Meu Diário
23/06/2021 00h22
CIRCULO DO MAL DE HITLER (75) – MENTIRA X REALIDADE

            Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

LXXV

A CIDADE DE BERLIM SAÚDA O FÜHRER

SAUDAÇÕES A ADOLF HITLER

O FÜHRER ORDENA, NÓS OBEDECEMOS

30 DE JANEIRO DE 1943

BERLIM

            São esses os cartazes observados nas ruínas de Berlim. No aniversário da ascensão do Führer ao poder, Göring, tentando disfarçar seu próprio fracasso, diz às tropas alemãs perecendo na neve que seu sacrifício não será esquecido. Quando as pessoas vierem à Alemanha, diga-lhes que nos viu dar nossas vidas em Stalingrado, como a lei para segurança do nosso povo comandou.

            A tão apregoada ponte aérea que traria alívio a Stalingrado foi um grande fracasso. E Göring tem a ousadia, a audácia de fazer esse discurso. E para eles, parece um discurso fúnebre. 

            Mas a humilhação de Göring está apenas começando. Ao iniciar seu discurso, as sirenes soam em Berlim. O mais irônico é que, enquanto ele faz o discurso, mosquitos da Grã-Bretanha sobrevoam Berlim para bombardeá-la. 

            Pela primeira vez, os Aliados estavam confiantes para atacar Berlim em plena luz do dia. É um lembrete humilhante de outra promessa que Göring não cumpriu. Ele disse: “Se um dia uma bomba britânica cair em Berlim, pode me chamar de Herr Meyer.” Algo como: “Pode me chamar de ‘Seu Zé’”, passaria a ter um nome comum. Claro, pouco depois disso, bombas britânicas são jogadas em Berlim, então, entre o povo alemão, ele é chamado de Herr Meyer. 

            Enquanto bombas caem em Berlim, o Führer está se recuperando da morte de mais de 200 mil homens em Stalingrado. Em frente da equipe, Hitler culpa os italianos, romenos e húngaros lutando ao lado de seu Sexto Exército. Mas no círculo íntimo, todos sabem que Göring é o verdadeiro culpado.

            É mais um dos fracassos de Göring, que começaram na Batalha da Grã-Bretanha. Depois houve o fracasso em Stalingrado. Fica claro para Hitler que Göring não serve para o serviço. Ele havia sido um ótimo piloto no passado. Mas não é um ótimo Reichsmarschall.

            Humilhado, o antigo heroico piloto de caça volta aos velhos hábitos. Ele foi um piloto incrível, um herói, um ás da aviação, uma figura glamourosa emergindo da Primeira Guerra Mundial, mas ele ficou ferido após o Golpe da Cervejaria.

            Em 1923, durante a fracassada tentativa dos nazistas em tomar o poder na Alemanha pela primeira vez, Göring foi baleado e ficou gravemente ferido. Ele foi baleado na perna, o levaram para o hospital, mas durante sua recuperação, ele desenvolveu um vício muito grave por morfina. E agora, mais uma vez, quando seu vício volta à tona, o velho combatente está perdendo a vontade de ser o sucessor de Hitler. Já o poder de Martin Bormann continua a crescer ao, cinicamente, explorar a preocupação de Hitler com a Frente Oriental. 

            Bormann é uma figura cada vez mais importante. Há uma briga constante dentro do círculo para influenciar Hitler e tirar Bormann do caminho. Apesar da crise de Stalingrado ter feito Hitler permitir que Speer e Goebbels executassem medidas da Guerra Total, Bormann continuamente procura minimizar o alcance e impacto deles. Ele não pensa de forma neutra. Goebbels e Speer pensam de forma neutra no que é melhor para a Alemanha. Eles consideram a situação. Bormann só pensa no que é melhor em termos de manter a relação dele com Hitler e manter seu poder.

            Para Joseph Goebbels, o rei da propaganda, há outra forma de contornar Bormann e mostrar a Hitler que a Alemanha está pronta para a Guerra Total: ir a público e deixar o povo decidir. 

            Interessante, como os vícios que são características do mal, são vistos em cada elemento dentro do covil de Hitler. Mesmo que por um momento algum deles tem um pensamento nobre de defender os interesses da nação, mas outro tenta usurpar esse desvio que aqueles fizeram na luta pela proximidade e influência no poder, nesse caso a influência no próprio ícone do mal: Hitler. O país começa a se deteriorar com o início do bombardeio à capital. Mas as mentiras, as falsas narrativas, principal arma do Mal, continuam sendo forjadas, mesmo que sejam tão discrepantes da realidade que todos veem.


Publicado por Sióstio de Lapa em 23/06/2021 às 00h22
 
22/06/2021 00h21
CIRCULO DO MAL DE HITLER (74) – ARROGÂNCIAS E BAJULAÇÕES 

            Interessante procurar saber como o mal pode se desenvolver e ameaçar todos os países do mundo. O que se passou na Alemanha Nazista sob o comando de Hitler e seus asseclas, abordado pela Netflix em uma série sob o título “Hitler’s circle of evil” serve como um bom campo para nossas reflexões.

LXXIV

NOVEMBRO DE 1942

STALINGRADO, RÚSSIA

            Stalingrado. Com a volta do inverno russo, o sexto exercito do Führer é cercado pelas tropas de Stalin. Mas Hitler não permitirá uma retirada tática. Seus homens devem manter a cidade por princípio.

            Por ter o nome de Stalin, Hitler fica obcecado pela ideia de tomar Stalingrado. Militarmente, não faz sentido. O plano original era focar a destruição da capacidade industrial da cidade e controlar seu rio, o Volga, uma rota de suprimentos crucial para a Rússia central.

            Os alemães chegaram ao Volga em agosto de 1942, na margem norte de Stalingrado, cortando uma importante tábua de salvação da economia soviética. Mas de agosto de 1942 em diante, os alemães usaram mais recursos para conquistar Stalingrado, mas conquista-la não era importante.

            Mas agora, após meses de combates sangrentos, seu exército precisa muito de suprimentos. Mas um homem tem um plano para salvar o dia e sua própria reputação. Göring, incrivelmente, viu na crise iminente uma forma de ganhar e se elevar na estima do Führer. Ele propõe um plano audacioso para usar sua Luftwaffe para criar uma ponte aérea e abastecer as tropas sitiadas. Ele faz uma grande exibição, dizendo: “Mein Führer, eu consigo fazer isso. A Luftwaffe está pronta para realizar essa missão.  Stalingrado será tomada, mein Führer, seu sonho será realizado.” O Führer não podia rejeitar. 

            Enfrentando gelo, neve e névoa congelante, os pilotos de Göring iniciaram uma tarefa que até sua equipe sênior temia ser impossível. A estimativa é de que seriam necessárias cerca de 800 toneladas diárias para abastecer os soldados. Mas eles conseguiam levar menos de 100 toneladas ao dia. 

            Os dias viraram semanas sem combustível e comida, o Sexto Exército está perdendo soldados tanto pela fome e pelo frio quanto por tiros do inimigo. A promessa de Göring foi catastroficamente vazia. Ele não tinha as aeronaves nem os pilotos para conseguir realizar a tarefa. O abastecimento dos soldados alemães em Stalingrado foi uma ponte aérea longe demais para a força aérea alemã. 

            Esse fato mostra como a vingança, oportunismo e maldade, pode desviar um foco objetivo para alcançar uma meta mais importante. Também mostra a força de um grupo sintonizado com a maldade do seu chefe, Hitler, que as decisões desfocadas recebem apoio dos componentes do grupo, todos querendo bajular o chefe, mesmo apoiando decisões estapafúrdias do ponto de vista estratégico. Por que não pediram a opinião dos oficiais do exército alemão? Pelo contrário, fizeram essas lideranças capacitadas pelo estudo e treinamento nas estratégias de guerra, seguirem a contragosto essas decisões em função do cargo de máximo poder, que o chefe, o Führer, exercia.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 22/06/2021 às 00h21
 
21/06/2021 00h21
YOUCAT

            A mão de Deus me levou hoje, dia 17-06-21, a conhecer um aplicativo, YOUCAT Daily, que traz mensagens bíblicas diárias. Entendo que seja para que eu faça reflexões, junto com meus leitores, por um novo ângulo e por este motivo irei colocar o conteúdo do que vi neste dia.

            BÍBLIA

            O pão nosso de cada dia dá-nos hoje (mt 6, 7-15)

            YOUCAT 447 – Porventura a globalização é uma tarefa exclusiva da política e da economia?

            Antes, havia a ideia de uma partilha de tarefas: a economia devia ocupar-se do aumento da riqueza e a política devia trabalhar na sua justa distribuição. Na era da globalização, porém, os lucros são globalmente obtidos, enquanto a política continua cingida às fronteiras dos Estados. Por isso, é necessário hoje não apenas um fortalecimento das instituições políticas internacionais, mas também a iniciativa dos indivíduos e dos grupos sociais que, devido ao espírito da solidariedade e do amor, e não sobretudo pela expectativa do lucro, são economicamente ativos nas regiões mais pobres do mundo. Ao lado do mercado e do Estado, é necessária uma sociedade fortemente civilizada.

            REFLEXÃO   

            Esta mensagem escrita por Mateus em seu Evangelho, que o site puxa para a globalização que estamos inseridos, merece colocar a proposta do Reino de Deus nesse tempo tão conturbado. 

            No Reino de Deus o sistema capitalista deve ser o melhor aplicado, como Jesus fez crer quando ensinou a parábola dos talentos. Aquele que fez os seus talentos se duplicarem pelo trabalho, foi elogiado, enquanto aquele que enterrou e entregou o mesmo valor ao dono, foi criticado e retirado do contexto do trabalho. 

            Isso quer dizer que todos devemos trabalhar, fazer render nossos talentos com o suor do próprio rosto. Cada um será beneficiado com o tanto de trabalho realizado. Todos deverão ter as mesmas oportunidades de desenvolver seus talentos com o trabalho. Ninguém, em saúde perfeita, pode esperar benefícios dos trabalhos dos outros. As ideias comunistas onde todos tem o mesmo direito aos bens, independente da condição de ter ou não contribuído para eles, não tem sintonia com o Evangelho. Este pode ser o motivo pelo qual todo regime comunista elege logo a Igreja Cristã como adversária, que destrói os seus templos, sacrifica seus sacerdotes. 

            Fazer a justa distribuição dos bens produzidos é outra falha que as sociedades modernas não conseguem evitar, o acúmulo do capital na mão de poucos e a maioria vivendo com dificuldades, dentro da miséria, tanto aquela da indigência, pobreza extrema, quanto aquela da suntuosidade, riqueza extrema, resultado da exploração do homem pelo homem.

            Foi tentado evitar essa situação de exploração que a ideologia comunista, socialista, prevalece em alguns Estados. Portanto, essa ação beligerante, longe do Evangelho, serve apenas para criar outra classe dirigente, de forma ainda mais truculenta, que não titubeia em matar milhares de pessoas para permanecerem no poder.

            O Reino de Deus tem a proposta de evitar os desníveis de distribuição da riqueza sem o uso de armas, usando a fraternidade e o amor como estratégia. Acontece que as pessoas querem fazer essa justiça e se locupletarem no poder indefinitivamente. 

            Esse é o problema que nós, discípulos do Cristo, temos que resolver com os ensinamentos que Ele nos deixou.


Publicado por Sióstio de Lapa em 21/06/2021 às 00h21
 
20/06/2021 00h19
CRISE NA IGREJA CATÓLICA – 2a CARTA DE SÃO PAULO A TIMÓTEO

            A crise na Igreja Católica, que poucos têm conhecimento, abriu oportunidade para que tivéssemos conhecimento das características da própria Igreja e a forma dela se conduzir até os dias atuais. Os leigos, que se denominam fiéis católicos, que fundaram o Centro Dom Bosco (CDB) se debruçam sobre a questão e fazem aulas sistemáticas mostrando seus argumentos. Confesso que aprendi muito sobre a Igreja Católica com suas aulas, e já fiz textos neste diário com suas reflexões. Seu presidente, Pedro Affonseca, estreou em 10-10-20 o curso “Catecismo da Crise na Igreja (Aula 1: A crise no atual pontificado), que hoje, dia 17-06-21, conta com 30 mil visualizações. Irei colocar aqui os principais pontos apresentados para a nossa educação e reflexão.

Traz também a segunda carta de São Paulo à Timóteo, cap. 4, versículo 1 a 8, dentro de uma carta pastoral, onde um Bispo fala a outro Bispo, São Paulo e São Timóteo.

1 Eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino: 2 prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir. 3 Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. 4 apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas. 5 Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério. 6 Quanto a mim, estou pronto a ser imolado e o instante da minha libertação se aproxima. 7 Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. 8 Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição.

Será que esse tempo a que São Paulo se referia é agora? Mesmo que tenha havido outros momentos na história, mas parece que neste momento, agora, é que as pessoas não suportam a sã doutrina. Não somente aquelas pessoas que estão fisicamente fora da igreja, mas aquelas que estão fisicamente dentro, inclusive no clero e em altos escalões, e espiritualmente fora. Muitos não suportam a Sã Doutrina e invocam outros mestres que não é o nosso Senhor Jesus Cristo.

Vendo essa reflexão do expositor, faço a minha própria reflexão: eu me considero fisicamente fora da igreja e espiritualmente dentro. Por isso essas argumentações dos integrantes e convidados do Centro Dom Bosco encontram tanta sintonia dentro de minha alma. 

Também é ressaltado a confissão de Paulo, de ter combatido o Bom Combate, de ter terminado a corrida guardando a fé. Estudar a crise, deve ser isso, guardar a fé. Estudar a crise para permanecer católico, permitir que muitas pessoas permaneçam na fé católica, apesar de muitos daqueles que nos governam não estão mais na fé, não desejam mais nos ensinar a fé. Então, estudar esse assunto tão doloroso é uma necessidade.


Publicado por Sióstio de Lapa em 20/06/2021 às 00h19
 
19/06/2021 16h53
CRISE NA IGREJA CATÓLICA – EPÍSTOLA AOS GÁLATAS

            A crise na Igreja Católica, que poucos têm conhecimento, abriu oportunidade para que tivéssemos conhecimento das características da própria Igreja e a forma dela se conduzir até os dias atuais. Os leigos, que se denominam fiéis católicos, que fundaram o Centro Dom Bosco (CDB) se debruçam sobre a questão e fazem aulas sistemáticas mostrando seus argumentos. Confesso que aprendi muito sobre a Igreja Católica com suas aulas, e já fiz textos neste diário com suas reflexões. Seu presidente, Pedro Affonseca, estreou em 10-10-20 o curso “Catecismo da Crise na Igreja (Aula 1: A crise no atual pontificado), que hoje, dia 17-06-21, conta com 30 mil visualizações. Irei colocar aqui os principais pontos apresentados para a nossa educação e reflexão.

            O curso será feito sobre o livro “Catecismo Católico da Crise na Igreja”, escrito pelo Padre alemão, Matthias Gaudron para o estudo sistemático da crise. É um assunto que não pode ser tratado com leviandade, sem sentir dor, uma tristeza frente a crise, que nos leva a agir, em busca da tradição.

            Começa com a leitura das sagradas escrituras, a leitura de Gálatas, capítulo primeiro.

Saudação. 1 Paulo apóstolo – não da parte de homens, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai que o ressuscitou dos mortos – 2 e todos os irmãos que estão comigo, às igrejas da Galácia: 3 a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo, 4 que se entregou por nossos pecados, para nos livrar da perversidade do mundo presente, segundo a vontade de Deus, nosso Pai, 5 a quem seja dada a glória pelos séculos dos séculos. Amém. Só há um Evangelho autêntico. 6 Estou admirado de que tão depressa passeis daquele que vos chamou à graça de Cristo para um evangelho diferente. 7 De fato, não há dois (evangelhos): há apenas pessoas que semeiam a confusão entre vós e querem perturbar o Evangelho de Cristo. 8 Mas, ainda que alguém – nós ou um anjo baixado do céu – vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que ele seja anátema. 9 Repito aqui o que acabamos de dizer: se alguém pregar doutrina diferente da que recebestes, seja ele excomungado! 10 É, porventura, o favor dos homens que eu procuro, ou o de Deus? Por acaso tenho interesse em agradar aos homens? Se quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo. 

É chamado a atenção para a hierarquia espiritual, Paulo sendo considerado um Bispo, acima dele o Anjo e que entre o Bispo e o Anjo existe o Papa. Isso mostra que a infalibilidade de qualquer um desses seres, quando se desvia do Evangelho, deixa de existir. Pode ser o Papa, pode mesmo ser um Anjo que está acima dos homens, inclusive o Papa. Mostra que, se o atual Papa ou qualquer um outro, esteja se comportando fora da doutrina do Evangelho, que seja anatematizado. Isso parece ser duro ao se referir ao Papa, mas estamos falando da autoridade do apóstolo Paulo, que vive a essência do Cristo em sua vida, que não tem nenhuma intenção de agradar aos homens e sim a Deus, servindo ao Cristo.


Publicado por Sióstio de Lapa em 19/06/2021 às 16h53



Página 1 de 692 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr