Meu Diário
30/11/2019 00h28
OTIMISMO (32)

Judas Tadeu estava nos arredores de Tiberíades, cidade construída por Herodes em honra do imperador Tibério, considerada uma cidade sagrada. Ele meditava sobre seu dever, querendo conciliar os trabalhos materiais com os espirituais, sem poder se inclinar nem para um lado ou outro. Que podia fazer? Como entender tal situação? Começava a fraquejar e precisava de Otimismo.

Andando por Tiberíades, Tadeu encontra um velho casarão, escondido nas árvores. Era o Sítio de Tálium, velho morador e famoso mago negro da região. Tadeu foi convidado a entrar em um salão subterrâneo e pensou firmemente em Deus. Ficou entre mulheres que estavam embebidas em certos rituais que o fanatismo e a ignorância as amarravam. Tadeu, por já conhecer a verdade com jesus, perguntou:

- Que quereis de mim?

            Tadeu viu uma forma estranha aparecer ao seu lado, querendo tirar o discípulo do rebanho de luz, prometendo o céu e o mar, fortuna, posição, sabedoria e coragem. Ofereceu tudo para afastar Tadeu das hostes de Jesus. Mostrou seus poderes e ofereceu otimismo e coragem num passe de mágica, mas que ele fizesse um pacto de ser seu comandado.

Tadeu respondeu que nunca seria um agente para espalhar o mal. “Fica com os teus, pois eu já sou do Cristo e Ele habita em mim”. Fez uma prece naquele espaço de trevas, impulsionado pela força do bem e do amor. Desfez-se a imagem tentadora.

            Mais tarde, em Betsaída, Tadeu sentiu a necessidade de interpelar Jesus:

- Mestre, preciso muito da sua fala a respeito do Otimismo. Em dados momentos sinto-me como folha seca ao vendaval, como um rio que perdeu o contato com sua fonte. Enfim, Senhor, quero mesmo é Te ouvir. Fala-me o que preciso ouvir.

O Mestre, ponderado e altivo, considerou a situação do discípulo e abordou o assunto com amabilidade.

            - Tadeu, é justo o que queres saber e, por certo, conquistar.           O Otimismo é uma feição divina que pode se apoderar das criaturas e fazer parte delas nas suas caminhadas para a eternidade. O Otimismo e a Coragem são quase idênticos. As diferenças parecem não existir, pelo que apresentam de semelhantes. No entanto, nós que idealizamos a perfeição e trabalhamos com esse objetivo, nos interessa muito onde o Otimismo deve ser separado da Coragem e até que ponto devemos ceder a essas forças que a alma desperta e arregimenta em seu interior, em busca da felicidade.

‘Em primeiro lugar, deves saber que toda perfeição exige esforços compatíveis com suas qualidades. Não podes pensar, jamais, que essas conquistas das almas são doadas por alguém a não ser por Aquele que nos criou, que já nos fez com todas as perfeições em estado latente, deixando para nós o trabalho de conquistar o aperfeiçoamento, esforçando-nos pacientemente em todas as direções para que esse bem eterno acorde em nós o tesouro depositado pelo Senhor no cofre divino das nossas consciências.

            ‘Toda facilidade é filha da ilusão, parece brilhar aos olhos dos que adotam a preguiça, porém é breve qual fumaça que se desfaz ao sabor dos ventos. Comparemos com a Natureza e sintamos essa verdade nos animar para o trabalho, devagar, mas sempre.

Se queres ser um mestre, em primeiro lugar tens de te fazer aluno, não contrariar o tempo e despender todos os esforços que estiverem ao teu alcance. E mesmo assim não parar de estudar no mundo e no livro da Natureza, para que cada vez mais possas oferecer o melhor aos que te seguem.

O Mestre criava imagens usando a própria Natureza para ser melhor entendido. Notando ansiedade nos discípulos, continuou:

- Tadeu, o Otimismo se apresenta como um perigo aos desprevenidos de certo senso. É digno que o atinjas até onde ele possa ser útil na escala das qualidades. O exagero faz dele uma entrada para a inconsciência e pode entorpecer a razão, despenhando em vales que o arrependimento marcou muito tempo para ser feito o reparo de um impulso que a disciplina não atingiu. Aí é que o Otimismo passa a ser coragem. Ele é meio cego e, por vezes, mesmo em caminhos tortuosos, se alimenta e está disposto a seguir mesmo nos corredores das sombras. O Otimismo é a Coragem educada, e a Coragem é o Otimismo em preparo. É necessário que usemos a inteligência para que possamos vigiar o nosso Otimismo no seu grandioso trabalho no decorrer das nossas labutas. O dia-a-dia pede de nós essa disposição, para que sintamos a vitória. Contudo, um juiz dentro de nós julga sem piedade os nossos erros, aplicando as sentenças correspondentes com as faltas cometidas. O tribunal da consciência só sentencia depois dos fatos. A vigilância é montada pela razão, que se enriquece pela inteligência, aliada aos sentimentos. Eis que é aí que se inicia a nossa tarefa, o nosso trabalho, o trabalho da Boa Nova: despertar o homem, fazer nascer o homem novo dentro do homem velho. E dizer para ele que viva, que ande, que fale, que se abrace com Deus nos seus próprios caminhos internos, para que a felicidade possa atingir outras áreas da vida, ainda desconhecidas.

Todos tinham os olhos fixos no Nazareno. Após alguns segundos de pausa, continuou o discurso:

            - Tadeu, o que aconteceu contigo naquela noite de trevas não representa uma fração do que ocorre todos os dias em muitos pontos do mundo. O mal, meu filho, já está organizado. Falta-nos organizar o bem e confiar nele, como o ambiente da verdadeira paz.

Foste um pouco enganado para sentires o que podes passar apartado de mim. Eles não são verdadeiramente maus, são ignorantes. De tanto mexer com fogo, acabam queimando as suas próprias possibilidades de servir e de amar. O mal que pretendem fazer servirá para despertá-los, mais tarde, para o bem que nunca morre e que os espera a todos.

            ‘A escola do Otimismo é essa a que já pertences, pelo coração, e que, gradativamente, haverás de conquistar, dependendo da tua disposição de servir, de trabalhar e mesmo de sofrer por ela.

‘De novo te falo como o Pai para todos que me cercam com amor. Não queiras nada com facilidades, pois essas pertencem aos fracos de Inteligência e esquecidos de sentimentos superiores.

‘Eu sou otimista por excelência, creio na eficácia da missão que empreendemos, mas nunca deixes o Otimismo tomar as vestes da violência, nem a rota da imprudência e, muito menos, feches os olhos nos momentos difíceis deixando surgir a coragem cega que não mede consequências.


Publicado por Sióstio de Lapa em 30/11/2019 às 00h28
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
29/11/2019 00h28
VERDADE IGNORADA

            A verdade pode ser falseada, ignorada, substituída, mas jamais será destruída. Pelo contrário, o tempo é o responsável pelo resgate da verdade no processo da história. Afastado das emoções, dos interesses que construíram as falsas narrativas, o povo pode resgatar a verdade de onde ela ficou manietada.

            Este texto reproduzido abaixo, assinado por Fernando Fabbrini e que encontrei na net, fala bem sobre isso e aplicado ao nosso momento atual. Vejamos:

Ao final da Segunda Guerra, os generais de Hitler, certos da derrota inevitável, poupavam o combalido ego do “führer” de novos dissabores. Temerosos, peneiravam as más notícias que chegavam ao bunker, deixando o ditador convenientemente iludido.

Na comédia “Adeus, Lênin”, uma velha senhora comunista entra em coma e não presencia a derrubada do Muro de Berlim. Ao despertar, tempos depois, a capital alemã já era outra. Com dó da mãe, seu filho esconde dela os últimos acontecimentos, fazendo-a crer que Berlim Oriental continuava como sempre: atrasada, feia e comunista.

Os discursos do ex-presidente assim que ele saiu da cadeia fizeram-me lembrar ambas as histórias. Preso por mais de um ano, paparicado e endeusado pela militância, Luiz Inácio colecionou elementos para criar uma avaliação equivocada de si mesmo, de sua influência, de seu carisma e – o mais grave – do Brasil que seguiu em frente.

Prisão não é fácil mesmo, embora a dele fosse cheia de regalias. Certamente, todos que o visitavam enfeitavam as grades com elogios, esperanças, exortações à “resistência”, recados carinhosos – tudo perfeitamente compreensível, até por questões humanitárias. O problema é que, ao saírem, tais visitantes deixavam o ex-presidente em uma companhia desonesta: a imagem congelada de um passado recente. Atordoados pelos resultados das urnas de 2016 e 2018, sobrou para os derrotados, no sonho de um retorno ao poder, manter um retrato negativo do país com fins eleitoreiros. No entanto, esqueceram-se de que os responsáveis por tal desastre eram eles mesmos.

Assim, a esquerda continuará ofegante, soprando as brasas indispensáveis ao calor costumeiro de seus discursos. Pergunta: quem ainda se inflamará com isso, além dos de sempre? Pouco a pouco, novos ventos arejam a vida do brasileiro. Surgem boas notícias; a maioria quase sempre ignorada pela grande imprensa. Jornalista que não sou – mas apenas um cidadão que gosta de escrever –, listei alguns indicadores interessantes.

A Caixa Econômica vai fechar o ano de 2019 com um lucro maior que o dos bancos Bradesco e Itaú. As alíquotas de importação de 498 bens de capital e 34 bens de informática e telecomunicações foram zeradas. A taxa de crédito imobiliário se aproxima do nível menor da história. A construção civil captou R$ 4,4 bilhões na Bolsa e prepara uma expansão marcante. Bilhões de dólares do exterior virão para revolucionar nossa infraestrutura ferroviária.

A Embraer saiu do prejuízo e lucrou R$ 26 milhões no segundo trimestre; a receita líquida cresceu 19%. Um site especializado mostra que o Brasil registrou uma queda de 22% nas mortes violentas no primeiro semestre do ano – e continua baixando. O INSS passou um pente-fino em benefícios suspeitos; cancelou 254 mil deles e poupou R$ 4,37 bilhões na brincadeira.

Fábricas de caminhões e implementos agrícolas agora só aceitam encomendas para entrega em 2021. Vem aí uma produção recorde de grãos – previstos 245,8 milhões de toneladas, 3,9 milhões a mais em relação à safra anterior. Estamos brilhando na produção de café, ovos e leite, este último com destaque para Minas Gerais. Novos mercados internacionais se abrem.

Movimentos como o MST – aqueles que estripavam vacas prenhes por motivos ideológicos – sumiram.

O Banco do Brasil anuncia lucro líquido de R$ 4,543 bilhões no terceiro trimestre, uma alta de 33,5% em relação ao mesmo período do ano passado. O famigerado risco país atingiu o menor nível desde 2013. Taxa Selic nos 5%. Inflação controlada. Em consequência, o desemprego começa a cair; devagar, mas vai.

Que bom, hein? Então, não contem nada disso pro Lula. É sacanagem.

Fernando Fabbrini.

            Realmente, nesse ponto o Lula pode ser inocente quanto a realidade do país. Se seus visitantes não colocavam a verdade, e se os canais de notícias veiculavam narrativas distorcidas, como ele poderia se atualizar? Justifica ter saído da cadeia com uma pseudo auréola na cabeça que se dissipou à primeira vaia ou hostilidade encontrada pelo caminho. Esperamos que este choque de realidade faça sua reconciliação com a verdade, que encontre caminhos saudáveis de fazer oposição e nunca incentivando agressividade, destrutividade e quebra-quebra por onde passar. Oremos para que o homem que um dia foi depositário das esperanças da nação, recupere ou crie um bom senso, longe das iniquidades e mais perto da coragem para modificar as coisas negativas que ele mesmo criou dentro do seu partido e da nação.


Publicado por Sióstio de Lapa em 29/11/2019 às 00h28
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
28/11/2019 07h13
GUERRA DE NARRATIVAS

            É fato observado por todos aqueles que possuem um olhar crítico sobre as narrativas dos fatos que acontecem ao nosso redor, que as principais redes de comunicação, a grande mídia, faz um ataque constante ao governo Bolsonaro. Deixa de noticiar os diversos pontos positivos do governo e dá um destaque exagerado aos pontos negativos, alguns deles baseados em fake news. Ignoram que este governo foi eleito pela massa crítica deste país, cansado da corrupção que infestou todos os níveis da administração pública, e cuja única voz que protestava contra isso, ao longo do tempo, dentro da casa que mais se envolvia com as estratégias da corrução, sem se deixar corromper, foi sempre a voz do Deputado Jair Bolsonaro. Portanto, o “milagre” da sua eleição, sem nenhum dos apoios que sempre elegiam os candidatos para manterem o status quo da corrupção, é explicado dessa forma.

            Fica claro também, que todas as forças que atuam agora na desestabilização do governo que mantém com firmeza o compromisso de campanha de não se envolver com as iniquidades do passado, são forças que deveriam ou devem estar comprometidas ainda com essas iniquidades. Entendam as empresas de comunicação que a massa pensante que elegeu o presidente Bolsonaro, continua pensando. Somos milhões neste país que torce pelo sucesso do governo, da recuperação de sua base administrativa honesta e competente. Não são falsas narrativas desconectadas da realidade que irão formar uma falsa opinião em nossa consciência. Pelo contrário, iremos evitar ter contato com tais empresas de comunicação que mostram uma afinidade tão grande com um passado de iniquidades. E isso deve ter reflexos financeiros.

            Nesse sentido, li uma notícia que pode ser falsa, mas que possui grande coerência e para confirma-la basta ouvir com atenção como vai ser noticiada os novos fatos que irão surgir. Vejamos a notícia, para nossa reflexão coletiva.

            Falando sério, o mundo dá voltas e, às vezes, não nos percebemos desse fato. Na semana passada, foi muito marcante a quantidade de coincidências ocorridas com relação ao momento político que vivemos. A saber. o filho de Carlos Slim, o mexicano mais rico do mundo, dono da Claro e co-proprietário do Grupo Globo de Comunicações, esteve no Rio de Janeiro e em Brasília. Em terras cariocas reuniu a direção do Grupo Globo e determinou que parassem de perseguir o governo Bolsonaro pois tal fato acarretaria na perda da concessão do canal de tv no próximo ano ou, em hipótese mais suave, no pagamento de um débito gigantesco que o grupo brasileiro tem com o governo federal em diversas áreas. O que o filho de Carlos Slim estava dizendo é que não está sua família disposta a desembolsar bilhões de reais para cobrir posições políticas brasileiras provocadas pelos ataques a Bolsonaro e seu governo. Imediatamente, e na noite seguinte, o Jornal Nacional começou a divulgar notícias positivas do governo federal, fato que surpreendeu a todos quantos prestam atenção no noticiário de todas as empresas atualmente em atividade. Após a visita ao Rio, Slim Júnior foi a Brasília e reuniu-se com Bolsonaro, - que não sorriu uma só vez, - e seus assessores, quando foi informado que Slim pai havia determinado ao grupo Globo o fim dos ataques. Bolsonaro ouviu e calado ficou. Logo após, os visitantes foram ao encontro do Rodrigo Maia e em reunião coletiva, na Câmara dos Deputados, em torno de uma grande mesa, onde estavam cerca de 16 pessoas, informou que tomara providências para que as relações do Grupo Globo com o poder federal seriam amanciadas e que, se não fosse atendido, cabeças rolariam não apenas na emissora de televisão mas, também em outras áreas do conglomerado do qual são sócios através de uma gigantesca introdução de capital ocorrida recentemente. Para finalizar, o Jornal Nacional está sob observação e seus editores sob vigilância. A conferir.

            Sim, vamos conferir. Continuaremos a ouvir os noticiários com visão crítica. Não queremos que sejam veiculadas somente noticias positivas e que deixem de lado as negativas. Queremos que a verdade seja veiculada da forma que os fatos se apresentem. Que deixem a formação de opinião sob nossa responsabilidade, pois como seres humanos capazes de pensar sem a interferência do estômago ou do egoísmo que degrada a justiça e ética social, temos este direito.


Publicado por Sióstio de Lapa em 28/11/2019 às 07h13
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
27/11/2019 08h46
AMOR ROMÂNTICO

            Sim, sou o Amor Romântico, filho do Amor Incondicional. Sei que muitos me confundem com meu pai, assim como diversos dos meus irmãos, como o Amor Materno, Amor Fraterno, Amor Filial, Amor Platônico, etc. Assim, tantas formas derivadas podem ser confundidos com ele!

            Sim, o meu pai, Amor Incondicional, é a maior força do universo, sinônimo do próprio Deus. Mas não se enganem pensando que sou tão fraco. Quando exerço a minha força em alguém, essa pessoa não tem tempo nem para pensar em Deus. Mas eu sei da minha subalternidade, das minhas limitações, pois o Amor Incondicional pode se expressar em qualquer ponto do universo, por qualquer pessoa, idade ou gênero; por qualquer coisa, qualquer aspecto da natureza, a partir da minha própria existência material e espiritual. Já comigo, para eu me expressar é necessário que tenha um parceiro que seja emissor da minha energia e outro que seja receptor, do mesmo sexo ou não, quer seja correspondido ou não.

            Agora, por que sou tão forte? Porque estou alicerçado na vida, promovo a perpetuação da espécie. Sou eu que faço possível a união do óvulo com o espermatozoide. A recompensa que dou a quem proporciona isso? O prazer do orgasmo, tal qual uma refeição que tem como entrada as carícias. É a operacionalização do instinto da preservação da espécie, uma força biológica que somente é superada pelo instinto da preservação da própria vida.

            Por esse motivo o meu potencial é tão forte, tenho raízes no egoísmo, toda essa energia está voltada para os meus interesses individuais. Posso dominar de tal forma a pessoa, que ela não fica um só instante sem sentir os meus efeitos e isso dá a ela um vigor excepcional, tanto biológico quanto psicológico. Posso interferir nas necessidades de sono, de alimentação... com o instinto de preservação da própria vida. Posso causar o suicídio!

            Eis o perigo! Sou tão belo, tão potente, tão construtivo, mas posso causar a destruição. Não posso ficar solto, causando os meus efeitos naquele que me possui ocasional e circunstancialmente. Sou uma energia efêmera, que atinge o clímax e tende ao desaparecimento ou persistir em bases mínimas. Tenho que ser domesticado desde o início da minha formação pelo meu pai, o Amor Incondicional. É ele que impede o surgimento de um sentimento negativo, a algema que tende a prender o outro ao nosso lado indefinidamente... o apego!

            O Amor Incondicional é quem vai desviar o foco da minha energia do Egoísmo para o Altruísmo. É ele quem vai mostrar a importância da pessoa que eu desejo, que eu devo amá-la da mesma forma que eu me amo. Não posso fazer a ela aquilo que não desejo para mim.

            Essa lição é tão importante que o Criador achou por bem enviar o Mestre Jesus, entre outros avatares na história da humanidade, para aprendermos o que é o Amor Incondicional, personalidade do próprio Criador.

            Hoje sei da minha importância na vida dos seres humanos, mas a grande maioria não sabe da minha importância e dos riscos que trago comigo. Não sabem da importância do meu pai e que não podem deixar eu crescer dentro deles sem o monitoramento do Amor Incondicional. São pessoas que navegam nessa vida sob os ventos do romantismo egoísta, sem saber os desastres que eu posso causar, ficando selvagem, sem subordinação. Fico triste quando isso acontece, pois não queria ser motivo de desastre, de ódio, ressentimento, vingança... quero crescer, sim, mas ao lado do meu pai, o Amor Incondicional, levando alegria, esperança, satisfação, colaborando com a felicidade de quem de mim se aproxima.

            Quero aprender a minha máxima lição: deixar a pessoa que amo nos braços afetivos de outra pessoa que ela tem maior interesse, sem perder a qualidade do que sou, o Amor Romântico.


Publicado por Sióstio de Lapa em 27/11/2019 às 08h46
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
26/11/2019 00h25
ME CURAR DE MIM – FLAIRA FERRO

            Interessante a composição da letra desta canção na inteligência e voz de Flaira Ferro que vale a pena ouvir e refletir.

Sou a maldade em crise/Tendo que reconhecer/As fraquezas de um lado/Que nem todo mundo vê

Fiz em mim uma faxina e/Encontrei no meu umbigo/O meu próprio inimigo/Que adoece na rotina

Eu quero me curar de mim/Quero me curar de mim/Quero me curar de mim

O ser humano é esquisito/Armadilha de si mesmo/Fala de amor bonito/E aponta o erro alheio

Vim ao mundo em um só corpo/Esse de um metro e sessenta/Devo a ele estar atenta/Não posso mudar o outro

Eu quero me curar de mim/Quero me curar de mim/Quero me curar de mim

Vou pequena e pianinho/Fazer minhas orações/Eu me rendo da vaidade/Que destrói as relações

Pra me encher do que importa/Preciso me esvaziar/Minhas feras encarar/Me reconhecer hipócrita

Sou má, sou mentirosa/Vaidosa e invejosa/Sou mesquinha, grão de areia/Boba e preconceituosa

Sou carente, amostrada/Dou sorrisos, sou corrupta/Malandra, fofoqueira/Moralista, interesseira

E dói, dói, dói me expor assim/Dói, dói, dói, despir-se assim

Mas se eu não tiver coragem/Pra enfrentar os meus defeitos/De que forma, de que jeito/Eu vou me curar de mim?

Se é que essa cura há de existir/Não sei. Só sei que a busco em mim/Só sei que a busco

            Muito boa a autocrítica, longe da influência do romantismo e mais próxima do Amor Incondicional, focando na própria pessoa, como ensina o Cristo: Amar ao próximo como a si mesmo.

            Reconhece dentro de si a maldade que se expressa na forma do Egoísmo que pode se transformar em rotina. Esses inimigos internos da nossa evolução espiritual estão bem disfarçados e que pouca gente percebe, na fala do Amor e na prática de acusações do erro alheio, sem conseguir mudar o outro.

            Surge a serenidade de descobrir esses erros internos de vaidade, moralismo, inveja, mesquinharia, maledicência, corrupção, hipocrisia, todos originados do Egoísmo... surge a coragem de enfrenta-los, fazer a faxina interna, a reforma íntima, esvaziar do que é negativo para preencher com o positivo.

            A perspectiva de que a cura dessa doença do Egoísmo que possuímos pode ser alcançada, é a esperança que nos é deixada.

            Muito bom!


Publicado por Sióstio de Lapa em 26/11/2019 às 00h25
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 13 de 590 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr