Meu Diário
20/11/2018 03h52
ESCOLA CUBANA

            Vejamos agora uma narrativa que circula na internet e que inclui a formação de “médicos” em alguns países de orientação comunista/socialista:

            AS ORIGENS DOS “MÉDICOS” CUBANOS

            Na antiga União Soviética (URSS) existia uma figura no serviço público de saúde denominada "Feldsher", ou Feldscher em alemão, cujo significado literal era "aparador do campo". Os feldsher soviéticos eram profissionais da saúde, formados em "saúde básica", que intermediavam o acesso do povo à medicina oficial, em especial nas áreas remotas, rurais e periferias soviéticas, sendo uma espécie de práticos de saúde, ou paramédicos como são chamados hoje em dia, e exerciam cuidados básicos em clínica, obstetrícia e cirurgia às populações dessas regiões.

Sua inspiração e nome derivavam dos feldscher alemães que surgiram no século XV como operadores de saúde (cirurgiões barbeiros) e com o tempo se espalharam ao longo do que foi o império prussiano e territórios eslavos, compondo a linha de frente também nas forças militares, sendo uma espécie de força militar médica nesses exércitos eslavos e saxões.

Em vários países foram adotados como profissionais da linha de frente, atuando sempre nos cuidados básicos e em alguns casos chegando a se especializar em alguma prática específica, como optometria, dentista e otorrinolaringologia. Na Rússia começaram a se popularizar a partir do século XVIII.

Diferentemente dos médicos, os feldsher possuíam uma formação mais curta e limitada. A duração do curso era de 4 anos e envolvia basicamente treinamento em ciências básicas e treinamento simples em ciências médicas clínicas, em especial medicina interna, serviço de ambulância e emergência pré-hospitalar e sempre tinha um espaço para treinamento militar, em campo de treinamento do exército, pois os feldsher estavam na linha de frente da nação, nas fronteiras.

Eram 8 anos de colégio mais 4 em treinamento prático, considerados, portanto de nível técnico. Era um treinamento um pouco melhor que a de enfermeira, cujo foco era mais os cuidados básicos de saúde e técnicas/procedimentos de enfermagem.

Os médicos soviéticos, ao contrário, levavam pelo menos 10 anos de colégio mais 7 anos de faculdade com carga horária total pelo menos duas vezes maior (estudavam todos os sábados). Apesar do tamanho valor de formação, seus salários eram ridículos, pois o regime socialista os considerava "servos do povo".

O sistema cubano de ensino médico reproduziu, a partir do encampamento da Revolução Cubana pela URSS em 1961, esse sistema de formação em saúde. Os médicos cubanos, de verdade, ficam lá em Cuba, em sua maioria. O que Cuba "fabrica" aos milhares, todos os anos, com projetos como a ELAM e demais faculdades, em cursos de 4 anos, não são nada além da versão cubana dos "feldsher" soviéticos. São paramédicos treinados para atuar em linha de guerra, campos remotos e áreas desprovidas em geral.

A diferença é que Cuba "chama" esses feldsher de "médicos", inflando artificialmente a sua população de médicos. Com essa jogada, Cuba possui um dos maiores índices de médicos por habitante do planeta. E isso permitiu outra coisa ao regime cubano: usar esses feldsher como agentes de propaganda de sua revolução e seus interesses não apenas dentro, mas fora de seu território.

Ao longo de décadas o regime cubano vem fazendo uso do empréstimo de mão-de-obra técnica, paramédica, porém "vendida" como médica, para centenas de países a um custo bilionário que fica todo com o regime cubano. Literalmente, como na URSS, os feldsher são "servos do povo" (no caso, leia-se "povo" como Partido Comunista de Cuba).

Recentemente a presidente Dilma lançou um demagógico e absurdo projeto de "resgate da saúde" do povo brasileiro às custas apenas da presença de "médicos" em locais desprovidos dos mesmos, aliás, por culpa do próprio governo.

Em vez de pegar os médicos nacionais, recém-formados ou interessados, e criar uma carreira pública no SUS e solidificar a presença do médico nesses povoados, ela resolveu importar feldsher cubanos a um preço altíssimo, travestidos de médicos, ao que seu marketing chamou de "Mais Médicos". Diante da recusa inicial, simulou-se uma seleção de nacionais, dificultada ao extremo pelo governo, para depois chamar os feldsher.

O objetivo aqui é claro: o alinhamento ideológico entre os regimes, o uso de "servos do povo" para fazer propaganda do governo, encher o bolso dos amigos cubanos de dinheiro e evitar a criação de uma carreira pública que poderia ser crítica e demandadora de recursos. Como não podiam se assumir como feldsher, jogaram um jaleco, os chamaram de médicos e os colocaram para atuar como médicos de verdade.

Por isso as “cubanadas” não param de crescer. Por isso os erros bizarros, os pânicos diante de pacientes sintomáticos. Os cubanos não são médicos, são feldsher - agentes políticos com treinamento prático em saúde - que vieram ao Brasil cumprir uma agenda política e, segundo alguns, eventualmente até mesmo militar.

São paramédicos. Isso explica as "cubanadas". Se houvesse decência no Ministério da Saúde da gestão petista, retirariam o termo "médico" desse programa e seria mais honesto. Mas honesto não ganha eleição nesse país."

Fonte: Portal do Conselho Federal de Medicina em http://portal.cfm.org.br

            De todo esse texto, parece que observamos que uma afirmativa, a última, “Mas honesto não ganha eleição nesse país.”, não é verdadeira, isto é, a última eleição mostrou que uma pessoa honesta pode ganhar a eleição no país, mesmo que tenha tido o “Dedo de Deus”. Felizmente essa pessoa também tem a visão militar e compreendeu bem a estratégia que estava sendo montada para dobrar os joelhos da nação à ideologia castradora do socialismo.


Publicado por Sióstio de Lapa em 20/11/2018 às 03h52
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
19/11/2018 23h59
PROFISSIONAIS CUBANOS

Quando Jair Bolsonaro começou a ganhar a simpatia dos médicos, e nosso apoio enquanto médico que sou, e engajamento em sua candidatura a Presidente da República há dois anos. O discurso dele ontem é o mesmo de hoje. Confiramos o discurso dele na Câmara dos Deputados em 22-08-2016:

Pelo que tudo indica esse caso mais   médicos cubanos vai ficar para o próximo Presidente da República. Deixar bem claro, eu seria favorável a esse programa com algumas condições: primeiro, um exame de revalida, que não seja do nível atualmente aplicado no Brasil, seria, me desculpe aqui o exagero, o “revalida light”; seria favorável também, se os cubanos pudessem trazer suas famílias para cá, que os homens que estão aqui, ditos médicos, estão com esposas e filhos em Cuba, e as mulheres, a mesma coisa, estão com seus maridos e filhos em Cuba, e o governo deixou bem claro, por ocasião da primeira discussão deste assunto aqui, que aquele cubano, que porventura pedir asilo, seria simplesmente deportado para Cuba; outra questão, é o salário que faz parte da minha emenda aqui. Hoje em dia, em torno de 80%, ou seja, 8.000 reais vão para Cuba. Multiplicando pelo número de cubanos que temos aqui, dá em torno de 1 bilhão e 300 milhões de reais para a ditadura cubana. A cada acordo desse firmado e prorrogado, são 4 bilhões de reais para a ditadura cubana a cada ciclo de três anos. Agora vem a minha suspeita. Suspeita que uma parte dessa grana volta pra cá com toda a certeza. Volta pra cá uma parte dessa grana! Ou o Tribunal de Contas de Fidel e Raul Castro está preocupado com isso daí? É uma maneira de abastecer indiretamente o Foro de São Paulo. Assim sendo, Sr. Presidente, lamentavelmente fizeram um grande acordão, daí o novo Governo Temer que chegou para deixar tudo como está. Vocês estão colocando dentro da cozinha de vocês uma cascavel com esse Programa. Já foi levantado militares e agentes cubanos nesse Programa. Vocês podem ser surpreendidos mais cedo ou mais tarde com ações dessa gente aqui no Brasil. E um simples exame de revalida por mais light que fosse, serviria para levantar quem realmente tem noções de medicina e quem é agente aqui em nosso país. Vocês estão mergulhando, entregando o Brasil a pouco mais de 12 mil agentes cubanos. Fique bem claro isso daí, a tradição de Cuba é exportar mercenários, tratar ações externas dessa maneira, e o governo tudo fará para não deixar de graça a sua possível saída com cartão vermelho agora do Senado. Reflitam, o ato antipatriótico que vocês estão fazendo agora, aceitando essa Medida Provisória na forma original como Dilma editou.

Observemos essa voz, que na época não tinha nenhuma perspectiva de ser o futuro presidente do Brasil, chamando a atenção de uma invasão disfarçada no território brasileiro de agentes cubanos, mancomunados com os gestores brasileiros, e que deveria ser tarefa do próximo presidente acabar com isso. Ele estava longe de imaginar ser ele mesmo a quem caberia desbaratar isso, com o senso militar que a sua formação o capacitou. Pode não ser uma linguagem rebuscada, envolvente, capciosa, própria dos políticos tradicionais, mas era uma voz patriota, mostrando a lógica de seus argumentos e a necessidade de cuidarmos de nosso destino. Foi essa voz que terminou ecoando nos corações dos cidadãos de bem e que fez o milagre de sua eleição.

Mas vejamos no próximo texto, mais algumas argumentações relacionadas com esse programa “Mais Médicos” no Brasil, cujos profissionais cubanos são os mais proeminentes.


Publicado por Sióstio de Lapa em 19/11/2018 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
18/11/2018 23h59
MÉDICOS CUBANOS

            Por ocasião de uma nota publicada em 14-11-2018 que circula nas redes sociais, assinada pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Frente Nacional de Prefeitos (FNP) – nota conjunta CONASEMS-FNP, teremos oportunidade de verificar a narrativa e em seguida o contraponto e procurar onde está a verdade.

O programa Mais Médicos e a saída dos profissionais cubanos do país. 14-11-2018.

O Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) lamentam a interrupção da cooperação técnica entre a organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e o governo de Cuba, que possibilitava o trabalho de cerca de 8.500 médicos no Programa Mais Médicos. Com a decisão do Ministério da Saúde de Cuba, anunciada nesta quarta-feira, 14, de rescindir a parceria, mais de 29 milhões de brasileiros serão desassistidos.

Os cubanos representam, atualmente, mais da metade dos médicos do programa. Por isso, a rescisão repentina desses contratos aponta para um cenário desastroso em, pelo menos, 3.243 municípios. Dos 5.570 municípios do país, 3.228 (79,5%) só têm médico pelo programa e 90% dos atendimentos da população indígena são feitos por profissionais de Cuba.

Além disso, o Mais Médicos é amplamente aprovado pelos usuários, 85% afirmam que a assistência em saúde melhorou com o programa. Nos municípios, também é possível verificar maior permanência desses profissionais nas equipes de saúde da família e sua fixação na localidade onde estão inseridos.

Cabe destacar que o programa é uma conquista dos municípios brasileiros em resposta à campanha “Cadê o Médico?”, liderada pela FNP, em 2013. Na ocasião, prefeitas e prefeitos evidenciaram a dificuldade de contratar e fixar profissionais no interior do país e na periferia das grandes cidades.

Com a missão de trabalhar na atenção primária e na prevenção de doenças, a interrupção abrupta da cooperação com o governo de Cuba impactará negativamente no sistema de saúde, aumentando as demandas por atendimentos nas redes de média e alta complexidade, além de agravar as desigualdades regionais.

Para o g100, grupo de cidades populosas, com alta vulnerabilidade socioeconômica, a situação é ainda mais devastadora. Com o objetivo de reduzir a carência por serviços de atenção básica nessas cidades, o g100 é utilizado como critério para priorizar o recebimento desses profissionais.

Diante disso, o Conasems e a FNP alertam o Governo recém-eleito para os iminentes e irreparáveis prejuízos à saúde da população, inclusive para a parcela que não é atendida pelo Mais Médicos.

Sendo assim, as entidades pedem a revisão do posicionamento do novo Governo, que sinalizou mudanças drásticas nas regras do programa, o que foi determinante para a decisão do governo de Cuba. Em caráter emergencial, sugerem a manutenção das condições atuais de contratação, repactuadas em 2016, pelo governo Michel Temer, e confirmadas pelo Supremo Tribunal Federal, em 2017.

O cancelamento abrupto dos contratos em vigor representará perda cruel para toda a população, especialmente para os mais pobres. Não podemos abrir mão do princípio constitucional da universalização do direito à saúde, nem compactuar com esse retrocesso.

Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems)

Frente Nacional de Prefeitos (FNP)

Confira a nota conjunta CONASEMS-FNP

            Esta nota não leva em consideração fatos importantíssimos relacionados a contratação desses profissionais cubanos, que deixarei a resposta por quem tem mais propriedade no próximo texto.


Publicado por Sióstio de Lapa em 18/11/2018 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
17/11/2018 23h59
DUELO VERDADE X MENTIRA

            Estamos testemunhando o que pode ser o início da transformação da Terra, de planeta de Provas e Expiações para planeta de Regeneração. Para que isso acontecesse foi necessário um choque de realidade na consciência das pessoas de bem, que percebessem o alto grau de corrupção e degradação moral, com a destruição dos valores familiares, que ameaçavam o Brasil, o país predestinado a ser o coração do mundo e a pátria do Evangelho.

            Passada a eleição para presidente, vimos que o candidato foi eleito com características de milagre, pois não tinha nenhum dos predicados que garantiriam sua vitória, nem mesmo a participação nos debates, já que foi impedido por ordem médica por estar se restabelecendo de uma facada em plena rua, quando fazia uma caminhada com os seus apoiadores. 

            No entanto, temos que nos conscientizar que a batalha que se desenvolve aqui no plano material é consequência das estratégias que se desenvolvem no plano espiritual. A estratégia das forças trevosas está baseada na mentira, como motor das energias destruidoras ao redor dos seres cooptados, que usam tanto com a tentativa de enxovalhar a personalidade de pessoas que fazem oposição, como iludir com falsas narrativas ou benefícios de falsas intenções aqueles que não tem oportunidade ou interesse de analisar o contraditório.

            Está bem esclarecido que a verdade é a única estratégia das forças do Cordeiro de Deus, que já ensinava quando estava materialmente entre nós, que a “verdade nos libertaria”. Portanto, nós, que nos consideramos cristãos, não podemos condenar quem quer que seja sem identificar onde está a verdade ou a mentira.

            Vejo nos últimos dias um esforço dos partidos de esquerda em destruir a reputação do juiz Sérgio Moro, alegando que o ex-presidente está preso injustamente, sem provas, apenas por querer se livrar eleitoralmente do ex-presidente e assumir um cargo político no novo governo. Essa narrativa não tem o mínimo de sustentação para quem está observando o cenário político com imparcialidade, como eu, que votei pela primeira vez no candidato Lula para ele se eleger presidente, e logo me arrependi quando vi que ele portava a mentira no caso do Mensalão, que fazia com que seu partido aprovasse o que quisesse e deixava o Congresso acabrunhado e sem forças de resistência por ter sido cooptado pela corrupção. Da mesma forma aconteceu em vários cenários da administração, desde a doação de bolsas de todos os tipos, facilidades para escolas e universidades, polpudas vantagens para artistas e meios de comunicação, até favores na área da justiça, com a indicação de pessoas totalmente incapazes para o exercício do cargo, mas que faziam “vista grossa” por incompetência ou por cooptação aos bilhões de dólares que foram enviados para países de mesmo alinhamento político.

            Felizmente, as forças do Cordeiro conseguiram colocar nas mãos do juiz Sergio Moro o fio da meada da corrupção para que os criminosos fossem identificados, punidos e a população pudesse despertar conscientemente para o que estava acontecendo.

            Não serão as narrativas de “torturas da ditatura militar” acontecida no passado como eles relatam, que irão anular o resultado que as forças do bem conseguiram até aqui e que precisa do nosso apoio cristão para ir avante. Mesmo porque já sabemos onde se aloja a mentira.


Publicado por Sióstio de Lapa em 17/11/2018 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
16/11/2018 23h59
ORAÇÃO DA SERENIDADE

            Concedei-nos, Senhor, serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos, e sabedoria para distinguir umas das outras.

            Esta singela oração é a âncora que desperta para a espiritualidade os membros dos grupos de mútua ajuda, principalmente Alcoólicos Anônimos, que foi quem primeiro usou, no início e final de cada reunião.

            Serve como reflexão íntima daquilo que a pessoa percebe como negativo dentro de si, e que pode ou não modificar. A patologia, por exemplo, aprende que adquiriu a doença do alcoolismo e sendo uma doença crônica, incurável, vai ter que saber conviver com ela durante toda a sua vida. Vai ser necessário ter serenidade para aceitar esse fato e coragem para evitar o primeiro gole que desencadeia a doença. Ele pode não ter forças para curar a doença, mas pode ter forças para evitar tomar o primeiro gole.

            Da mesma forma esse pedido da oração serve para ajustar o seu comportamento dentro dos seus diversos relacionamentos, familiar, profissional, e social de forma geral. Muitos problemas, conflitos, que foram gerados ocasionaram traumas incontornáveis, que a pessoa deve ter a serenidade para suportar e entender, o comportamento de tal pessoa em função daquilo que ela se sente prejudicada, vitimada, desonrada. Aqueles conflitos que podem serem perdoados, deve ter coragem de ir até a vítima, com humildade, e justificar seus atos em função do alcoolismo, implorando pelo perdão, que está seguindo uma linha de recuperação que sugere que isso seja feito.

            Não ficam somente aí os benefícios da oração da serenidade quando ela é seguida em todos os meandros da vida. Mesmo eu não sendo alcoólico, frequento semanalmente uma reunião de AA e procuro aplicar a oração dentro dos meus diversos relacionamentos. Foi e está sendo bastante útil nessa campanha política que enfrentamos no último mês. Diversos amigos mostraram uma forte convicção em votar e apoiar o candidato que eu via como negativo. Consegui suportar uma avalanche de argumentos que eu sabia fazer parte de uma narrativa destrutiva, que os fatos de destruição do Brasil não eram considerados. Suportei com serenidade essas tentativas de modificar a minha opinião, de aceitar o amigo com a sua opinião que para mim era equivocada. Para quem eu sabia que estava na situação de obstinação, que poderia avaliar com neutralidade outros argumentos, eu colocava o que pensava, com os argumentos que eu possuía, sem causar constrangimentos ou repulsa. Hoje, passado o momento eleitoral, continuo respeitando a posição de quem votou contrário, e procuro a coragem para realizar o trabalho que deve ser feito para apoiar as propostas positivas do candidato vitorioso. Acredito que esta posição, com a colheita dos frutos que virão, servirá para corrigir o pensamento, que ainda continua distorcido, das pessoas de bem.


Publicado por Sióstio de Lapa em 16/11/2018 às 23h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 6 de 508 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr