Meu Diário
28/04/2020 00h27
PRIMEIRO CONCÍLIO ECUMÊNICO

            Este primeiro concílio, motivado e facilitado por Constantino, movido por projetos de natureza material, egoísta, sob influencia de espíritos negativos (com relação a evolução espiritual), foi quem fez o desvio da rota que o Cristo ensinou.

            Vejamos o que diz a Wikipédia sobre o assunto:

O Concílio I de Nicéia é o primeiro Concílio Ecumênico, que significa universal, já que dele participaram bispos de todas as regiões onde havia cristãos. Teve lugar quando a Igreja já tinha conseguido a paz estável e dispunha de liberdade para reunir-se abertamente. Aconteceu do 20 de maio ao 25 de julho de 325. Dele participaram alguns bispos que ainda tinham no seu corpo os sinais dos castigos que tinham sofrido por serem fiéis nas perseguições passadas, que eram recentes.

Para essas datas o imperador Constantino, que ainda não tinha sido batizado, facilitou a participação dos Bispos, colocando à sua disposição os serviços do exercito imperial para as viagens e os translados e ofereceu seu palácio em Nicéia de Bítinia, que estava perto da sua residência de Nicomédia. De fato, ele considerava que era oportuna essa reunião, pois no ano de 324, depois da vitória contra Licínio, tinha conseguido unificar o império, e desejava que a Igreja também estivesse unida. Nesses momentos ela estava sofrendo as consequências da pregação de Ario, um padre que negava a verdadeira divindade de Jesus Cristo. Desde o ano de 318 Ário enfrentava-se com seu bispo Alexandre de Alexandria, e fora excomungado no sínodo de todos os bispos do Egito.

 Ário fugira e estava em Nicomédia, junto ao bispo Eusébio, que era seu amigo. Entre os Padres Conciliares encontravam-se as figuras eclesiais de maior importância no momento. Estava Osio, Bispo de Córdoba, que, ao que parece, foi quem presidiu as sessões. Assistiram também Alexandre de Alexandria, ajudado pelo diácono Atanásio, Marcelo de Ancira, Macário de Jerusalém, Leôncio de Cesárea de Capadócia, Eustácio de Antioquia, e alguns presbíteros representantes do Bispo de Roma, que não pode estar presente devido à idade avançada.

Além de Ário, também participaram seus amigos Eusébio de Cesárea, Eusébio de Nicomedia e outros. Em total participaram ao redor de 300 bispos.

Os partidários de Ário tinham a simpatia do imperador Constantino, pensavam que depois de expor seus motivos a assembleia concordaria. Mas quando Eusébio de Nicomédia tomou a palavra para dizer que Jesus Cristo nada mais era do que uma criatura, ainda que excelsa e eminente, e que não era de natureza divina, a imensa maioria dos participantes percebeu que essa doutrina atraiçoava a fé que tinham recebido dos Apóstolos. Os Padres Conciliares, para evitar as consequências de uma confusão tão grave, decidiram redigir, baseados no Credo batismal da Igreja de Cesaréia, um símbolo de fé que fosse o reflexo, de forma sintética e clara, da confissão genuína da fé recebida e admitida pelos cristãos desde as origens. Nele consta que Jesus Cristo é "da substância do Pai, Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado e não criado, homoousios tou Patrou (consubstancial ao Pai)". Todos os Padres Conciliares, menos os dois Bispos, no dia 19 de junho de 325, autenticaram esse Credo, que é o Símbolo de Niceno.

Além desta questão fundamental, em Nicéia fixou-se a celebração da Páscoa no primeiro domingo depois da primeira lua cheia da primavera, seguindo a práxis habitual na Igreja de Roma e em outras. Também foram tratadas algumas questões disciplinares de menor importância, pois eram referentes ao funcionamento interno da Igreja.

Quanto ao tema que era de maior importância, a crise ariana, depois de um tempo Eusébio de Nicomédia, com ajuda de Constantino, conseguiu voltar à sua diocese, e foi o próprio imperador quem ordenou ao Bispo de Constantinopla que admitisse Ário na comunhão. Entretanto, após a morte de Alexandre, Atanásio fora nomeado Bispo de Alexandria. Foi uma das maiores figuras da Igreja do séc. IV, pois soube defender a fé de Nicéia com grande altura intelectual e esse foi o motivo pelo qual o imperador o exilou.

O historiador Eusébio de Cesaréia, que simpatizava com as teses arianas, exagera nos seus escritos ao falar sobre a influência de Constantino no Concílio de Nicéia.

Se somente existisse essa fonte, seria possível pensar que o Imperador, além de pronunciar as palavras de abertura no começo das sessões, teve um protagonismo ao tentar reconciliar os adversários e restaurar a concórdia, impondo suas opiniões nas questões doutrinais por cima dos bispos que participaram do Concílio. Trata-se de uma versão parcial da realidade. Tendo em conta todas as fontes sabe-se que Constantino, com certeza, propiciou da realização do Concílio de Nicéia e teve influência dando todo seu apoio. Porém, o estudo dos documentos mostra que o imperador não influenciou na formulação de fé que foi feita no Credo, já que não tinha capacidade teológica para dominar as questões que ali estavam sendo debatidas, e sobretudo porque as fórmulas que foram aprovadas não coincidem com suas inclinações pessoais que eram na linha ariana, isto é, considerar que Jesus Cristo não é Deus, mas uma criatura excelsa.

BIBLIOGRAFIA

GRILLMEIER, Alois. Cristo en la tradición cristiana: desde el tiempo apostólico hasta el concilio de Calcedonia (451), Sígueme, Salamanca 1997.

PAREDES, Javier (ed.) et al. Diccionario de los Papas y concilios, Ariel, Barcelona 1998.

            Colocando-me dentro desse Concílio como uma das pessoas em condições de refletir e decidir pela questão, sinto-me mais inclinado a seguir a opinião do padre Ário. Não posso compreender Jesus como a mesma identidade de Deus, pelo próprio comportamento de Jesus. Se ele fosse o próprio Deus, por que seria necessário ele orar com tanta frequência ao Pai? Por que sempre dizia que foi o Pai que o enviou? Que repreendia o “pai adotivo” quando dizia que estava no Templo cuidando dos interesses do seu Pai? Tudo isso indica que Jesus não era consubstanciado com Deus, mas um ente excelso, bastante evoluído espiritualmente, que estava aqui cumprindo uma missão determinada por ente mais superior. A maioria dos padres formaram suas opiniões, seguindo as informações dadas pelos apóstolos que não tinham uma boa compreensão de quem era Jesus. Mostra isso a pergunta que o próprio Jesus fez para eles: quem vocês acham que sou? Somente Pedro se aproximou da resposta correta: tú és o Messias, filho de Deus. Jesus aprovou e disse que ele havia sido intuído para responder corretamente.

            São essas informações que fazem eu pensar assim, de forma racional. Os padres participantes do I Concílio de Niceia, absorveram as informações apostólicas com a fé exclusiva. Porém, isso não é o mais importante, e sim as lições que o Mestre deixou, sendo ele o Filho de Deus mais evoluído entre nós ou o próprio Deus. Se todos os padres presentes no Concílio tivessem seguindo essas lições e não se deixassem envolver pelo orgulho ou vaidade, certamente uma solução conciliatória mais apropriada teria sido encontrada, como pretendia o imperador Constantino. Por exemplo, deixar as duas formas de compreender a situação dentro de uma forma de receptáculo divino, onde cada padre podia acessar sem condenação, aceitando que nossa sabedoria é insuficiente para encontrar a verdade definitiva. O importante seria o cumprimento honesto das lições de Jesus, construir a família universal e, consequentemente, o Reino de Deus. 


Publicado por Sióstio de Lapa em 28/04/2020 às 00h27
 
27/04/2020 00h25
ÉDITO DE MILÃO

            O Édito de Milão foi o documento que tirou o cristianismo da clandestinidade, da perseguição, mas ao mesmo tempo abriu as condições para o colocar num desvio de meta que até hoje se perpetua. As lições do Cristo, de humildade e amor, foram substituídas pelo orgulho e egoísmo. Vejamos o que traz a Wikipédia sobre o assunto:

Em 303, o imperador Diocleciano decretou aquilo que veio a se nominar como A Grande Perseguição com o intuito de restaurar a unidade estatal, que, segundo o próprio, estava ameaçada pelo cristianismo.

A grande perseguição acabou se tornando entretenimento para a sociedade romana da época, onde os perseguidos, em especial cristãos, eram jogados aos leões e ursos em arenas ou obrigados a lutar contra gladiadores, em um costume que começou séculos antes com o imperador Nero em 64. Além disso, Diocleciano ordenou que fossem demolidas todas as igrejas cristãs, queimadas as cópias da Bíblia, as autoridades eclesiásticas levadas à morte, cristãos privados dos cargos públicos e direitos civis, teriam que fazer sacrifícios aos deuses pagãos sob pena de morte, entre outros encargos.

Diocleciano se aposentou em 305 deixando vago o cargo de imperador. Entre os postulantes ao cargo, estava Constantino, à época com 25 anos. Antes de se tornar imperador do Ocidente, Constantino casou-se com Fausta, filha do imperador Maximiano e irmã de Magêncio, com quem travaria a batalha pelo poder, vencendo-o em 312 Foi nesta batalha que Constantino teria tido a visão do símbolo Chi Rho junto à inscrição latina In hoc signo vinces (“Com este sinal vencerás"), tendo-o gravado nos escudos dos soldados e, no dia seguinte, sagrando-se vencedor da batalha junto a Magêncio.

Em janeiro de 313, Constantino saiu de Roma com destino a Milão para presenciar o casamento de sua irmã com Licínio. Em março do mesmo ano, o Édito de Milão foi redigido e postado, em forma de carta endereçada ao governador da Bitínia, por Licínio em sua ida a Nicomédia, em 13 de junho de 313. A expressão Édito de Milão, pelo qual ficou conhecido tal documento, teria surgido apenas no século XVII.

Nós, Constantino e Licínio, imperadores, encontrando-nos em Milão para conferenciar a respeito do bem e da segurança do império, decidimos que, entre tantas coisas benéficas à comunidade, o culto divino deve ser a nossa primeira e principal preocupação. Pareceu-nos justo que todos, os cristãos inclusive, gozem da liberdade de seguir o culto e a religião de sua preferência. Assim qualquer divindade que no céu mora ser-nos-á propícia a nós e a todos nossos súbditos.

Decretamos, portanto, que, não obstante a existência de anteriores instruções relativas aos cristãos, os que optarem pela religião de Cristo sejam autorizados a abraçá-la sem estorvo ou empecilho, e que ninguém absolutamente os impeça ou moleste... Observai, outrossim, que também todos os demais terão garantia a livre e irrestrita prática de suas respectivas religiões, pois está de acordo com a estrutura estatal e com a paz vigente que asseguremos a cada cidadão a liberdade de culto segundo sua consciência e eleição; não pretendemos negar a consideração que merecem as religiões e seus adeptos. Outrossim, com referência aos cristãos, ampliando normas estabelecidas já sobre os lugares de seus cultos, é-nos grato ordenar, pela presente, que todos os que compraram esses locais os restituam aos cristãos sem qualquer pretensão a pagamento... [as igrejas recebidas como donativo e os demais que antigamente pertenciam aos cristãos deviam ser devolvidos. Os proprietários, porém, podiam requerer compensação.]

Use-se da máxima diligência no cumprimento das ordenanças a favor dos cristãos e obedeça-se a esta lei com presteza, para se possibilitar a realização de nosso propósito de instaurar a tranquilidade pública. Assim continue o favor divino, já experimentado em empreendimentos momentosíssimos, outorgando-nos o sucesso, garantia do bem comum.

O Édito de Milão ou Mediolano (em latim: Edictum mediolanense) promulgado em 13 de junho de 313 foi um documento proclamatório para no qual se determina que o Império Romano seria neutro em relação ao credo religioso, acabando oficialmente com toda perseguição sancionada oficialmente, especialmente aos cristãos. Tal documento, publicado em forma de carta, transcreveu o acordo entre os tetrarcas Constantino (imperador do Ocidente) e Licínio (imperador do Oriente).

Além da liberdade religiosa, a aplicação do Édito fez devolver os lugares de culto e as propriedades que tinham sido confiscadas aos cristãos e vendidas em hasta pública: "o mesmo será devolvido aos cristãos sem pagamento de qualquer indenização e sem qualquer fraude ou decepção". Deu ao cristianismo, e a todas as outras religiões, o estatuto de legitimidade (latim: religio licita), comparável com o paganismo e com efeito destituiu o paganismo como religião oficial do Império Romano e dos seus exércitos.

Anos depois, na tentativa de consolidar a totalidade do Império Romano sob o seu domínio, Licínio em breve marchou contra Constantino. Como parte do seu esforço de ganhar a lealdade do seu exército, Licínio dispensou o exército e o serviço civil da política de tolerância do Édito de Milão, permitindo-lhes a expulsão dos cristãos. Os cristãos perderam consequentemente propriedades e muitos a vida.

Por volta de 324, Constantino ganhou o domínio de todo o Império, após derrotar Licínio em Adrianópolis e Crisópolis (atual Turquia) e ordenar sua execução por traição.

            Foi assim que o cristianismo deixou a clandestinidade, por ato oficial como deveria ser. Até aí não havia contaminação dos ensinos espirituais do Cristo pelos valores materiais associados ao egoísmo, á conquista e manutenção do poder. Mas, o próximo passo de Constantino irá trazer preocupação cada vez maior a espiritualidade superior, pois denota o desvio da programação reencarnatória do imperador.


Publicado por Sióstio de Lapa em 27/04/2020 às 00h25
 
26/04/2020 00h24
ARCO DE CONSTANTINO

     Da mesma forma que Constantino esqueceu seu compromisso reencarnatório e procurou envolver as lições do Evangelho nos seus projetos pessoais de manutenção do poder, a quase totalidade da massa humana em qualquer agrupamento social, iremos ver essas mesma características individualistas ao nosso redor, em qualquer localidade, até mesmo dentro do clero.

Vejamos o que dizia o senado por ocasião da vitória e sua entrada triunfal em Roma:

Inscrição na parte sul do Arco de Constantino

Constantino recebia de presente em memória à sua vitória um Arco triunfal dedicado pelo senado que fora oficialmente aberto em 25 de julho de 315, com cerimônias que envolveram sacrifícios a Apolo, Diana, Hércules, etc. Localizava-se entre o Palatino e o Célio, sobre a chamada Via Triunfal. Ele estava cuidadosamente posicionado de modo a alinhá-lo com a estátua colossal do Sol construída por Nero (r. 54–68) e situada no Coliseu. Dentre os relevos contidos no monumento há imagens representando a deusa Vitória, ao mesmo tempo que não há quaisquer elementos da imagética cristã, embora isso possa ser um ato deliberado do senado, que era pagão. Nele ainda há uma inscrição, exposta nos lados norte e sul, na qual associa-se a vitória à intervenção divina:

imp · caes · fl · constantino · maximo · p · f · avgusto · s · p · q · r · qvod · instinctv · divinitatis · mentis · magnitvdine · cvm · exercitv · svo · tam · de · tyranno · qvam · de · omni · eivs · factione · vno · tempore · ivstis · rempvblicam · vltvs · est · armis · arcvm · trivmphis · insignem · dicavit

Ao imperador César Flávio Constantino, o maior, pio, [e] afortunado, o Senado e povo de Roma, por inspiração [de uma] divindade e sua própria grande mente com seus justos exércitos [derrotou] o tirano e sua facção numa batalha legítima [e] vingou a república, dedicou este arco como um memorial para sua vitória militar.

            Observamos que há todo um clima de respeito e aceitação pela vitória, inclusive com uma participação divina, mas ligadas aos deuses pagãos, muito longe do cristianismo. Constantino coloca o cristianismo em destaque visando o fortalecimento do seu poder, desde a batalha realizada e vitoriosa. O compromisso reencarnatório de melhorar a situação dos cristãos e a divulgação do Evangelho, foi feita de forma distorcida cujos efeitos se estendem até os dias de hoje.

            Por outro lado, Constantino ao voltar ao mundo espiritual, cheio de erros de conduta, inclusive como autor da morte do filho e da esposa, justamente pelo extremo apego ao poder que desenvolveu. Este foi o “calcanhar de Aquiles” de Constantino, o Poder.

            Essa é a nossa problemática reencarnatória. Mesmo saindo do mundo espiritual para o material, com programa a ser cumprido e disso tendo bastante consciência, uma vez dentro do corpo biológico, esquecido dos compromissos espirituais, passa a prevalecer os valores materiais bem caracterizados pelos sete pecados capitais (ira, luxúria, preguiça, gula, inveja, vaidade, orgulho). No caso de Constantino, foi desviado pelo orgulho e vaidade, associados do poder. No meu caso, a preguiça em primeiro lugar, a gula em segundo. Meu espírito tenta combater esses dois gigantes na arena mental, mas, confesso, as derrotas são mais constantes que as vitórias. Não posso criticar Constantino, pois não estou muito distante dele, no sentido de desvio dos compromissos espirituais. No meu caso talvez o caso seja mais grave, pois eu tenho a consciência espiritual que ele não tinha.  


Publicado por Sióstio de Lapa em 26/04/2020 às 00h24
 
25/04/2020 00h24
CONSTANTINO VITORIOSO

    Devido Constantino ser uma personalidade famosa e importante para a expansão do cristianismo, é interessante vermos como se manifesta a sua personalidade dentro dos louros da vitória, tal como é expressa na Wikipédia:
Constantino entrou em Roma em 29 de outubro de 312. Ele encenou um grande advento (cerimônia de chegada) na cidade e deparou-se com grande júbilo popular. O corpo de Magêncio foi fisgado do Tibre e decapitado e sua cabeça foi exibida através das ruas para todos verem. Após as cerimônias, a cabeça decepada de Magêncio foi enviada para Cartago, o que teria encerrado a resistência a seu domínio, já que a África Proconsular pertencia aos territórios do falecido. As descrições da entrada de Constantino em Roma omitem qualquer menção dele concluindo sua procissão no Templo de Júpiter Capitolino, onde sacrifícios eram geralmente realizados. Apesar disso, esse silêncio não é encarado como prova de que ele já fosse cristão naquele momento, sendo muito mais um mero emprego para mostrar as sensibilidades cristãs do monarca. Constantino, por sua vez, decidiu visitar a Cúria senatorial, onde prometeu restaurar seus privilégios ancestrais e deu-lhe um papel seguro em sua reforma do governo: não haveria perseguição aos apoiantes de Magêncio. Em resposta, o senado decretou-o "título do primeiro nome", que significa que seu nome seria listado primeiro em todos os documentos oficiais, e aclamou-o como "o maior Augusto". Ele emitiu decretos retornando propriedades confiscadas, reconvocando exilados políticos e libertando oponentes políticos presos.
Sua vitória resultou em sua ascensão ao título de Augusto Ocidental, ou soberano de toda porção ocidental do Império Romano, reconhecida por Licínio, único Augusto Oriental após a morte de Maximino Daia (r. 305–313), no ano seguinte. Magêncio foi condenado ao damnatio memoriae, com toda sua legislação sendo invalidada e Constantino usurpando todos os seus consideráveis projetos de construção, incluindo o Templo de Rômulo (que fora dedicado ao filho do falecido, Valério Rômulo) e a Basílica de Magêncio. Os mais fortes apoiantes de Magêncio no exército foram neutralizados quando a II Legião Parta foi removida de Alba Longa e o restante do exército de Magêncio foi enviado para cumprir dever na fronteira do rio Reno. Além disso, a guarda pretoriana e a cavalaria imperial (equites singulares), ambas instituídas pelo reinado de Augusto (r. 27 a.C.–14 d.C.) foram debandadas. Elas seriam substituídas por um corpo de tropas de elite ligadas à pessoa do imperador, as escolas palatinas, que, a partir daí, seriam o núcleo do sistema militar romano, enquanto os velhos corpos de tropa territoriais eram negligenciados. A quase totalidade das forças militares móveis estava agora à disposição imediata do imperador — com exceção de certas unidades territoriais que eram equiparadas às forças móveis e chamadas pseudocomitatenses — concentradas em áreas urbanas onde pudessem ser mantidas abastecidas dos suprimentos que eram agora a maior parte do soldo militar.
    Podemos observar que Constantino recebeu instruções para conseguir a vitória na batalha, que favorecia os interesses da espiritualidade superior. No entanto, a personalidade do imperador estava mais associada aos interesses materiais, de busca, conquista e manutenção do poder, do que a construção do Reino de Deus como o Cristo advogava. Possuía sérias imperfeições morais, mesmo assim foi útil ao projeto de evolução da humanidade e planetária, com a disseminação do Evangelho. Isso nos leva a pensar que essa estratégia dos espíritos superiores, de usar espíritos imperfeitos para a construção do Reino de Deus, traz esperanças para nós, espíritos imperfeitos, de colaborar no grande alicerce do Bem.

 


Publicado por Sióstio de Lapa em 25/04/2020 às 00h24
 
24/04/2020 00h22
VISÃO DE CONSTANTINO

            O mundo espiritual sempre está atento e pronto para ajudar as pessoas que desejam contribuir com as forças do Bem. Da mesma forma acontece com a forças do Mal. O que faz a diferenciação é a nossa forma de pensar, de usar o livre arbítrio.

            Constantino era um espírito cuja reencarnação estava previsto a sua colaboração nas forcas do Bem, de contribuir para a expansão do Cristianismo. Foi auxiliado, como este texto que reproduzo da Wikipédia, mas também foi obcecado por forças malignas que não queriam que a pureza do Evangelho fosse divulgada.

Segundo Lactâncio, Constantino foi visitado em sonho na noite anterior à batalha, no qual foi aconselhado a "marcar o sinal divino de Deus nos escudos de seus soldados". Ele seguiu as ordens recebidas e marcou os escudos com um sinal "denotando Cristo". Lactâncio descreve o sinal como um "estaurograma" ou cruz latina com sua extremidade superior arredondada em "P".

Eusébio de Cesareia, por sua vez, faz dois relatos da batalha. No primeiro, extraído da História Eclesiástica, ele afirma que Deus teria ajudado Constantino, mas não menciona qualquer visão. Na posterior Vida de Constantino ele faz menção à visão e alega ter ouvido a história do próprio imperador. Segundo este relato, Constantino estava marchando com seu exército ao meio-dia (não é descrito a localização exata, mas é certo que fora antes da batalha) quando avistou nos céus um troféu da cruz aparecendo da luz do sol, portando a mensagem grega "Εν Τούτῳ Νίκα" (En toutō níka), costumeiramente traduzida para o latim como In Hoc Signo Vinces (Neste sinal vencerás). De início ele não teria entendido com clareza a aparição, mas na noite seguinte foi visitado em sonho por Cristo que lhe explicou que ele deveria usar aquele sinal contra seus inimigos.

Eusébio então descreve o sinal como Qui (Χ) atravessado por Rô (Ρ) ou , um símbolo representando as primeiras duas letras da grafia grega da palavra Cristo (Christos). A descrição eusebiana da visão tem sido explicada como um "halo solar", um fenômeno meteorológico que pode produzir efeitos similares. Em 315, um medalhão foi emitido em Ticino mostrando Constantino trajando um elmo brasonado com o Qui-Rô, e moedas emitidas em Síscia em 317/318 repetem a imagem. A figura era de outra forma rara e é incomum na iconografia e propaganda imperial antes dos anos 320.[28]

O monograma é símbolo dos primeiros cristãos e consiste de um composto das supra citadas letras gregas.

Eusébio de Cesareia também nos descreve o Lábaro, o padrão militar histórico usado por Constantino em guerras mais tarde, contra Licínio, mostrando o sinal da (X) Chi e (P) Rho.

Também foi utilizado como lema da monarquia portuguesa. Segundo a lenda, o rei Afonso I de Portugal viu o signo, o símbolo heráldico de Portugal na Batalha de Ourique, adotando-o como símbolo nacional e como lema por consequência. Esta lenda se conta em "Os Lusíadas" de Luís de Camões.

A frase é o lema no brasão de armas mostrado por Jan III Sobieski e outros membros da linhagem de Sobieski, é também o brasão de armas da nobre irlandesa dinastia O'Donnell de Tyrconnell, está no brasão de armas da Nobre Casa de Vassallo, família descendente dos condes do Império Bizantino. Também está no brasão de armas da cidade de Birkirkara, a maior cidade da ilha de Malta, e da cidade de Bayamon, Porto Rico. A frase também aparece no "brasão" da Pall Mall Cigarros, em conjunto com "per aspera ad astra", significando uma frase latina "Para as estrelas através das dificuldades" ou "Por meio de dificuldades para as estrelas."

A frase também está grafada nas moedas de prata brasileiras do Império do Brasil, ditas do 1º e 2º tipo do 3º sistema monetário, com os valores de 200, 500, 1000 e 2000 Réis.

            Esta é uma prova das influências espirituais benéficas que atuam sobre nós e que podemos aproveitar de forma direta ou indireta.


Publicado por Sióstio de Lapa em 24/04/2020 às 00h22



Página 21 de 628 « 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr