Meu Diário
05/03/2019 01h01
TRÓTSKY (24) – POSSE, PENETRAÇÃO... REVOLUÇÃO

            Série da Netflix, segundo episódio.

A cena se desloca para o trem que faz o retorno da palestra. Trótski está sozinho com Natália. Ela tira a luva... ele coloca os óculos sobre a mesa. Sem dizerem quaisquer palavras, Trótski a puxa para seu colo. Ela fica sentada de costas para ele, sobre suas pernas. Ele a abraça por trás, abre sua blusa, seus seios saltam para fora, ele os acaricia com ambas as mãos. Depois desce e puxa sua saia, se imagina a penetração por trás, pelos gemidos que ela faz. Ele coloca a mão sobre sua boca para que ninguém ouça os ruídos de dor e prazer de uma penetração sem muito ângulo. Nenhuma palavra nenhum deles diz.

A cena se desloca para outro ambiente, uma espécie de café ao ar livre onde estão sentados na mesma mesa, Natália e Trótski. Ambos estão um tanto constrangidos.

- N. Você é um rufião (pessoa que se mete em brigas por causa de mulheres).

- T. Sou revolucionário.

- N. Você foi rude comigo.

- T. Eu a fiz feliz com os meios que tinha.

- N. Este é o seu jeito de construir o mundo novo?

- T. Por que não? Se o resultado é o mesmo!

- N. Em que sentido?

- T. No sentido que fazemos todo mundo feliz no final.

- N. Todo mundo?

- T. Todo mundo.

- N. Não é convencido demais, camarada revolucionário? Você seduziu uma mulher fraca, agora espera que o mundo o deseje? Todo mundo?

- T. A nação é isso. Uma mulher fraca. As massas têm psicologia feminina. Vocês são passivas por natureza. Vocês esperam as ofertas dos homens e escolhem a melhor. As massas são iguais. Sobretudo as russas. Estas pessoas são como moças bem criadas: nunca dão o primeiro passo, mas quando veem um homem forte e confiante, deitam-se sob ele de uma vez.

- N. Como pode falar com tanto desdém da nação que quer fazer feliz?

- T. Não é desdém. Há um entendimento claro do material.

- N. Você tinha que ver sua cara. Eu só vejo desdém. Em letras maiúsculas.

- T. Por que desdém? As pessoas que toleraram a tirania durante séculos merecem certo desdém.

- N. E por quer lutar por aqueles que você desdenha?

- T. Já tive minha parte de desdém. Eu quero amá-los. Quero ver as pessoas que merecem amor. Ver rostos normais, lindos, felizes, sorrindo. Como o seu. Todos ao meu redor. Você não quer isso? Eu quero.

Será este um tipo de pensamento revolucionário? Comum a todo revolucionário? Tanto aos ativos como Trótski ou passivos como Lenin e seus amigos? Qualquer pessoa que tenha o ideal de trazer justiça e solidariedade à sociedade, possui esse tipo de pensamento?

Faço uma reflexão comigo mesmo. Também sempre nutri esse pensamento de trazer justiça e solidariedade para a sociedade. Foi o principal motivo de ter me filiado nos partidos mais à esquerda, como PDT, PV e PSB. Procurava uma forma de aplicar esse ideal dentro da sociedade, através da luta política.

Fiquei decepcionado com a forma do “fazer política”, muito longe do ideal grego e sempre colado às panelinhas, falcatruas, falsas narrativas. Não consegui me adaptar a tal comportamento, mesmo ouvindo a defesa de que os meios justificavam os fins. Cheguei, enfim, ao momento de me desencantar com a política e principalmente com os partidos de esquerda. Começo a perceber que nos partidos de direita, na ideologia liberal, não existe tanta iniquidade quanto nos partidos de esquerda.

Mas, será que o meu pensamento também tem essas características que Trótski citou? Comparando com o comportamento feminino?

Com relação a mulher, o meu comportamento seria idêntico, e acredito que com a maioria dos homens seja assim, mesmo que não tenham um pensamento tão revolucionário.

Agora, com relação a sociedade, confesso que nunca tive pensamento de tal forma, e da mesma maneira, acredito que a maioria dos homens não tenham. Pode ser que a maioria dos homens tenham um interesse de alcançar o poder e com isso tirar vantagens pessoais, e por isso me incluo entre a minoria, daqueles que não tem interesse de abusar do poder que alcança.

A sedução de um ente frágil, seja uma mulher, seja uma nação, não deve passar e continuar na cabeça de uma pessoa ética, principalmente se pretende seguir os princípios cristãos, de construir o Reino de Deus, com base na fraternidade e no amor incondicional. Com essa perspectiva, o pensamento de Trótski fica totalmente incompatível. Aí está a distorção do pensamento frente a moral cristã, mesmo que no fundo exista uma boa causa.


Publicado por Sióstio de Lapa em 05/03/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
04/03/2019 01h01
ADEUS À CARNE

            O carnaval é uma palavra de origem latina (carna vale) e que significa “adeus à carne. São três dias de festas que precedem a quarta-feira de cinzas.

No início, as festas de carnaval aconteciam nas ruas, com desfiles de fantasias. Posteriormente, passaram a ser realizadas nos clubes, onde eram tocadas as marchas, os sambas e os frevos preparados para os festejos.

            Atualmente, algumas cidades se destacam nas festas de carnaval no Brasil, onde esta festividade é considerada uma das maiores do mundo.

No Rio de Janeiro, por exemplo, são os desfiles das escolas de samba e em Salvador são os trios elétricos que tomam conta das ruas da cidade.

No Recife, o bloco "O Galo da Madrugada" que sai às ruas no sábado de carnaval e vagueia pelo centro da cidade, já entrou para o livro dos recordes como o maior bloco de carnaval do mundo.

Em Olinda, o destaque fica para os bonecos gigantes, que desfilam pelas ladeiras da cidade Patrimônio da Humanidade.

Em todo o Brasil, o período do Carnaval muitas vezes é caracterizado pela inversão das normas aceitas pela sociedade, sendo que alguns comportamentos são “tolerados” só durante esta época festiva.

Este ano, o primeiro da era Bolsonaro, que foi eleito com o lema “Brasil acima de tudo e Deus acima de todos”, o carnaval não terá os recursos públicos que tinha no passado. Certamente iremos ver uma nova face do carnaval, sem tanta riqueza de ornamentos e fantasias, foliões e evoluções.

As manifestações mais populares do Carnaval são os bailes de máscaras e desfiles carnavalescos.

O mais popular desfile de carnaval acontece no Rio de Janeiro, na Marquês de Sapucaí, onde ocorre o desfile tradicional das escolas de samba da capital carioca.

Em sentido figurado, a palavra carnaval pode significar “folguedo”, “folia” ou “confusão”. Exemplo: “Quando a professora entrou na sala, encontrou o maior carnaval”.

A origem do Carnaval está relacionada com determinados rituais de fecundidade da terra, que eram organizados na passagem de ano e no início da Primavera.

No entanto, com o aparecimento do Cristianismo o Carnaval perdeu um pouco do seu caráter simbólico e místico, mas o comportamento de fecundação humana, visto nas mínimas roupas e fantasias, com as permissões de toques e amassos durante as danças sensuais, permanecem cada vez mais ousadas.

Os bailes de máscaras foram criados na França, apenas por volta do século XVII, mas rapidamente ficaram populares em outros países europeus.

Durante o Renascimento, as festas carnavalescas atingiram uma grande popularidade, principalmente na Itália (em Roma e Veneza).

Atualmente, o Carnaval perdeu a sua espontaneidade popular em quase todas as suas manifestações, passando a ser uma mera atração turística.

No Brasil, apesar do Carnaval ter uma grande componente turística, ainda mantém a sua espontaneidade (principalmente no Rio de Janeiro e Bahia), que se fortaleceu através do folclore popular.

O carnaval é celebrado 40 dias antes da Páscoa, desde o século XI. Este período é chamado pela Igreja Católica de Quaresma, que preserva quarenta dias de jejum, com abstinência de carne.

Este período é caracterizado por muitas privações e por incentivar aqueles festejos carnavalescos onde a própria palavra carnaval indica os prazeres da carne.

A terça-feira de carnaval é chamada popularmente de “Terça-feira gorda” ou "Mardi Gras", como dizem os franceses.

Eu não entro no sensualismo, nas festas e orgias próprias do carnaval para atender os desejos da carne, mas, por outro lado, facilito muito o apetite da gula, retiro os controles que geralmente faço sobre a alimentação. Isso tudo porque ao iniciar a Quaresma, os controles sobre a alimentação se tornam mais rígidos, iniciando com três dias de jejum e me alimentando o mínimo possível nos demais dias.

 


Publicado por Sióstio de Lapa em 04/03/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
03/03/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (13) – FALSAS NARRATIVAS

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

XIII

Nos anos seguintes, o golpe fracassado será reescrito no folclore nazista como uma luta triunfante. Foi glorificado. E todo membro do círculo de Hitler que estava lá naquele fatídico dia. E todo membro tem seu lugar reservado para sempre. O golpe criou um laço de sangue entre figuras do futuro Terceiro Reich.

Mas Dietrich Eckart não viverá para ver a ascenção do Terceiro Reich. Ele morreu seis semanas após o golpe fracassado. Os anos de abuso de álcool tiveram seu preço. Suas últimas palavras são proféticas. “Sigam Hitler. Ele dançará, mas fui eu que escolhi a música! Não lamentem a minha morte. Eu devo ter influenciado a história mais que qualquer outro alemão.”

Eckart em sua forma mais pura. Ele se apresenta como o titereiro, o verdadeiro arquiteto da Nova Alemanha que surgiria. A morte prematura de Eckart finaliza o primeiro ato dramático do movimento nazista, mas o legado permanece.

Eckart nunca saberá, mas pelo menos em público, Hitler sempre o respeitará como um membro permanente do círculo. Ele dedicará o primeiro volume de Minha Luta a Eckart e o chamará de líder espiritual do nacional-socialismo.

Eckart morreu, mas suas ideias não morreram, e claro, são propagadas por Hitler e seu círculo íntimo e quase levaram o mundo à destruição.

O círculo do mal de Hitler ainda não acabou.

Podemos observar a influência do mal quando existe a criação de falsas narrativas para iludir quem assiste. A derrota do primeiro ataque do Partido Nazista ao poder constituído, foi encarado como uma vitória que eles se conscientizaram de tal maneira e passaram a indevida forma de pensar para população.

Mais uma vez podemos fazer o paralelo com os corruptos de esquerda que saquearam o Brasil, quando pegos pela justiça e devidamente punidos, saiam de punho erguido como se tivessem feito um ato heroico e que devia ser reproduzido por quem tivesse ainda livre. Já pensou se todos pensassem como eles? A quem sobraria para saquear?

Interessante que nas narrativas mais próximas da verdade, o verdadeiro idealizador do nazismo e criador da figura do Hitler, o seu nome não aparece. Portanto, vivemos num mundo onde o mal ainda prevalece, e consequentemente as falsas narrativas também prevalece, tanto na mente de pessoas do mal, com é de se esperar, como também nas mentes de pessoas que querem sintonizar com o bem, que procuram ser justa, mas por um processo próximo da hipnose, não conseguem ver as artimanhas dos iníquos.


Publicado por Sióstio de Lapa em 03/03/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
02/03/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (12) – GLÓRIA DESPEDAÇADA

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

XII

Em outra cervejaria da cidade, Dietrich Eckart, antigo mentor de Hitler, não tem ideia do golpe em ação. O melhor exemplo de como Eckart foi afastado do círculo íntimo é o fato de ele não saber sobre o golpe até receber uma ligação após a meia-noite. Um colega ligou perguntando onde ele estava e contando o que houve. O partido dominou.

Quando Eckart fica sabendo que von Kahr foi solto, ele prevê o perigo. Sabe que não pode confiar em von Kahr, e exclama: “Fomos traídos!”

Os instintos de Eckart estão certos. Von Kahr rapidamente reúne o exército. Em um instante, o jogo vira contra os nazistas. O golpe está paralisado e, ao amanhecer, Goring e o resto do círculo íntimo não sabem o que fazer.

Naquela manhã, Eckart vai à sede do Partido Nazista. As tropas SA estão entoando seu slogan “Acorde, Alemanha”. Mas Eckart, o homem que ajudou a começar tudo, foi deixado de fora do golpe. Então, seu antigo protegido chega. O carro de Hitler para com força em frente a Eckart. Hitler lhe dá um olhar raivoso e diz: “Entre no carro de trás e me siga.” Será a última vez que esses dois homens conversarão.

Para tentar manter o golpe, Ludendorff toma a iniciativa. Aproveitou o momento e disse: “Vamos marchar!” Os nazistas marcham ao centro de Munique em uma última tentativa desesperada.

Goring, Hitler, Ludendorff, todos juntos. E eles dão os braços. Mas as autoridades os aguardam. Goring é baleado na perna e fica gravemente ferido, não podia andar, só se arrastar. Foram encurralados em uma rua estreita. É um caos total. Os nazistas foram cercados e têm de fugir.

No tumulto, 16 nazista foram mortos e muitos ficaram feridos, e Hitler consegue sobreviver. Uma bala errou Hitler por uns 30 centímetros. Se tivesse ido para a direita, a história teria sido diferente.

Eckart vê o homem que ele moldou como O Grandioso fugir para se salvar. O golpe terminou em total desastre. Muito ferido, Goring foge para a Áustria, exilado de seu país como um homem procurado, com seus sonhos de glória despedaçados.

Rudolf Hess também foge para a Áustria. E Himmler volta para a casa da mãe. Ainda não era tão importante para atrais a atenção das autoridades. Rohm se entrega e é preso junto com Hitler. O golpe foi um completo fracasso, o círculo íntimo foi desfeito, o partido se dissolveu e o Fuhrer deles estava preso.

Ninguém imaginaria que essas pessoas tomariam o poder de novo e fariam o mundo entrar em uma guerra sangrenta. Juntos eles aprenderam uma lição valiosa. Esse tipo de política revolucionária não dava certo. Para subverter a democracia era preciso se tornar democrático.

Quando tudo parecia que iria dar certo, que os nazistas iriam tomar o poder pela força das armas, eis que uma jogada mal dada foi o suficiente para a perda da glória, que fugiu entre seus dedos e se despedaçou.

O homem que criou toda essa fantasia que se tornou um partido, cuja revolta e ressentimento se transformou em luta armada, capaz de matar os próprios irmãos para alcançar o objetivo do poder, ele não irá parar. A não ser que acontecesse algo que o tirasse dessa trajetória, como aquela bala que passou a poucos centímetro de sua cabeça.

Mas esse deve ser o processo evolutivo por onde estamos navegando, bons e ruins, e o próprio planeta. Por mais que o mal consiga adquirir poderes e se manter por algum tempo com ele, de alguma forma o bem se recupera e dar um salto qualitativo. Observamos isso com a derrota de Hitler e seus aliados, e uma melhora qualitativa nas relações humanas logo a seguir. Esperamos que o longo período que nosso país também ficou subjugado pelo mal que lhe sugou as energias, consiga agora se recuperar e trazer anos de progresso compensatório.


Publicado por Sióstio de Lapa em 02/03/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
01/03/2019 01h01
ORAÇÃO MARÇO 2019

            Bom dia, Pai.

            O dia está lindo, vejo através das câmeras de vídeo... não sei se o sol nasceu, devia estar fora de casa, sentindo a brisa em meu corpo como Teu afago sobre mim. São tantas coisas que eu devia fazer, mas por comodismo, por não querer me afastar tanto da minha zona de conforto, permaneço atendendo os desejos do meu corpo.

            Assim vai passando o tempo, a maior parte dele atendendo ao que deseja o corpo, mesmo sabendo o que desejas, Pai, e que eu quero fazer a Tua vontade, mas não foco nisso, como Jesus fez e até Paulo, cruel perseguidor, terminou por fazer tanto a Tua vontade que sentia não ser ele mais quem vivia, e sim o Cristo a quem ele obedecia.

            São tantos caminhos, Pai, que sei, colocas à minha disposição, reconheço, mas mesmo querendo segui-los, fico sentado à beira do caminho, como dizia Erasmo Carlos em sua canção, e que não podia mais ficar parado a esperar...

            Parece até que eu quero que o Senhor me pegue pelos braços e me conduza desacordado, deixando apenas os seus passos na areia. Não é isso que eu quero, Pai, já tenho maturidade para saber que eu devo caminhar por onde o Senhor aponta, devo vencer a resistência do corpo que deseja outra coisa e se expressa na minha mente obtendo o que quer, frente a frágil vontade do meu espírito.

            Estou cercado de iniquidades neste vale de provas e expiações onde eu renasci. Esta é a minha prova, encontrar no meio de tantos caminhos à minha disposição, aquele que melhor faz a vontade do Senhor. À saída desse labirinto me dará o passe para outro planeta de melhores condições, onde eu possa regenerar melhor a minha alma, afastado de tantas iniquidades como por aqui.

            Como pedir ao Senhor, sabendo que devo ser o artífice da minha evolução? Sei que o Cristo disse: pedi e obtereis.

            Fico a fugir dos meus trabalhos mais intensos, meu potencial de certa forma fica desperdiçado. Entro em reflexão e encontro todos os meus pecados, mas que fazer? Dizer que estou arrependido deles e aceitar a punição que for imposta? Parece ser o mais ético. O problema é que sinto não ter forças para corrigi-los, e mais uma vez no próximo mês, a mesma confissão sairá da minha boca, dos meus dedos numa digitação como esta. Não seria mais simples eu pedir forças e sabedoria ao Senhor, e tudo de mais que eu precisasse, e fosse devidamente atendido, pois sei que o Pai jamais deixa de dar o que o filho pede, se aquilo é conveniente para ele?... Mas por que na minha consciência algo diz que assim está errado, que eu devo alcançar pelos meus próprios méritos e não pelos méritos de ninguém, mesmo que seja doação do Pai? Orgulho? Prepotência?

            Mas vou me arriscar, Pai, e pedir pelo menos uma coisa, que me ajude a discernir o certo do errado, a mentira da verdade, o que posso e o que não posso fazer: a sabedoria.


Publicado por Sióstio de Lapa em 01/03/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 11 de 534 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr