Meu Diário
08/08/2020 00h08
INTENÇÃO E AÇÃO

            A intenção e ação fazem parte da vontade. A vontade deve está sintonizada com nosso dever frente ao caminho evolutivo que devemos percorrer em direção ao Criador. Tudo isso parece lógico e fácil de ser aplicado. Porém, no meio desse desiderato vamos encontrar os desejos do corpo, do ego, do egoísmo. Esses desejos que surgem em nossa mente na forma de instintos, que na sua origem tem a importância de preservar a vida de nosso corpo, sem um controle adequado produz prejuízos ao redor, em nossos semelhantes, no próximo, fazendo a ele aquilo que não queremos para nós. 

            O dever que deve assomar à nossa consciência é conhecer nossa rota evolutiva em direção ao Criador. Esse esforço resulta da conquista moral que a consciência se permite, em plena sintonia com o equilíbrio cósmico. 

            Ter a intenção de ser útil em toda e qualquer circunstancia, favorecer o progresso coletivo, viver com dignidade e respeitar a dignidade humana, são expressões que não podemos esquecer de agir, pois é o nosso dever diante da vida.

            Jesus aplica uma parábola que Mateus registra em seu Evangelho. Havia um homem que tinha dois filhos. Falou ao primeiro para ir trabalhar na vinha e ele respondeu que sim. Porém, refletindo mais tarde, resolveu não ir. Ao segundo filho fez a mesma proposta e ele respondeu que não iria. Todavia, arrependido, foi. Qual dos dois atendeu a vontade do Pai, pergunta o Mestre. E os presentes responderam a Jesus: o segundo.

            Fica bem exposto o dilema da intenção e da ação, a promessa e o fato. A ação deve predominar porque é resultante do dever. Para ela não é necessária palavras melífluas, confortadoras ou bajuladoras, mas sim a decisão de realiza-las corretamente.

            Jesus sempre propõe o dever, a ação; bem entender a fim de melhor atuar. 

            Entendo que a minha missão, por mais utópica ou mirabolante que seja, é contribuir para a formação do Reino de Deus, construindo pelo menos um esboço da família universal.

            Sei da escala de valores que deve ser respeitada, que merece a prioridade dentro de minhas ações, que esta é minha obrigação dentro dos valores que um cidadão do Reino de Deus deve cumprir.

            Dessa forma, nunca devo prometer aquilo que não pretendo fazer. Também não posso ficar inoperante num ponto já alcançado. Devo identificar as possibilidades vigentes e seguir adiante. 

            Foi assim que a empresa Polishop entrou nas minhas futuras possibilidades, como uma estratégia interessante para a construção desse pequeno modelo, uma espécie de maquete da família universal, com o trabalho do marketing multinível, onde todos procuram ajudar a todos. 

            Isso cumpre a obrigatoriedade de crescermos interiormente, sem cessar, impondo renúncias e sacrifícios, saindo da zona de conforto, em busca de uma harmonia mais ampla, e não restrita a um núcleo familiar, consanguíneo. 

            Terei assim a possibilidade de passar da intenção para a ação, sendo o servidor do mundo. É o exemplo que Jesus nos deixou de ser o servo de todos, pois assim se fez, para que tivéssemos vida em abundância.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 08/08/2020 às 00h08
 
07/08/2020 03h35
VINHA DE LUZ 13 – NÃO CONFUNDAS

            Este é o maior perigo que eu corro, em confundir o cumprimento da minha vontade, dos meus instintos, dos meus desejos e não os de Deus como eu quero.

            A minha esperança é que está escrito na Bíblia: Todo aquele que nEle crer não será confundido (Paulo, Romanos, 10:11). Como eu tenho uma crença forte na existência de Deus constante perto de mim, me intuindo, orientando, sinto uma boa segurança de que estou no caminho, consultando minha consciência que não desaprova o que estou fazendo ou na maioria do que fiz. 

            Dentro do cristianismo essa crença individual não tem a mesma força ou a mesma qualidade. Há católicos romanos que restringem ao padre o objeto de confiança; reformistas evangélicos que se limitam à fórmula verbal; e espíritas que concentram todas as expressões da fé na organização mediúnica. 

            Dessa forma, em todos os lugares, há sacerdotes que não correspondem à confiança, fórmulas verborreicas que não atendem às necessidades espirituais, e médiuns que não sintonizam convenientemente com o mundo espiritual.

            Devemos ter cuidado, pois toda crença cega, sectária, obsessiva, fanática, distante do Cristo, pode redundar em séria perturbação mental. Quase sempre, os devotos não pedem algo mais que a satisfação egoísta no culto comum, no sentimento rudimentar da religiosidade, e, daí os desastres dos sentimentos, do coração.

            O discípulo sincero e capacitado, em todas as circunstancias, compreende a probabilidade de falência da sua missão, quer seja por sua incapacidade ou pela colaboração humana, seu próximo.

            O Mestre não veio ao mundo para operar a exaltação do egoísmo, individual coletivo ou institucional. Veio, sim, traçar um roteiro de amor definitivo às criaturas, instituído trabalho edificante e revelando os objetivos sublimes da vida.

            Devemos lembrar sempre que a nossa existência representa uma jornada com o significado de fazer a vontade de Deus. Os instintos gerados para a preservação do corpo biológico podem até fazer a confusão dentro da mente, mas o uso correto da inteligência que o Pai nos dotou, serve para corrigir ou evitar esse dilema.

            Procuro manter sempre a minha crença, uma firme convicção, que estou aqui na Terra para cumprir a vontade do Pai om prioridade e não a minha; que tenho Jesus, o Mestre enviado pelo Pai, para ensinar o que é preciso ter foco e guardar e seguir Suas bússolas comportamentais, para não entrarmos em desvios, para não sermos confundidos.


Publicado por Sióstio de Lapa em 07/08/2020 às 03h35
 
06/08/2020 00h04
ANIVERSÁRIO... DE QUEM?

            Sabemos da existência do corpo e do espírito. Sabemos que Deus criou a matéria e o principio inteligente. Sabemos que estamos com nosso princípio inteligente, evoluído para espírito, está encarnado na matéria, evoluído para um corpo biológico. Sabemos que em nossa cultura costumamos festejar o dia que nosso corpo biológico foi parido, veio à luz, como o dia do nosso nascimento. A maioria das pessoas acreditam que nossa existência é contada a partir dessa ocorrência, do parto. Mas, façamos algumas reflexões...

            O Espírito imortal, portador de nossa consciência, evolui por séculos e séculos, usando o corpo físico como uma farda escolar. Cada existência biológica terminada, implica em deixarmos a farda e voltarmos para o nosso lar original, a pátria espiritual, e nos preparar novamente para voltar à escola de posse de nova farda biológica.

            Portanto, a hora do parto significa apenas que o Espírito eclodiu para a luz equipado com o novo corpo, uma nova farda escolar, que ele deverá administrar nesta nova existência. É um momento importante, reconheço, mas não significa que seja o início de uma vida. Se a cada ano festejamos, conforme a cultura, o aniversário do nascimento de uma pessoa, devíamos ter na consciência que isso é um ato simbólico para a entrada do Espírito em uma nova existência, com autonomia biológica, mesmo que seja dependente comportalmente.

            O Espírito se expressa através da função cerebral que deixa fluir a consciência e dentro dela os atributos espirituais com autonomia suficiente para direcionar o comportamento de acordo com a vontade acionada pelo livre arbítrio.  

            O livre arbítrio é o setor onde é processado o raciocínio com esteio na genética e na educação. É exercido pela ação da vontade, dentro das circunstancias oferecidas por Deus e escolhidas conforme o menu à nossa disposição.

            Uma pessoa sofre AVCs (Acidentes Vasculares Cerebrais) e fica próximo a entrada no mundo espiritual. Mas, com muito esforço, os familiares deixam esse espírito preso ao corpo, procurando manter a sua vida a todo custo. Chega o dia do aniversário do corpo dessa pessoa ter eclodido para o mundo, mas o espírito não consegue mais operar dentro dele, dentro da mente, pois o cérebro sofreu destruição significativa e não consegue mais concluir as operações suficientes para manter as funções mentais superiores (memória, inteligência, coerência, estabilidade do humor, afeto, etc) dentro da sanidade mental. 

            Durante a simples festinha de aniversário, presente apenas os parentes mais diretos, talvez o espírito lute para fazer alguma conexão, mas somente é expresso comportamentos repetitivos, reflexos, sem qualquer profundidade racional.

            Cria-se dessa forma um dilema afetivo: devemos estar contentes pelo corpo ainda está vivo e segurar o espírito ou ficar tristes pois o espírito já merecia estar solto e ficar mais perto de Deus, como era sempre sua intenção na vida? 


Publicado por Sióstio de Lapa em 06/08/2020 às 00h04
 
05/08/2020 00h04
ANALFABETISMO NO FUTURO

            O analfabeto do século XXI não será aquele que não sabe ler ou escrever, mas aquele que não souber aprender, desaprender, reaprender, segundo estudiosos do porvir. A Polishop oferece esse desafio de aprender uma nova profissão fora do tradicionalismo, de soltar os paralelepípedos dos velhos conceitos ou enxerta-los com seiva nova. Dentro dessa empresa vamos encontrar o Sistema de aprendizagem Winner, um verdadeiro laboratório de criatividade, dinamismo, solidariedade, reflexão, motivação, inteligência, possibilidades, aplicabilidade e como pensar usando a inteligência (capacidade de resolver situações) e a consciência (capacidade de sentir o certo e o errado).

            Até agora a técnica tem a primazia de determinar quem vai se dar bem, mas começam a surgir situações cada vez mais frequentes do domínio ficar com quem apresenta mais habilidades comportamentais. Dentro dessas habilidades podemos listar 10 das mais importantes:

  1. Resolução de problemas complexos;
  2. Liderança, gestão de pessoas e trabalhos em equipe;
  3. Julgamento;
  4. Pensamento crítico;
  5. Criatividade;
  6. Inteligência emocional;
  7. Orientação e serviço;
  8. Tomada de decisão;
  9. Negociação; e 
  10. Flexibilidade.

O negócio que a Polishop incrementa o consumo inteligente, para o próprio consumo ou e-commerce, e fazer o marketing de relacionamentos, de ajudar as pessoas com um propósito bem definido, trazendo os pensamentos e desejos para a realidade.

Quando entramos no mercado de trabalho, obrigatoriamente, pois todos estamos dentro do mercado, podemos ter sucesso ou não em determinados objetivos. A linha de frente dos trabalhos da Polishop, assim como toda empresa do MMN, é o contato pessoal, a apresentação do negócio para ampliação de uma rede de mutua ajuda com base no direcionamento de consumo de produtos. Geralmente ao se fazer esse contato, recebemos o não, que pode ser considerado uma derrota. Mas a cada derrota temporária, existe sempre a semente de um benefício equivalente. O propósito forte é ter forças enfrentar tantas derrotas temporárias que surgem frequentemente.

Para resistir à enxurrada de nãos, de derrotas que iremos ter pelo caminho é preciso que tenhamos um sonho forte. No meu caso tenho o fone quase utópico de construir o Reino de Deus a partir da família universal. O MMN aparece como uma ferramenta para eu alcançar esse sonho, que corresponde para mim a vontade de Deus. Acredito que este sonho possa ser realizado, pois o próprio Deus está dentro dele. Já o coloquei no mural para ser o meu norte, minha bússola. Corresponde ao passo número 1 nesta caminhada que devo realizar.

Tenho que formular uma disciplina para originar novos hábitos, estabelecer um ritmo de pensamentos, um plano de ação coerente com o sonho que desejo alcançar. Esta autodisciplina corresponderá aos hábitos regulares que deverão surgir, aquilo que farei quando ninguém estiver me olhando. É isso que irá definir o que alcançarei dentro desse projeto. A constância em transferir a disciplina que já tenho dentro dos negócios tradicionais para o MMN é o aval para o sucesso. Devo ter a compreensão de que, mudar não é fácil, mas não mudar em algum momento crítico pode ser fatal. Que cara terei ao aparecer no mundo espiritual, frente ao Pai e ao Mestre, sem tem atingido o meu objetivo?

Passei muito tempo da minha vida num processo passivo de aprender e devolver o que aprendi na forma de serviço, de venda. Agora tenho que partir para uma atividade ativa, de desenvolver habilidades de liderança, de desenvolver novos líderes. 

O mundo está em plena transformação, o planeta se preparando para deixar o pin de Provas e Expiações” para o pin de “Regeneração”, segundo o planejamento da espiritualidade superior. Este é o mundo que irá surgir. Que profissional eu serei neste novo mundo? Não posso ser um analfabeto nesse futuro.


Publicado por Sióstio de Lapa em 05/08/2020 às 00h04
 
04/08/2020 00h03
ZONA DE CONFORTO

            Geramos naturalmente uma zona de conforto que nos leva a imobilidade, estagnação e prejuízos evolutivos. Devemos gratidão a quem nos ativa, nos tira da ociosidade, do ostracismo, da morosidade e nos leva a realização dos nossos sonhos.

            Hoje, por ocasião da pandemia do covid-19, quando os negócios foram reduzidos drasticamente, observamos a necessidade de criação de um novo nicho de mercado. A Polishop com sua técnica de MMN, oferece um ótimo campo de redirecionamento de trabalho, de mercado.

            Quem tem a oportunidade de conhecer esse negócio, pode se ver dentro de algo milionário que foca no objeto de desejo das pessoas e surfa na grande onda do isolamento social, reforçando o potencial da empresa e criando uma renda residual, a conquista de uma aposentadoria.

            Pode-se imaginar que, para aproveitar essa onda se cadastrando na empresa, tenha que desembolsar um alto valor e dispor de muito tempo para desenvolver o trabalho. Engano. Tempo e dinheiro não são problemas, pois o pequeno investimento de 2.200 reais para participar da empresa com a compra de produtos, recuperável com a venda dos mesmos ou para consumo próprio não é impedimento financeiro; o tempo de 2 horas por dia é suficiente para tocar o trabalho no início. Mesmo que ainda fiquemos em dúvida sobre essa oportunidade, é prudente deixar a chama acessa para que possa ser desperta a qualquer momento. 

            Ao se entrar no negócio, percebe-se que o trabalho básico é apresentar o plano a quantas pessoas foram listadas e que podem ser encontradas, pois não se sabe quem tem o potencial interno para ver a importância do que é apresentado. O fator sorte entra em ação, que é o encontro da oportunidade com a capacidade de fazer, naquele convidado que é uma incógnita.

            Temos que cuidar de nossa atitude, pois ela é quem irá atrair as pessoas certas, como o beija-flor é atraído pelas cores e perfumes das rosas. Tem que mostrar que este é um negócio fora da caixa e que pode ser perfeito para qualquer um.

            Em 2020, com o alastramento da pandemia mundo afora, o mundo mostrou como é frágil o nosso sistema econômico. O MMN mostra sua pujança, principalmente com empresas multicanais como a Polishop. Oferece um estímulo extra para retirar as pessoas da zona de conforto, mostrando que crises oferece oportunidades de ver coisas novas, pois nas crises o dinheiro não desaparece, simplesmente muda de mãos.

            Mas estamos cercados de pessoas negativas, que dizem que não vamos conseguir nossos objetivos. Essas pessoas mostram os limites delas e não os nossos. 

            Com todas as mudanças que observamos ao nosso redor, surge a indagação: como será o profissional do futuro? Pesquisas mostram que 47% dos atuais empregos desaparecerão e que outras profissões serão criadas. Mostra também que 57% das crianças de hoje que estão no ensino médio, terão trabalho no futuro que ainda não existe hoje. Perguntamos então: quais serão as habilidades do futuro?

            Que tipo de zona de conforto existirá?


Publicado por Sióstio de Lapa em 04/08/2020 às 00h03



Página 11 de 638 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr