Meu Diário
17/03/2020 00h15
TIJOLOS DO REINO DE DEUS

            Os tijolos para construção do Reino de Deus são representados por nossos corações, livres da supremacia do egoísmo, sintonizados com o amor incondicional. Este é o primeiro trabalho que devemos fazer, a olaria dos tijolos para a construção do Reino de Deus. O Cristo já nos mostrou esse caminho, o da reforma íntima. Para burilar esses tijolos e deixa-los assando prontos para serem usados, devemos usar a energia do amor incondicional.

            Feito isso, é hora de juntarmos os tijolos para a construção do Reino. Observaremos que as oficinas disso acontecer são as famílias que deverão passar por uma mudança de mentalidade: do predomínio da família nuclear, para o predomínio da família universal. A importância da família nuclear continuará e será restrita à responsabilidade que teremos com os companheiros e com os filhos e pais. Mas a prioridade ética será com a família universal. Onde encontrarmos qualquer pessoa próxima que seja considerada como filho, pai, irmão biológico, amado como se fosse a nós mesmos. Não haverá mais desamparo, fome, guerras. Todos serão prioritariamente de nossa família, de acordo com a necessidade que exibam.

            Essa passagem ética de prioridade da família nuclear para a universal será o maior trabalho que teremos. Para que isso aconteça, é necessário criarmos serviços devotados exclusivamente ao bem, sintonizados com a misericórdia ensinada pelo Cristo a todos que honestamente procurarem por isso.

            Terá que ser um serviço de poder aglutinador, o cimento onde os tijolos possam ser colocados e tomarem forma. Um tipo de igreja que tem a missão de ligar Deus aos homens. Ao mesmo tempo que tenha o cuidado de procurar a coerência do Amor Incondicional presentes em qualquer outra denominação religiosa. Essa atividade teria um caráter educativo dentro da ótica evangélica e procurando a harmonia de pensamento entre os companheiros e de sintonia entre as instituições. Quem estiver dentro dessa atividade, procurará viabilizar o trabalho de todos de forma justa e vocacional. A dignidade humana deve ser procurada para todos. Todas essas ações tem a cobertura indispensável do amor. Surge assim o título dessa entidade que já foi colocada aqui em outros termos: Escola-Igreja Trabalho e Amor (EITA).

            Este é o esboço arquitetônico para a construção do Reino de Deus, seguindo as instruções de Jesus. O desafio no momento é saber se nossos tijolos estão devidamente cozidos para sustentar o peso dessa construção. Mas vale a pena tentar!


Publicado por Sióstio de Lapa em 17/03/2020 às 00h15
 
16/03/2020 00h15
A BORBOLETA

A borboleta chegou perto de mim

Coitada, se debatendo no vidro pra sair

Num esforço viril, como a pedir

Queria voar entre as flores do jardim

 

Eu não podia quebrar essa vidraça

Não podia dar a sua liberdade

Mas tu és minha colega, de verdade

Também me debato na desgraça

 

Também eu vejo ao longe tanto amor

Que minha alma algemada não alcança

Mas tu, logo foges dessa dor

 

Tua vida é tão curta, vai embora

Nada fica disso tudo, nem lembrança

Enquanto eu fico por aqui anos afora


Publicado por Sióstio de Lapa em 16/03/2020 às 00h15
 
15/03/2020 03h47
CORAÇÃO PRISIONEIRO

Tenho um coração, deveras na prisão

Cujas grades são feitas pelo medo

Sem compaixão desse coitado do enredo

Que chora e se lamenta viver na solidão

 

Eu sei que existe nesse mundo

Sentimentos de todos os matizes

Que existem tantos seres, tão felizes

Mas para mim, só o poço, este fundo

 

Nunca ninguém me amou, agora eu sei

Querem apenas me ter nesta gaiola

Me debatendo sem gaita, sem viola

 

Ninguém sabe a cor da minha alma

Ninguém sabe da dor me trazer calma

Ninguém pode dizer, sim, eu te amei.


Publicado por Sióstio de Lapa em 15/03/2020 às 03h47
 
14/03/2020 23h59
FLOR DO OUTONO

            A Natureza é bela, digna representante da imagem do Criador. Nela está inserida uma sabedoria que nenhum dos maiores gênios da humanidade chegou perto. Contemplo as estações e vejo a dança do reino vegetal como se quisesse encantar o reino animal, principalmente a nós, seres humanos, com nossos olhos sofisticados e cérebros qualificados como o suprassumo da racionalidade.

            Observo o verdor das folhas que se abraçam com os raios do sol, produzindo frutos e cheiros. O tempo passa, as frutas amadurem, as folhas amarelam e caem. A nostalgia parece dá o tom da natureza. É o outono da existência.

            Mas eis que vejo, lá no meio uma flor. Como pode um ser tão frágil desafiar o poder da Natureza? Da sua caminhada inexorável em direção ao fim? A flor rebelde perfuma a nostalgia da despedida, enfeita a cena da melancolia com seu vigor derradeiro.

            Essa flor é minha conselheira. Estou no outono da minha vida, minhas folhas amareladas já começam a cair. Mas o meu coração, como flor rebelde quer manter o viço do amor, mesmo que não tenha os gametas reprodutores, mas quer perfumar o ambiente com gestos e sorrisos, beijos e abraços.

            Eu destoo de todos ao redor, que cabisbaixos seguem a rotina de uma vida cadente, cambaleantes, em direção ao sepulcro, reta final de tal corrida.

            Sou amante da Natureza, mas agora filho rebelde, não quero acompanha-la em seus acordes melancólicos. Devo gastar minhas últimas energias na beleza de minhas formas, na maciez de minhas pétalas, na essência do meu perfume.

            Quero que, no último alento, seja eu oferecido como prova de amor por algum amante apaixonado que me leva para sua amada; quero representar a cola de unir corações, ver o sorriso da donzela ao me fitar; quero ser colocado num jarro com agua no meio da sala, como prova que o amor pode se expressar na mais suntuosa mansão ou na mais humilde casinha, na beira mar ao som das ondas quebrando na praia, ou no alto da montanha, ouvindo o som da cascata se desmanchando no abismo verdejante de uma floresta virgem da ganância humana..

            Quero, ao sentir minha pétalas murchando inexoravelmente, exalar a última gota de perfume ao abraço dos primeiros raios do sol do novo dia, como uma oferenda ao Deus criador pelo presente recebido de ter vivido, de amar e de ser amado; que as primeiras estrelas do crepúsculo, venha ajudar a iluminar meus últimos restos de beleza, como bilhões de velas a crepitar no infinito espaço em honra de tão finito e explosivo amor.

            Sim, serei essa flor do outono, filho rebelde do Criador, mas que deixarei nEle o orgulho de ter criado um ser tão minúsculo e tão próximo da Sua magnitude; que trouxe pinturas do amor onde Ele não imaginara por.


Publicado por Sióstio de Lapa em 14/03/2020 às 23h59
 
13/03/2020 23h21
DEUS, UM CONCEITO PLÁSTICO

            Com o aprofundamento dos meus estudos, entendo hoje a realidade do mundo espiritual, a hierarquia dos seres vivos, encarnados ou desencarnados, e a evolução que acontece nos dois lados da existência, material e espiritual. Não tenho nenhuma dúvida sobre isso, com todas as comprovações que recebo dos experimentos científicos e dos fatos corroborados pela lógica e coerência. Tudo isso merece da minha consciência, muita consistência, tudo que aprendo a partir deste ponto racional em que estou inserido com minhas convicções.

            No entanto, o conceito de Deus assume um aspecto mais plástico, mais abstrato, com menos domínio cognitivo. Inicialmente eu acreditava naquele velhinho de longas barbas brancas que a igreja católica ensinava. Com o meu aprofundamento no mundo científico, observei que essa figura do Deus-velhinho não se ajustava na coerência do que eu já tinha conhecimento. Essa decepção me jogou por um tempo no ateísmo, não acreditava na personalidade humana de Deus.

            Com minha aproximação da Doutrina Espírita, passei a compreender Deus de outra forma, uma inteligência suprema, capaz de criar universos e as diversas moradas do Pai, como o Cristo defendia. Essa ideia, mesmo não tendo nenhum aspecto consistente fisicamente, como posso observar no mundo espiritual, tem uma forte aceitação nos meus critérios de coerência.

            Cada vez mais essa ideia do Criador vai se cristalizando na minha consciência e os Seus atributos no meu pensamento e raciocínio. Já não vejo o acaso na natureza, vejo a expressão de Deus, nos acontecimentos e nos relacionamentos, apesar dos equívocos que ainda mantemos no uso do livre arbítrio. Tudo que vejo são caminhos colocados à minha disposição pela sabedoria de Deus. Só consigo avançar nessa escalada da evolução, se eu conseguir ir pelo caminho correto.

            A minha ignorância ainda muito grande, associada aos desejos da carne, são fatores importantes para os erros que ainda cometo. Procuro seguir a bússola comportamental que o Cristo nos ensinou para não cometer erros, nem comigo mesmo nem com o próximo. Sei que o meu caminho evolutivo deve estar sintonizado com a minha consciência onde está localizada a lei de Deus. Posso cometer erros, como acontece frequentemente com a alimentação, quando a gula se impõe e faço consumo alimentar acima do que tinha proposto. Este é um desvio claro do caminho da minha evolução, adquiro condições insalubres de existência com favorecimento de doenças manifestas.

            O conceito de Deus que está no momento em meus paradigmas, mesmo com a característica plástica, serve como o norte para onde minha bússola consciencial aponta, e isso me deixa satisfeito e confiante na caminhada.


Publicado por Sióstio de Lapa em 13/03/2020 às 23h21



Página 23 de 622 « 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr