Meu Diário
17/06/2020 23h58
CORPO: INSTRUMENTO DO ESPÍRITO

            Reconhecendo o paradigma espiritual como o mais coerente e útil para alavancar o nosso processo evolutivo, que o nosso espírito precisa aprender os mais diversos aspectos da natureza para se aproximar do Criador, é interessante estudar quais os instrumentos colocados à nossa disposição para isso.

            Da mesma forma que um aluno vai para a escola e precisa dos instrumentos, livros e cadernos, etc., para alavancar sua aprendizagem, o espírito também precisa usar alguns instrumentos para sua educação. 

            O corpo físico é um dos principais instrumentos. Assemelhado a uma farda escolar que usamos no mundo material para frequentar a escola. Quando saímos do mundo espiritual e encarnamos no mundo material, esse corpo de carne é o nosso instrumento de aprendizagem, uma espécie de vestimenta, alguns chamam de escafandro, de tão pesado que é, comparada a fluidez do mundo espiritual.

            O corpo biológico, formado pelas leis da genética, recebe logo na fecundação a presença do espírito que vai implementando suas experiências de vivências anteriores na futura pessoa que virá à luz para se desenvolver e aprender. O corpo possui trilhões de células organizadas em diversos órgãos e sistemas, sendo o mais interessante do ponto de vista comportamental, o cérebro com seus bilhões de neurônios. As células assim organizadas desenvolvem forças intrínsecas denominadas como instintos, preparadas para garantir a sobrevivência e a reprodução de si mesmo. Esses instintos colocados pelo Criador dentro da organização biológica do corpo, é tão egoísta no seu procedimento que a própria Bíblia adverte sobre ele (Jó, 40:15-24) chamado de Behemoth, uma criatura tradicionalmente associada à um monstro gigante, podendo ser retratado como um Hipopótamo, apesar de alguns criacionistas o identificarem como um saurópode ou um touro gigante de três chifres.

            Toda força instintiva do corpo se manifesta no cérebro, na arena mental, onde existe também a manifestação do espírito. É aí que se processa o confronto, corpo x espírito; instinto x moral. A tendência natural é que prevaleça a força dos instintos, presentes desde o nascimento. A educação dos pais deve ser a primeira ação de podaçao desses instintos. A própria sociedade desenvolve leis para coibir a manifestação prevalente dos instintos. Apesar de tudo isso, a pessoa tende a burlar a educação e as leis e atender ao que pede seus instintos, seus desejos.

            Essa luta ferrenha da pessoa consciente dos seus deveres morais contra os desejos egoístas do corpo, é frequentemente relatado por personalidades como Francisco de Assis, Paulo de Tarso, Santo Agostinho, entre outros. Nós, que não tendo tanta vocação e determinação para vencer os instintos, mais compreendemos essa necessidade, estamos frequentemente lutando para nos manter no caminho reto, fazendo a reforma íntima a cada dia.

            Certamente que uma só encarnação num planeta como o nosso não é suficiente para corrigir tantas forças primitivas que existem na nossa arena mental. Mas conhecendo esses mecanismos, estamos mais reparados para a vitória.


Publicado por Sióstio de Lapa em 17/06/2020 às 23h58
 
16/06/2020 23h59
MATERIALISMO E ESPIRITUALISMO

            A compreensão dos materialistas é que nossa vida se restringe ao corpo físico e quando ele degenera e morre na velhice, termina nossa existência. O corpo volta a mãe natureza para ser engendrado novos corpos, tanto do reino vegetal quanto no animal.  

            Nós, espiritualistas, temos outra visão. O corpo é apenas um instrumento no qual opera o nosso espírito. Quando este degenera e morre, volta à natureza para ser reaproveitado, mas o espírito permanece vivo e se transfere para a dimensão espiritual, que não é percebida pelos nossos sentidos físicos, a não ser que a pessoa tenha algum dom, o qual chamamos de mediunidade. 

            O que nos garante que isso acontece assim? Os diversos fatos observados por tanta gente de todas as classes sociais ao redor do mundo e os trabalhos de natureza científica que afirmam a realidade do mundo espiritual e a comunicação intercambiável que existe, com a produção de milhares de livros, das mais belas histórias de cunho histórico, moral e científico. 

            O paradigma materialista tende a ceder espaço à força vinda da realidade espiritual. Observamos que os desejos da carne, os impulsos instintivos, tem o objetivo de garantir a sobrevivência e reprodução dos corpos. Mesmo assim necessita do controle, da gerência dessa entidade que chamamos de espírito. Caso isso não aconteça, o corpo absorve uma serie de exageros, em função do prazer que isso causa, o próximo é prejudicado e se perde a qualidade de vida. 

            Observamos que a aplicação dos paradigmas materialistas e espiritualistas pode ter resultados opostos no comportamento individual e nas consequências sociais. O materialismo favorece o egoísmo, a lei do mais forte, quer seja uma força política, financeira ou simplesmente física. Mesmo que o avanço da racionalidade justifique a prática dos valores éticos, seria a educação o condutor desse processo. Mas, os gestores públicos, contaminados pelo materialismo, podem boicotar essa educação para as massas, como acontece no Brasil e no mundo atual, onde representantes do povo, eleitos “democraticamente” e mesmo representantes de correntes espiritualistas, religiosas, praticam iniquidades, como corrupção massiva.

            O espiritualismo, praticado com honestidade, com o conhecimento da existência intercambiável dos dois mundos, material e espiritual, e que o nosso espírito precisa aprender a lidar com as leis morais associadas ao Criador, se torna mais eficaz em manter o nosso espírito na trilha do Caminho associado a Verdade e a Vida que o mestre Jesus já nos ensinava.

            Eis o momento que nos deparamos no ponto de vista da educação frente ao conhecimento e construção dos nossos paradigmas. Existe a visão materialista e a visão espiritualista, cada qual com seus argumentos. Cabe a cada pessoa que tenha oportunidade de fazer esse confronto, de decidir com racionalidade e lógica, qual visão melhor se adapta ao processo evolutivo que deseja para si e para seus semelhantes, para os seres vivos, para a natureza.    


Publicado por Sióstio de Lapa em 16/06/2020 às 23h59
 
15/06/2020 23h59
MEDICINA, SAÚDE E ESPIRITUALIDADE

            Qual a integração que existe entre esses três termos? 

            Medicina é a arte de cuidar da pessoa, quer seja nos aspectos preventivos, curativos ou paliativos. O exercício da medicina quando bem aplicado, responde a uma vocação inata de servir ao ser humano que padece de algum transtorno, físico ou mental.

            Saúde é o que esperamos manter durante a vida nas diversas dimensões que funcionamos: físico, mental, social e espiritual. O físico corresponde ao bom funcionamento dos trilhões de células que possuímos, organizados nos diversos órgãos e sistemas do nosso corpo. Dentre esses, o cérebro é o mais sofisticado, pois a partir dele surge as funções mentais superiores que podem sofrer transtornos físicos, psicológicos e sociais, originando as doenças mentais.

            Espiritualidade é o termo mais abstrato, foge do nosso contato físico e da percepção, para a maioria das pessoas. Felizmente, reconhecemos hoje a sua importância para saúde: bem-estar físico, mental, social e espiritual.

            Para entrar no tema da Espiritualidade que é o nosso foco, temos que aprender inicialmente sobre a dimensão espiritual, onde a vida real se processa. É dito vida real, pois na dimensão material, o corpo físico tem uma existência fugaz. Logo após o nascimento e passar pelo amadurecimento, chega a velhice e a deterioração de todas as funções até a chegada inevitável da morte, falência do corpo físico. 

            Para muitos, considerados materialistas, a falência do corpo físico, a morte, termina com a vida da pessoa. Este é um engano devido a nossa ignorância, da presença intercambiável da dimensão material e espiritual. Este é o objetivo deste curso, desmitificar o mundo espiritual, mostrando sua realidade através de fatos e da lógica. Mesmo que a pessoa nunca tenha tido contato material com essa dimensão espiritual, mas pelos fatos que são apresentados e pelo raciocínio lógico, podemos confirmar essa realidade e procurar ajustar o comportamento e as habilidades que estamos adquirindo, ensinando e aprendendo a cada dia. 

            O primeiro passo neste aprendizado, é reconhecer as dimensões do corpo humano, pois nessa dissecação iremos encontrar sete estágios, desde o corpo físico até o corpo espiritual. Iremos entender, desde os estudos orientais da Ioga e da Rosa Cruz, como se dá essa integração do espírito ao corpo físico e a sua permanência na vida após a deterioração do corpo com a morte. Iremos entender que a instância que sedia a vida é a consciência, expressão dos corpos mentais superior e inferior.

            Conheceremos a instância que faz a conexão do espírito com o corpo, o períspirito, que permanece vivo com a bagagem mental dos conhecimentos e sentimento e passa a existir no mundo espiritual. Daí, dessa dimensão espiritual, o espírito pode fazer comunicação com as pessoas físicas, os chamados médiuns, que são operacionalizadas pelo espírito, mesmo que a pessoa não tenha a consciência dele.

            Finalmente, conhecer o processo evolutivo em ação tanto no mundo material quanto no espiritual, se torna a meta final do estudo. Compreenderemos as necessidades do corpo expressa pelos instintos e gerando o egoísmo, e compreenderemos as necessidades do espírito, de cumprir as leis morais, de saber quais as consequências físicas e mentais caso essas leis sejam desobedecidas, gerando as doenças em sua origem. 

            O profissional capacitado dessa forma, se torna mais eficiente na sua arte de cuidar das pessoas doentes, entendo a etiologia material e espiritual de suas mazelas.    


Publicado por Sióstio de Lapa em 15/06/2020 às 23h59
 
14/06/2020 23h59
DEDICAÇÃO À FAMÍLIA

            “Um homem que não se dedica à família, jamais será um homem de verdade”. Esta é uma frase do filme “O Poderoso chefão”, 1a parte. É um filme interessante, pois fala do comportamento marginal da máfia italiana, mas, por outro lado, realça os valores positivos da família.

            Lembro também dos ensinamentos de Jesus para criar o Reino de Deus, com base na família universal. Chegou a dizer que seus pais e irmãos biológicos não eram sua família, e sim aqueles que fazem a vontade do Pai.

            Com essas informações, por onde decidirá o nosso racional caminhar? Querendo fazer a vontade de Deus? Querendo ser dedicado à família, mas qual família? Biológica ou espiritual? E por quais métodos irei demonstrar minha dedicação à família que escolher? Legais ou ilegais? Éticos ou antiéticos? Morais ou imorais? 

            São diversas dúvidas que irão necessitar da bússola comportamental que Jesus nos forneceu: amar ao próximo como a nós mesmo. 

            Cada pessoa deve observar as circunstâncias de sua vida, a dimensão material e espiritual onde vivemos e aprendemos, as lições vindas dos diversos mestres, da ciência e tecnologia, reconhecer a nossa paternidade espiritual única e decidir pelo caminho mais lógico, racional e efetivo para seguir no processo evolutivo com mais pragmatismo em direção ao Pai. 

            Seguindo tais orientações, reajustei o meu comportamento e paradigmas. Antes eu estava casado com uma mulher, seguindo o ritual da igreja católica, com a perspectiva de viver dentro da fidelidade conjugal até o fim dos meus dias, respeitando todas as exigências da família nuclear. 

            Considerando a importância da vinda de Jesus entre nós, para nos ensinar sobre o amor e como construir o Reino de Deus, colocando em prática o Amor Incondicional e deixando em segundo plano o amor condicional, tive que, por implicação lógica, deixar de dar prioridade a família nuclear e priorizar a família universal; tive que deixar de dar prioridade ao amor condicional e priorizar o amor incondicional; tive que deixar de dar prioridade ao parentesco carnal, sanguíneo, genético, e passar a priorizar o parentesco espiritual, com aquelas pessoas que se identificam com as lições de Jesus e querem fazer a vontade do Pai. 

            Com esta mudança dos meus paradigmas, terminei saindo dos padrões culturais da sociedade em que estou inserido. O amor que passo a exercer ao meu redor não é exclusivo de alguém, pelo contrário, é inclusivo, sempre seguindo a bússola de não fazer ao próximo o que não quero para mim. Assim, posso interpretar as informações do filme que citei no início e os exemplos práticos que Jesus deixou com total coerência racional.

            A dedicação à família exaltada pela máfia realmente é positiva, mas não segue a bússola comportamental do Mestre, de não fazer ao próximo aquilo que não quero para mim. Quando ele diz que faz uma proposta irrecusável para alguém fazer um favor ou um negócio, coloca a pessoa numa condição que ele não queria para si. Deixa de seguir o Caminho orientado pelo Cristo.

            A lição que o Cristo deixou de que sua parentela biológica não são seus parentes prioritários, e sim aqueles que fazem a vontade do Pai, mostra que as iniquidades que algum parente consanguíneo possa fazer no prejuízo do próximo, não devem ser seguidas nem confirmadas como boas. Devemos deixar esses perversos de lado e ficar junto daqueles que procuram fazer a vontade do Pai, que não mentem, que não se corrompem, que são fieis ao que aprenderam sobre a Verdade e procuram praticar, seguindo o Caminho do Cristo, em busca da qualidade de Vida que o Pai nos deu em potencial.


Publicado por Sióstio de Lapa em 14/06/2020 às 23h59
 
13/06/2020 23h40
VINHA DE LUZ 7 – AOS DISCÍPULOS

            Ser discípulo do Cristo, tanto hoje quanto nos primórdios do cristianismo, parece ser algo muito fora da cultura onde estamos inseridos. Para os judeus parecia um escândalo, como alguém de origem plebeia, um simples carpinteiro poderia ser o Messias prometido, o filho de Deus como ele dizia? Para os gregos e demais gentios, parecia uma loucura, pregar a divindade de uma pessoa que morreu crucificado no meio de dois ladrões e que teve o mistério de ressuscitar de entre os mortos. 

A vida moderna, com suas realidades pragmáticas, termina fazendo algo paradoxal, criando comunidades religiosas do Cristianismo, pregando a grandeza dos princípios ensinados por Jesus nas próprias ações diárias da maioria dos indivíduos.

O homem que se internou pela oratória vibrante dos discursos, sem atos correspondentes à elevação da palavra, expõe-se, cada vez mais, ao ridículo e à negação.

Há muitos séculos prevalece o movimento de filosofias utilitaristas. E, ainda agora, não escasseiam orientadores que cogitam da construção de palácios egoísticos à base do magnetismo pessoal e psicólogos que ensinam publicamente a sutil exploração das massas.

É nesse quadro obscuro do desenvolvimento intelectual da Terra que os aprendizes do Cristo são expoentes da filosofia edificante da renúncia e da bondade, revelando em suas obras isoladas a experiência divina dAquele que preferiu a crucificação ao pacto com o mal.

Novos discípulos, por isso, vão surgindo, além do sacerdócio organizado. Irmãos dos sofredores, dos simples, dos necessitados, os espiritistas cristãos encontram obstáculos terríveis na cultura intoxicada do século e no espírito utilitário das ideias comodistas.

Há quase dois mil anos, Paulo de Tarso aludia ao escândalo que a atitude dos aprendizes espalhava entre os judeus e à falsa impressão de loucura que despertava nos ânimos dos gregos.

Os tempos de agora são aqueles mesmos que Jesus declarava chegados ao Planeta; e os judeus e gregos, atualizados hoje nos negocistas desonestos e nos intelectuais vaidosos, prosseguem na mesma posição do início. Entre eles surge o continuador do Mestre, transmitindo-lhe o ensinamento com o verbo santificado pelas ações testemunhais.

Aparecem dificuldades, sarcasmos e conflitos. O aprendiz fiel, porém, não se atemoriza. O comercialismo da avareza permanecerá com o escândalo e a instrução envenenada demorar-se-á com os desequilíbrios que lhe são inerentes. Ele, contudo, seguirá adiante, amando, exemplificando e educando com o Libertador imortal.

Mesmo que no mundo ainda encontremos a prevalência do mal sobre o bem, sabemos que o ritmo da evolução é no sentido do fortalecimento do bem, e nós, discípulos do Cristo, gingados como loucos pela massa egoísta, somos o sal da terra, o reflexo da luz que recebemos do Messias.


Publicado por Sióstio de Lapa em 13/06/2020 às 23h40



Página 11 de 628 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr