Meu Diário
09/05/2021 00h07
CRISTO E UNIVERSIDADE

            A Universidade tem a vocação institucional da busca do conhecimento em qualquer vertente que ele se apresente.

            Um dos conhecimentos mais significativos para a humanidade, foi aquele trazido por Jesus, que se dizia filho de Deus e comprovava isso com a produção de fenômenos que estavam acima da capacidade humana do seu tempo e até os dias atuais, conforme relatos aceitos majoritariamente pela maioria das pessoas que é informada.

            Ele explicava que veio ao mundo a pedido do Pai (Deus), assumir a personalidade do Cristo (Messias, Salvador) para ensinar a humanidade sobre o Amor, e a partir daí construir a família universal que seria a base para a construção do Reino de Deus, uma sociedade civil harmônica e sintonizada com a vontade de Deus. 

            A importância de sua vinda foi importante, a humanidade reconhece, pois dividiu o calendário em antes e depois do seu nascimento, nos fatos pré e pós Cristo.          

            Muitas teses, livros, religiões, foram desenvolvidas a partir dessas circunstâncias crísticas, que pretendem envolver o mundo e tornar realidade o Reino de Deus, a partir da Reforma Íntima feita por cada pessoa em seu próprio coração, tornando-se um cidadão do Reino de Deus, mesmo que esse reino não esteja ainda vigente na sociedade.

            A Universidade (UFRN) seguindo a sua vocação de procura do conhecimento e de sua aplicabilidade no meio social, procura a partir da disciplina opcional, “Medicina, Saúde e Espiritualidade (MSE)”, oferecida pelo Departamento de Medicina Clínica (DMC) do Centro de Ciências da Saúde (CCS), aprofundar o conhecimento da proposta da construção do Reino de Deus através de um projeto de extensão universitária, para verificar sua aplicabilidade no meio social, com a contribuição de várias fontes de saber que sintonizam com a proposta.

            Seguindo o parâmetro da construção de 12 fontes de recepção e irradiação do pensamento, adotado pelo Mestre nazareno, ao escolher 12 apóstolos para aprofundar e testemunhar a natureza dos seus ensinamentos, iremos adotar a mesma estratégia, convidando pessoas e/ou instituições que possam colaborar com a proposta.

            A disciplina MSE será a coordenadora do evento e a responsável pelos convites que inicialmente terá a seguinte composição se todos aceitarem:

            01 – Centro Dom Bosco (Apostolado leigo em defesa da fé)

            02 – Federação Espírita (Doutrina dos espíritos – Nova revelação)

            03 – Assembleia de Deus 

            04 – Santa Igreja Católica

            05 – Nova Acrópole – Filosofia

            06 – Associação Brasileira de Psiquiatria (Transtornos mentais, obsessões)

            07 – Justiça

            08 – Budismo

            09 – Poder Executivo Brasileiro – Ministra Damares

            10 – Forças Armadas Brasileiras

            11 – Poder Legislativo Brasileiro

            12 – Movimento Hare Krishna

            Serão desenvolvidos por cada participante 12 temas a cada quinzena. O primeiro e o segundo temas serão pré-determinados: 01. Que é o Reino de Deus; e 02. Quem são os construtores do Reino de Deus. Os 10 temas seguintes serão escolhidos pelo desenvolvimento do pensamento que irá sendo formatado contando com a participação de todos assistentes, registrados ou não, que se manifestam no chat.

            Após a apresentação de um tema por um dos convidados, os outros 11 da sala darão suas opiniões e os assistentes deixarão seus comentários no chat ou por outra forma de interação. Esses comentários serão recolhidos para avaliação e feedback daqueles que tragam melhor compreensão do tema ou tragam sugestões para os temas futuros.

            No caso de impedimento de algum convidado, este poderá indicar outro nome que conheça o sentido do evento e que tenha o perfil cognitivo de contribuir para a construção da ideia original.

            Os seminários serão conduzidos quinzenalmente, nas 2a. e 4a. quarta-feira de cada mês, a partir de junho de 2021, no horário de 19h30 as 22h00 com o seguinte formato:

            19h30 – Apresentação dos trabalhos

            20h00 – Tema do dia

            20h45 – Debate com os convidados

            21h45 – Conclusões

            22h00 – Encerramento

            Os 12 trabalhos temáticos serão desenvolvidos nos meses de junho, julho, agosto, setembro, outubro e novembro de 2021. A 2a. quarta feira do mês de dezembro será destinada ao trabalho final de alinhamento das diversas formas de pensamento para viabilizar a construção do Reino de Deus, da seguinte forma:

            19h30 – Números do evento, participantes, comunicações, sugestões, etc.

            20h00 – Percepção e encaminhamento de cada convidado (5min)

            21h00 – Encaminhamento geral do evento

            21h30 – Palavras finais de cada convidado

            22h00 - Encerramento


Publicado por Sióstio de Lapa em 09/05/2021 às 00h07
 
08/05/2021 00h01
DOM VIGANÒ (12) – CONCLUSÃO

            Continuação da íntegra do pronunciamento de Dom Viganò sobre a crise na Igreja, as heresias do Vaticano II e a “igreja paralela”. Esta arrasadora conferência dada por Dom Antônio Carlo Maria Viganò, Arcebispo e ex-Núncio Apostólico dos EUA (em 29 de outubro de 2020), na qual ele trata de modo dramático sobre a grande crise atual na Igreja e a terrível "máfia eclesiástica" que nos assola, denunciando a proliferação das heresias promovidas pelo Vaticano II, as profanações de toda sorte cometidas pelos próprios clérigos, os erros gritantes do Papa Francisco (que segundo ele teria sido eleito por influência da maçonaria) e a apostasia generalizada. Vejamos a íntegra desse pronunciamento e façamos nossas reflexões. O tema desta palestra é: como o Vaticano II serve à Nova Ordem Mundial.

10. CONCLUSÃO

A única maneira de vencer essa batalha é voltar a fazer o que a Igreja sempre fez e parar de fazer o que a anti-Igreja nos pede hoje, que é aquilo que a Igreja sempre condenou. Coloquemos mais uma vez Nosso Senhor Jesus Cristo no centro da vida da Igreja; e, antes disso, coloquemo-Lo de volta no centro da vida da nossa cidade, da nossa família, no centro de nós próprios. Devolvamos a coroa à Nossa Senhora, Maria Santíssima, Rainha e Mãe da Igreja.

Celebremos mais uma vez a tradicional liturgia sagrada com dignidade, e rezemos com as palavras dos santos, não com os circunlóquios dos modernistas e hereges. Vamos saborear mais uma vez os escritos dos Padres da Igreja e místicos, e rejeitar as obras impregnadas de modernismo e sentimentalismo imanente. Apoiemos com oração e ajudemos materialmente os muitos bons sacerdotes que permanecem fiéis à verdadeira Fé, e retiremos todo o apoio de quem tem compromisso com o mundo e suas mentiras.

E sobretudo – peço-o em nome de Deus! – Abandonemos esse complexo de inferioridade que os nossos adversários nos habituaram a aceitar; na guerra do Senhor eles não nos humilham (a não ser a humilhação pelos nossos pecados pessoais). Não! Eles humilham a Majestade de Deus e a Noiva imaculada do Cordeiro. A verdade que abraçamos não é nossa, mas de Deus! Permitir que se negue a Verdade ou aceitar que a Verdade conviva com as heresias e erros da anti-Igreja não é um ato de humildade, mas de covardia e fraqueza. Sejamos motivados pelo exemplo dos santos mártires macabeus, diante de um novo Antíoco que nos pede para sacrificar aos ídolos e abandonar ao Deus verdadeiro. Respondamos com as suas palavras, rezando ao Senhor: «Manda também agora, ó Soberano dos Céus, o teu bom Anjo adiante de nós, para dar a conhecer a força do teu Braço terrível e tremendo; para que os que blasfemam contra o teu povo santo, e que se encham de terror! “(2Mc 15,23).

Vou terminar esta palestra com uma memória pessoal. Quando eu era Núncio Apostólico na Nigéria, descobri uma tradição preciosa que surgiu na terrível guerra em Biafra e continua até hoje. Participei pessoalmente durante uma visita pastoral à Arquidiocese de Onitsha e me marcou profundamente. Chama-se rosário das crianças do bairro e consiste em reunir milhares de crianças (mesmo as mais pequenas) de cada cidade e bairro para rezar o Santo Rosário implorando a paz. Cada criança carrega nas mãos um pedaço de madeira, como um altar em miniatura, com a imagem de Nosso Senhor e uma vela acesa.

Nos dias que antecedem o dia 3 de novembro, convido todos vocês a participarem da Cruzada do Rosário, uma espécie de cerco a Jericó, mas não com sete trombetas feitas de chifres de carneiro e tocadas por padres, e sim com a Ave Maria dos pequeninos e inocentes para derrubar as paredes do deep state e da deep church.

Participemos, como os filhos do Rosário, dos filhos do bairro, implorando à Senhora vestida de Sol que se restaure o Reino de Nossa Senhora e nossa Mãe, e que se abrevie este eclipse que nos aflige.

Que Deus abençoe essas santas intenções.

Excelente o pensamento de Dom Viganò. Esclarece muita coisa que nós, leigos da Santa Igreja Católica, mas que por ela temos respeito e admiração, apesar dos erros que muitos eclesiásticos cometeram por suas fragilidades humanas.

Agora, parece que novos erros estão sendo praticados, dessa vez não contra as pessoas que estavam fora da Igreja e que pensavam diferentes e enfrentavam os calabouços e fogueiras. Mas agora são ataques contra os próprios membros que são perseguidos por não aceitarem as distorções dos ensinamentos do Cristo, construtor da verdadeira Igreja que hoje está sendo eclipsada. E, ironicamente, quem se coloca à postos para defender esses sagrados princípios do Cristo dentro da Santa Igreja, somos nós, leigos cristãos e muitos como eu, fora da Igreja por pensarmos de forma que a Igreja não aceita, como no meu caso, aceitar a doutrina do espíritos e todos seus ensinamentos cristãos, com uma pureza que me encanta.


Publicado por Sióstio de Lapa em 08/05/2021 às 00h01
 
07/05/2021 00h01
DOM VIGANÒ (11) – CAUSA E EFEITO

            Continuação da íntegra do pronunciamento de Dom Viganò sobre a crise na Igreja, as heresias do Vaticano II e a “igreja paralela”. Esta arrasadora conferência dada por Dom Antônio Carlo Maria Viganò, Arcebispo e ex-Núncio Apostólico dos EUA (em 29 de outubro de 2020), na qual ele trata de modo dramático sobre a grande crise atual na Igreja e a terrível "máfia eclesiástica" que nos assola, denunciando a proliferação das heresias promovidas pelo Vaticano II, as profanações de toda sorte cometidas pelos próprios clérigos, os erros gritantes do Papa Francisco (que segundo ele teria sido eleito por influência da maçonaria) e a apostasia generalizada. Vejamos a íntegra desse pronunciamento e façamos nossas reflexões. O tema desta palestra é: como o Vaticano II serve à Nova Ordem Mundial.

9. CAUSA E EFEITO

A filosofia nos ensina que algum efeito sempre corresponde a toda causa. Vimos que o que se fez com o Concílio teve o efeito desejado e deu forma concreta àquele momento antropologicamente decisivo que hoje conduz à apostasia da anti-Igreja e ao eclipse da verdadeira Igreja de Cristo. Portanto, devemos entender que se queremos anular os efeitos nocivos que vemos diante de nós, é necessário e indispensável eliminar os fatores que os originaram. Se esse é o nosso objetivo, é claro que aceitar – mesmo que apenas parcialmente – esses princípios revolucionários, isso tornaria os nossos esforços inúteis e contraproducentes. Portanto, devemos estabelecer claramente os objetivos que pretendemos alcançar, direcionando nossas ações a esses objetivos. Mas devemos também todos estar cientes de que nesta obra de restauração não há a menor exceção aos princípios, justamente porque se eles não forem bem estabelecidos, qualquer possibilidade de sucesso ficaria inviável.

Portanto, abandonemos de uma vez por todas as vãs distinções, deixemos de uma vez de supor que existam aspectos bons nesse Concílio, de tal modo que haja uma separação entre o desejo dos bispos que ali se reuniram e o que daí se sucedeu, ou entre a letra e "o espírito" do Vaticano II, ou que exista uma distinção entre o magistério ali apresentado e as práticas que vieram depois, ou ainda entre a hermenêutica da continuidade em oposição àquela da ruptura. A anti-Igreja tem justamente usado o rótulo de "Concílio ecumênico" para atribuir autoridade e força legal ao seu programa revolucionário, da mesma forma que Bergoglio chama de carta-encíclica ao seu manifesto político de fidelidade à Nova Ordem Mundial.

A astúcia do inimigo soube isolar a parte ainda sã da Igreja, que se divide entre ter que reconhecer a natureza subversiva dos documentos conciliares, sendo obrigada a excluí-los do corpus magisterial, e ter que negar a simples realidade, declarando-os apoliticamente ortodoxos, a fim de salvaguardar a infalibilidade do Magistério. O episódio das Dubia supôs uma humilhação para aqueles príncipes da Igreja, mas não pôde desfazer os nós doutrinários que foram dados a conhecer ao Romano Pontífice. 

Bergoglio não responde, justamente porque não quer negar ou confirmar os erros implícitos, correndo o risco de ser declarado herege e perder o pontificado: este é o mesmo método do Concílio, no qual a ambiguidade e o uso de terminologias imprecisas impedem a condenação do erro implicado. Mas qualquer jurista sabe bem que além da violação flagrante da lei, também é possível cometer um crime apoderando-se indevidamente da lei e usando-a para maus fins: Contra legem fit, quod in fraudem legis fit  (o que escapa à lei é contrário a ela).

A ambiguidade entre o que é dito e o que é praticado é uma estratégia comum de quem comete iniquidades e sabe que as está cometendo. O mesmo aconteceu aqui no Brasil no governo do PT. Pretensamente democrático, defensor dos pobres, aplicador da justiça, mostrou quando assumiu o poder todo seu potencial de maldade ampliando o nível de corrupção ao máximo, capaz de destruir a nação e deixando os cidadãos a mercê dos agentes totalitários, nacionais e internacionais. Mesmo apesar de denunciados, julgados e condenados com todos os direitos de defesa, permanecem com o seu diálogo ambíguo de defesa dos pobres e do planeta, discurso que sintoniza muito bem com o discurso do Papa Francisco que o recebeu no Vaticano com efusivas manifestações de respeito e consideração. Mas a Verdade, demora, mas sempre mostra quem está do lado de Deus ou não.


Publicado por Sióstio de Lapa em 07/05/2021 às 00h01
 
06/05/2021 00h01
DOM VIGANÒ (10) – FRATERNIDADE

            Continuação da íntegra do pronunciamento de Dom Viganò sobre a crise na Igreja, as heresias do Vaticano II e a “igreja paralela”. Esta arrasadora conferência dada por Dom Antônio Carlo Maria Viganò, Arcebispo e ex-Núncio Apostólico dos EUA (em 29 de outubro de 2020), na qual ele trata de modo dramático sobre a grande crise atual na Igreja e a terrível "máfia eclesiástica" que nos assola, denunciando a proliferação das heresias promovidas pelo Vaticano II, as profanações de toda sorte cometidas pelos próprios clérigos, os erros gritantes do Papa Francisco (que segundo ele teria sido eleito por influência da maçonaria) e a apostasia generalizada. Vejamos a íntegra desse pronunciamento e façamos nossas reflexões. O tema desta palestra é: como o Vaticano II serve à Nova Ordem Mundial.

8. FUNDAMENTO IDEOLÓGICO DE "FRATERNIDADE"

A questão da fraternidade, que é uma obsessão para Bergoglio, encontra sua primeira formulação em Nostra aetate e em Dignitatis humanae. A última encíclica, Fratelli tutti, é o manifesto dessa perspectiva maçônica em que o trilema liberdade, igualdade e fraternidade substitui o Evangelho em prol de uma unidade entre os homens que exclui Deus. Observe-se que o Documento sobre fraternidade humana, pela paz mundial e pela coexistência comum, assinado em Abu Dhabi em 4 de fevereiro do ano passado, foi orgulhosamente defendido por Bergoglio com as seguintes palavras: “Do ponto de vista católico, este documento não se afasta um milímetro do Concílio Vaticano II”.

O cardeal Miguel Ayuso Guichot, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, comenta em "La Civiltà Cattolica": O Concílio fez rachar gradualmente a barragem, que acabou rompendo. O rio do diálogo cresceu com as declarações de Nostra aetate,  sobre a relação da Igreja com os crentes de outras religiões, e a Dignitatis Humanae,  sobre a liberdade religiosa; temas e documentos que estão intimamente ligados entre si e permitiram a São João Paulo II dar vida a encontros como o Dia Mundial de Oração em Assis, em 27 de outubro de 1986, e que, vinte e cinco anos depois, Bento XVI faria ressuscitar na localidade que é o berço de São Francisco, no 'Dia de reflexão, diálogo e oração pela paz e justiça no mundo: Peregrinos da verdade, peregrinos da paz'. Portanto, o empenho da Igreja Católica no diálogo inter-religioso, que abre o caminho à paz e à fraternidade, faz parte da sua missão original e tem as suas raízes no Concílio.

Mais uma vez, o câncer do Concílio se confirma como a origem da metástase bergogliana. O fio condutor que liga o Concílio ao culto da Pachamama também permeia Assis, como meu irmão Athanasius Schneider acertadamente apontou em seu recente discurso.

Sobre a anti-Igreja, Monsenhor Fulton Sheen descreveu o Anticristo com as seguintes palavras: “Levando em consideração que sua religião será a fraternidade, mas sem a Paternidade de Deus, ele enganará os próprios eleitos”. Parece que estamos vendo a profecia do venerável Arcebispo americano cumprida diante de nossos olhos.

Não há nada de estranho, portanto, que a infame Grande Loja da Espanha, depois de felicitar calorosamente seu campeão elevado ao Trono, mais uma vez preste homenagem a Bergoglio com estas palavras: «O grande princípio desta escola iniciática não mudou em três séculos: a construção de uma fraternidade universal onde o homem se chame de irmão para além dos seus credos específicos, das suas ideologias, da cor da sua pele, da sua extração social, sua língua, sua cultura ou sua nacionalidade. Esse sonho fraterno colidiu com o fundamentalismo religioso que, no caso da Igreja Católica, gerou textos severos condenando a tolerância da Maçonaria no século XIX. [Já a última encíclica do Papa Francisco] mostra o quão longe a atual Igreja Católica está dessas suas posições anteriores [que não podem ser mudadas ao bel-prazer de nenhum Papa]. Em Fratelli tutti, o Papa abraça a fraternidade universal, o grande princípio da Maçonaria Moderna.»

O comentário do Grande Oriente da Itália segue a mesma linha: "Estes são os princípios que a Maçonaria sempre perseguiu e guardou para a elevação da humanidade".

Austen Invereigh, hagiógrafa de Bergoglio, confirma com satisfação essa interpretação, que um verdadeiro católico acharia no mínimo perturbadora[14]. Lembro que desde o século 19, nos documentos maçônicos da Alta Vendita, uma infiltração maçônica da Igreja já estava planejada: «Você também vai pegar amigos e levá-los aos pés da Sé Apostólica. Vais pregar a Revolução com a tiara e a capa magna, avançando sob a Cruz e os estandartes, numa revolução que não precisará de muita ajuda para incendiar o mundo.»

A infiltração com o nome de Fraternidade universal parece está bem avançada dentro da Igreja Católica, o bastião das lições do Cristo para se alcançar o Reino de Deus que Ele profetizou. Tanto no Reino de Deus quanto na Nova Ordem Mundial a fraternidade está sendo levada como bandeira, só que na primeira é obedecida a lei de Deus conforme a aceitação de nossa consciência pela filiação divina, enquanto na segunda é obedecida a lei mundana conforme o medo instalado em nossa consciência. Nunca havia pensado no papel que a Maçonaria estava desenvolvendo nesse processo. Tenho que fazer um estudo do caso, como agora estou fazendo do Concílio Vaticano II, do seu proponente e dos seguidores com diversas intenções. 


Publicado por Sióstio de Lapa em 06/05/2021 às 00h01
 
05/05/2021 00h01
DOM VIGANÒ (9) – SOCIEDADE E RELIGIÃO ABERTAS (2)

            Continuação da íntegra do pronunciamento de Dom Viganò sobre a crise na Igreja, as heresias do Vaticano II e a “igreja paralela”. Esta arrasadora conferência dada por Dom Antônio Carlo Maria Viganò, Arcebispo e ex-Núncio Apostólico dos EUA (em 29 de outubro de 2020), na qual ele trata de modo dramático sobre a grande crise atual na Igreja e a terrível "máfia eclesiástica" que nos assola, denunciando a proliferação das heresias promovidas pelo Vaticano II, as profanações de toda sorte cometidas pelos próprios clérigos, os erros gritantes do Papa Francisco (que segundo ele teria sido eleito por influência da maçonaria) e a apostasia generalizada. Vejamos a íntegra desse pronunciamento e façamos nossas reflexões. O tema desta palestra é: como o Vaticano II serve à Nova Ordem Mundial.

7. SOCIEDADE ABERTA E RELIGIÃO ABERTA

Sem perder de vista essa comunhão de intenções entre a Nova Ordem Mundial e a anti-Igreja, devemos ter em mente que o Pacto Global pela Educação, programa elaborado por Bergoglio com o objetivo de "gerar uma mudança em escala planetária para que a educação crie fraternidade, paz e justiça, uma necessidade ainda mais urgente nestes tempos marcados pela pandemia". Promovido em colaboração com as Nações Unidas, este "processo de formação na relação e na cultura do encontro encontra também espaço e valor na casa comum de todas as criaturas, desde as pessoas, visto que se formam na lógica de comunhão e solidariedade, trabalham já com vista a recuperar uma serena harmonia com a criação".

Como se vê, toda referência ideológica é sempre ao Concílio, porque justamente a partir desse momento a anti-Igreja colocou o homem no lugar de Deus, a criatura no lugar do Criador.

É evidente que o novo humanismo tem uma estrutura ambientalista e ecológica na qual se enxertam tanto a encíclica Laudato sii quanto a teologia verde, a Igreja com uma face amazônica do Sínodo dos Bispos de 2019, com sua adoração idólatra da Pachamama (Mãe-Terra) na presença do "sinédrio romano". A atitude da Igreja durante a cobiçada pandemia de covid-19 mostrou, por um lado, a submissão da Hierarquia aos ditames do Estado, violando assim a libertas Ecclesiae. que o Papa deveria ter defendido fortemente. Também revelou a negação de qualquer significado sobrenatural da pandemia, substituindo a justa cólera de Deus, ofendido pelos inúmeros pecados da humanidade e das nações, pela fúria mais perturbadora e destrutiva da Natureza, ofendida pela falta de respeito pelo meio Ambiente... 

Gostaria de enfatizar que atribuir uma identidade pessoal à natureza, praticamente dotando-a de intelecto e vontade, é o prelúdio da sua divinização. Já vimos um prelúdio sacrílego a isso sob a própria cúpula da Basílica de São Pedro.

O ponto principal é este: conforme a anti-Igreja se acomoda à ideologia dominante do mundo hoje, ela se envolve em cooperação genuína com representantes poderosos do estado profundo, começando com aqueles que preparam uma economia sustentável, como Jorge Mario Bergoglio, Bill Gates, Jeffrey Sachs, John Elkann e Gunter Pauli.

É importante lembrar que a economia sustentável tem repercussões na agricultura e no mundo do trabalho em geral. O deep state deve obter mão-de-obra de baixo custo por meio da imigração, o que contribui ao mesmo tempo para o desaparecimento da identidade religiosa, cultural e linguística dos países afetados. Por sua vez, a deep church fornece uma base ideológica e pseudoteológica para este plano de invasão, e ao mesmo tempo garante uma parte na lucrativa recepção. Podemos compreender a insistência de Bergoglio na questão dos imigrantes, reiterada também em Fratelli tutti: “Assim se espalha uma mentalidade xenófoba, de pessoas fechadas e fechadas sobre si mesmas” (nº 39) (...) “As migrações constituirão um elemento determinante do futuro do mundo” (nº 40). 

Bergoglio usa a expressão "elemento determinante", indicando que não é possível hipotetizar um futuro sem migração.

Deixe-me falar um pouco sobre a situação nos Estados Unidos às vésperas das suas eleições presidenciais. A Fratelli tutti dá a impressão de constituir um endosso do Vaticano ao candidato democrata, em clara oposição a Donald Trump, e aparece precisamente alguns dias depois de Francisco se recusar a conceder uma audiência em Roma ao secretário de Estado Mike Pompeo. Isso confirma de que lado estão os filhos da luz e quem são os filhos das trevas.

O Concílio Vaticano II colocou para dentro da fortaleza cristã um “Cavalo de Troia” iludido por sua grandiosidade e imponência estética, um reconhecimento pelos inimigos, do seu poder inquebrantável na guerra que estava em andamento.

Não é o “Cavalo” na forma de conceitos grandiosos e estéticos que foi colocado dentro da Santa Igreja que é o perigo. O perigo é que pessoas maliciosas, temerosas ou ignorantes, façam uso desses conceitos para desvirtuar a Santa Igreja na sua responsabilidade de converter o pensamento humano, dos interesses mundanos, egoístas e totalitários, para o pensamento divino, de construir uma sociedade baseada na família universal, construindo o Reino de Deus, sob a liderança do Cristo, e não uma sociedade controladora das liberdades individuais sob a regência daqueles que se opões ao Cristo, o Anticristo. 


Publicado por Sióstio de Lapa em 05/05/2021 às 00h01



Página 2 de 684 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr