalam nas pranchetas dos entrevistadores em quem votam.


Publicado por Sióstio de Lapa em 14/05/2017 às 02h35
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
13/05/2017 02h04
FOCO DE LUZ (04/17) – COISAS MÍNIMAS

            “Pois se nem ainda podeis fazer as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas outras?” – Jesus (Lucas, 12:26)

            Pouca gente conhece a importância da boa execução das coisas mínimas. Há homens que, com falsa superioridade, zombam das tarefas humildes, como se elas não fossem imprescindíveis ao êxito dos trabalhos de maior envergadura. Um sábio não pode esquecer-se de que, um dia, necessitou aprender com as letras simples do alfabeto. Além disso, nenhuma obra é perfeita se as particularidades não foram devidamente consideradas e compreendidas. De modo geral, o homem está sempre fascinado pelas situações de grande evidência, pelos destinos dramáticos e empolgantes. Destacar-se, entretanto, exige muitos cuidados. Os espinhos também se destacam, as pedras salientam-se na estrada comum. Convém, desse modo, atender as coisas mínimas da estrada que agora percorremos e que Deus nos reservou, para que nossa ação se fixe com real proveito tanto para nós como para nossos irmãos de caminhada. A sinfonia estará perturbada se faltou uma nota. O poema é como uma melodia, como uma ação de Festa Junina na comunidade, se falta uma nota, se falta uma ação, perde o conjunto seu brilho. Fiquemos então zelosos pelas coisas pequenas sob nossa responsabilidade. São parte integrante e inalienável dos grandes feitos. Compreendendo a importância disso, o Mestre nos interroga no Evangelho de Lucas: “Pois se nem podeis fazer ainda as coisas mínimas, por que estás ansioso pelas outras?”

ATA

            As 19h do dia 10-05-17, foi realizada mais uma reunião da AMA-PM e Projeto Foco de Luz com a participação das seguintes pessoas: 01. Paulo Henrique; 02. Edinólia; 03. Nivaldo; 04. Luci; 05. Mariza; 06. Genilson; 07. Alzenir; 08. Francisco; 09. Mano; 10. Netinha; 11. Washington; 12. Ricardo; e 13. Graça. Após os 30 minutos iniciais de conversa livre, foi iniciada a reunião com a leitura do preâmbulo espiritual “O Mundo e o Mal” e a ata da reunião anterior que foi aprovada por todos os presentes sem ressalvas. Paulo entrega panfletos sobre o lixo a ser entregue por Mano aos comunitários e lembra que foi feito mutirão de limpeza na praça Maria Cerzideira e arredores pelos voluntários da AMA-PM. Também foi dito que foi feito o pagamento de 350,00 reais a contadora para efetivar o CNPJ da Associação junto ao cartório. Nivaldo informa que fez contato com o dono da casa prevista para a sede da AMA e que ele não disponibiliza para venda. Em seguida foi discutido as atividades para a festa do São João na comunidade. Paulo informa que já está sendo elaborado os diversos ofícios para os gestores públicos viabilizarem o mesmo espaço do ano anterior para a realização da festa. Que está prevista a realização no dia 01-07-17, sábado. No dia 04-06-17 será realizado um bingo com a venda das cartelas a 5,00 reais para pagar os primeiros compromissos com a festa. Ricardo ficou responsável para tentar a liberação de barracas, gambiarras, banheiros químicos, e 3 troféus para a premiação das quadrilhas que se apresentarem. Informa também que já conseguiu 11 assinaturas de vereadores quanto ao tombamento do Hotel Reis Magos e imediata construção de um espaço público para dinamizar a comunidade com responsabilidade pelo patrimônio histórico. Sugeriu que fizéssemos um edital convocando os interessados em colocar barracas no espaço da festa mediante o pagamento de um valor simbólico para ajudar na organização do espaço. Ficou decidido que a Associação montará uma barraca com doações cujos produtos serão vendidos a preços módicos e ficará sob a responsabilidade de Nélia, Dione e Daniel. Graça ficou responsável por assar o churrasco. Ficou combinado que será feita a reunião na próxima terça-feira, as 10h, na sede do Projeto Foco de Luz no HUOL, para a prestação de contas do mês de abril, a confecção de cartelas do bingo, Edital para os comerciantes e demais providências relacionadas com a festa de São João. Foi lembrado mais uma vez aos presentes da filosofia cristã da Associação, que os recursos arrecadados devem voltar integralmente para os benefícios da própria comunidade, ao mesmo tempo que oportuniza o trabalho para todos que comercializam seus produtos na área da Praia do Meio. Que lembremos das lições do Mestre Jesus e que todos nos responsabilizemos pelas pequenas coisas ao nosso alcance. As 20h30 foi encerrada a reunião, Graça fez a oração ao Pai e todos posamos para a foto oficial.


Publicado por Sióstio de Lapa em 13/05/2017 às 02h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
12/05/2017 00h52
FOCO DE LUZ (03-17) – O MUNDO E O MAL

            “Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal” Jesus – (João 17:15)

Nos centros religiosos, há sempre grande número de pessoas preocupadas com a ideia da morte. Muitos companheiros não crêem na paz, nem no amor, senão em planos diferentes da Terra. A maioria aguarda situações imaginárias e injustificáveis para quem nunca levou em linha de conta o esforço próprio. O anseio de morrer para ser feliz é enfermidade do espírito. Orando ao Pai pelos discípulos, Jesus rogou para que não fossem retirados do mundo, e, sim, libertos do mal. O mal, portanto, não é essencialmente do mundo, mas das criaturas que o habitam. A Terra, em si, sempre foi boa. De sua lama brotam lírios de delicado aroma, sua natureza maternal é repositório de maravilhosos milagres que se repetem todos os dias. De nada vale partirmos do planeta, quando nossos males não foram exterminados convenientemente. Em tais circunstâncias, assemelhamo-nos aos portadores humanos das chamadas moléstias incuráveis. Podemos trocar de residência, todavia, a mudança é quase nada se as feridas nos acompanham. Faz-se preciso, pois, embelezar o mundo e aprimorá-lo, combatendo o mal que está em nós. 

ATA

            Em 26-04-17, as 19h, foi realizada mais uma reunião da AMA-PM e Projeto Foco de Luz, com a presença das seguintes pessoas: 01. Jussier; 02. Paulo Henrique; 03. Nivaldo; 04. Mano; 05. Netinha; 06. Edinólia; 07. Graça; 08. Anilton; 09. Márcia; 10. Ricardo; 11. Nazareno; 12. Luci; e 13. Francisco. Foi colocado em discussão a casa para servir de sede da Associação, e foi avaliado que não seria interessante o aluguel, e sim a compra do imóvel. Ricardo orientou que depois de se adquirir o CNPJ a AMA-PM poderia reivindicar a compra financiada de um imóvel cuja prestação fica equiparada a de um aluguel e o bem fica incorporado ao patrimônio da Associação. Nivaldo que está em contato com o proprietário da casa ficou de ver com o mesmo a possibilidade de venda e o valor. Márcia apresentou o problema da mudança do Posto de Saúde Comunitária para Brasília Teimosa e que causa transtornos para a comunidade. Falou da proposta de uma casa na Rua Tuiuti e da Casa de Saúde Petrópolis que podem ser viabilizadas de acordo com o empenho dos moradores nas reuniões que estão encaminhando essas questões. Ricardo colocou a questão do Hotel Reis Magos, mas principalmente do Plano Diretor que está para ser aprovado e que pode trazer prejuízos para a comunidade se não houver mobilização para a participação nas reuniões que já estão sendo agendadas. Ficou de ser informado para a Associação os dias dessas reuniões para ver a disponibilidade das pessoas em participar. Jussier colocou o problema do lixo que ainda persiste na comunidade apesar do esforço da Associação em promover a limpeza. Foi colocada a sugestão de solicitar à Urbana uma fiscalização com a participação de um fiscal com o poder de aplicar multa nos infratores. Às 20h30 a reunião foi encerrada, Márcia fez a oração da noite e todos posamos para a foto oficial.


Publicado por Sióstio de Lapa em 12/05/2017 às 00h52
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
11/05/2017 00h45
DEMOCRACIA GUARDADA

            Há uma tendência quase generalizada ao dizer que o tempo que os militares passaram no poder foi uma agressão à Democracia, que havia uma luta em defesa da Democracia por pessoas que usavam inclusive de métodos violentos, de terrorismo, com assassinatos, sequestros e roubos de bancos.

            É muito estranho uma ideologia como a Democracia ser defendida a golpes de violência de uma minoria contra uma maioria, que era o que se observava nesse período que foi batizada e aceita pelos inocentes de duas origens, como verdadeira.

            Poucos jovens sabem que os militares assumiram o poder instigados pela maioria da população que foram às ruas, em protestos pacíficos, com faixas e palavras de ordem contra o comunismo que queria se instalar no pais.

            Os militares administraram o pais desde 1964 com firmeza, sem que seus principais dirigentes sem envolvessem em propinas e corrupção, todos eles terminaram seus dias de vida sem riqueza ou ostentação advindos das suas passagens pelo poder. Não podemos dizer o mesmo dos civis que os substituíram, até chegar nos últimos presidentes que roubaram descaradamente o país, sempre com a cortina da mentira por sobre os seus atos.

            A ver o livro da Superinteressante, “Chico Xavier – a vida, a obra, as polêmicas” fiquei surpreso com uma abordagem feita durante um programa realizado na TV Tupi, que ele é indagado sobre essa questão do governo militar, no qual reproduzo o trecho:

            “Como se soubesse das perguntas de cunho político que estavam por vir, o médium aproveitou sua fala inicial para dizer que contava com o apoio de guias espirituais para não ofender governantes, leis e autoridades. Em dezembro de 1971, o Brasil era comandado pelo general Emílio Garrastazu Médici. Sabendo que o governo promovia intenso monitoramento da imprensa, Chico deixou claro que as suas respostas não tinham por objetivo criticar o regime. Um artifício do médium para não cair no radar dos militares.

            Foi justamente o amigo Saulo Gomes o responsável por colocar o assunto delicado em pauta. Ele quis saber o que os benfeitores espirituais tinham a dizer sobrea a situação política e social brasileira. O médium respondeu que a posição do país à época era “das mais dignas e das mais encorajadoras”. Falou que a democracia estava sendo guardada por forças que nos defendem contra a intromissão de quaisquer ideologias vinculadas à desagregação”. Ele defendeu a atuação das Forças Armadas com o objetivo de manter a ordem, mas deixou claro em certo momento que desejava que a atuação dos militares ocorresse somente até que fosse possível “encontrar um caminho”. A resposta longa e repleta de volteios também serviu como estratégia para não ofender o poder militar.”

             Esta resposta do Chico parece estar mais sintonizada com a verdade. As Forças Armadas assumiram o enfrentamento da ideologia comunista, aquela que advinda da União Soviética, já deixava milhares de morte pelos campos e cidades. Isso foi o que a sociedade brasileira da época não queria e pediu ajuda aos militares para que os dirigentes brasileiros não operassem com vitória o projeto dos Senhores das Sombras


Publicado por Sióstio de Lapa em 11/05/2017 às 00h45
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/05/2017 22h23
PARÁBOLA – A TRISTEZA

            Certo homem caminhava um dia pelas estradas da Judéia, ia para o seu trabalho quando se deparou com um grupo que protestava contra o imperador de Roma, dos impostos que lhes eram cobrados, do enriquecimento e da orgia que eram feitos na corte com o dinheiro arrecadado dos trabalhadores. O homem em vão pediu para passar a barreira, justificando que tinha um trabalho a realizar, que pessoas carentes, necessitados e doentes estavam a esperar por ele. Mas a turba, violenta e agressiva não aceitava os argumentos, não queria ouvir de quem quer que fosse. O homem, cioso de seus deveres, mas não podia ultrapassar a muralha humana que acabava de colocar pedras e queimar troncos na estrada.

            Porém, o Senhor Altíssimo, entendendo os argumentos caritativos do homem, enviou um anjo na forma de um trabalhador rude, sem camisa, que saiu do meio daquela turba e disse ao ouvido do homem que não se preocupasse, que ele iria ensinar um atalho pelo meio da floresta para ele alcançar o seu destino. O homem aceitou e somente quando estava no meio da floresta, totalmente à mercê das informações daquele rude trabalhador é que percebeu o risco em que estava metido, pois se essa pessoa fosse um salteador ele já estaria dentro da emboscada. Mas, ao mesmo tempo sabia que era filho de Deus, bondoso e poderoso, e que Ele não permitiria que nada de ruim aconteceria consigo. Ficou mais aliviado por se sentir dentro da proteção de Deus, mesmo no meio da floresta, tão estranha e difícil de caminhar. Logo mais ele alcançou a estrada desejada num ponto além do bloqueio e agradeceu a ajuda desinteressada dada por aquela pessoa.

            Ao chegar em casa, o homem comentou com sua companheira o ocorrido, como foi impedido de passar pela estrada, de ir fazer o seu trabalho, e como foi ajudado por um estranho que o levou por atalho esquisito dentro da floresta.

            A mulher, que também era contrária ao pagamento dos impostos para manter o poder e a orgia da corte romana, disse que apoiava esse movimento e que estaria dentro dele se tivesse oportunidade. O homem sentiu de imediato uma grande raiva, mas como filho de Deus não podia guardar tal sentimento. Então, se abateu sobre ele a sombra da tristeza por entender que a sua companheira poderia estar junto àquele grupo, violentando a sua vontade e obrigando a entrar em caminhos perigosos.

            A mulher não conseguia entender tal tristeza, pois o seu companheiro sempre foi alegre e atencioso. Pensou que estava sendo atacada por pensar diferente e se trancou em si mesma, não iniciava nenhuma conversa, não procurava ouvir o que lhes diziam.

            O homem percebeu que as sombras da sua tristeza havia manchado os delicados sentimentos de sua companheira. Rogou a Deus que lhe ajudasse a sair de tal situação e o Pai Divino disse em sua consciência que ele não poderia ensinar ou esperar de cada criatura o que ela não é capaz de aprender ou fazer. Que devia entregar sua raiva ou tristeza, quando não pudesse ajudar ou quando não tivesse solidariedade as suas frustações ou sofrimentos no seu colo de Pai, Ele saberia muito bem o que fazer.

            O homem percebeu que recebera mais uma lição do Pai, que está sozinho neste mundo no sentido de ninguém entender a totalidade dos seus pensamentos, que a solidariedade que recebe dos irmãos está mais condicionado aos próprios interesses deles. Mas ele, como filho mais próximo do Pai, deve entender tudo isso e não deixar que os seus sentimentos sejam entendidos como instrumento de vingança por quem está próximo.

            O homem deixou cair lágrimas de compreensão e depositou suas tristezas no colo do Pai. Voltou a trazer o riso aos lábios e o brilho ao olhar, sabendo a quem poderia deixar suas tristezas sem prejudicar a ninguém.

            Continuaria o seu trabalho de Amor Incondicional ao próximo, sabendo, com certeza, que alguém também o ama de forma incondicional.


Publicado por Sióstio de Lapa em 10/05/2017 às 22h23
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 10 de 401 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr