Meu Diário
22/03/2020 00h21
CRISTÃO E CRISTÓLATRA

            Mais uma vez encontro uma contribuição interessante do Dalton Campos Roque em seu site Consciencial, um tipo de ping-pong envolvendo a compreensão que fazemos do Cristo, que merece nossa reflexão.

DIFERENÇAS ENTRE O CRISTÃO E O CRISTÓLATRA

Autor: Dalton Campos Roque - www.consciencial.org

O cristólatra adora Cristo; O cristão entende Cristo.

O cristólatra prega Cristo; O cristão vivencia seus postulados.

O cristólatra considera outras linhas más, ruins ou inimigas; O cristão compreende e aceita outras ideologias.

O cristólatra se limita na Bíblia; O cristão se amplia fora dela.

O cristólatra interpreta literalmente ou contextualmente a Bíblia conforme a conveniência facciosa de sua fé em relação a passagem bíblica; O cristão interpreta a Bíblia através de uma cultura ampla e uma visão integral muito além das religiões.

O cristólatra leva Cristo na língua; O cristão leva nas atitudes. 

O cristólatra se indigna e se ofende; O cristão compreende e perdoa serenamente.

O cristólatra crê que Cristo perdoa; O cristão sabe que Cristo não perdoa porque não se ofende.

O cristólatra é um soldado de Cristo; O cristão é um agente da paz.

O cristólatra faz marketing e propaganda de Cristo; O cristão vivencia sua doutrina em silêncio sereno.

O cristólatra quer mudar o mundo; O cristão quer mudar somente a si.

O cristólatra é religioso; O cristão é a favor do bem.

O cristólatra incentiva a separação doutrinária; O cristão nutre a união na diversidade.

O cristólatra crê que sua religião é absoluta e infalível; O cristão sabe que infalível só os conceitos e que todos os homens são incautos.

O cristólatra é guerreiro; O cristão é um proativo pacífico.

O cristólatra coloca sua religião acima do bem; O cristão sabe que o bem está acima de tudo, inclusive das religiões e doutrinas.

O cristólatra se encontra com outros cristólatras; O cristão se encontra com Deus.

O cristólatra é faccioso e grupuscular; O cristão é universalista e despreconceituoso.

O cristólatra crê em demônios; O cristão sabe que os únicos demônios são o medo, o preconceito e a ignorância humanos.

O cristólatra tem medo que as ciências derrubem suas crenças; O cristão sabe que a ciência isenta pode inclusive confirmá-las.

O cristólatra acredita que Deus e Cristo estão em seus cultos e templos; O cristão sabe encontrá-los no recanto discreto e solitário de seu coração.

O cristólatra é moralista, purista, piegas e dramático; O cristão compreende as falhas, limitações, erros e momento humanos.

O cristólatra possui fé irracional absolutista (dogmas); O cristão possui fé raciocinada relativista.

O cristólatra guarda um ódio franco ou dissimulado de outras religiões; O cristão sabe que seja o Budismo, o Espiritismo, a Umbanda, etc, todos são caminhos que levam a Deus.

            Este pensamento do Dalton serve para ajustar nosso próprio pensamento enquanto cristão que procuramos ser. Que possamos fazer nossos ajustes.


Publicado por Sióstio de Lapa em 22/03/2020 às 00h21
 
21/03/2020 00h20
DROGAS, LEGALIZAÇÃO E VAMPIRIZAÇÃO

   Mais uma vez o site conscienciologia traz assunto interessante para nossas reflexões, mesmo porque traz um tema que termina sendo um câncer social: as drogas. Vejamos o que é dito pelo espírito Ramatis, que sempre está a nos instruir quanto a nossa forma de proceder. 

RAMATÍS FALA DA LEGALIZAÇÃO DAS DROGAS E OS PROCESSOS DE VAMPIRIZAÇÃO.

(Extraído do livro A Derradeira Chamada pelos Espíritos Ramatís, Hamod, Akhenaton, Nicanor e Ashtar Sheran - psicografia do médium Sávio Mendonça)

Existe totalmente um amplo movimento de inteligência das Trevas para expandir ainda mais o consumo de drogas no planeta, pois sabem elas que com essa prática a vontade das pessoas enfraquece e isso representa portas abertas para a influência e domínio de mentes astrais viciadas que se acoplam em processos obsessivos e degradados. Assim, encarnados e desencarnados viciados se tornam presas fáceis de inteligência astral mal-intencionada para dominar suas mentes e realizar transfusão energética, ou vampirismo de bioplasma e ectoplasma - elemento indispensáveis ao Astral inferior para que se realizem intentos diversos, sobre tudo para potencializar a força e influencia mental deles sobre o mundo material, além de lhes permitir satisfazer prazeres menos dignos.

Essa luta entre o bem e o mal tem sido dolorosa, e o mal tem conseguido algumas vitórias, graças a sintonia que obtém com encarnados revoltados e indisciplinados. Muitos políticos, artistas, dirigentes públicos e empresários são consumidores de drogas diversas (de maconha a cocaína, passando por ecstasy, heroína e até crack), dando mau exemplo, além de tornarem-se vítimas conscientes ou inconscientes de planos diabólicos de domínio da Terta. Até dirigentes de países estão mobilizados a disseminar e legalizar o uso da maconha, sob o argumento de minimizar a violência do tráfico despreocupado que estão com o desastre emocional e o enfraquecimento das mentes de jovens que consumirão as drogas em ritmo crescente, além de institucionalizar a implantação de sistema agrícolas de espécie entorpecentes e de agroindústrias bem estruturadas para produzirem em larga escala e atenderem a consumo crescentes dessas drogas.

Muitos dirigentes nacionais e pessoas ligadas ao poder público de certos países estão de fato interessados nas altas somas de dinheiro que ganharão ou que ganham com essa atividade (na concepção de alguns, sorrateiramente e sob influência de almas do Astral inferior, essa atividade é ou virar a ser uma das tábuas de salvação para suas fracas economias nacionais). Vários políticos e governantes, ao fazerem apologia ou políticas de liberação de uso de drogas sob um pseudocontrole, não se dão conta de que, com as facilidades legais, haverá maior consumo, que exigirar um sistema produtivo mais organizado e ampliado para atender a demanda cada vez mais crescentes, qual já ocorre com a produção e o consumo de bebidas alcoólicas, que se ampliam a cada dia. A Era de Aquário não permitirá esse tipo de ideias e práticas que, certamente, serão levadas ou queimadas pela força da natureza, em futuro não distante.

Ramatís!

            Este é mais um problema para a nossa humanidade atual. O consumo de drogas que deixa alienada o nossa juventude, compromete nosso futuro. Isolar os efeitos terapêuticos de quaisquer fontes deve fazer busca de nossa busca enquanto ciência, mas defender o consumo livre das drogas é muito temerário, mesmo que isso cause prejuízos aos traficantes. A educação, a evangelização, trazem resultados mais positivos e nos coloca no ritmo evolutivo em direção a Deus. Como fazer isso de modo eficaz num mundo tão corrompido pelos valores materiais, antiéticos?


Publicado por Sióstio de Lapa em 21/03/2020 às 00h20
 
20/03/2020 00h19
CARNE OU VEGETAIS

           O consumo de alimentos é de interesse para todos. Afinal, existe uma teoria que defende que somos o que ingerimos. É um tanto radical, mas talvez traga um fundo de verdade. Encontrei no site da conscienciologia um texto que remete a essa discussão que trago aqui para nossa reflexão.

Você não precisa comer carne.

Nem vegetariano. Não precisa carregar esse rótulo estampado no peito pra lá e pra cá, nem se posicionar politicamente, nem defender um movimento.

Mas você também não precisa comer carne todo dia. Nem três vezes ao dia. Nem se sentir na OBRIGAÇÃO de cozinhar churrasco ou frango ou peixe assado pra toda visita que receber! Nem achar que um prato sem carne é incompleto, muito menos entupir de queijo um prato sem carne.

A gente não precisa tomar partido em tudo nessa vida! O bom não é inimigo do ótimo e o feito é melhor que o perfeito teórico!

O vegetarianismo, na minha opinião é, acima de tudo, um convite para reinvenção. Do paladar, dos hábitos, da cultura, dos paradigmas: é um cartão postal de um lugar lindo chamado Mundo saudável sustentável anti especista. É só a porta de entrada para experiências gastronômicas maravilhosas baseadas em produtos naturais, coloridos e brasileiros. Trocar uma alimentação colonizada que não carrega nossa cara por ingredientes nossos, que dão no nosso país tropical e construíram nossa história enquanto nação. E isso de forma alguma deve ser um peso!

Você não precisa PARAR TOTALMENTE de comer produtos de origem animal pra ser saudável ou empático ou um anjo sem asas se você ainda não se sente pronto pra isso. Mas você deveria repensar a sua relação com a carne, principalmente se ela é de dependência emocional..

A essa altura, as pessoas já sabem que não dá mais pra comer tanta carne. Mas a ideia de nunca mais poder comer um strogonoffe assusta! Restrição assusta. Proibição também. Então você, amigo que ainda não largou o osso da costela, te faço um convite: vamos aos poucos. Tire aos pouquinhos. Se der muita vontade, come. Se der só um pouquinho, não come. Começa tirando o presunto do pão, depois tira a linguiça do picadinho, depois outra coisa. Recuse o quibe do RU. Sem neura, sem pressa, sem rótulo: só você redescobrindo seu paladar, no seu tempo e nas suas regras.

Você não precisa ser vegano. Mas você não precisa comer carne.

Via: @saberescosmicos

Escrito por @tofuamilanesa

Lindamente repassado por: www.facebook.com/consciencial   -  http://consciencial.org

Nota do Tio Dalton: já parei de comer carne vermelha e aves em 98% e avante!!!!!

            Um texto divertido sobre a intenção de não comer carne. Sei que existe uma orientação espiritual  para evitar isso. Os animais sáo seres próximos de nós, principalmente os mamíferos, e esse comportamento para ser um tipo de canibalismo. Nossa sociedade materialista desenvolve cursos de gastronomia com os diversos cardápios sem nenhuma preocupação com esses valores espirituais. 

            Depois de ter lido o livro ˜”Fisiologia da Alma” do espírito Ramatis, fiquei cerca de dois anos sem comer carne vermelha, mas terminei voltando ao consumo de carnes sem restrições.

            Sei dos valores espirituais que devem nortear nossas vidas, mas sinto a força da cultura e dos meus instintos. O meu espírito sabe que o correto é não consumir carne, principalmente dos mamíferos, mas não tenho disposição de entrar nessa frente de luta tendo tantas outras a realizar, principalmente a construção do Reino de Deus, onde acredito que comer ou não carnes, não será impeditivo maior.


Publicado por Sióstio de Lapa em 20/03/2020 às 00h19
 
19/03/2020 21h05
PASSADO, PRESENTE E FUTURO

            Sempre é bom refletirmos sobre o tempo, pois vivemos no presente, mas o passado e o futuro estão juntos, não conseguimos viver exclusivamente no presente. Este texto que encontrei no site de Conscienciologia, disponibilizado por Dalton e Andreia, nos ajuda nesta compreensão. Vejamos:

Uma nova teoria sobre o tempo indica que o presente e o futuro existem simultaneamente: https://www.pensarcontemporaneo.com/uma-nova-teoria-sobre-o-tempo-indica-que-o-presente-e-o-futuro-existem-simultaneamente/

A Caixa, é uma teoria do universo que descreve o “agora” como um lugar arbitrário no tempo e afirma que o passado, o futuro e o presente existem todos simultaneamente.

O Dr.. Bradford Skow, professor de filosofia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, sugere que se “olhávamos para o universo” como se estivéssemos olhando para uma folha de papel, veríamos o tempo em todas as direções, exatamente da mesma maneira que vemos o espaço em algum momento.

Então, o que isso realmente significa? Bem, isso sugere que o tempo como o conhecemos está incorreto, em outras palavras, não é linear como sempre pensamos. De fato, tudo ao nosso redor está sempre presente. Dr. Skow não é o primeiro cientista a questionar a maneira como todos percebemos o tempo.

Em 1915, Einstein introduziu uma teoria do espaço e tempo unificados. Em sua teoria geral da relatividade, ele propõe que o espaço-tempo toma forma de maneira múltipla ou contínua. E que, se visualizado, você verá os dois como um espaço vetorial quadridimensional. E esse vetor é conhecido como “teoria dos blocos”. “A distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente persistente.”

O autor argumenta que ele “não gostaria de acreditar nisso, a menos que eu visse bons argumentos a favor”. “Eu estava interessado em ver que tipo de visão do universo você teria se levasse essas metáforas sobre a passagem do tempo muito, muito a sério”, diz Skow.

Dr. Skow dá mais detalhes: “A teoria do universo de blocos diz que você se espalhou no tempo, algo como a maneira como se espalha no espaço. Não estamos localizados de uma só vez. “

O Dr. Skow concorda que, enquanto as coisas mudam e vemos o tempo como se estivesse passando, estamos em ‘condições dispersas’ e que diferentes partes do tempo podem estar espalhadas pelo universo infinito.

Viagem no tempo

Depois de tentar entender essa teoria, você começará a perceber que ela também pode mudar a maneira como pensamos na viagem no tempo. Se essa teoria for real, não podemos simplesmente viajar no tempo e alterá-lo. Se tudo estiver acontecendo simultaneamente – seu passado, presente, futuro disposto no espaço -, seria impossível criar “paradoxos do avô”. Em vez disso, você apenas viajará no tempo e experimentará como é e como sempre seria.

A Dra. Kristie Miller, diretora conjunta do Center for Time da Universidade de Sydney, explicou a teoria em um artigo publicado pela ABC Science. Miller descreveu como todos os momentos que existem são relativos entre si em três dimensões espaciais e em uma única dimensão temporal.

A teoria do universo de blocos também é conhecida em alguns círculos científicos como Eternalismo, em que o passado, o presente e o futuro coexistem ‘agora’. Isso se opõe ao presentismo, que afirma que o passado não existe mais e está desaparecendo constantemente graças a essa noção traquina de tempo ‘presente’.

Essas teorias modernas ficam cada vez mais complexas e fora da realidade. Então, o passado integrado ao presente, dessa forma não estaríamos sendo testemunhas da visita de Jesus entre nós? Ou será a memória que resgata o passado e deixa interagindo com o presente? E o futuro? Será o nosso planejamento, que mesmo não sendo feito de forma organizada e pretenciosa, já está trazendo o futuro para o presente? Tudo isso traz muita confusão em nossa forma de pensar com coerência, deixemos que os filósofos e cientistas amadureçam a questão para termos condições de internaliza-la.


Publicado por Sióstio de Lapa em 19/03/2020 às 21h05
 
18/03/2020 00h16
AMOR, SEXO E FORMAS DE FAMÍLIAS

            Para a construção do Reino de Deus é importante que haja a predominância do Amor sobre qualquer outra condição ou sentimento. Surge um elemento importante nesse contexto que é a energia sexual. O amor tende a fazer a aglutinação e harmonização entre todos os seres humanos; o sexo tende a individualidade, ao sentimento de posse, a geração de conflitos. Ambos são necessários, mas que estejam harmonizados e hierarquizados. Claro, a hierarquia maior deve ser do amor, a maior força do universo que se confunde com o Criador. Não é possível entender outra força que esteja acima dela, que mereça a prioridade.

            A energia sexual é diretamente responsável pela perpetuação da espécie, e por esse motivo é tão forte. Sua função de criar novos seres, e isso causa uma forte ligação entre os dois gêneros, gerando uma energia potente chamada de paixão. Os dois seres assim envolvidos por essa energia, sentem imenso prazer em ficarem juntos um do outro e realizar o ato sexual que culmina com o ápice do prazer. Essa forte ligação origina o sentimento de posse que pode se perpetuar até depois que a força da paixão se dissipa por efeito do tempo. Geralmente as pessoas já estão casadas nesse momento e passam a reforçar o sentimento de posse, os compromissos conjugais, geralmente atrelados a juramentos de fidelidade mutua quanto ao envolvimento afetivo-sexual com qualquer outra pessoa. O “amor” que cada um sente passa ser de exclusividade de um para o outro, e vice-versa.

            Esse contrato conjugal de efeitos civis e referendado pela igreja, se divorcia dos mecanismos biológicos criados por Deus e também das regras morais ensinadas pelo Cristo, que defende o amor inclusivo. Jesus respondeu que a principal lei que supera todas as demais, é amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Portanto, sendo a Natureza o reflexo da presença de Deus, com todas suas leis em funcionamento, inclusive as leis da biologia, incluindo os instintos, teremos que ter cuidado para não a descumprir pensando estar obedecendo. O complemento da lei primordial, amar ao próximo como a si mesmo, traz em si a essência da lei moral dentro dos relacionamentos. Eu tenho que desenvolver o amor a mim mesmo para me capacitar a amar ao próximo dentro dessa condição. Se, por força dos instintos criados por Deus, eu me aproximo de uma pessoa, com afetos e com desejos, e se essa pessoa corresponde na mesma intensidade, e se aprofundar a intimidade até o ato sexual vai fazer o bem tanto a ela como a mim, não posso colocar barreiras quanto a isso. A não ser que existam circunstâncias dentro do Amor Incondicional que podem estar impedindo. Por exemplo, a pessoa ter prometido fidelidade a outra pessoa, e ao interagir sexualmente com uma terceira, comete um ato de traição. Este tipo de impedimento pode ser retirado com o uso da verdade. Se a pessoa tem essa compreensão, que o amor inclusivo deve ser praticado na sua vida, com o potencial de chegar até o envolvimento sexual, isso deve ser esclarecido com quem queira de si se aproximar e conviver. Então, a traição deixa de existir, o amor inclusivo pode ser praticado, a família nuclear abre maior amplitude e a família universal pode começar a funcionar.   


Publicado por Sióstio de Lapa em 18/03/2020 às 00h16



Página 22 de 622 « 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr