Meu Diário
09/04/2019 00h04
JESUS E O JEJUM

            O espírito Ramatis, no livro Fisiologia da Alma, trata do Jejum associado ao comportamento de Jesus que vale a pena reproduzir e refletir.

            É a terapêutica do jejum o processo que melhor auxilia o espírito a drenar as substâncias tóxicas que provém do astral inferior pois, devido ao descanso digestivo, eliminam-se os fluidos perniciosos. A igreja católica ao recomendar o jejum aos seus fiéis, ensina-lhes inteligente método de favorecimento à inspiração superior. As figuras etéreas dos frades trapistas, dos santos ou dos grandes místicos, sujeitos a alimentação frugal, comprovam o valor terapêutico dessa alimentação. O jejum aquieta a alma e a libera em direção ao mundo etéreo; auxilia a descarga das toxinas do astral inferior, que se situam na aura humana dos “civilizados”.

            Aliás, já existem no vosso mundo algumas instituições hospitalares que tem podido extinguir gravíssimas enfermidades sob o tratamento do jejum ou pela alimentação exclusivamente pela à base de suco de frutas. Jesus, a fim de não reduzir seu contato com o Alto, ante o assédio tenaz e vigoroso das forças das trevas, mantinha a sua mente límpida e a governava com absoluta segurança graças aos longos jejuns, em que eliminava todos os resíduos astrais, perturbadores dos veículos intermediários entre o plano espiritual e o físico. O Mestre não desprezava esse recurso terapêutico para a tessitura delicada do seu períspirito; não se esquecia de vigiar a sua própria natureza divina, situada num mundo conturbado e agressivo, que atuava continuamente como poderoso viveiro de paixões e detritos magnéticos a forçarem-lhe a fisiologia angélica. Evitava sempre a alimentação descuidada e, quando sentia pesar em sua organização as emanações do astral inferior, diminuía a resistência material ao seu espírito, praticando o jejum, que lhe favorecia maior libertação para o seu mundo celestial.

            Nunca vimos Jesus partindo nacos de carne ou oferecendo pernis de porco aos seus discípulos; ele se servia de bolos feitos de mel, de fubá e de milho, combinados aos sucos ou caldos de cereja, morangos e ameixas.

            Esta percepção dos benefícios do jejum a partir do comportamento de Jesus, é deveras muito interessante e com a qual eu mais sintonizo, comparando com as diversas explicações sobre o benefício do jejum.

            A compreensão do jejum como forma de drenar as substâncias tóxicas e até o excesso de nutrientes, como gorduras localizadas, o descanso digestivo, a drenagem de fluidos perniciosos, o favorecimento à inspiração superior, a paz espiritual e direcionamento para o mundo etéreo, um escudo contra os ataques das trevas, curar ou prevenir o desenvolvimento de enfermidades, e manter a delicadeza do períspirito, são fortes argumentos na minha consciência para eu fazer essa atividade, principalmente no tempo propício da quaresma.

            Agora, a crítica em comer carne de mamíferos e aves como é feita, não consigo pactuar, mesmo já tendo tentado em passado recente. Essa crítica é feita em outros textos do mesmo autor, e irei colocar neste espaço em seguida, para maiores reflexões.


Publicado por Sióstio de Lapa em 09/04/2019 às 00h04
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
08/04/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (20) – ROHM SAI DO CAMINHO

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

XX

Às 12h15 do dia 20 de dezembro de 1924, após cumprir nove meses de uma pena de cinco anos, Hitler deixa Hess na prisão e é libertado. Após sua tão comentada prisão e sua recente renúncia como líder, isso deveria ser importante. Mas não há público o esperando. Apenas um carro. As coisas mudaram, e seu país não está mais louco por um messias.

A Alemanha está diferente. A economia estava melhorando. A República de Weimar está mais forte. Há mais estabilidade e confiança. É uma Alemanha que lidou com a crise e agora decidiu se estabelecer e achar um jeito de seguir os termos impostos pelas outras potências. Com esse clima e sem a liderança de Hitler, nas eleições de 1924, os nazistas conquistam apenas 3% dos votos. Parecem estar acabados. O número de membros que era de 35 mil em 1923, caiu pela metade. E protestar contra empréstimos americanos é ridículo em um período de prosperidade.

O clima mudou. Ele não pode mais ficar gritando nas ruas ou tentando metralhar as pessoas. Não dá certo.

Com o partido em frangalhos, Hitler está livre para reconstruí-lo de acordo com a nova visão política criada com Hess. O Partido Nazista não pode mais ser revolucionário e violento. Precisa adotar as formas do legalismo, contar com as eleições, e entrar no Parlamento, no Reichstag. Precisa passar pelas fases de ser um partido democrático parlamentar.

Hitler tenta retomar o controle do partido, mas logo descobre que é difícil se livrar de fantasmas do passado. Ernst Rohm esperou ansiosamente pela soltura de Hitler, convencido de que ainda podem trabalhar juntos. Hitler quer que seja um partido político adequado, que sigam os caminhos legais ao poder.

Mas há gente como Ernst Rohm, com visão mais revolucionária, para quem revolução nacional é revolução mesmo.

Por ter lhe dado a chance de desenvolver a SA, mesmo secretamente, ele descobre que Rohm tem milhares de seguidores. Hitler tem de cuidar dessa situação.

Em 16 de abril de 1925, em sua casa em Munique, ele confronta Rohm, esclarecendo sua visão política. Eles precisam parecer que estão agindo dentro do sistema político e que são um partido real e crível, e não um bando de lunáticos que tentam dominar cervejarias em Munique. Mas o antiquado Rohm acredita que toda revolução deve começar com um golpe.

Rohm fala de revolução e Hitler diz, dramaticamente: “A revolução vem depois da tomada do poder, não antes. Primeiro tomamos o poder, depois há revolução. ”

A relação entre Rohm e Hitler logo fica abalada. Hitler diz a Rohm: “Você montou esse enorme exército político, um perigo revolucionário, não quero isso. Não era para fazer isso.” E Rohm claramente fica irritado com isso.

Hitler sabe que Rohm é poderoso. Com um exército à sua disposição, é um momento perigoso. Mas, surpreendentemente, é Rohm quem recua. Rohm não tem como vencer. O controle de Hitler sobre o partido, embora não tão poderoso quanto será, é bem forte.

No dia seguinte, Rohm escreve a Hitler renunciando ao Frontbahn e a SA, mas implora para que continuem a amizade. Hitler não responde.

Rohm fica chateado e decide ir para a Bolívia... do outro lado do mundo. Ele decide: “Não consigo vencer. Desisto, vou embora. ”

Retirado do círculo íntimo, Rohm vai para a América do Sul. Mas ele terá sua chance de novo.

Com Rohm fora do caminho e Hess solto, começa a campanha para reganhar o partido e os corações e as mentes do povo alemão. Para o partido se tornar uma força política séria, o processo deve começar pelo líder. Hitler passa por uma transformação. Ele pode apostar no visual tradicional alemão volkisch, com lederhosen, as meias compridas e os sapatos típicos. Isso apela a certo elemento da comunidade. Ele também pode parecer mais tecnocrata, com um terno elegante. E se vai a um grande comício nazista... ele usa seu uniforme. Ele escolhe o tecnocrata. Agora parece um líder preparado e confiante. Pronto para reganhar o controle do partido e leva-lo a uma nova direção.

Rohm percebe que todo seu trabalho junto as milícias, não tem mais o apoio de Hitler. Mesmo com todo o poder que Rohm conseguiu com esse trabalho de arquitetar e viabilizar um exército inteiro nas ruas, a favor do ideal nazista, com truculência e mortes, mesmo assim Rohm capitula e não enfrenta a nova visão do seu chefe.

Mesmo caso existe na evolução das atitudes de Lula. Mesmo sendo pessoa de origem humilde, quase analfabeto, com ojeriza ao estudo, mesmo assim consegue deixar sob sua liderança diversas pessoas de nascimento mais nobre, de títulos acadêmicos, de tocas da justiça e de mandatos dados pelo voto popular. Sim, todo esse poder, essa sua influência, passou a existir com todo esse vigor, após a passagem pela presidência do Brasil e ter deixado a marca da corrupção em quase todos os ramos da administração.


Publicado por Sióstio de Lapa em 08/04/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve sitar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net).
 
07/04/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (19) – SURGE GOEBBELS

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

XIX

ASSASSINO EM MASSA (cartaz apontando Hitler)

Sem Hitler, o Partido Nazista se fragmenta. Hesse disse: “Hitler é o partido, o partido é Hitler.” É uma boa expressão para usar como lema. Enquanto estava preso o partido continuou existindo, mas despedaçado. E os diferentes sujeitos nele lutavam pelo domínio do partido.

Mas o movimento não desmorona totalmente, e em meio ao caos político, recuperando-se da depressão e vendo a chance de deixar sua marca, Heinrich Himmler ressurge. Por um tempo ele se afastou da vida política, embora continue a ter interesse ativo em política de direita. Ele tenta se reintegrar ao movimento o mais rápido possível.

O atrativo de Himmler é ser trabalhador e inteligente. Em um partido de ideólogos e cabeças-quentes, Himmler realiza as coisas. É um homem muito meticuloso e exigente, e qualquer movimento político, por mais radical que seja, precisa de alguém muito capaz nos bastidores. Himmler assume papéis. É o homem “mão na passa” do partido. Eles passaram a dizer: “Himmler fará isso. ”

Após a renúncia de Hitler, o chefe bávaro nazista Gregor Strasser assume o papel de líder do partido. Logo Himmler torna-se seu vice. Com Strasser, bem como outros, trata-se em partes de ele manter o controle, mas também de estabelecer contatos que possam ser usados no futuro. E embora o partido ainda não seja a força política formidável que será, ele está provando ser inestimável.

Embora seja vice de Strasser, aos 24 anos, Himmler é o chefe nazista na prática na Baixa Baviera. E ele não é o único jovem ascendendo em meio ao caos.

Joseph Goebbels nasceu em 1897 em uma família de classe média baixa na cidade de Rheydt, na Renânia. Como Hitler, Goebbels também é um filhinho de mamãe mimado. Tinha dificuldades de fazer amigos. Quando jovem, passou por várias cirurgias no pé que o deixaram com uma deficiência permanente, e ele passou o resto da vida mancando ao andar. Então ele desenvolveu uma personalidade solitária, reservada. E assim como Hitler, Goebbels crê que merece mais, encontrando um bode expiatório para seus fracassos na Alemanha pós-guerra.

Goebbels é um jovem com um grande ego. Ele fez doutorado, escreveu livros não publicados e peças não produzidas, e tem uma estirpe muito virulenta de antissemitismo correndo nele. Inspirado pela exibição de Hitler no tribunal, o entusiasmo político de Goebbels é impulsionado quando, em 1924, ele viaja até Weimar para participar de seu primeiro comício da direita.

Tudo que passamos a associar com o ritual do Partido Nazista e seus encontros estava presente no comício. As bandeiras, os estandartes, o uniforme, a marcha, a entoação, as cantorias, os discursos feitos para públicos entusiasmados... a violência, o ataque a transeuntes... pessoas espancadas na ferroviária, bebedeira e convívio à noite... Tinha tudo isso lá. Embora ainda não seja membro do partido, ele mergulha na política de direita. Mas como evangelista deficiente, a arma de Goebbels serão as palavras. Ele arruma emprego em um jornal político mal das pernas, e escrevia o jornal todo. E, de repente, na cabeça dele, ele virou um jornalista com um trabalho adequado. Logo ele leva suas ideias às ruas, e descobre que tem outra coisa em comum com Hitler: sabe cativar o público. E aqui começamos a ver a extraordinária ética de trabalho que o guiou pelo resto da vida, pois combinava o trabalho jornalístico com discursos públicos. De início, para públicos menores e locais, mas aí ele descobriu que tinha talento para isso. E, em questão de poucas semanas, ele ganhou reputação de orador eficaz. E essa reputação se espalhou no Partido Nazista.

Nesse ponto observo uma diferença maior entre o Partido Nazista e o Partido dos Trabalhadores, e seus respectivos líderes, Hitler e Lula. O primeiro conseguiu um aliado de igual poder de oratória, que mantinha os ideais do líder que se encontrava na prisão. Com Lula foi diferente, não conseguiu nenhum aliado que pudesse conduzir com competência de oratória, os conchavos. Fez até uma tentativa com sua aliada a “presidenta” Dilma, que foi um desastre em todos os sentidos, desde o assassinato do português, até manter a continuidade da corrupção e a sua verve mentirosa de ex-guerrilheira. Era ele que de dentro da prisão tentava influenciar os destinos do partido, apesar de vozes inflamadas que se levantavam a seu favor, mas desta vez com a pecha da corrupção que atingia todos seus correligionários.


Publicado por Sióstio de Lapa em 07/04/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve sitar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net).
 
06/04/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (18) – MUDANÇA DE PERCEPÇÃO

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

XVIII

Hess cimentou sua posição como o primeiro e mais leal membro do círculo íntimo de Hitler. Mas outros veteranos do fracassado golpe não estão indo tão bem.

Para Goring, os anos após o golpe foram difíceis. Eram uma repetição de seus anos após a Primeira Guerra. Ele vaga, sem saber aonde vai e o que faz. Ele está na Áustria, é um homem procurado na Alemanha, vive basicamente de subsídios. Não é como Goring se imaginava que estaria a essa altura. Afinal, ele é um herói de guerra, tem a Blue Max no pescoço. Agora virou uma figura marginalizada, com constantes dores pelos ferimentos sofridos no golpe, ele encontra consolo nos narcóticos e se vicia em morfina. Incapaz de ajudar Hitler ou a si mesmo, ele está fora de cena e deixa um vácuo para outros florescerem.

Ernst Rohm está desejoso em deixar sua marca, tem ideias muito ambiciosas para a SA, quer aumenta-la para milhões de homens, rivalizando com o exército se os nazistas chegassem ao poder.

Rebatizada como Frontbahn, expandiu para 30 mil membros. O desonrado militar criou seu próprio exército particular, uma força mercenária pronta para tomar o poder para os nazistas quando for a hora.

Na prisão de Landsberg, Hitler está tendo dúvidas. Após uma fracassada tentativa de tomada violenta, talvez seja a hora de uma nova abordagem.

Talvez o legado mais importante de Landsberg não seja o Mein Kampf. Claro que é crucial. Mas foi a percepção de Hitler, sua epifania de que a chegada ao poder não é por meio de pistolas ou metralhadoras... mas sim da urna.

31-05-1924

Landsberg, Baviera

Rohm visita Hitler. Com seu grande exército está mais preparado para um novo golpe. Ele acredita ter as tropas para por Hitler no poder. Mas ele não esperava a nova visão de Hitler. E claro, o plano de Rohm era totalmente contrário ao de Hitler. Rohm fica chocado quando Hitler rejeita seus planos, e vai embora muito confuso. O exército de Rohm é perigoso para Hitler. Os desordeiros do Frontbahn podem destruir a sua chance de liberdade condicional.

O Frontbahn, sob o comando de Ernst Rohm, está cometendo muitos atos violentos. Hitler sabe que não pode ser associado a esse comportamento violento e briguento nas ruas.

07-07-1924

Landsberg, Baviera

Se Hitler quiser ser levado a sério como político, não pode ser associado a mais violência. Em maio, ele faz um anúncio chocante. Hitler renuncia como líder do Partido Nazista em julho de 1924. Ele está na prisão. E o Partido Nazista está oficialmente proibido. Ele sabe que, para voltar ao topo e espalhar sua nova visão, precisa de estratégia de longo prazo.

É um gesto. Significa que o que está acontecendo não é nacional-socialista, e que quando saísse da prisão ele recomeçaria. Com o apoio de Rudolf Hess, ele se distancia da política e para de receber visitantes. Com sua soltura marcada para outubro, nada pode comprometer sua liberdade.

A influência de Hess sobre Hitler, a visão nacionalista que ele deixou impregnada na mente do seu ídolo, a confecção de um livro onde deixa isso muito claro, tudo mostra uma incompatibilidade da tomada do poder pela força, como mantém na mente o Ernst Rohm. Hitler vê a incompatibilidade do seu novo ideal com as propostas do Partido Nazista e resolve deixar a direção do partido para não mais ser associado com as badernas que ele produz.

Assim aconteceu com Lula quando se elegeu pela primeira vez à presidência do Brasil. Fez uma carta à nação mostrando que não iria ser tão rigoroso com a política capitalista como seu partido defendia. Colocou em sua chapa um empresário e assim conseguiu enganar a nação e muitos líderes partidários e empresariais. Infelizmente, muitos desses atores, mesmo sendo enganados, terminaram sendo cooptados devido a força das propinas em todas as direções.


Publicado por Sióstio de Lapa em 06/04/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve sitar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net).
 
05/04/2019 01h01
CÍRCULO DO MAL DE HITLER (17) – O MENTOR NA CADEIA

Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

XVII

Juntos na prisão de Landsberg, Hess incentivava as ambições de Hitler e começa a persuadi-lo a adotar um novo papel, o de líder autoritário, salvador da Alemanha. É exatamente o que Hitler que ouvir.

Estar preso em Landsberg com Hitler, seu herói, é uma ótima oportunidade para Hess. Estão forçados a ficarem juntos, então ele poderia ficar o dia todo ao lado do Hitler. Como resultado, o relacionamento entre eles fica extremamente próximo.

Hess utiliza o tempo juntos para seduzir Hitler com uma nova visão agressiva de uma Alemanha em expansão. Uma filosofia propagada por seu antigo tutor: Dr. Karl Haushofer.

Hess tinha sido aluno de Haushofer e aprendeu ideias geopolíticas esotéricas bem estranhas... difíceis de serem definidas, mas que tinham a ver com a ideia de a Alemanha ter um destino e o direito de se expandir.

Foi através de Hess e Haushofer que Hitler começou a ter ideias de lebensraum.

A teoria do lebensraum ou “espaço vital” torna-se uma poderosa motivação para Hitler. Planta a semente de um novo superestado germânico expandindo para o leste.

Então Hess se torna uma figura muito importante sobre o pensamento de Hitler. Mas talvez a maior contribuição de Hess para o nazismo tenha sido incentivar Hitler a escrever sua visão para o futuro da Alemanha.

Foi sugerido que Hitler poderia usar melhor seu tempo na prisão escrevendo suas ideias em forma de livro, que se tornariam o manifesto do movimento e, também, uma autobiografia inspiradora.

Hitler chama seu livro de Mein Kampf, ou Minha Luta, mas na realidade, Hess é o coautor. Ele tem duas grandes influências sobre Hitler, uma é emocional, e a outra, intelectual, ideológica. Ele foi um canal, um meio de dar a Hitler as suas ideias. Juntos, Hess e Hitler criam o que vem a ser uma Bíblia racista. Sonha com impérios germânico perdidos, culpando judeus e comunistas pelo atual fracasso do país.

Se ler o Mein Kampf hoje em dia, parece as palavras de um louco. Põe a culpa nos judeus por todos os problemas do mundo, problemas de capitalismo e de comunismo. Culpa os aliados por punirem excessivamente a Alemanha após a Primeira Guerra. Sugere que certas raças biológicas são melhores que outras. É uma fossa de ódio em forma de miscelânea vinda do cérebro nacionalista e entusiasmado de Hitler. E é o mais extraordinário tonel de veneno.

Embora orgulhoso de suas conquistas, Hess não leva crédito, alegremente dedicando seus esforços a servir seu líder da melhor forma. Ele tem a habilidade de acalmar Hitler e fazê-lo sentir-se bem consigo mesmo. Em termos de amigos de Hitler, Hess era o mais próximo a ele.

Hess se torna um importante mentor para tornar o que Hitler viria a ser. O tempo na prisão foi importante para consolidar essa condição e inclusive escrever um livro para lançar ao mundo um posicionamento de forma organizada.

Com Lula, esse período de preparação foi diferente. Não havia um tutor tão esclarecido como Hess, na formulação de uma política nacional. Existia um interesse sindicalista, cheio de conchavos, com uma visão sectária, usando as deficiências nacionais como forma de atingir o poder. Tanto é verdade, que assim que assumiu o poder, procurou logo cooptar os membros do Congresso na base da corrupção, o que veio à tona no escândalo do mensalão. Depois disso, conseguiu escapar do impeachment, na estratégia do “eu não sei, eu não vi”, e progrediu com os arranjos corruptos até deixar o país em amplo caos administrativo e político, mas bastante instrumentalizado para defender seus interesses, até mesmo estando dentro da prisão.


Publicado por Sióstio de Lapa em 05/04/2019 às 01h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve sitar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net).



Página 4 de 534 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr