Textos

SÃO TANTAS COISAS
Somos seres de carne e osso cujo consumo no tempo dá uma luz resplandecente que chamamos sentimentos. Tais sentimentos tem seu fulgor máximo naquilo que chamamos de romantismo, uma atração muitas vezes inevitável, inexplicável e algumas vezes inadequado de um ser por outro. Uma das formas desse sentimento se expandir e ser sentido por diversas outras pessoas, á através das canções. Tenho o exemplo de uma, não tão famosas como algumas outras, mas que estava ao meu alcance quando me veio a inspiração para produzir este texto: “São tantas coisas”, interpretada por Roberta Miranda. Colocarei os meus sentimentos masculinos à serviço dos sentimentos femininos da cantora, na interpretação das estrofes.
Irei interpretar o sentimento de uma das mulheres que tentou conviver comigo, que sabia quem eu era e mesmo assim decidiu enfrentar uma convivência, que para ela não podia ser mais conjugal, mas iria tentar como amigos, mesmo assim...
São tantas coisas
Só nós sabemos o que envolve o sentimento.
Sim, apenas duas pessoas que estão envolvidas podem avaliar o que envolve o sentimento de ambos, e assim mesmo com desníveis. Jamais um e outro irá saber com profundidade o que o outro sente a respeito de si. Podem imaginar que não são amados(as) e na verdade são... profundamente! Mas, vale o que cada um sente e não o que imagina o que o outro sente ou chega a dizer.
O nosso amor está magoado, mas eu tento
Dar a minha vida que entreguei em suas mãos
Sim, o meu amor está magoado, sempre sonhei com um companheiro que fosse só meu, que não tivesse que dividir o seu amor com mais ninguém. Sabia que ele não era assim, mas mesmo assim entreguei a minha vida em suas mãos, pensava que o meu amor iria lhe transformar, que ele não tivesse mais necessidade de amar a mais ninguém.
Nossos momentos
As nossas brigas
O nosso louco juramento
Lembro dos nossos momentos felizes, inesquecíveis... também lembro das nossas brigas que ele nunca queria ter, mas que não conseguia se comportar de modo que eu não precisasse brigar. Procuramos evitar tanto desgastes com brigas, procuramos um louco juramento de viver como amigos, de deitar na mesma cama e não aproximar os nossos corpos, mesmo que tivessem ardendo em desejos.
Este medo de perder você que amo
Me faz tão fria, indiferente às situações
Sim, tinha medo de perder você que amo... com tantas pessoas você a namorar, e eu, fria, sem ter ninguém pra me consolar nas suas ausências... fiquei indiferente as situações, às pessoas que diziam te ver a passear, a namorar com tantas outras... belas ou nem tanto!...
Vou confessar
Renunciei você de tanto louco amor
Sim, de tanto te amar tive de renunciar... me sentia usada quando chegavas perto de mim, que me cobrias com o teu corpo, sabendo que estavas com outra pessoa... será que fazia isso comigo por dever? Por compaixão? Por necessidade fisiológica? Disse que me sentia usada, como um objeto, que renunciava você... meu amor, louco por exclusividade, não consentia a divisão... você entendeu, me respeitou... nunca mais me cobriu com o seu calor... nunca mais me tocou nas minhas intimidades...
Mesmo morrendo sufoquei a minha dor
Num quarto escuro do meu ego sem respostas
Cometi o suicídio emocional. Senti a morte, mas sufoquei a minha dor. Ele não via lágrimas nos meus olhos, não ouvia reclamações. Eu me recolhi neste quarto escuro do meu ego, não tinha respostas. Nem Deus conseguia aliviar o meu sofrer, minhas orações caiam no vazio
Não acredito, que conheci você acaso do destino
Foi Deus que trouxe e te pôs no meu caminho
Pra me mostrar que não sou nada sem você
Passei a desconfiar de Deus. Não foi simplesmente o acaso do destino eu ter conhecido você. Ainda era uma menina. Você adulto e casado. O que Deus queria com isso? Mostrar que eu era nada sem você? Que Pai perverso é esse, que me mostra o príncipe encantado para logo em seguida eu perceber que era um sapo enfeitiçado? Que para eu ter o príncipe era necessário ter que beijar o sapo?  Que nessa lagoa da vida eu não era nada sem o sapo ou o príncipe?
São tantas coisas
Temos até plateia contra e a favor
Apostadores da nossa grande dor
Metade amigos que aplaude e nos devora
O mundo continua a girar apesar de nossa dor... sim, vejo também nos seus olhos enxutos e nos lábios sorridentes, uma sombra de dor... não sou apenas eu que sofro, devo ser honesta com o que percebo. A plateia ao nosso redor também percebe, e chega a aplaudir a dor que nos devora, da mesma forma como no passado eram aplaudidos aqueles que morriam sob as presas dos leões, nos circos romanos... vou morrer como eles... cantando a minha dor!.
Só mesmo o amor
De corpo e alma pra vencer esta batalha
Seguirmos juntos e quebrar esta muralha
Eu falhei... somente o amor de corpo e alma poderia vencer essa batalha, e seguirmos juntos pra quebrar esta muralha... mas, expulsei você de minha vida! Seguimos agora separados, continuo cada vez mais desconfiada, mas sinto a força do seu amor, por mais longe que esteja... e me vem uma dúvida cada vez mais forte: joguei fora o grande presente de Deus para mim?
Sióstio de Lapa e Roberta Miranda
Enviado por Sióstio de Lapa em 13/12/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (voce deve citar a autoria de Siostio de lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr