Meu Diário
18/01/2022 21h59
PANDA

            Que história interessante! Panda – A História Triste. Livro escrito pela senhora Curren através de uma prancheta que era operada espiritualmente por Patiente, senhora inglesa do século 17 que provavelmente assumia a personalidade de Téia. Sua outra vivência que se passou com Tibério no jardim do Palácio Imperial em Roma.



            Vou reproduzir aqui os trechos em prosa e verso que as autoras espirituais passaram para a senhora Curren, com toda a carga de emoção que despertou em mim.



            Como que se dirigindo ao próprio Cristo:



            Você está tecendo um cordão de ouro. Este é o sorriso dEle que se volta para o passado. A mão da tua serva treme diante da tarefa. Esta lira canta a canção dEle. Pensa você que minha mão pode tocar o tema sem tremer? Trata-se de uma prece que escrevo de tal modo que até o tremor desta mão deve causar uma vibração no ar do céu e derramar a canção sobre a Terra.



            Poesia sobre Jesus contemplando o mar:



            Olhos calmos contemplando o mar,



            Águas agitadas espumando na areia



            Aos pés dEle. O dia, banhado de vermelho,



            Ressoa na tranquilidade da voz suave do mar.



 



            A terra velha, muito velha, sim,



            E, no entanto, tão jovem, rejuvenescida,



            E a sabedoria antiga, indescritível.



 



            E, então, a voz dEle mistura-se ali



            A língua argêntea das ondas que falam.



 



            As águas ondulantes aconchegam



            O próprio murmúrio de Sua prece.



            E até o dia, penso eu,



            Tem sua língua para falar à terra.



 



            A areia fofa agarra-se aos pés desnudos



            Que ainda caminharão sobre agudas pedras.



            Sim, e a terra tinha, por esse tempo, as árvores verdes



            Que explodem em seiva para servir de cruz.



           



            E, de repente, as vozes do mundo



            Gritam e a discórdia se levanta



            No meio da canção celestial que Ele canta.



            E ele se afasta da calma praia



            Através do vale, para sorver a amarga raça.



 



            E eu penso que lá, no silêncio do jardim,



            Me vejo do seu sagrado ser despojada.



            Nenhum irmão de sangue poderia conhece-lo,



            Pois Deus é Deus e o homem tem aproximar-se dele.



            E a terra lá está, inda clamando



            Contra o cântico do amor.



            E, no entanto, eu O vejo ali,



            Olhos calmos postos no mar



            E uma sabedoria indescritível.



            O que Patiente disse em outra noite:



            Vejam! O lado de onde fluiu o sangue ainda chora novas lágrimas até hoje. Ah, o dia! E esse lacrimejar dos idos tempos ainda se repete e, no entanto, Ele, sorrindo, continua a derramá-lo, sempre e sempre. Até o dia que o viu chorar também chora. Acham vocês que esta mão faria aquelas gotas secar, ou quem sabe, tocá-las para que caiam e se transformem em pó, a fim de se agitarem na sua sacralidade, sem um tremor?



            Ah, homens do mundo, vede, vede! Ele caminha por aí, ainda hoje, em vosso tempo. É verdade, e podeis ver as gotas de seu sangue a escorrer até pelos caminhos que trilhais. Sim, e o que fazeis para que essas gotas cessem de cair ao chão? Ele é uma taça aberta que está sempre derramando a torrente pura, sempre, sempre e sempre. Pensais vós que aqueles que tombam banhados em sangue podem estancar lá dentro de si mesmos o próprio fluxo? Não! Ele nasce de novo dentro dEle próprio. É verdade, os braços dEle aconchegam os mares. E Suas mãos apanham até os grãos de pó, como se lhe pertencessem. Pois é, Seus tesouros brilham. E eu vos digo – ah, que alegria! – que muito do que Ele entesoura o mundo joga fora como joio. Ainda que Seu vinhedo se mostre praguejado, mesmo assim, de Suas prensas nada flui senão doces vinhos!



            E finalmente conclui:



            Ouçam! Alguns rasgarão suas vestes até reduzi-las a tiras, mas as tiras voltarão a transformar-se em tecido com as fibras do amor. pois o amor é a urdidura mágica, o amor nunca há de morrer, mas há de renascer dentro de todos os corações que sorvem as palavras dEle.



            a história é interessante, mas outro fato chama a minha atenção. O fato que estou percebendo e transmitindo aqui se passou, presumivelmente, na época do Cristo. Este fato é uma narrativa, que pode ser verdadeira ou falsa, proposital ou inocentemente. Como sair desse dilema. Primeiro, pela ajuda do paradigma que cada um constrói ao longo da vida, que sofre constantes modificações de acordo com os fatos e/ou narrativas que chegam ao nosso racional. A narrativa que acabo de ler, tem sintonia com meus paradigmas cristãos, mesmo que alguns pontos sejam duvidosos. As informações que eu considerar como lógicas, coerente, guardarei em meus paradigmas que irá sendo ajustado e fortalecido. Meu paradigma espiritual, fortemente estabelecido com leituras as mais diversas, chega a um ponto de confrontação com as narrativas materialistas, cujos autores por sua vez, não consideram as minhas como verdade. Constrói-se um abismo, onde a litura de Panda para mim traz dados de uma realidade há muito acontecida no muno material, e para outros, é puro fruto de fantasias de uma mente dominada pelo misticismo.  



Publicado por Sióstio de Lapa em 18/01/2022 às 21h59
 
17/01/2022 23h59
SÉCULO 21 (04) – TEIAS DE ARANHA

            Encontrei o pensamento de Yuval Noah Harari mesmo depois de ter adquirido os seus três livros, bastante difundidos no mundo. O autor nasceu em 1976, em Israel, Ph.D. em história pela Universidade de Oxford, é atualmente professor na Universidade Hebraica de Jerusalém. Considerei bastante relevante após ouvir os dois primeiros livros, Sapiens e Homo Deus. Resolvi ler este terceiro livro, 21 Lições para o Século 21, e fazer a exegese por trechos sequenciais. por considerar existir uma falta de consideração com a dimensão espiritual, indispensável para as conclusões que são tomadas em todos os ângulos em investigação histórica. Convido meus leitores especiais a caminhar comigo nesta nova maratona racional onde pego carona com o brilhante intelecto do autor Yuval.



Embora a perspectiva deste livro seja global, não negligencio o nível pessoal. Ao contrário, quero enfatizar as conexões entre as grandes revoluções de nossa era e a vida interior dos indivíduos. Por exemplo, o terrorismo é tanto um problema de política global quanto um mecanismo psicológico interno. O terrorismo manipula o medo em nossa mente, sequestrando a imaginação privada de milhões de indivíduos. Da mesma forma, a crise da democracia liberal se desenrola não somente em parlamentos e seções eleitorais, mas também nos neurônios e nas sinapses. Dizer que o pessoal é político é um clichê. Mas numa era em que cientistas, corporações e governos estão aprendendo a hackear o cérebro humano esse truísmo (coisa óbvia que não precisa ser mencionada) é mais sinistro do que nunca. Portanto, o livro apresenta observações sobre a conduta de indivíduos bem como de sociedades inteiras.



Um mundo global exerce uma pressão sem precedentes sobre a conduta e a moralidade pessoais. Cada um de nós está enredado em numerosas e várias teias de aranha, que restringem nossos movimentos, mas ao mesmo tempo transmitem nossos mais minúsculos movimentos a destinações longínquas. Nossa rotina diária influencia a vida de pessoas e animais do outro lado do mundo, e alguns gestos pessoais podem inesperadamente incendiar o mundo inteiro, como aconteceu com a autoimolação de Mohamed Bouazizi na Tunísia, que desencadeou a Primavera Árabe, e com as mulheres que compartilharam suas histórias de assédio sexual e deram origem ao movimento #MeToo.



Essa dimensão global de nossa vida pessoal significa que é mais importante que nunca revelar nossos vieses religiosos e políticos, nossos privilégios raciais e de gênero, e nossa cumplicidade involuntária na opressão institucional. Mas será este um empreendimento realista? Como poderei achar um terreno ético firme num mundo que se estende muito além dos meus horizontes, que gira completamente fora do controle humano, e que suspeita de todos os deuses e ideologias?  



Este paralelo de nossa sociedade com uma teia de aranha é bem legal. A sociedade é a teia de aranha e nós estamos enredados dentro dela sofrendo suas influencias, às vezes sem capacidade de sair da situação. Mas também podemos mexer na rede, pois nossas ações levam vibrações ao todo. O viés religioso que possuímos deve gerar uma vibração na teia, que se for construída com bases racionais pode mudar sua configuração para uma ação mais coerente com a sociedade ideal que queremos construir. Será possível que a teia seja configurada no projeto de Reino de Deus ensinado pelo Cristo?



Publicado por Sióstio de Lapa em 17/01/2022 às 23h59
 
16/01/2022 00h01
SÉCULO 21 (03) – DIÁLOGO COM O PÚBLICO

     Encontrei o pensamento de Yuval Noah Harari mesmo depois de ter adquirido os seus três livros, bastante difundidos no mundo. O autor nasceu em 1976, em Israel, Ph.D. em história pela Universidade de Oxford, é atualmente professor na Universidade Hebraica de Jerusalém. Considerei bastante relevante após ouvir os dois primeiros livros, Sapiens e Homo Deus. Resolvi ler este terceiro livro, 21 Lições para o Século 21, e fazer a exegese por trechos sequenciais. por considerar existir uma falta de consideração com a dimensão espiritual, indispensável para as conclusões que são tomadas em todos os ângulos em investigação histórica. Convido meus leitores especiais a caminhar comigo nesta nova maratona racional onde pego carona com o brilhante intelecto do autor Yuval.



Minha agenda aqui é global. Observo as grandes forças que dão forma às sociedades em todo o mundo, e que provavelmente vão influenciar o futuro do planeta como um todo. A mudança climática pode estar muito além das preocupações de quem está em meio a uma emergência de vida ou morte, mas pode futuramente tornar as favelas de Mumbai inabitáveis, enviar novas e enormes levas de refugiados através do Mediterrâneo, e levar a uma crise mundial dos serviços de saúde.



A realidade é formada por muitas tramas, e este livro tenta cobrir diferentes aspectos de nosso impasse global, sem pretender ser exaustivo. Diferentemente de Sapiens e de Homo Deus, ele não tem a intenção de ser uma narrativa histórica, e sim uma coletânea de lições, as quais não tem por conclusão respostas simples. Elas visam a estimular a reflexão e ajudar os leitores a tomar parte em algumas das principais conversas de nosso tempo.



O livro, na verdade, foi escrito em diálogo com o público. Muitos dos capítulos surgiram como resposta a perguntas de leitores, jornalistas e colegas. Versões anteriores de alguns segmentos foram publicados em diferentes formatos, o que me deu oportunidade de receber feedbacks e refinar meus argumentos. Algumas seções têm por foco tecnologia, algumas política, outras religião ou arte. Certos capítulos celebram a sabedoria humana, outros destacam o papel crucial de sua estupidez. Mas a questão mais abrangente em todos é a mesma: o que está acontecendo no mundo hoje, e qual o significado profundo dos eventos?



Qual o sentido da ascenção de Donald Trump? O que podemos fazer ante a epidemia de fake news? Por que a democracia liberal está em crise? Deus está de volta? Haverá uma nova guerra mundial? Qual civilização domina o mundo – o Ocidente, a China, o Islã? A Europa deveria manter portas abertas aos imigrantes? O nacionalismo pode resolver os problemas de desigualdade e mudança climática? O que fazer quanto ao terrorismo?



O diálogo com o público é importante para autores que querem fomentar um debate e tirar conclusões mais racionais e operacionais em direção a uma sociedade mais harmônica e laboriosa. Por esse motivo o contexto espiritual não pode ficar de fora, por ser um componente da natureza e que a maioria da população espiritual tem uma determinada forma de entender o mundo transcendental e suas exigências. O diálogo com o público oferece a oportunidade de cada um colocar sua opinião e ouvir a opinião dos demais, deixando a razão operar sem preconceitos em busca da direção mais apropriada e não tentando vencer pela força uma situação que deve obedecer a princípios éticos vindos do mundo espiritual e que ninguém pode alterar sem sofrer corrigendas.



Publicado por Sióstio de Lapa em 16/01/2022 às 00h01
 
15/01/2022 07h20
SÉCULO 21 (02) – LIÇÕES A ENSINAR

            Encontrei o pensamento de Yuval Noah Harari mesmo depois de ter adquirido os seus três livros, bastante difundidos no mundo. O autor nasceu em 1976, em Israel, Ph.D. em história pela Universidade de Oxford, é atualmente professor na Universidade Hebraica de Jerusalém. Considerei bastante relevante após ouvir os dois primeiros livros, Sapiens e Homo Deus. Resolvi ler este terceiro livro, 21 Lições para o Século 21, e fazer a exegese por trechos sequenciais. por considerar existir uma falta de consideração com a dimensão espiritual, indispensável para as conclusões que são tomadas em todos os ângulos em investigação histórica. Convido meus leitores especiais a caminhar comigo nesta nova maratona racional onde pego carona com o brilhante intelecto do autor Yuval.



Como historiador, não posso dar as pessoas alimento ou roupas – mas posso tentar oferecer alguma clareza, ajudando assim a equilibrar o jogo global. Se isso capacitar pelo menos mais um punhado de pessoas a participar do debate sobre o futuro de nossa espécie, terei realizado minha tarefa.



Meu primeiro livro, Sapiens, investigou o passado humano, examinando como um macaco insignificante dominou a Terra.



Homo Deus, meu segundo livro, explorou o futuro da vida a longo prazo, comtemplando como os humanos finalmente se tornarão deuses, e qual pode ser o destino final da inteligência e da consciência.



Neste livro quero examinar mais de perto o aqui e agora. Meu foco está nas questões atuais e no futuro imediato das sociedades humanas. O que está acontecendo neste momento? Quais são os maiores desafios e escolhas de hoje? Qual deve ser o foco de nossa atenção? O que devemos ensinar a nossos filhos?



Claro, 7 bilhões de pessoas tem 7 bilhões de agendas, e, como já observado, pensar num contexto geral é um luxo relativamente raro. Uma mãe solteira lutando para criar dois filhos numa favela em Mumbai está preocupada com a próxima refeição; refugiados num barco no meio do Mediterrâneo perscrutam o horizonte em busca de qualquer sinal de terra; e um homem que está morrendo num hospital superlotado em Londres reúne todas as forças para respirar mais uma vez. Todos têm problemas muito mais urgentes do que o aquecimento global ou a crise da democracia liberal. Nenhum livro pode dar conta de todas as angústias existenciais, e não tenho lições a ensinar às pessoas que estão nas situações que descrevi. Posso apenas esperar aprender com elas.



Quando estamos integrados ao mundo espiritual podemos dar lições e ensinar às pessoas que estão nas condições citadas. O gerente de nosso corpo material é a fagulha energética, o espírito criado por Deus na condição de simples e ignorante, com o objetivo de evoluir na interação com a matéria. A evolução será processada nas duas dimensões, a material que é bem estudada tanto no aspecto físico quanto no biológico, e na dimensão espiritual se verifica a evolução moral. Nossos erros praticados na dimensão material, que são vários e frequentes, necessitam de correção constante pelo processo da reencarnação. Dessa forma, essas pessoas que sofrem nos diversos pontos do planeta estão pagando dívidas contraídas contra a ética e a moral, e muitas vezes cometendo outras. Esse vai-e-vem de almas que encarnam e reencarnam, que embarcam e reembarcam no mundo material, não podem deixar de prestar contas no mundo espiritual, mesmo que tenham escapado de todas as leis humanas que tentam disciplinar a ética. Essa justiça divina observa aqui e lá é o que garante o processo evolutivo harmônico em direção à perfeição e evita que caiamos no caos da barbárie e da autodestruição definitiva.



Publicado por Sióstio de Lapa em 15/01/2022 às 07h20
 
14/01/2022 23h59
SÉCULO 21 (01) – INTRODUÇÃO

            Encontrei o pensamento de Yuval Noah Harari mesmo depois de ter adquirido os seus três livros, bastante difundidos no mundo. O autor nasceu em 1976, em Israel, Ph.D. em história pela Universidade de Oxford, é atualmente professor na Universidade Hebraica de Jerusalém. Considerei bastante relevante após ouvir os dois primeiros livros, Sapiens e Homo Deus. Resolvi ler este terceiro livro, 21 Lições para o Século 21, e fazer a exegese por trechos sequenciais. por considerar existir uma falta de consideração com a dimensão espiritual, indispensável para as conclusões que são tomadas em todos os ângulos em investigação histórica. Convido meus leitores especiais a caminhar comigo nesta nova maratona racional onde pego carona com o brilhante intelecto do autor Yuval.



            Num mundo inundado de informações irrelevantes, clareza é poder. Em teoria, qualquer um pode se juntar ao debate sobre o futuro da humanidade, mas é muito difícil manter uma visão lúcida. Muitas vezes nem percebemos que um debate está acontecendo, ou quais são suas questões cruciais. Bilhões de nós dificilmente podem se permitir o luxo de investiga-las, pois temos coisas mais urgentes a fazer, como trabalhar, tomar conta das crianças, ou cuidar dos pais idosos. Infelizmente, a história não poupa ninguém. Se o futuro da humanidade for decidido na sua ausência, porque você está ocupado demais alimentando e vestindo os seus filhos – você e eles não estarão eximidos das consequências. Isso é muito injusto, mas quem disse que a história é justa?



            Aceito o convite de Yuval e entro neste debate sobre o futuro da humanidade. Como ele coloca, é muito difícil manter uma visão lúcida devido a tantas informações irrelevantes. Mas temos que ter muito cuidado com talvez preconceitos sobre determinadas informações, pois acredito que Yuval tenha tido conhecimento do fenômeno das mesas girantes que aconteceu em várias partes do mundo. Isso atraiu a curiosidade de outra pessoa que primava pela racionalidade para explicar tal fenômeno e que as teorias científicas do mundo material não conseguiam justificar. Professor Hippolyte Léon Denizard Rivail (03-10-1804 – 31-03-1869), influente educador, autor e tradutor francês, se debruçou sobre o fenômeno, fez perguntas inteligentes a entidades racionais fora da dimensão material e obteve respostas filosóficas de uma dimensão transcendental que também faz parte da natureza e que influencia mais do que podemos imaginar, o que acontece no mundo material. Essas repostas foram compiladas no livro “O Livro dos Espíritos” que ele publicou com o pseudônimo de Allan Kardec. As respostas que são vindas deste mundo transcendental, espiritual, são sustentadas como verdade pela racionalidade, coerência e fenômenos materiais. Portanto, as luzes vindas do mundo espiritual pode melhorar a clareza que devemos ter no debate sobre o futuro da humanidade.



Publicado por Sióstio de Lapa em 14/01/2022 às 23h59



Página 3 de 736 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » «anterior próxima»


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr