Meu Diário
04/10/2019 00h01
SABE ONDE EU ESTAVA ONTEM?

            Casado por 20 anos, fui abandonado por minha mulher. Ela não tolerava mais as minhas saídas com as amigas, com meus namoros, permitidos por mim e condenados por ela. Nós desenvolvemos paradigmas de vidas diferentes. Ela acreditava e praticava o casamento com a fidelidade do amor exclusivo; eu acreditava no amor incondicional e praticava a fidelidade ao amor inclusivo. Isso implicava que ela só se permitiria a ter relações afetivas, com ou sem sexo, comigo; isso implicava que eu me permitia a ter relações afetivas com ou sem sexo, com tantas mulheres que o Pai colocasse no meu caminho e que houvesse sintonia e condições de realização entre nós.

            Frente a tamanho conflito de interesses, fizemos o máximo para convivência juntos, até me sujeitei a passar 8 anos morando com ela e sem a procurar para o sexo, pois ela já se incomodava com essa situação. Vivíamos assim durante esse tempo como “bons amigos” que eu queria ser e que ela tentava se esforçar.

            Mas, infelizmente, chegou o dia que para ela foi a “gota d’água”: colocou-me para fora de casa de forma agressiva, violenta, com palavras duras e definitivas: “Vá embora para longe de mim, fique perto de suas raparigas para as quais você dá mais valor”!

            Não havia mais possibilidade de acordo. Submisso sai de casa levando apenas o básico para a minha caminhada, não fazia questão pelos bens materiais. Procurava apenas ser justo naquilo que não causasse tanto transtorno emocional.

            Fiquei assim por anos, conduzindo a minha vida como eu imaginava que deveria viver, praticando o amor incondicional ensinado pelo Cristo e dentro dele o amor inclusivo que permitia eu me aproximar das mulheres do meu entorno com postura afetiva, sem preconceitos e com respeito, jamais penetrando em terrenos que levassem prejuízo ao próximo.

            Em um dia de chuva fina, quando caia a tarde e subia a noite, eis que me vejo em frente ao trabalho dela. Olho aquelas estruturas por onde antes eu caminhava e ia lhe pegar para levar para casa, antes passando no self-service para almoçarmos.

            No dia seguinte, refletindo sobre o ocorrido, resolvi escrever para ela e colocar como nunca dantes eu fizera o que ia em meu coração.

            Sabe onde em estava ontem?

            Ontem, quando as luzes da cidade começaram a se acender mais cedo pois o tempo chuvoso acionou precocemente os dispositivos de iluminação artificial... quando as nuvens não permitiram ver as estrelas que já estariam brilhando sobre nós, inclusive aquela que sempre me guia, a Estrela d’Alva, aquela que desperta em mim a oração da Ave Maria, da proteção que tanto preciso... eu estava em frente ao prédio que tu trabalhas.

            Sei que você não estava lá, mas as memórias sim. Não importava com as lágrimas que rolavam pelo meu rosto, pois pouca gente circulava naquele momento, não tinha tanta luz, e as gotas da chuva que molhavam meu corpo disfarçavam muito bem o pranto silencioso pela face.

            Os meus olhos embaçados viam apenas a rampa que no passado tu descias ao meu encontro. Eu estava ali como testemunha, molhado pela chuva. A lâmpada dos postes fazendo a projeção das gotas que caiam. Alguém correndo aqui, acolá, tentando se livrar da chuva com seus oportunos guardas chuva.

            A minha mente, sintonizada no passado, via você descendo pela rampa, riso largo no rosto, silhueta juvenil e sensual, um olhar claro e feliz ao sintonizar com o meu. Era como se o meu corpo molhado tivesse contemplando a cena à distância. Eu pegava a sua mão, a enlaçava pelos ombros, beijava seus cabelos e íamos em direção ao self service para almoçarmos. Enquanto o casal se afastava em plena felicidade, eu, o observador, sentia o fluxo das minhas lágrimas aumentarem. Eu chorava por mim e por ti. Minhas lágrimas, simplesmente, tentavam limpar o sofrimento de minha alma. Perguntava que tipo de encantamento era esse que deixava duas pessoas que se amam e querem viver juntos para sempre, de repente separados por fortes emoções que impedem uma simples aproximação?

            Então, minha querida (permita que eu te chame ainda assim, e mesmo que não permitas, eu já o fiz, pois faz parte da minha essência: te amar), esta é a pergunta que faço para ti: sabe onde eu estava ontem?

            Imagino que você poderia me responder assim, cheia de raiva:

“Sim! Sei sim! Estava com suas putas, se alegrando com elas, lamentando o tempo que perdeu comigo, me iludindo, dizendo que me amava. Rindo do amor que despertou em mim, mas que nunca considerou; se regozijando dos sonhos que me roubou e que nunca mais tive coragem de produzir outros. Não quero saber de sua vida mundana, do seu egoísmo, de não querer ficar nem perto do filho especial que construímos juntos. Sim, você tem razão, não quero que me chame de “querida” pois é hipocrisia. Querida é quando se quer ficar junto de uma pessoa, e você somente quer o mundo que lhe oferece tantas outras que você pode chamar da mesma forma, de querida. Sim, viva sua vida de orgias e prazeres com tantas quantas se aproximem de você e inadvertidamente caiam em sua rede. Não procures saber se eu sei por onde tu andas, pois eu sei muito bem!”

Esta era a carta que eu nunca enviei e a resposta que eu nunca recebi.

Este é um mundo que se forma em outra dimensão e que nós habitamos com perspectivas diferentes.

Em um momento único, um transe, uma espécie de sonho, nós podemos vislumbrar um pouco dele.

Vi assim os mundos opostos que passamos a viver, pela ótica da minha imaginação.

Eu, sozinho, arrodeado de tantas pessoas, distribuindo amor de diversas formas, aos diversos gêneros, como essência de minha missão na Terra, lamentando o grande amor que ela representava para mim na realidade e que hoje consigo manter apenas nos sonhos, de forma solitária, sem a participação dela.

Ela, sozinha, com tantas dificuldades emocionais, mágoas, ressentimentos, falsas compreensões da realidade, da percepção do mundo mental que habito, imaginando que nunca a amei, sem saber que eu a amei muito mais do que ela me amou.

Agora, ela nunca iria aceitar que naquela tarde/noite chuvosa eu encontrei com ela, que a levei pela mão, com dedos entrelaçados; que senti seu perfume, me embalei no seu riso, e com sua voz me acariciei. Que não existia mais ninguém naquele espaço que sempre é tão cheio, de carros, de pessoas; de vendedores, de transeuntes apressados ou carregados. Éramos somente nós. A chuva que me molhava do meu observatório, não conseguia evitar o brilho do sol pelo nosso caminho, da beleza das flores rústicas e singelas que eram as testemunhas do que acontecia. Sim, minha querida, que pena que você não possa penetrar na magia do nosso olhar ao se encantar um pelo outro, como eu me encantei, como eu viajei no brilho da tua alma, que no meu mundo ela, tua alma, está sintonizado com a minha.


Publicado por Sióstio de Lapa em 04/10/2019 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
03/10/2019 00h01
UMA PAIXÃO INUSITADA

            Encontrei Angélica num sonho, foi uma viagem que pedi ao Pai. Não sei qual a intensão d’Ele ao ter me colocado dentro de tal dimensão ao invés de me ter proporcionado uma viagem pelo Cosmo, como fez na noite anterior e que tanto eu havia gostado. Mas, enfim, essa experiência foi muito mais marcante, é tanto que estou aqui tentando explicar o que aconteceu, o que não fiz com a viagem no Cosmo.

            Angélica estava casada com uma pessoa do meu convívio. A mesma atração que eu tive por ela nos primeiros dias que eu a vi nesta minha dimensão material, eu voltei a sentir por ela nessa dimensão onírica. Aconteceu o mesmo com ela, mas diferente do que acontecia comigo, que estava solteiro, ela estava casada e tinha que respeitar o marido dentro dos compromissos assumidos por eles. Sem considerar a probabilidade de agressão e até uma fatalidade, se descoberto uma traição conjugal, pois a cultura permitia os assassinatos em nome da honra.

Portanto, o amor que surgiu entre nós, no seu estágio mais forte da paixão, não podia se expressar. Os nossos olhares, fugazes, em algumas oportunidades, era o máximo de expressão que esse amor poderia ter. Qualquer forma de comunicação poderia ser descoberta e a tempestade acontecer. Nem uma orientação eu poderia dar, por exemplo: dizer para ela aparentar um comportamento sempre hostil com o marido, para ele desistir do relacionamento e pedir o divórcio. Ou então, se mostrar sempre apegada, colada, com ciúmes, sufocando, para que ele se incomodasse e tivesse o mesmo comportamento de pedir o divórcio.

O diálogo, explicando a situação, que seria o mais adequado entre pessoas maduras emocional e espiritualmente, não se aplicava a ele. Era uma pessoa bastante materializada, bruta, que entendia a parceira como mais uma das suas posses materiais e qualquer comportamento fora daquele padrão, que fora prometido na igreja, seria uma afronta pessoal, uma desonra que mereceria a correção com sangue, mesmo que se tratasse de um amigo, como nós nos considerávamos.

            Talvez esta tenha sido a intenção do meu Pai. Saber como eu me comportaria dentro de uma situação dessa, com a base do Amor Incondicional que eu digo possuir. Pois bem, vamos ao teste.

            Sei que o Amor deve estar acima dos preconceitos, agir com liberdade, fazendo ao outro aquilo que quero que seja feito comigo. No caso de Angélica estávamos sintonizados, ambos sentíamos o Amor um pelo outro, mas tinha o obstáculo do marido que possuía outros paradigmas dentro de uma animalidade muito forte. A pessoa mais prejudicada era Angélica, ela era a prisioneira e que corria risco de vida com a tentativa de liberdade ou de expressar o seu Amor. Poderíamos deixar tudo como estava, se eu interpretasse que esse era o caminho mais coerente com o Amor. Eu teria forças para fazer isso, tenho certeza. Mas acontece que minha consciência apontava o contrário. Eu teria que encontrar formas desse Amor que sentíamos não ser assassinado pelas forças dos preconceitos, da ignorância da lei de Amor do Criador. Esta é a essência do problema que eu percebia está colocado em minhas mãos.

            Lembro de um detalhe do sonho, o marido de Angélica querendo demonstrar externamente o afeto que tinha pela esposa, deu de público um valor considerável em dinheiro e o cheque seria recebido dentro de uma solenidade com muita gente e muitas fotos, num ambiente tipo uma exposição de arte. Eu era um dos convidados e via Angélica posando para fotos, sem tanta alegria, em quadros que evocava a serenidade, enquanto o marido estava em outros quadros que representava prazeres mundanos. Depois, em outro momento tumultuoso, eu a via levantando acima da cabeça das pessoas um desenho feito à mão onde mostrava uma casinha isolada, numa vereda por entre árvores, como se tivesse indicando um local de encontro.

            Acordei com essa sensação. Um coração apaixonado, querendo libertar a amada cujo coração também me espera, numa dimensão muito diferente desta que vivo, não sabendo como retornar, como nos comunicar.

            Acredito que a comunicação dela ou do Pai para mim, deva acontecer através dos livros que o Pai coloca à minha disposição. O teste do Pai deve implicar na memória. Se o amor que desenvolvemos nessa dimensão é tão forte quanto imaginamos, a comunicação deve ser reconhecida na leitura de qualquer livro. Então voltarei aqui e também testareis a memória dos meus leitores, colocando o prosseguimento dessa saga que não sei até onde irá ou se terá prosseguimento. Dependo exclusivamente do Pai para me dar as comunicações e de mim para lembrar a que se destina. A mim me compete ficar na expectativa, na vigilância e dizer ao Pai que aceitei o desafio. Que estou disposto a libertar Angélica e viver um romance interdimensional, respeitando a lei do Amor Incondicional.


Publicado por Sióstio de Lapa em 03/10/2019 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
02/10/2019 00h01
VIAGEM A OUTRA DIMENSÃO

            Encontrei a fórmula de falar com meu Pai com a naturalidade que eu tanto queria. Expliquei no texto anterior quando fiz minha oração. Hoje tentei fazer isso ao ir para cama dormir, por volta das 4 horas da madrugada com intenção de levantar às 7 horas. Ao deitar procurei sintonizar com o Pai e pedir para Ele me levar para passear, como experimentei na noite anterior, quando tive oportunidade de ir para as dimensões cósmicas e ver todo o conjunto das imensas e inúmeras casas do meu Pai. Como me senti orgulhoso ao ter um Pai tão bondoso e poderoso e que sou um dos seus tantos herdeiros.

            Bem, nesta noite pensava em fazer uma viagem parecida. Enganei-me. Entrei através dos sonhos em uma dimensão que é mais difícil ser alcançado do que aquela do Cosmo que um dia, ao desencarnar, eu sei que poderei ir por lá. Essa dimensão do sonho eu não sei como acessá-la, não tenho conhecimento como fazer. Dependo exclusivamente do Pai para voltar a essa dimensão e continuar com os relacionamentos tão fortes que foram criados por lá. Mas, vejamos o que aconteceu desta vez.

            Encontrei em outra dimensão uma pessoa querida por quem me apaixonei nesta dimensão material há cerca de 30 anos. Casei com essa pessoa e tivemos um filho, superando todas as dificuldades, eu e ela, para esse relacionamento se concretizar. Acontece que tínhamos paradigmas de vida diferentes e sabíamos que chegaria o dia de que não mais poderíamos ficar juntos. Eu, da minha parte tive o máximo de tolerância, mas sem perder as características de quem eu passei a ser: um defensor do amor incondicional e liberdade para acatar o amor de forma inclusiva, de onde viesse, sem preconceitos. Eu, quebrava assim a exclusividade do amor e do sexo, o que ela colocava como inegociável. Teria que existir a exclusividade do amor, a fidelidade aos compromissos do casamento; a possibilidade de sexo com outra pessoa seria inaceitável.

Este foi o motivo da nossa separação, no início muito tumultuada devido ao seu gênio rígido, explosivo, contundente. Mas a minha forma de amar, incondicional, não se perdeu. Continuei a lhe amar com toda a pujança, apesar da separação rigorosa que ela impôs. Porém, o tempo parceiro constante do amor, conseguiu derreter a muralha tão sólida de ressentimentos que ela havia construído entre nós. Hoje nós nos sentimos bons amigos, parceiros no trato com nosso filho que tem suas características especiais, porém, sentimos que não há mais clima para reeditarmos aquela paixão que sentíamos nos primeiros dias que nos conhecemos. Acontece que foi ela a principal protagonista desta viagem que o Pai me proporcionou a essa dimensão, a esse universo paralelo que não consigo localizar, aqui em minha dimensão, de nenhuma forma.

            Mas vejamos o que aconteceu. Quero explicar ainda que estou digitando esse texto assim que acordei para que não perdesse tanto das informações que ficaram na minha mente. Sei que quanto mais o tempo passa, mais as informações de um sonho se perdem, mesmo que ele tenha sido tão lúcido e cheio de emoções como este. Iniciarei diretamente no próximo texto, do dia seguinte, para não cansar os meus leitores, críticos e comentaristas.


Publicado por Sióstio de Lapa em 02/10/2019 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
01/10/2019 06h25
ORAÇÃO OUTUBRO 2019

            Pai! Finalmente chega meu tempo. Como prometi fazer algo mais significativo nos 6 anos seguintes aos meus 60 anos de idade, sempre ao dobro do tempo que o nosso Mestre Jesus gastou para a execução de sua missão, 30 anos de vida em preparação e 3 anos no cumprimento dela. Como tenho muitíssimas mais dificuldades espirituais, psicológicas e físicas que o Mestre, pretensiosamente pedi o dobro do que Ele gastou para fazer pelo menos um centésimo do que Ele fez.

            Portanto, Pai, dia 19 deste mês terminarei os meus 66 anos, pois no dia 20 iniciarei os 67 anos, se me permitires. Nessa data, dia 19, sábado, estarei organizando um evento universitário com o título “Reino de Deus – uma construção possível?”. Tem o objetivo de levantar no meio acadêmico a reflexão sobre o que conseguimos fazer até o momento sobre essa construção que o Mestre ensinou ser necessária e que já se passaram quase 2.000 anos de suas lições. Junto com meus irmãos que labutam nas lides religiosas as mais diversas, veremos o que está sendo feito e no que podemos aprimorar para conquistar essa meta. Esta será, talvez, minha maior contribuição, e espero de Vós a compaixão e a graça de me permitir continuar a conduzir meu pequeno foco de Luz.

            Outra condição que espero ter alcançado algum êxito, foi na comunicação convosco. Sabes que eu sempre me justifico em não ter intimidade, em não saber falar contigo com naturalidade, não encontro palavras. As vezes recorro à oração que o Mestre ensinou, o Pai Nosso. Mas hoje tive uma experiência diferente, não foi preciso falar, eu sentia a Tua proximidade e minha mente falava por mim e ouvia de Ti. Viajei pelo Universo e encontrei respostas para indagações dos meus relacionamentos e compromissos. Vi que a oração do Pai Nosso para mim, nestas circunstâncias íntimas, quando estou sozinho querendo falar contigo, não seria mais necessária. Uma nova forma de falar contigo, tendo ainda como modelo aquela que o Mestre ensinou veio à minha mente e seria assim:

            Pai, meu, que estás sempre comigo.

            Dá-me a Tua bênção divina.

            Dá-me força e sabedoria para que eu entre em tua sintonia.

            Para que eu possa fazer a Tua vontade com quem estiver, por onde caminhar.

            Dá-me a inteligência para eu procurar o trabalho, sem preguiça ou preconceitos, para a conquista do pão.

            Perdoa-me os erros e ofensas contra Ti, em meus irmãos, pois me esforçarei para fazer o mesmo, perdoar.

            Quando minhas forças fraquejarem, não me deixes cair em tentações e livra-me das armadilhas do mal.

            Eis, Pai, uma fórmula decorativa para quando eu não encontrar palavras. Mas, certamente, irei preferir viajar contigo sempre que possível, sentir o Teu acolhimento e a Tua sabedoria... talvez seja esta a resposta aos meus pedidos.

            Que seja feita a Tua vontade!


Publicado por Sióstio de Lapa em 01/10/2019 às 06h25
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/09/2019 00h28
PROFISSIONAIS DA MENTIRA

            Assisti um vídeo no Youtube do professor Percival Puggina que merece ser reproduzido aqui para nossa reflexão.

            Olá! O fato é que nós devemos nos habituar a lidar com pessoas como Wagner Moura, temos que estar preparados porque elas estão por toda parte. Wagner Moura não é um caso isolado. São pessoas que sofrem de uma dissociação cognitiva e mantém com a verdade, com os fatos, uma a relação inamistosa.

Esse filme sobre Marighella é um exemplo disso. E o exemplo se torna mais forte porque ele apresenta Marighella representado por um ator negro. Esse á apenas um pequeno ingrediente para integrar uma questão racial ou racista. O fato é que ele trata de apresentar alguém que foi o verdadeiro monstro, um cavalo de Átila que passou pela história do Brasil, um bandido, homicida, assaltante de banco, terrorista, guerrilheiro... uma biografia horrorosa, como alguém envolvido pelas melhores intenções.

Ora, este é um grande desvio narrativo que vem acompanhando nas últimas décadas todo o relato sobre a história daquele período, apresentando estas organizações guerrilheiras como sendo entidades dirigidas e mobilizassem pessoas comprometidas com a democracia e com a restauração da plenitude democrática no Brasil, enfrentando uma ditadura.

Sim, de fato eles enfrentavam um governo autoritário, mas para implantar um governo totalitário, algo muito pior, porque democracia nunca esteve em suas cogitações.

 Democracia para eles era exatamente o oposto do que queriam, porque lutavam pela ditadura do proletariado. São duas posições antagônicas. A democracia é uma coisa, a ditadura do proletariado é o seu oposto. E era isso que eles queriam e era isso que eles conheciam e era assim que eram os países onde eles estudavam, de onde eles recebiam recursos, que estavam nas suas referências: a União Soviética, Cuba, China, e países do Leste Europeu.

Era o que eles queriam para o Brasil, este era o projeto político, esta era a agenda. Portanto, apresentar num filme o Marighella, como sendo uma pessoa movida por boas intenções, ou os professores de história aos milhares, pagos por nós, mentindo aos nossos filhos e aos nossos netos através das décadas, a respeito da história daquele período, apresentando essas pessoas como defensoras e lutadoras das democracias, das liberdades, como verdadeiros mártires, é uma corrupção, corrupção dos fatos, corrupção da história sem nenhuma possibilidade de comprovação, ao contrário.

O contrário disso facilmente se faz prova. Nunca, em qualquer de suas ações deixaram um único volantezinho, e eles faziam isso em todos, que falassem em democracia.

Outro dia tive acesso a todas essas organizações em um livro que está aqui em minha biblioteca, não sei aonde, não consegui achar agora. Mas eram várias dezenas. Era assim que viviam. Corre o dedo para procurar qual das siglas tinha o D de democrático: nenhuma! Não localizei mais o livro, mas se você procurar no Google, grupos guerrilheiros no Brasil, você vai encontrar uns 30 listados na página da internet. Nenhum deles tem o D da democracia. Tem o C do comunismo, R de revolucionário, T de trotskista, L de leninista, S de socialista, P de popular... o que você quiser tem; D, não! Por que? Porque eles não queriam. Então, vende-los como democratas, defensores da democracia e das liberdades...

            Em 1969, setembro de 1969, houve o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick por 2 grupos guerrilheiros: o MR8 e a Ação Libertadora Nacional, que era o grupo liderado pelo Marighella. Ele não participou da ação, mas participaram dela pessoas conhecidas: Assis Benjamin, Paulo de Tarso Venceslau, Fernando Gabeira, Franklin Martins e muitos outros. E as exigências feitas pelos sequestradores eram duas: libertarem 2 presos políticos e mandar de avião para Havana e dali para o México, e a leitura em cadeia nacional de rádio e televisão de um manifesto que eles redigiriam.

A junta militar se curvou às duas exigências. Vocês imaginem o que representava para a Junta Governativa da época. Aceitar que sequestradores seus inimigos lessem em cadeia nacional um manifesto contra eles. Falassem a nação inteira e o país parou para ouvi-los. Que dirá? Franklin Martins redigiu a nota. Franklin Martins sabe escrever, sabe falar, vocês conhecem. Uma pessoa que não tem dificuldade de dizer o que pensa. O que diz a nota redigida pelos guerrilheiros, por Franklin Martins? Procure na internet, está disponível. De honesta revolucionária, bombas, explosões, ataque, assalto, sequestro, tomada de recursos de agências bancárias, enfim, luta pelo comunismo e pela revolução. É disso que falaram, que era o que os interessava.

            Prova provada! Nenhuma vez no manifesto aparece a palavra democracia. Nenhuma vez no manifesto dos sequestradores aparece a palavra liberdade. Não era disso que tratavam.

            Portanto, corrupção da história, visto que professores fazem em sala de aula com nossos filhos, netos, mentindo para eles. É corrupção! Corrupção da história, corrupção da narrativa do passado. Corrupção no presente, é corrupção para o futuro. Não é mentirinha, não é uma jogadinha política, é uma coisa indecente sob o ponto de vista da cidadania, da dignidade humana e do respeito ao conhecimento que se deve aos alunos. Essas pessoas, perderam a eleição e o poder veio deles para o nosso governo. E, portanto, nós que nos empenhamos nisso, temos que cuidar para que esse poder não retorne a mãos tão ignóbeis. Pense nisso! Meu nome é Percival Puggina, estou tendo meu país de volta.

            Uma visão totalmente diferente da que tentam nos passar. Confesso que fiquei a maioria dos anos de minha vida dentro dessa narrativa distorcida da realidade. Fui pego na rede deles, cheguei a militar diversas vezes, como candidato a diversos cargos públicos em partido de esquerda, no PDT. Felizmente não me deixei corromper pelas práticas iníquas do partido, fiquei desapontado quando o líder, Leonel Brizola, passou a praticar as mesmas práticas que eu combatia na praça pública, com o coronelismo, minimizando o trabalho das bases. Sai da militância, cheguei a votar no Lula na sua primeira vitória, mas logo vi que ele estava governando na base da mentira, quando veio à tona o escândalo do Mensalão. Não podia mais apoiar um comportamento desse tipo que sempre eu condenava nas minhas andanças políticas, em defesa da Dignidade Humana. Pedi desfiliação do partido e procurei me voltar para o mundo espiritual, cuja governança do Cristo eu vim perceber e acatei sua autoridade moral, como um ser incorruptível.

            Agora vejo a verdade surgindo cada vez com mais força, num relato desses de Percival Puggina, das memórias da Segunda Guerra Mundial, livro escrito por Winston Churchill, e em tantas outras descobertas que tem olhos de ver, conseguem ver.


Publicado por Sióstio de Lapa em 30/09/2019 às 00h28
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 3 de 569 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr