Meu Diário
07/07/2018 01h47
FASCISMO É TRABALHISTA

Conforme o estudo de Rodrigo da Silva, volto a colocar as informações para melhor conceituar o Fascismo, termo tão usado e pouco entendido pelos que o usam.

            Poucos regimes foram tão revolucionários na defesa dos direitos trabalhistas quanto o fascismo. Não por acaso, a nossa própria legislação na área, criada no auge do Estado Novo, por Getúlio Vargas, tem como base um documento italiano do final da década de vinte, a Carta del Lavoro, onde o Partido Nacional Fascista definiu os fundamentos das relações de trabalho. Até hoje, aliás, todas essas determinações não apenas permanecem organizando a vida econômica do país em corporações, com sindicatos patronais e trabalhadores tutelados pelo Estado, como são defendidos em grande parte por militantes de esquerda.

            E a CLT não foi o único documento a seguir esse princípio. A própria Constituição Federal de 1937 tem no artigo 138 uma tradução idêntica à declaração III da Carta del Lavoro. E o que ela prevê? A unicidade sindical sob tutela do Estado, as contribuições compulsórias e os contratos coletivos de trabalho, mecanismos que de forma intacta sobreviveram à Constituição de 1988.

            Foi dessa maneira que o fascismo mudou a cara do trabalhismo no último século – abraçando o sindicalismo revolucionário e dando ao Estado o papel de tutor das relações laborais, fiscalizando patrões, empregados e determinado cada aspecto da vida do trabalho. Quer dizer, nunca houve no fascismo italiano o interesse em abolir completamente a propriedade privada, como definia a utopia soviética. Os fascistas ousavam dominá-la através de corporações intimamente ligadas ao Estado. Em 1935, os sindicatos fascistas tinham mais de 4 milhões de filiados. Nada parecido havia sido testemunhado proporcionalmente em nenhum outro canto do mundo até então. A Itália era um grande feudo sindicalista.

            Do outro lado do Atlântico, essa é a base do trabalhismo tupiniquim: uma cópia escrachada do fascismo italiano. Não apenas no que diz respeito à perpetuação de uma cultura sindical (e nunca é demais lembrar que há mais de 15 mil sindicatos no Brasil), como no fato dessas corporações serem tão próximas ao Estado (de abril de 2008 a abril de 2015, o governo federal repassou mais de R$ 1 bilhão para as centrais sindicais).

            Boa parte dos nossos sindicalistas, não obstante, com o dedo em riste acusam seus opositores de fascistas. Nada mais contraditório.

            Os argumentos que são colocados neste texto podemos ver que são fatos que podem ser verificados dentro de nossa realidade e nos países citados. Os sindicalistas que vão às ruas atacarem seus opositores de fascistas, sabendo que eles estão dentro de uma política trabalhista de fundamentos fascistas e que as defendem com unhas e dentes, podemos considerar como falsários que desejam enganar quem não conhece essa realidade.


Publicado por Sióstio de Lapa em 07/07/2018 às 01h47
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
06/07/2018 20h04
FASCISMO É ANTILIBERAL

            Conforme o estudo de Rodrigo da Silva, estou colocando as informações para melhor conceituar o Fascismo, termo tão usado e pouco entendido pelos que o usam.

            Grave bem. Essa é a primeira coisa que você precisa saber antes de sair por aí acusando alguém usando essa expressão: o maior inimigo do fascismo é o liberalismo. Essa era a opinião de Mussolini, o grande líder totalitário italiano.

            “O fascismo é definitivamente e absolutamente oposto às doutrinas do liberalismo, tanto na esfera econômica quanto na política.”

            Para ele, o liberalismo era uma espécie de “religião desconhecida” que precisava ser combatida. Mussolini era desses que acreditava que o século vinte seria o “século do fascismo”. Não por acaso, ele resumiu toda doutrina fascista numa regra muito clara, que virou quase um bordão de tão precisa: “Tudo para o Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado.”

            Reparou? Essa é a essência do tal Estado totalitário: é tudo nele e nada fora dele. Ou seja, o fascismo é a ideia que todas as ações humanas devem satisfações a uma organização central. O Estado deve dirigir uma economia corporativista, controlando cada movimento do mercado, ao mesmo tempo em que impõe claros limites às liberdades individuais. Em resumo, esse é o exato oposto do que defendeu toda literatura liberal ao longo dos últimos trezentos anos. Isso também é muito próximo daquilo que os socialistas instituíram em diferentes regimes ao redor do mundo no último século.

            Moeller van den Bruck, o ideólogo nazista que serviu como forte influência para o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, captou o sentimento da juventude alemã antes da ascensão de Hitler. Era genuinamente antiliberal.

            “O liberalismo é uma filosofia de vida à qual a juventude alemã volta hoje às costas com nojo, cólera e um desprezo especial, pois não há nada mais exótico, mais repugnante e mais contrário à sua filosofia. A juventude alemã dos nossos dias reconhece no liberalismo o arqui-inimigo.”

            Para ele, a ascensão do fascismo nos mais diversos cantos da Europa eram facilmente explicada:

            “Todas as forças antiliberais estão se unindo contra tudo que é liberal.”

            No artigo “A redescoberta do liberalismo”, o alemão Eduard Heimann, um dos líderes do socialismo religioso alemão, era outro a destacar o ódio dos fascistas pelos liberais:

            “Hitler jamais pretendeu representar o verdadeiro liberalismo. O liberalismo tem a honra de ser a doutrina mais odiada por Hitler.”

            Passado tanto tempo, é exatamente por isso que soa tão estúpido quando liberais são acusados de fascistas. Na verdade, é o contrário. O fascismo é uma espécie de religião do Estado. É a crença que o Estado deve assumir totalmente a responsabilidade por cada aspecto da vida humana em detrimento do individualismo. O Estado deve gerir o nosso bem-estar e cuidar da nossa saúde. E não apenas isso. Deve também impor uma uniformidade de pensamento – leia-se: instaurar uma ditadura do pensamento único, onde as expressões não são livres, construídas a partir da boa vontade de uma liderança política.

Na prática, a construção de uma sociedade fascista é inteiramente calcada pelo antiliberalismo.

            Concordo com as opiniões do autor. Tenho muitos exemplos do que foi dito de pessoas tachadas de fascistas por defenderem um comportamento liberal. Porém, como o fascismo adquiriu essa máscara de maldade, conforme os desatinos de seus líderes no passado, com o peso da responsabilidade de tantas  mortes nos seus ombros, que procuram detonar seus adversários construindo falsas narrativas sobre a ingenuidade de pessoas ignorantes ou mesmo dando suporte aquelas que tem interesse em manter o status quo de quem se beneficia do poder usando medidas autoritárias com a máscara de democratas.


Publicado por Sióstio de Lapa em 06/07/2018 às 20h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
05/07/2018 00h01
AUTOPROGRAMAÇÃO

            No estudo que participo toda terça-feira na Associação Médica do RN, no dia 03-07-18 foi proposta a tarefa para cada um fazer a reflexão sobre o seu papel na vida, como estamos nos sentindo no atual momento.

            Ouvi a opinião de cada colega, mesmo que não fosse focada na proposta que foi apresentada. Esperei a oportunidade de falar sobre a condução da minha vida. Evitei tomar a iniciativa, pois sei que é um relato longo e que causa muita reação contrária aos princípios que eu passei a assumir como verdadeiros e prioritários.

            Felizmente não fui provocado para colocar a minha opinião, mas aproveito para colocar neste espaço, entendendo que é um bom momento para essa reflexão.

            Já coloquei neste espaço a minha opinião sobre o trabalho dos profetas no passado, e que depois do Cristo não observamos o surgimento de nenhuma personalidade atuando como um profeta. Isso se deve pelo forte ensino que o Cristo nos deixou, do Amor Incondicional, como energia necessária para a formação da Família Universal que irá compor o Reino de Deus. Absorvendo essas lições, passamos a reconhecer a nossa responsabilidade pessoal de construir esta nova sociedade, pois tudo já foi dito pelo Mestre Jesus.

            Tudo que acontece ao nosso redor tem uma finalidade, e tudo depende da nossa forma de entender o mundo, os paradigmas que aceitamos como verdadeiros e procuramos praticá-los.

            Há um certo consenso entre cientistas, psicólogos, antropólogos e educadores que somos criaturas culturalmente programadas e programáveis. Somos programados devido o nosso arcabouço genético, herdado dos nossos pais, uma espécie de hardware, uma máquina, que é basicamente igual em todas as criaturas da espécie humana. A diferença entre cada pessoa é o que está gravado ou programado no cérebro, isto é, uma espécie de software.

            Posso considerar três tipos de programação: a programação genética exemplificada pelos instintos, a programação sociocultural exemplificada pelos amigos, cultura, professores, religião, leis, etc., e a autoprogramação, aquela que é desenvolvida pela consciência, de acordo com a observação lógica e as intenções íntimas.

            Foi com essa observação do que existe de importante ao meu redor, que encontrei as lições evangélicas dadas pelo Mestre Jesus e “mastigadas” pelos espíritos de escol traduzidos modernamente pela Doutrina Espírita.

            Vim a reconhecer a importância do Amor Incondicional e fiz uma autoprogramação para colocar em pratica os seus princípios, mesmo que isso fosse contrário as ideias praticadas normalmente pelos princípios culturais, mesmo que isso fosse de encontro aos meus desejos instintivos.

            Terminei desenvolvendo um comportamento anômalo, considerando o que é praticado culturalmente ao meu redor. Esta situação termina por me deixar como um estranho no ninho, sendo tolerado pelas pessoas mais íntimas que não conseguem colocar em prática o que eu faço, mesmo que tenham a consciência que eu ajo dentro da lógica e da coerência.

            Por estar fazendo o que minha consciência considera como correto, sinto-me satisfeito com minha situação afetiva e apenas tenho certo constrangimento ao perceber que isso termina trazendo sofrimento as pessoas que ficam mais perto de mim, que dividem uma intimidade mais profunda e que precisam sentir-se como especiais, exclusivas, fato que não tem como ser, pois não combina com os meus atuais paradigmas existenciais.


Publicado por Sióstio de Lapa em 05/07/2018 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
04/07/2018 00h01
FASCISMO

            O termo Fascismo está sendo muito empregado nos dias atuais, principalmente pelos movimentos de Esquerda, socialistas, que protestam contra os atuais rumos que o país tomou. Encontrei um texto assinado por Rodrigo da Silva e postado na Net há dois anos, que merece ser colocado neste espaço para que possamos refletir sobre ele

            Fascismo é provavelmente um dos conceitos mais repetidos e pouco compreendidos da história dos dicionários políticos. Veja você mesmo. Quantas vezes você ouviu essa expressão nos últimos meses? Eu poderia apostar que não seria possível listar nos dedos de uma mão. E isso para não falar da possibilidade que você mesmo tenha sido acusado disso. Eu vivo lendo isso por aqui. Quando não como crítica aos textos que escrevo, como resposta aos comentários dos próprios leitores. Todos devidamente catalogados como fascistas. A questão é: alguém saberia realmente explicar o que exatamente é o fascismo? Ou será que todo mundo repete essa palavra sem ter a remota noção do que ela significa? De fato, parece inegável que o termo alcançou o século atual servindo para basicamente qualquer coisa.

            Fulano é fascista porque sai para protestar contra o governo com uma camiseta com as cores do país. Beltrano joga no mesmo time dele porque torce o nariz para as ideias de esquerda. Sicrano também segue esse negócio porque vota num cara que eu não curto.

            Esse é o grande problema aqui: pouca gente sabe exatamente o que diz quando usa essa expressão. Fascismo é dos termos mais imprecisos popularizados na política. Segundo o Dictionnaire historique des fascismes et du nazisme “não existe nenhuma definição universalmente aceita do fenômeno fascista, nenhum consenso, por menor que seja, quanto à sua abrangência, às suas origens ideológicas ou às modalidades de ação que o caracterizam”. Stanley G. Payne, um dos mais reconhecidos historiadores do fascismo no mundo, foi outro a atestar esse fenômeno. Ele diz que o “fascismo permanece sendo, provavelmente, o mais vago dos termos políticos mais importantes”. E não conta nenhuma novidade. Já em 1946, George Orwell condenava o fascismo a uma palavra “quase inteiramente sem sentido” e que “qualquer inglês aceitaria ‘valentão’ como sinônimo” dela.

            Por certo, fascismo acabou se tornando uma espécie de insulto político a qualquer figura opositora aos ideais de esquerda. Assim, de forma vaga, da maneira mais banal possível. Você pode perfeitamente virar um fascista apenas por não corroborar os discursos de um político de um determinado partido mais progressista, daquele coletivo revolucionário da sua universidade ou de algumas das pautas mais caras a essa turma toda. Pra muita gente, ou você abraça toda estética e os jargões, e a luta de um grupo ideológico muito particular, ou você está condenado a desempenhar para sempre o papel de fascista.

            A questão é que tudo evidentemente não faz o menor sentido. E ainda assim a ideia é facilmente disseminada. Basta reparar nas manchetes. Nos noticiários ela não cansa de marcar presença. Sérgio Moro, por exemplo, é um clássico fascista. E não apenas ele, a Lava Jato é irredutivelmente um braço do fascismo. José Serra? Fascista. Alckmin também. Cássio Cunha Lima idem. Aécio Neves? Fortaleceu a “direita fascista”. O MBL também. Todos fascistas. Mil vezes fascistas.

            Ainda que vago, no entanto, mesmo sem um aparato ideológico abrangente ou pensadores influentes, há alguns elementos escancarados a respeito da natureza do fascismo. Todos, e isso faz total sentido, ignorados por aqueles que utilizam essa expressão. Abaixo 4 coisas que você precisa saber antes de sair por aí acusando os outros usando esse nome em vão.

            Importante termos conhecimento do que falamos, não repetir palavras que outros dizem como jargão para ofender a outros. São pessoas que criam uma narrativa com dados forçados da realidade, algumas vezes totalmente falsos ou mentirosos Iremos abordar os 4 itens que foram citados acima no sentido de municiar nossa consciência com argumentos coerentes com a realidade.


Publicado por Sióstio de Lapa em 04/07/2018 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
03/07/2018 00h01
AA (01) – CONSCIÊNCIA COLETIVA

            O mundo é de natureza vibracional. Tudo que existe no universo exibe um tipo de vibração que pode sintonizar com outras de igual natureza.

            Resolvi fazer um trabalho de pesquisa junto ao Alcoólicos Anônimos (AA), no sentido de identificar motivos pelos quais algumas pessoas têm conhecimento, chegam até os grupos e permanecem dentro deles.

            Para esse trabalho terei a colaboração de duas pessoas, uma delas alcoólica e a outra não. Ambas aceitaram colaborar, indo aos grupos e verificando a estrutura do funcionamento. Numa segunda fase, o trabalho será realizado fora da sala onde se realizam as atividades do grupo e os dois colaboradores irão em busca de alcoólicos e seus familiares, mostrando a existência da irmandade e a importância deles visitarem uma reunião.

            Orientei aos meus colaboradores que o trabalho deles consistia nessa frequência às reuniões de um determinado grupo dentro da comunidade e que num determinado momento o trabalho se deslocaria para o entorno dos alcoólatras em sofrimento e deterioração. Informei também que eu estaria presente nas primeiras reuniões, tanto para fazer a apresentação dos colaboradores e dos objetivos do trabalho de pesquisa.

            A primeira reunião aconteceu num domingo, dia 01-07-18. Primeiro dia da semana, primeiro dia do mês e primeiro dia do semestre. Era uma reunião de depoimentos onde cada membro do grupo de AA colocava suas experiências de quando sofria do alcoolismo ativo e de sua vida atual, seguindo as orientações da irmandade.

            O colaborador que era alcoólico, ficou sensibilizado pelas histórias e aceitou entrar para o grupo, recebeu a ficha de ingresso, escolheu entre os presentes, membros do AA, um deles para ser o seu padrinho. Foi um momento de alegria, pois o combinado que fiz para eles me auxiliarem não incluía nenhum compromisso do alcoólico se filiar à irmandade.

            Recebemos material de divulgação, eu principalmente, pois recebi em quantidade para distribuir aos meus pacientes e familiares. Inclusive um dos panfletos, “Doze questões que somente você pode responder”, onde o alcoólico pode mensurar o nível de dificuldade que ele tem com o álcool.

            Na segunda reunião, segunda-feira, era uma reunião de estudos com poucas pessoas presentes, oito pessoas, contando com nós três.

            O tema recaiu sobre a Consciência Coletiva que preside os trabalhos de AA, de onde vem a sabedoria com a qual pessoas geralmente leigas conseguem manter a estrutura tão forte de AA ao redor do mundo. Chega-se a conclusão para que isso funcionar assim, a participação divina se faz representar dentro desta Consciência Coletiva. Verifiquei junto à minha consciência que essa conclusão, da mão de Deus orientando essa Consciência Coletiva do AA era muito coerente e que as pessoas que chegam e ficam no AA é porque sentem de alguma forma a força da coletividade. Com a persistência da pessoa às reuniões do grupo, essa Consciência Coletiva vai cada vez mais se estruturando no pensamento e a sobriedade e mudança de hábitos no alcoólico vai se consolidando.


Publicado por Sióstio de Lapa em 03/07/2018 às 00h01
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 4 de 478 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr