Meu Diário
11/02/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (03) – BODE EXPIATÓRIO

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

III

            Quando o exército alemão estava voltando, o país estava um caos, milhões de desempregados. Havia desordem política e econômica. Há pobreza e fome em toda parte. A lei e a ordem ruíram e uma revolução socialista acontece em todo o país. A intelligentsia alemã está muito dividida entre políticas de extrema esquerda e extrema direita. E no sul alemão, a capital bávara de Munique é um viveiro dessas visões extremistas.

            Na declarada elite de direita da cidade, está um poeta e dramaturgo bávaro de 50 anos, chamado Dietrich Eckart. Ele não é alguém muito associado ao movimento nazista, mas ele foi uma das figuras mais importantes dele. E foi ele quem colocou em ação toda a força política.

            Eckart é conhecido por beber muito, mas, por ter feito fama e fortuna como dramaturgo antes da guerra, também é rico e bem-relacionado. É um sujeito culto, um poeta conhecido, e consegue articular bem suas opiniões. Mas essas ideias são de extrema direita e, indo de acordo com a época. Seu periódico “Auf gut Deutsch” ou “Em bom alemão”, é uma publicação racista perseguidora de judeus. Eckart também tem conexão com um grupo ocultista secreto de direita chamado “Sociedade Thule”.

            A Sociedade Thule era um grupo bem excêntrico. Eles acreditavam em Atlântida. Que havia uma raça de pessoas, os arianos, com beleza e força quase sobre-humanas, originária de Atlântida. Baseia-se na ideia de que os arianos, ou teutões, foram a grande força civilizadora ao longo da história, e se tornaram germânicos. O povo germânico, os arianos e teutões, era o melhor porque o destino, a providência, a natureza quis assim. Por mais bizarras que pareçam suas crenças, na psique alemã destruída, a ideia de um passado glorioso oferece uma atrativa fuga da humilhante realidade.

            É importante dar forma aos alemães, noção de sua identidade histórica. A Alemanha como estado-nação só tinha 40 anos. O que os unia era a percepção de que queriam descobrir as suas raízes, o que significava ser alemão. Mas há um lado sombrio no mito da Sociedade Thule. Eles acreditam que os arianos se enfraqueceram pelo cruzamento com raças inferiores e moralmente corruptas. Agora essas raças inferiores estão no controle e a Alemanha caótica que Eckart vê é o resultado disso. É como achar um bode expiatório. Ele alega que descobriu uma conspiração mundial.

            Eckart acredita piamente que os inimigos da Alemanha ariana são os bolcheviques, os comunistas e, principalmente, os judeus. A raça judaica quer destruir todas as outras culturas a partir de dentro, através de infiltração, corrompendo o corpo com seu bacilo. Não havia prova alguma disso, mas foi a base de um dos movimentos mais poderosos da história. Eckart quer atacar esses inimigos internos, mas para ter sucesso, ele precisa divulgar sua mensagem às massas. Precisa alcançar as classes trabalhadoras descontentes.

            Quando surgem problemas de difícil resolução, os grupos, quer sejam familiares ou sociais de forma ampla, procuram identificar um elemento mais destoante ou frágil, como culpado da situação. O que aconteceu na Alemanha nos primeiros anos do século XX foi paradigmático da geração de uma força local com potencial para se espalhar pelo mundo, caracterizando as energias malignas veiculada pelas mentiras, pelas falsas narrativas. Este é o mesmo problema que aflige o Brasil atual, onde uma força surgiu com o bode expiatório das elites e que com falsas narrativas chegou ao poder, e felizmente foi desbancado pela verdade colocada à frente dos cidadãos não cooptados e não hipnotizados que fizeram uma mudança radical nas últimas eleições presidencial, fato nunca visto neste país, e acredito que em nenhum outro.


Publicado por Sióstio de Lapa em 11/02/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/02/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (02) – AMBIENTAÇÃO DO MAL

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

II

            A história do círculo íntimo de Hitler começa nos últimos dias da Primeira Guerra Mundial.

            Em um aeródromo no leste da França, o esquadrão alemão mais famoso de todos os tempos, o Circo Voador de Richthofen, aguarda sua próxima missão.

            Sete meses antes, eles perderam seu lendário líder, Manfred Von Richthofen, o Barão Vermelho. Mas um novo herói chegou para preencher o vazio. Um piloto de caça chamado Hermann Goring.

            Goring é um herói nacional. Na Primeira Guerra, foi um fantástico soldado de infantaria. Depois, tornou-se um excelente piloto. Ele abateu 22 aeronaves. E por isso, ele merecidamente ganhou a maior honra da Alemanha, a condecoração Blue Max.

            Na juventude, Goring era bonitão. E ele sabia se portar bem. Um homem de princípios e coragem física. Era uma pessoa impressionante de se conhecer. Era engraçado e sagaz. Era um líder nato, do tipo que você põe em uma sala de 20 pessoas e logo estará dando ordens às outras 19.

            Mas Goring enfrenta uma crise. Há rumores de que o imperador alemão está prestes a jogar a toalha. Mas Goring permanece firme. A guerra pode estar indo mal, e seu esquadrão reduzido à metade, mas ele não se renderá.

            Goring reúne seus homens e lhes diz para ignorarem os rumores derrotistas de que o cáiser os abandonará. Ele nunca faria isso. O cáiser seria fiel a eles, assim como eles eram ao cáiser, e permaneceria, pela glória e honra da pátria. Goring prepara seus homens para uma última batalha decisiva. Mas, mal a euforia diminui, chegam ordens para paralisar as operações aéreas na Frente Ocidental.

            Essa ordem foi um grande golpe para Goring. Significava que tudo pelo que ele lutou nos quatro anos anteriores, as batalhas, os combates aéreos, foi em vão. Eles perderam colegas, suportaram condições extremas, e tudo por nada. Tudo virou fumaça em 1918.

            O cáiser os abandonou e fugiu para a Holanda. A Alemanha está à beira da rendição. Parece que os ingleses, os americanos e os franceses vão vencer a Alemanha sem nem pisar em solo alemão.

            Para Goring e muitos alemães orgulhosos a notícia é devastadora. Há uma sensação de traição. Eles se sentiram traídos. Como pode ter acontecido? E o clima predominante era o de procurar por um culpado.

            Para Goring, a guerra não foi perdida pelos corajosos alemães em campo, foi abandonada por meio de covardes manobras de bastidores de políticos esquerdistas. Era o começo para Goring, assim como para milhões de alemães, da sensação de ter sido traído.

            Goring recebe ordens para entregar as aeronaves aos aliados, mas ele não pretende obedecer quem o traiu. Para não caírem em mãos inimigas, Goring instrui seus homens a voarem para casa e aterrissarem destruindo as aeronaves em solo alemão.

            Esse tipo de ação revela sua autoestima e autoconfiança, e a ideia de que pode ignorar regras que não se aplicam a ele.

            A Alemanha pode ter se rendido, mas Goring não se renderá. Mas a Alemanha para a qual Goring retorna é uma nação em crise.

            A ambientação de um país em guerra, facilita o encontro e o desenvolvimento de pessoas com o ego inflado capazes de dar livre fluxo aos pensamentos e sentimentos negativos, como ódio, vingança, desobediência, etc., que mesmo não tendo capacidade de livre expressão, podem ficar represados dentro do peito à espera de uma melhor ocasião.


Publicado por Sióstio de Lapa em 10/02/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
09/02/2019 01h01
HITLER – O CÍRCULO DO MAL (01) – MATÉRIA PRIMA

I

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar controlar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

A série está recheada pelos comentários de Emma Craigie (Historiadora e autora), Dr. Michael Lynch (University of Leicester), Prof. Sonke Neitzel (University of Potsdam), Prof. Robert Gerwarth (University College Dublin), Prof. Thomas Weber (University of Aberdeen), James Holland (Historiador e autor) entre outros.

            Episódio 1 – Heróis e desajustados.

            Das cinzas da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha clama por um salvador. Um ocultista rico, Dietriche Eckart, acha que o encontrou.

            Cenas de Hitler discursando.

            Comentário: Ele queria uma Alemanha regenerada. Mas como conseguir isso? Precisamos de um Messias.

            O jovem idealista Rudolf Hess torna-se o primeiro discípulo. Foi o início do que quase se torna um caso de amor.

            Um jovem aspirante a soldado, Heinrich Himmler, encontra a chance de lutar por seus ideais malucos.   Ideias mitológicas, raciais e biológicas têm grande apelo e ele nunca parará de idolatrá-las.

            E o arrojado herói de guerra Hermann Goring descobre uma causa para alimentar sua própria ambição.  Ele queria que a Alemanha fosse do jeito dele.

            Esse pequeno grupo de desajustados e heróis se junta em meio a violência e desencanto de sua nação destruída. E sua sede por vingança fará com que cometam os piores crimes da história.

            Esses homens passarão de lutar nas ruas a dominar quase toda a Europa em apenas 15 anos.

            Esta é a história dos capangas de Hitler, da inveja, da luta pelo poder e dos bajuladores que criarão um monstro e alimentarão os horrores brutais do Terceiro Reich.

            Em um mundo dominado pelo egoísmo, pelo mal, onde as guerras se travam quase em todos os países de forma repetida, é natural que possamos encontrar dentro delas o ingrediente mais aperfeiçoado para o mal se expressar em toda sua potência. São pinçados dentro do contexto da Alemanha e suas guerras, o nome dessas quatro figuras (Adolf Hitler, Rudolf Hess, Heinrich Himmler e Hermann Goring) como os maiores promotores do ódio na era moderna.

            Os ensinos cristãos já estão muito conhecidos na Europa e nos demais países ocidentais, porém não é suficiente para conter a sanha perversa que ira ameaçar dominar o mundo, com uma ideologia totalmente contrária ao cristianismo.

            O mundo terminou envolvido pela Segunda Guerra Mundial, enquanto o genocídio acontecia nas áreas comandadas pelo nazismo. É importante avaliarmos passo a passo como pessoas tão raivosas e vingativas alcançam o poder máximo de um país e o leva à bancarrota aplicando uma ideologia tão desumana.


Publicado por Sióstio de Lapa em 09/02/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
08/02/2019 01h01
TRÓTSKY (21) – CONFERÊNCIA DE FREUD

            Série da Netflix, segundo episódio.

A cena muda para o local da conferência onde Freud faz sua exposição, em Viena, 1903.

- F. No entanto, acadêmicos medíocres ainda afirma que o comportamento humano é guiado por motivos, ideais e regras sociais. Bobagem! Maior bobagem! Eu insisto que o comportamento humano é guiado por dois princípios: medo da morte e desejo sexual.

Alguém da plateia pergunta...

- A. E o dinheiro?

- F. Dinheiro, amigo, é a mais simples e a mais clara forma de desejo sexual.

- N. E os sonhos? Não somos guiados pelos sonhos?

- F. Lamento desapontá-la, minha jovem. Seus sonhos também são uma forma de desejo sexual. O sexo é a única motivação para qualquer atividade. Milionários e sonhadores querem a mesma coisa que um amante ardente quer: provar seu valor para conquistar, para possuir. Você sabe com o que seu amigo sonha?

- T. Com a revolução mundial.

- F. Bom para você. O desejo daquele senhor chato gira em torno do dinheiro. Para seu parceiro, para tê-lo ele está disposto a queimar meio mundo. Para ele, sexo é a revolução! A sociedade também se baseia no desejo sexual. Grupos sociais se unem assim como um homem e uma mulher. A luta pelo poder é a luta por uma mulher. Sujeitos obedecem às regras porquê...

- T. As temem.

- F. De fato. Mas também as amam. Da forma mais sexual. Faça as pessoas desejarem você. E elas moverão o mundo por você. Alguma pergunta, senhoras e senhores?

Trótski levanta a mão.

- F. Você, Sr. Revolucionário?

Trótski se levanta e fala de igual para igual.

- T. Você falou conosco por duas horas. Nossos olhos estavam em você, não existia mais ninguém. Isso significa que nós todos desejámos você?

- F. Eu diria que está simplificando minha teoria. Mas se esta for sua pergunta, responda você mesmo, sinceramente.

- T. Eu tenho uma resposta. Eu não o desejava. Sou um homem normal. E não poderia responder à minha pergunta. Nem sim, nem não. Um “sim” faria de você um tolo. Um “não” confirmaria que sua teoria está errada. Mas eu não fui embora. Eu ouvi fascinado. Sabe por quê? Porque você tem razão. Um paradoxo.

- F. Nossa vida é feita de paradoxos.

Plateia explode em palmas e bravos. Todos se retiram, alguns comentam...

- N. Ele é um gênio. Um maníaco depravado. Ele sabe como chocar.

- T. Chocar? Como chocar uma mulher que posa nua diante de uma dúzia de homens?

- N. Tenho que ganhar meu pão, não quero dever para o Parvus. Não há implicação sexual.

- T. Freud diz que há alguma.

- F. Sr. Revolucionário! Você é um tipo raro de agressor sexual. Você tentou armar para mim só para destruir minha autoridade. Mas quando eu estava perdido, você me ofereceu a mão.

- T. Sr. Freud, por favor, perdoe minha pergunta superficial.

- F. Você tem uma mente crítica. Não é enganado facilmente, as leis da coroa não servem para você. Seu tipo psicológico é conhecido por matar de uma vez. Mas algo o impede de finalizar a sua vítima. Sim, sim. Talvez seja fraqueza?

- T. Eu lhe dei minha mão, quando estava se afogando em sua própria demagogia. Isso é fraqueza para você?

- F. Como suas pupilas se contraem rapidamente. Eu só vi isso em dois tipos de pessoas: serial killers e fanáticos religiosos. Você pode ser os dois se superar sua fraqueza.

- T. Não tenho interesse em enfrentar fraquezas. Prefiro enfrentar a força. Adeus.

- F. Você vai ficar em Viena? Eu gostaria de estuda-lo.

- T. Na próxima vez, Sr. Freud. Preciso ir à Bruxelas.

Dois homens com convicções fortes, de ideais revolucionários: Freud está promovendo uma revolução psicológica que até hoje é estudada e tentada colocar em prática; Trótski está tentando fazer a revolução social, algo que conseguiu e mostrou ao mundo um modelo de sociedade que até hoje se tenta reproduzir.

Os pensamentos desses dois homens influenciam a conduta humana até hoje, não com perfeição, claro, cada um tem seus defeitos e suas teorias também. Isso faz parte da evolução onde vamos avançando por pequenos passos de cada vez.

Nós, que procuramos estudar e praticar o pensamento mais correto que nos foi deixado como modelo, não podemos esquecer as lições e o comportamento do Cristo, que se fosse corretamente aplicado em qualquer área do conhecimento, certamente evoluiríamos com mais rapidez e harmonia.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 08/02/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
07/02/2019 01h01
MIGUEL DE UNAMUNO

Irei reproduzir um texto que inspirou os artigos anteriores deste diário, que merece ser também refletido por meus leitores. Aborda a questão da religião de uma perspectiva livre de dogmas e associada fortemente com a verdade.

Escreve-me um amigo desde o Chile me dizendo que lá se encontrou com algumas pessoas que, referindo-se aos meus escritos, lhe disseram: ''Bem, de modo resumido, qual é a religião deste senhor Unamuno?''. Pergunta análoga me foi dirigida aqui várias vezes. E vou ver se consigo, não a responder, coisa que não pretendo, mas expor melhor o sentido desta pergunta. Tanto os indivíduos como os povos de espíritos preguiçoso - e pode ocorrer preguiça espiritual junto a atividades de ordem econômica muito fecundas e de outras ordens análogas - tendem ao dogmatismo, saibam-no ou não, queiram-no ou não, propondo-se a ele ou não. A preguiça espiritual escapa da posição crítica ou cética.

Cética digo, mas tomando a voz do ceticismo em seu sentido etimológico e filosófico, porque cético não quer dizer aquele que duvida, senão aquele que investiga ou vasculha, por oposição ao que afirma e crê haver achado. Há quem esquadrinhe um problema e há quem nos dá uma fórmula, acertada ou não, como solução dele. Na ordem da pura especulação filosófica, é uma precipitação pedir-se a alguém por soluções prontas, sempre que tenha adiantado a exposição de um problema. Quando se faz um cálculo errado, apagar o que foi feito e começar de novo significa um progresso relevante. Quando uma casa ameaça ruir ou se faz completamente inabitável, o que se faz é derrubá-la, e não há mais o que pedir senão que se edifique outra sobre ela. Cabe, sim, edificar a nova com materiais da velha, mas derrubando-a antes. Entretanto, as pessoas podem se abrigar numa barraca, se não têm outra casa, ou dormir ao relento.

E é preciso não perder de vista que para a prática de nossa vida, raras vezes temos que esperar pelas soluções científicas definitivas. Os homens viveram e vivem sobre hipóteses e explicações muito descartáveis, e mesmo sem elas. Para castigar a um delinquente não definiram se ele tinha ou não livre-arbítrio, assim como para espirrar ninguém reflete sobre o dano que lhe pode fazer o pequeno obstáculo na garganta que lhe obriga ao espirro. Os homens que sustentam que por não crerem no castigo eterno do inferno seriam maus, creio, em honra deles, que se equivocam. Se deixaram de crer numa sanção além-túmulo não se tornariam piores por isso, mas buscariam então outra justificativa ideal para a sua conduta. Aquele que sendo bom crê numa ordem transcendente, não é bom tanto por crer nela, mas nela crê por ser bom. Proposição esta que haverá de parecer obscura ou enviesada, disto estou certo, aos inquisidores de espírito preguiçoso.

Bem, me dirão, ''Qual é a tua religião?'' E eu responderei: minha religião é buscar a verdade na vida e a vida na verdade, mesmo sabendo que não hei de encontrá-las enquanto viva; minha religião é lutar incessante e incansavelmente contra o mistério; minha religião é lutar contra Deus desde o alvorecer até o cair da noite, como dizem que contra ele lutou Jacó. Não posso transigir com este negócio de Inconhecível - ou Incognoscível, como escrevem os pedantes- nem aquilo de ''daqui não passarás''. Rechaço o eterno ignorabimus. E em todo caso, quero ascender ao inacessível.

''Sede perfeitos como vosso Pai que está no céu é perfeito'', disse-nos o Cristo, e semelhante ideia de perfeição é, sem dúvida, inexequível. Mas nos impôs o inacessível como meta e termo de nossos esforços. E isto ocorreu, dizem os teólogos, com a graça. E eu quero combater meu combate sem preocupar-me com a vitória. Não há exércitos e até mesmo povos que vão na direção de uma derrota certa? Não elogiamos aqueles que se deixaram matar lutando antes de render-se. Pois esta é minha religião.

Estes, os que me dirigem esta pergunta, querem que eu lhes dê um dogma, uma solução na qual possam descansar o espírito da sua preguiça. E nem isto querem, apenas buscam classificar-me e meter-me em um dos quadrados em que colocam os espíritos, dizendo de mim: é luterano, é calvinista, é católico, é ateu, é racionalista, é místico, ou qualquer outra destas alcunhas, cujo sentido claro desconhecem, mas que os dispensa de seguir pensando. E eu não quero me deixar classificar, porque eu, Miguel de Unamuno, como qualquer outro homem que aspire à consciência plena, sou um espécime único. ''Não há enfermidades, apenas enfermos'', soem dizer alguns médicos, e eu digo que não há opiniões, apenas opinadores.

Na ordem religiosa não há quase nada que eu tenha racionalmente resolvido, e como não o fiz, não posso comunicar logicamente, porque só é lógico e transmissível o que é racional. Tenho, sim, com efeito, com o coração e com o sentimento, uma forte tendência ao cristianismo sem ater-me à dogmas especiais desta daquela confissão cristã.

Considero cristão todo aquele que invoca com respeito e amor o nome do Cristo, e me repugnam os ortodoxos, sejam católicos ou protestantes - estes costumam ser tão intransigentes quanto aqueles - que negam o cristianismo a quem não interpreta o Evangelho como eles. Conheço cristão protestante que nega que os unitários sejam cristãos.

Confesso sinceramente que as supostas provas racionais - a ontológica, a cosmológica, a ética, etc. - da existência de Deus não me demonstram nada; que quantas razões se queira dar de que existe um Deus me parecem razões baseadas em paralogismos e petições de princípio. Nisto estou com Kant. E sinto, ao tratar disto, não poder falar aos sapateiros em termos de sapataria. Ninguém conseguiu me convencer racionalmente da existência de Deus, mas tampouco de sua não-existência; os raciocínios dos ateus me parecem de uma superficialidade e futilidade ainda maiores do que os de seus contraditores.

E, se creio em Deus ou, pelo menos, creio crer Nele, é, sobretudo, porque quero que Deus exista, e depois, porque se revela a mim, por via cordial, no Evangelho e através do Cristo e da História. É coisa de coração. O que quer dizer que não estou convencido disto como o estou de que dois mais dois são quatro. Caso se tratasse de algo que não mexesse com a paz da minha consciência e com o consolo de ter nascido, talvez não me ocupasse do problema; mas como nele vai toda a minha vida interior e o estímulo de todas as minhas ações, não posso contentar-me em dizer: não sei nem posso saber. Não sei, é certo; talvez não possa saber nunca, mas ''quero'' saber. Quero-o, e basta. E passarei a vida lutando contra o mistério e ainda sem esperança de nele penetrar, porque esta luta é meu alimento e meu consolo. Sim, meu consolo. Me acostumei a extrair esperança do próprio desespero. E não gritem ''Paradoxo!'' os mentecaptos e os superficiais.

Não concebo a um homem culto sem esta preocupação, e espero muito pouca coisa na ordem da cultura - e cultura não é o mesmo que civilização - daqueles que vivem desinteressados do problema religioso em seu aspecto metafísico e somente o estudam em seu aspecto social ou político. Espero muito pouco para o enriquecimento do tesouro espiritual do gênero humano daqueles homens ou daqueles povos que, por preguiça mental, por superficialidade, por cientificismo, o pelo que seja, se apartam das grandes e eternas inquietudes do coração. Não espero nada dos que dizem: ''Não se deve pensar nisso!''; espero ainda menos dos que creem em um céu e em um inferno como aqueles em que acreditávamos na infância, e espero até menos daqueles que afirmam com a gravidades do néscio: ''Tudo isto não passa de fábulas e mitos; quem morre é enterrado, e acabou''. Somente espero dos que ignoram, mas que não se resignam a ignorar; dos que lutam sem descanso pela verdade e põem sua vida na própria luta mais que na vitória.

 E o maior dos meus trabalhos tem sido sempre inquietar aos meus próximos, remover-lhes a quietude do coração, angustiá-los, se puder. Já o disse em meu Vida de Dom Quixote e Sancho, que é a minha mais extensa confissão a este respeito. Que eles busquem, como eu busco, que lutem, como luto eu, e, entre nós todos, algum fiozinho de segredo arrancaremos de Deus, e, pelo menos, essa luta nos fará mais homens, homens de mais espírito. Para esta obra, obra religiosa, foi-me necessário -em povos como estes povos de língua castelhana, carcomidos de preguiça e de superficialidade de espírito, adormecidos na rotina do dogmatismo católico ou do dogmatismo livre-pensador ou cientificista - parecer por vezes impudico e indecoroso, em outras duro e agressivo, não poucas enrolado e paradoxal. Em nossa minguada literatura não se ouvia ninguém gritar desde o fundo do coração, descompor-se, clamar. O grito era quase desconhecido. Os escritores temiam fazer-se ridículos.

Acontecia-lhes e lhes acontece o mesmo que àqueles que suportam à uma afronta no meio da rua por temor ao ridículo de se verem com o chapéu no chão ou presos pela polícia. Eu, não; quando senti vontade gritar, gritei. Jamais me conteve o decoro. E esta é uma das coisas que menos me perdoam estes meus companheiros de ofício, tão comedidos, tão corretos, tão disciplinados até mesmo quando pregam a incorreção e a indisciplina. Os anarquistas literários se preocupam, acima de tudo, com a estilística e a sintaxe. E quando saem do tom o fazem afinadamente; seus desacordes conseguem ser harmônicos.

Quando senti uma dor, gritei, e gritei em público. Os salmos que figuram em meu volume de Poesias não são mais que gritos do coração, com os quais busquei fazer vibrar as cordas dolorosas dos corações dos outros. Se não têm essas cordas, ou se as têm tão rígidas que não vibram, meu grito não ressoará nelas, e declararão que isso não é poesia, pondo-se a examiná-los acusticamente. Também se pode estudar acusticamente o grito que lança um homem quando vê seu filho de repente cair morto, e quem não tem nem coração nem filhos, fica nisso.

Estes salmos de minhas Poesias, com outras várias composições que ali estão, são minha religião cantada, e não exposta logica e racionalmente. E a canto, bem ou mal, com a voz e o ouvido que Deus me deu, porque não posso raciociná-la. E quem veja nestes meus versos raciocínio e lógica, e método e exegese, mais do que vida, por neles não haver faunos, dríades, silvanos, nenúfares, ''absintos'' (ou seja, losna), olhos glaucos e outras joias mais ou menos modernistas, que lá permaneça com os seus, pois não vou tocar-lhe o coração nem com arcos de violino ou martelos.

Do que fujo, repito, como da peste, é de que me classifiquem, e quero morrer ouvindo perguntar de mim os folgados de espíritos: ''E este senhor, que é?'' Os liberais ou progressistas tontos me terão por reacionário e acaso por místico, sem saber, é claro, o que isto quer dizer, e os conservadores e reacionários tontos me terão por uma espécie de anarquista espiritual, e uns e outros, por um pobre senhor desejoso de singularizar-se e de passar por original e cuja cabeça é um pote de grilos. Mas ninguém deve se preocupar do que dele pensam os tontos, sejam progressistas ou conservadores, liberais ou reacionários. E como o homem é teimoso e não costuma querer se informar e tem o hábito de depois de lhe haverem pregado sermões por quatro horas voltar aos passeios, os perguntões, se leem isto, voltarão a me perguntar: ''Bom; mas que soluções trazes?'' E eu, para concluir, lhes direi que se querem soluções, corram para a loja da frente, porque na minha não se vende semelhante artigo.

Meu empenho foi, é e será, que aqueles que me leem, pensem e meditem nas coisas fundamentais, e nunca foi de dar-lhes pensamentos prontos. Eu busquei sempre agitar e mais sugerir do que instruir. Se vendo pão, não é pão, mas levedura ou fermento. Há amigos, e bons amigos, que me aconselham a deixar de lado este esforço e me recolher a fazer o que chamam de obra objetiva, algo que seja, dizem, definitivo, algo de construção, algo duradouro. Querem dizer algo dogmático. Declaro-me incapaz disto e reclamo minha liberdade, até mesmo de me contradizer, se for o caso. Eu não sei se algo do que fiz ou que venha a fazer na sequência haverá de perdurar por anos ou por séculos após a minha morte; mas sei que se for dado um golpe num mar sem orla as ondas ao redor prosseguirão sem cessar, mesmo que se enfraquecendo.

Agitar é algo. Se por conta desta agitação vier atrás de mim outro que faça algo duradouro, nele durará minha obra. É obra de misericórdia suprema despertar o adormecido e sacudir o inerte, e é obra de suprema piedade religiosa buscar a verdade em tudo e descobrir onde quer que seja o dolo, a necedade e a inépcia. Já sabe, pois, meu bom amigo o chileno o que tem que responder a quem lhe pergunte qual é minha religião. Agora, bem; se for um destes mentecaptos que creem que guardo ojeriza a um povo ou à uma pátria quando lhe cantei as verdades a algum de seus filhos irreflexivos, o melhor que pode fazer é não lhes responder.''

Miguel de Unamuno - Salamanca, 6 de novembro de 1907.

Sim, Miguel de Unamuno, naveguei por seus mares e me deliciei com suas ondas de pesquisa e de dúvidas, de reconhecimento da ignorância de não poder se associar à nenhuma religião sob pena de perder a indispensável liberdade de navegar por tantos mares quais sejam os que apareçam no espírito humano.

Sim, Miguel de Unamuno, seus mares são como os meus, cheios de certezas deléveis que se rearranjam ao sabor dos ventos da verdade, dos fatos percebidos ou dos pensamentos coerentes.


Publicado por Sióstio de Lapa em 07/02/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 3 de 522 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr