Meu Diário
07/04/2018 23h59
(AI-03) SEMENTE DA DÚVIDA

            Vou colocar agora o exemplo pessoal para mostrar como o cristão, preparado com os atributos do Bem, sabendo que deve aplicar a Lei do Amor Incondicional em quaisquer circunstâncias, sempre usando a bússola comportamental do Cristo quando se sentir em dúvida (amar ao próximo como a si mesmo), como forma de fazer a vontade do Pai e se aproximar dEle.

            Casei dentro dos princípios culturais do ocidente, para formar a família nuclear e ficar dentro dela, aplicando o amor exclusivo, uma fidelidade mútua quanto aos relacionamentos íntimos. Os meus estudos espirituais não encontravam obstáculos, até que um dia tudo começou a ter outra dimensão.

            Na época eu era plantonista dentro de um hospital psiquiátrico, ainda como estudante de medicina, casado, com 3 filhos, dois homens e uma mulher. Tinha uma vida harmônica com minha esposa e filhos, e demais parentes. Não tinha nenhuma intensão de quebrar o compromisso original do casamento, mesmo que sentisse algum desejo pelas mulheres que se relacionavam comigo. Eu não tomaria a iniciativa para tentar viabilizar a concretização desses desejos eróticos.

            Tudo passou a mudar quando eu conheci uma auxiliar de enfermagem que trabalhava comigo durante os plantões noturnos no hospital psiquiátricos. Tínhamos oportunidade de ficar sozinhos na sala de atendimento e nesses momentos ela passou a insinuar que deveríamos sair juntos qualquer dia para namorarmos. Apesar dela ser uma mulher sensual, também casada como eu, nas minhas considerações não avaliava que isso seria correto, eu estaria quebrando o compromisso original do meu casamento, estaria sendo infiel, traindo a minha esposa e ela o seu marido. Com esse nível de consciência, eu refutava os convites que ela me fazia, apesar do desejo ficar mais aguçado do que antes. Ela argumentava que ninguém iria saber, que nós iríamos usufruir de um desejo que ambos sentíamos, que isso não iria trazer prejuízos para ninguém, pelo contrário, iria nos dar o prazer que já sentíamos previamente em nossos corpos. Ninguém iria saber que tínhamos saído em algum momento para trocar afetos e fluidos.

            Essa foi a semente da dúvida que ela jogou em minha consciência e que eu, evocava a Lei do Amor e a bússola do Cristo para referendar a negação que eu dava ao convite de namorar: era uma ação afetiva que iria nos dar prazer, a mim e a minha colega de trabalho – portanto atende a Lei do Amor; era uma ação que eu iria fazer ao próximo o que gostaria que fizessem comigo – portanto atende à bússola do Cristo; porém seria uma traição, tanto para a minha esposa quanto para o seu marido que não esperavam que nós fizéssemos isso. Dessa forma, se eu tirasse o foco da minha colega de trabalho e colocasse sobre a minha esposa, iria perceber que eu estaria dando a ela o que eu não queria receber, isto é, eu estaria saindo para namorar com outra pessoa enquanto não queria que ela fizesse o mesmo.

            Dentro desse contexto, fiquei encucado... como pode a Lei do Amor poder ser aplicado num caso e não em outro? Então, eu não posso Amar livremente, quando esse Amor for coerente com as duas pessoas que se propõem a aprofundá-lo até a intimidade sexual? Parecia existir uma incoerência em algum ponto das minhas elucubrações... e eu teria que encontrar e desamarrar esse nó, sob pena de não poder cumprir a principal Lei que o Pai espera que nós façamos, de acordo com o que ensinou o mestre Jesus.


Publicado por Sióstio de Lapa em 07/04/2018 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
06/04/2018 23h59
(AI-02) EVANGELHO E TRANSFORMAÇÃO

            Para o homem sair da condição animal onde a Natureza nos colocou e partir para a condição de angelitude onde a promessa de evolução espiritual nos espera, é preciso romper com as exigências instintivas incompatíveis com esse propósito espiritual.

            A missão que Jesus recebeu do Pai foi vir até nós, encarnar nas estruturas biológicas como nós fazemos e nos ensinar a Lei do Amor (incondicional) como ferramenta imprescindível à evolução espiritual. O uso que podemos fazer da racionalidade, mesmo ela funcionando dentro do cérebro, órgão do corpo e portanto submetido diretamente à força dos instintos, é para ver a coerência de tudo que existe ao nosso redor, das diversas teorias sobre a origem e destinação da vida, e aceitar conscientemente a que considerar mais correta, mesmo que isso vá de encontro aos interesses egoístas do corpo.

            Ao considerarmos a prevalência do Espírito comparado ao Corpo, da imortalidade daquele e da brevidade deste, da realidade do mundo espiritual e da falsa aparência das formas do mundo material, verificamos a coerência das lições que Jesus nos trouxe e do esforço que devemos fazer para a evolução do nosso Espírito.

            Nesse sentido, a importância do Evangelho, onde estão escritas as lições que Jesus nos deixou, não deve ser simplesmente mística ou religiosa, mas iniciática, uma forma de iniciação prática dos ensinamentos teóricos. Fazendo isso estaremos dando prioridade aos valores espirituais, controlando as forças instintivas de interesse do Ego, fazendo uma Reforma Íntima daquilo que herdamos biologicamente e do que aprendemos culturalmente. Assim, teremos que eliminar hábitos, vícios e costumes perniciosos; defeitos morais, sentimentos e pensamentos incompatíveis com a evolução espiritual; e, por outro lado, buscando adquirir virtudes próprias do homem novo, transformado, conquista da sinceridade, desejo, vontade e determinação de alcançar a meta espiritual.

            Qual a forma de alcançar isso, o regulamento, a lei que devo seguir? A Lei do Amor, bem ensinada pelo Cristo, principalmente nos dois primeiros grandes aspectos: “Amar a Deus sobre todas as coisas”, pois em tudo está a energia divina, por todo o Universo, no macro e no micro cosmo, inclusive dentro de nós; e, segundo, “Amar ao próximo como a si mesmo”, pois o próximo é um simples reflexo do que eu sou, que reflete Deus da mesma forma que eu, pois tudo de bom ou de mal que eu possa fazer a ele, automaticamente se volta para mim mesmo.

            Atingindo esse nível de consciência, armado com o Evangelho e tendo a Lei do Amor, a Lei de Deus dentro da minha consciência, estaremos prontos para construir novos relacionamentos mais coerentes com a vontade do Pai e capaz de formatar a Família Universal, e por conseguinte, o Reino de Deus


Publicado por Sióstio de Lapa em 06/04/2018 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
05/04/2018 06h01
O MAGNETISMO DO BANHO

            Do livro “O consolador” escrito pelo espírito André Luiz através da mediunidade de Chico Xavier, vem essas instruções que fazem parte do nosso cotidiano e que devemos ter em mente para aproveitar com pragmatismo o momento.

            O contato da água no corpo provoca um estímulo magnético que percorre todo o organismo, deixando-o calmo, e preparando-o para o sono reparador ou para as lutas de cada dia. O banho diário, quando encontra na mente apoio, torna-se um passe.

            Além das virtudes curativas da água, enxertar-se-ão fluidos magnéticos, de acordo com a irradiação da alma. A disciplina dos pensamentos é uma fonte de bem-estar na hora da higiene do instrumento carnal.

            No instante do banho é preciso que se entenda a necessidade da alegria, que nosso pensamento sustente o amor, até um sentimento de gratidão à agua que nos serve de higiene. Visualize, além da água que cai em profusão, como fluidos espirituais banhando todo o seu ser.

            O impulso dessa energia destampa em nosso íntimo a lembrança da fé, da esperança, da solidariedade, do contentamento e do trabalho.

            Por esse motivo, banho e passe, conjugados, são uma magia divina ao alcance de nossas mãos.

            O chuveiro seria como um médium da água e dele sai o fluido que vivifica o corpo.

            Poder-se-á vincular o banho ao passe, e ele poderá ser uma transfusão de energias eletromagnéticas, dependendo do modo pelo qual nós pensamos enquanto nos banhamos. Uma mente ordenada na alta disciplina e pela concentração, em segundos, selecionará, em seu derredor, grande quantidade de magnetismo espiritual e os adicionará, pela vontade, na água que lhe serve de veículo de limpeza física, passando a ser útil na higiene psíquica. Observem que, ao tomar banho, sentimo-nos comovidos, a ponto de nos tornarmos cantores! E a alegria advinda da esperança nos chega da água, que é portadora dos fluidos espirituais, que lhe são ajustados por bênção do amor.

            O lar é nosso ninho acolhedor, e nele existem espíritos de grande elevação, cuja dedicação e carinho com a família nos mostrará como Deus é bom.

            Essa assistência atinge, igualmente, as coisas materiais, desde a harmonização até o preparo das águas que nos servem. Quantas doenças surgem e desaparecem sem que a própria família se conscientize disso? É a misericórdia do Senhor pelos emissários de Jesus, operando na dimensão oculta para os homens, e encarregados de assistir ao lar. Eles colocam fluidos apropriados nas águas para o banho, e nas que bebemos. E, quando eles encontram disposições mentais favoráveis, alegram-se pela grande eficiência do trabalho. Na hora das refeições, é sagrado e conveniente que as conversas sejam agradáveis e positivas.

            No momento do banho, é preciso que ajudemos, com pensamentos nobres e orações, para que tenhamos mãos mais eficientes operando em nosso favor.

            Se quisermos quantidade maior de oxigênio nitrogenado, basta pensarmos firmemente que estamos recebendo esses elementos e a natureza nos dará isto, com abundância. É o “pedi e obtereis”, do Cristo. E, com o tempo, estaremos mestres nessa operação que pode ser considerada uma alquimia.

            A alegria tem também bases físicas. Um corpo sadio nos proporcionará facilidades para expressar o amor.

            Quando tomar o seu café pela manhã, tome convicto de que está absorvendo, juntamente com os ingredientes materiais, a porção de fluidos curativos, de modo a desembaraçar todo o miasma pesado que impede o fluxo da força vital em seu corpo. E sairá da mesa disposto para o trabalho, como também para a vida. Despeça-se de sua família com carinho e atenção, e deixe que vejam o brilho otimista nos seus olhos, de maneira a alegrar a todos que o amam; assim, eles lhe transmitirão as emoções que você mesmo despertou neles e isso lhe fará muito bem. Lembre-se de que um copo de água que tome, onde quer que seja, pode ser tomado e sentido como um banho e passe internos.

            Não se esqueça de bebê-lo com alegria e amor, lembrando com gratidão de Quem lhe deu essa água tão necessária, pois se ela vem rica de dons espirituais, aumentará a sua conexão com o divino poder interno.

            É muito bom estar consciente a cada coisa que nos acontece e estar agradecido, se sentindo abençoado e cheio de amor.

            A consciência, a gratidão, e o amor são dois caminhos paralelos que a felicidade percorre com alegria.

            Uma boa prática, para decorar e aplicar no cotidiano.


Publicado por Sióstio de Lapa em 05/04/2018 às 06h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
04/04/2018 03h31
O LADO DIREITO

            Nas minhas diversas leituras, geralmente aleatórias, encontrei no livro “Lindos casos de Chico Xavier”, de Ramiro Gama, o texto 37 que me fez ficar curioso e trazer aqui para meus leitores:

            O LADO DIREITO

            Todas as coisas tem o seu lado direito e esquerdo, como temos nossas mãos direita e esquerda.

            Para nós, destros, tudo quanto fazemos com a direita sai mais ou menos certo; com a esquerda sai mais ou menos errado...

            Pedro, apóstolo pescador de peixes e de almas, quando pescava no Lago Genezaré juntamente com outros pescadores, lançava a rede pelo lado esquerdo e não apanhava nenhum peixe.

            Apareceu-lhe, então, Jesus e mandou que a lançasse, de novo, mas pelo lado direito, e a rede se rompeu de tanto peixe.

            Na própria escolha dos premiados, que saem vitoriosos de suas provas, o Mestre os separa dos fracassados, passando o primeiro para a sua direita e o segundo para a esquerda.

            O lado direito é, pois, o da Justiça, do Bom Combate, do Bom Caminho, da Vereda Certa, da Vida Verdadeira, da Verdade mesma.

            Assim conversávamos com o Chico, em caminho da Fazenda do Ministério da Agricultura, em Pedro Leopoldo, quando o médium concluiu:

            - O lado direito é o lado de Deus.

            - O esquerdo é de César.

            O primeiro é dos que vivem com Deus, cumprindo-lhe a Lei. O segundo é dos que estão apenas vivendo para o mundo e desejando o muito sem Deus.

            Este texto parece muito determinista entre o bem e o mal, localizados à direita ou a esquerda, respectivamente. Mas vamos focar na simbologia que leva à conceituação. Na Bíblia, o livro sagrado, o lado direito assume essa conotação de estar mais perto da vontade de Deus. A partir daí pode se justificar a preferência positiva pelo lado direito. Mas, como é que isso se perde no contexto político? Por que a esquerda é vista com mais glamour, que os seus integrantes exigem posturas fortes dentro da sociedade, que implicam até no uso da violência, que contamina igrejas, universidades, parlamentos, gabinetes e comarcas? Por que os atos genocidas que a história mostra, associados à esquerda e ao socialismo/comunismo, não são devidamente absorvidas pelas consciências? Será que estão, a partir das escolas, condicionadas dentro do erro, ou hipnotizadas pelo mal?

            Por outro lado, a direita... por que, se está tão próxima da vontade de Deus, passam os seus integrantes a explorarem o suor dos irmãos, aplicando um capitalismo selvagem, onde cada vez mais os recursos são concentrados na cúpula da pirâmide social e a base rasteja sem dignidade humana em busca da sobrevivência?

            Tanto num como noutro caso, o fator convergente para a emergência do mal, é o egoísmo, que tanto está colocado à direita quanto à esquerda, e que se manifesta na forma de corrupção, as mais diversas, apoiada pelas mentiras e hipocrisias.

            O antídoto para nos livrar dessa influência maléfica que vem de todos os lados, é usar a Verdade em todos os momentos.

 


Publicado por Sióstio de Lapa em 04/04/2018 às 03h31
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
03/04/2018 06h31
ÊXODO

Moisés foi chamado por Deus para retirar o seu povo do Egito, por caminhos totalmente improváveis. Moisés havia se tornado assassino, fugitivo da sua terra, o próprio Egito, onde convivia na casa do Faraó. Não tinha o dom da oratória, pouco sabia expressar o que Deus queria de si, com tamanha tarefa, contrária aos interesses do Faraó. Mas Deus, sabendo que era o momento de livrar o seu povo daquela situação de escravidão, fez a convocação dele, já estabelecido no exílio, casado, sem nenhuma pretensão de voltar à terra que havia fugido. Mas Deus foi persuasivo e Moisés era obediente. Colocou Aarão, seu irmão, ao seu lado e indicou a estrada a ser seguida.

Mesmo assim acontece hoje. O povo de Deus, aqueles que acreditam que Ele é nosso Pai, que procuram ser obedientes à Lei do Amor enquanto Sua essência, que vivem numa situação de escravidão moderna, pagando altos impostos e sem receberem os serviços que seriam de direito, tudo para manter uma casta de corruptos sob a capa da moralidade e autoridade perversa, e de uma ética contaminada pelos princípios do mal.

Chega o momento de um novo êxodo, da retirada deste povo de Deus dessa situação de penúria moral, de espoliação do suor derramado, de medo constante do que possa acontecer, consigo ou com seus filhos, pela ação das armas dos bandidos sem camisa das ruas ou dos bandidos de colarinho branco dos gabinetes. Chega a hora de ser manifesta a vontade de Deus, primeiro pela Justiça aqueles empertigados, irremovíveis da condição de viverem à margem da Lei do Amor, e, segundo, pela Misericórdia, àqueles que sinceramente se arrependem de seus crimes.

É tempo de uma nova caminhada da humanidade em direção à terra que jorra “leite e mel”. Desta vez não será um local específico da Terra, como a Canaã dos judeus, de Abraão. Desta vez, conforme as modernas profecias, será a Terra em sua totalidade, o planeta passará a ser considerado um Planeta de Regeneração, deixará para trás a sua atual condição de Planeta de Provas e Expiações. Todas as almas, encarnadas ou não, resistentes e persistentes no mal, serão expurgadas para outro planeta, outra morada, mais condizente com o estado mental ou espiritual que eles não conseguem, pelo menos no momento, mudarem para sintonizar com a lei da evolução, integrante da Lei do Amor.

Como Deus conduzirá o seu povo dentro deste novo êxodo, que não significa andar 40 anos em nenhum deserto físico da Terra, e sim, talvez, andar 40 anos no deserto espiritual do coração. Limpá-lo de toda a sujeira que o egoísmo da infância e dos maus costumes deixou, passar a agir com brandura, justiça e solidariedade. Respeitar em tudo, e principalmente nos relacionamentos íntimos, a Lei do Amor, pois aí está contida a vontade de Deus.  

Tenho a impressão que Deus já está preparando um dos seus filhos mais obedientes, assim como no passado foi Moisés e Jesus, para assumir mais uma vez essa tarefa sacrificial da própria vida em função do bem estar dos irmãos, em qualquer ponto do planeta onde eles estejam, obedecendo à Lei do Amor, não importa o nome que deem a ela, mesma que seja Buda, Alá, Krishna ou qualquer outro, até mesmo ateísmo.


Publicado por Sióstio de Lapa em 03/04/2018 às 06h31
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Sióstio de Lapa http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 4 de 460 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr