Meu Diário
07/11/2022 00h01
VONTADE DE DEUS X HUMANA

            Ganid pediu a Jesus que lhe contasse sobre a diferença entre a vontade de Deus e o ato humano da escolha, que é também chamado de vontade.



            Jesus disse: “A vontade de Deus é o Caminho de Deus, é compartilhar da escolha de Deus em face de qualquer alternativa potencial. Fazer a vontade de Deus, portanto, é a experiência progressiva de tornar-se mais e mais como Deus; e Deus é a fonte e destino de tudo o que é bom, belo e verdadeiro. A vontade do homem é o caminho do homem, a soma e a essência daquilo que o mortal escolhe ser e fazer. A vontade é a escolha de um ser autoconsciente, que toma a decisão-conduta baseada na reflexão inteligente.”



            Ganid quis saber se o cachorro tinha uma alma, se tinha vontade e, em resposta às suas perguntas, Jesus disse: “O cão tem uma mente que pode conhecer o homem material, o seu mestre, mas não pode conhecer a Deus, que é espírito; por isso o cão não possui uma natureza espiritual e não pode desfrutar de uma experiência espiritual. O cão pode ter uma vontade derivada da natureza e aumentada pelo aperfeiçoamento, contudo tal poder de mente não é uma força espiritual, nem pode ser comparada à vontade humana, porque não é reflexiva – não é resultado do discernimento entre os significados morais mais elevados, nem da escolha dos valores espirituais e eternos. É a posse de tais poderes de discernir o que é espiritual e de escolher a Verdade, que faz do homem moral um ser moral, uma criatura dotada dos atributos de responsabilidade espiritual e com o potencial de sobrevivência eterna.”



            Jesus continuou a explicar que é a ausência de tais poderes mentais que, para sempre, torna impossível, aos animais, desenvolver uma linguagem no tempo ou experimentar qualquer coisa equivalente à sobrevivência da personalidade na eternidade.



            Como resultado da instrução desse dia, Ganid nunca mais cultivou a crença na transmigração das almas dos homens para os corpos de animais.



            No dia seguinte, Ganid falou sobre tudo isso a seu pai e, em resposta Jesus explicou: “As vontades humanas que estão inteiramente ocupadas em tomar apenas decisões temporais, sobre questões materiais da existência animal, estão condenadas a perecer no tempo. Àqueles que tomam decisões morais de todo o coração e que fazem escolhas espirituais incondicionais estão assim identificados progressivamente com o espírito divino que neles reside; e, portanto, se transformam, aproximando-se cada vez mais dos valores da sobrevivência eterna – a interminável progressão do serviço divino. A vontade é aquela manifestação da mente humana que capacita a consciência subjetiva a expressar a si mesma objetivamente e a experimentar o fenômeno de aspirar a ser semelhante a Deus. E é nesse mesmo sentido que todo ser humano reflexivo e de mente espiritual pode tornar-se criador.”



            Observamos com estes ensinamentos do Mestre que é importante a reflexão inteligente, que possa evitar a entrada de nossa consciência em falsas narrativas, para que nossa vontade seja bem sintonizada com a verdade, com a importâncias dos valores espirituais, que nos aproxima cada vez mais da Divindade.



Publicado por Sióstio de Lapa em 07/11/2022 às 00h01
 
06/11/2022 00h01
TODOS SOMOS IRMÃOS

            Segundo O Livro de Urântia, página 1431, Ganid, jovem indiano, um pupilo temporário de Jesus, percebendo que o seu tutor gastava o seu tempo de lazer em um ministério pessoal, pouco comum, junto aos seus semelhantes, decidiu descobrir o motivo dessas atividades incessantes, e perguntou: “Por que tu te ocupas tão continuamente a falar com estranhos?”



            E Jesus respondeu: “Ganid, nenhum homem é estranho para aquele que conhece a Deus. Na experiência de encontrar o Pai no céu, tu descobres que todos os homens são irmãos teus; e como pode parecer estranho que alguém se regozije com o encontro de um irmão descoberto recentemente? Tornarmo-nos amigos de irmãos e irmãs e sabermos dos seus problemas e aprendermos a amá-los é a suprema experiência da vida”.



            Este é um aspecto do nosso aprendizado que não damos a devida importância: conhecer pessoas novas a cada instante. Isso acontece com todos, com alguém como eu talvez bem mais, pois tenho oportunidade de estar conhecendo muitas pessoas na condição de alunos ou pacientes. Na condição de paciente o conhecimento é mais profundo, são pessoas que contam os seus problemas em busca de uma solução. Eu sou o técnico que estudou para dar essa solução técnica que é procurada. Às vezes o aspecto técnico se torna tão presente que esquecemos do aspecto humano que é prioritário em nossas relações, e é isto que Jesus procurava fazer, quando se dedicava a falar com tanta gente nos seus momentos de lazer.



            Com os alunos, esse contato é feito de forma mais coletiva. Vez por outra se aproxima algum aluno com alguma dificuldade ou interesse específico e então o conhecimento humano se torna mais aprofundado.



            Este é o motivo de termos criados na UFRN a disciplina Medicina, Saúde e Espiritualidade, para mostrar aos alunos interessados, em qualquer curso que façam na Universidade, a importância do aspecto espiritual associado ao aspecto físico da profissão que cada um irá desempenhar. Inclusive, a nossa única prática nesta disciplina, é uma visita às enfermarias onde os alunos interagem com os pacientes sem o jargão acadêmico, focado na busca de uma patologia física e seu tratamento biológico. Nesse encontro o aluno percebe a importância da fé que uma pessoa professa, junto com seus acompanhantes e a perspectiva de retomada da vida quando receber alta do hospital.



            Ser movido pelo paradigma de considerar todos como irmãos, filhos do mesmo Pai Espiritual, traz em si a naturalidade do regozijo simplesmente pela oportunidade do encontro. É desta maneira que devemos interagir com cada pessoa que Deus permite se aproximar de nós.



Publicado por Sióstio de Lapa em 06/11/2022 às 00h01
 
05/11/2022 00h01
FELICIDADE

            Lendo o livro Ave Luz, autoria de João Nunes Maia pelo Espírito Shaolin, vejo no capítulo Felicidade, uma resposta que Jesus deu a Tomé sobre esse assunto, que me fez refletir sobre os recursos materiais que possuo e que posso sofrer abuso devido a facilidade de usufruto que deixo aos irmãos, filhos do mesmo Pai espiritual. Vejamos o que diz o Mestre...



            A Felicidade que procuras, Tomé, não está muito longe porque reside dentro de ti. As preciosidades mais relevantes estão depositadas no cofre dos corações e a chave que vais procurar para abri-lo é aquela virtude que pregamos como sendo o maior atributo de Deus: o amor.



            A Felicidade verdadeira somente se expressa no reino dos anjos, mas todos estamos caminhando para lá. O Pai Celestial não deixa que faltem oportunidades para todas as criaturas e espera, pacientemente que todas se decidam a buscar esse reino da mais alta fraternidade, onde o amor é o sol que aquece a todos. Dessa forma, não penses em viver egoisticamente só dentro de ti, gozando a Felicidade que te pertence.



            A Felicidade é na verdade um tesouro e o modo pelo qual deves encontrar essa preciosidade é frequentando a escola-oficina do Evangelho que instalamos, onde Deus é o comandante e chefe de toda a vida.



            A soberania que buscas, de ti para as coisas, é muito importante para todos os que aqui estão, sendo para a humanidade inteira. Todavia, o mais importante é saber como usar esse poder.



            O homem que domina a natureza, que conhece a si mesmo, é o homem obediente às leis de Deus, porque essas leis são seus agentes com a mais intensa obediência. Qualquer um que desobedece-las responde imediatamente pelas consequências. Não penses que os profetas, os místicos e os santos, operando prodígios, dando movimentos aos estropiados, vistas aos cegos, devolvendo a fala aos mudos, estão agindo fora da lei. São eles que vivem num plano diferente da humanidade e a sua obediência às leis maiores dá a eles o que realmente merecem pela vida que levam. Além disso, são dotados de poderes que a massa humana nem desconfia.



            A Felicidade é o conjunto de muitas qualidades que podes alcançar. Contudo, não são compradas nas feiras públicas, nem apanhadas de quem já as possui. Essas qualidades pertencem ao tempo e são filhas de esforços ingentes. Elas são devedoras da disciplina e da educação.



            Eis o que aconselhamos: pedi e dar-se-vos-á. Buscai e achareis. Pede a Deus que Ele te dará a Felicidade, pois ela não pode existir sem que Deus a movimente. Mas talvez não saibas a arte de pedir. No estado em que te encontras, levarás mais de século para saberes pedir, sem que os teus lábios anunciem as tuas necessidades



            E o “buscais e achareis” está no mesmo regime. Falamos o mesmo dialeto e nem sempre nos compreendemos uns aos outros, porque falamos veladamente. Os homens do futuro perceberão toda a nossa intenção, porque a inteligência não para de crescer. Aquilo que achas difícil de entender agora, tornar-se-á menos complicado para as crianças do amanhã.



            Tomé, quando a criança dá os primeiros passos, mesmo que sejam em falso, os pais sentem uma alegria tamanha que algo da Felicidade os visita por instante. Também o garotinho se embeleza ainda mais por não saber expressar o seu contentamento. O nosso impulso, quando a imaginação vai além dos nossos ideais é gritar, é falar, é fazer perceber aquilo que estamos percebendo a todas as criaturas. Mas será que essa mesma disposição tem durabilidade, de maneira a nos acompanhar em todos os fatos, em todos os esforços que a vida requer de nós para nos ofertar tais poderes?



            Ponderemos sobre isso e vamos adiante, com Deus.



            Essa lição do Cristo é valiosa e faz a gente refletir com humildade. Certamente que eu estou num nível espiritual abaixo de Tomé, que aprendia diretamente com o Mestre. Entendo que devo seguir a lei do amor, com a fraternidade que Deus espera de todos nós, uns para os outros enquanto irmãos. Que devemos ter soberania com as coisas que possuímos, mas é importante saber usar esse poder, para não ferir a lei de Deus e nem deixar de ensinar aos irmãos as qualidades da disciplina e da educação. Por questão de gratidão e respeito, os irmãos mais necessitados deveriam saber expressar essas virtudes, mas como crianças espirituais que ainda não sabem andar, esperemos que elas consigam dar os primeiros passos com nossos ensinamentos e nossos exemplos. Quando algumas delas conseguirem isso, algo de Felicidade nos visitará, e a elas também, ficarão embelezadas pelo que fizeram.  



Publicado por Sióstio de Lapa em 05/11/2022 às 00h01
 
04/11/2022 00h01
O SAL DA TERRA

            Segundo “O Livro de Urântia”, página 1430, havia um jovem grego chamado Anaxando que se tornou um grande interessado nas palavras de Jesus.



            Quando Jesus sugeriu que o Pai estava interessado no bem-estar dos seus filhos na Terra, ele perguntou: “Se os deuses estão interessados em mim, então porque eles não removem esse capataz cruel e injusto dessa oficina?“



            Ele surpreendeu-se quando Jesus replicou: “Já que tu sabes ser amável e valorizas a justiça, talvez Deus haja colocado esse homem equivocado perto de ti para que o conduzas a um caminho melhor. Talvez tu sejas o sal que irá fazer com que esse irmão se torne mais agradável a todos os outros homens; isto é, se tu não tiveres perdido o teu sabor. Assim como estão as coisas, esse homem é o teu amo, porque os seus modos perversos têm uma influência desfavorável sobre ti. Por que não afirmar o teu domínio sobre o mal pela virtude do poder da bondade tornando-te tu, assim, o mestre de todas as relações entre ambos? Posso predizer que o bem em ti pode vencer o mal nele, se tu deres ao bem uma oportunidade boa e justa. Não há aventura mais apaixonante no curso da existência mortal, do que o regozijo de atuar como um parceiro na vida material que se une à energia espiritual e à verdade divina, em uma de suas lutas triunfantes contra o erro e o mal. É uma experiência maravilhosa e transformadora, tornar-se o canal vivo da luz espiritual, para os mortais que permanecem na escuridão espiritual. Se fores mais abençoado, no conhecimento da Verdade, do que esse homem, a necessidade dele devia desafiar-te. Certamente não és o covarde que ficaria na praia vendo perecer um semelhante que não sabe nadar. Quão mais valiosa é a alma daquele homem que se debate nas trevas, se comparada ao seu corpo afundando na água!”



            Jesus empurra na minha consciência uma nova atitude que eu pretendia seguir, conforme os resultados das últimas eleições aqui no Brasil, em 2022. Eu percebia que a vitória das trevas se deveu, além de prováveis falcatruas em urnas não auditáveis, ao comportamento de meus irmãos, alguns bem próximos de mim, parentes inclusive, que não seguiram minha orientação e movidos dentro de uma hipnose coletiva, elegeram o adversário das ideias de Cristo. Dessa forma, eu deveria me afastar desses hipnotizados e me aproximar daqueles que se mostraram conscientes do Caminho a ser seguido de acordo com as orientações de Jesus. Deveria criar a Nova Ordem de Cristo como forma de criar uma milícia monástica e militar para fazer o enfrentamento dentro do exército cristão na guerra espiritual que hoje mostra uma face nova de quinta geração.



            Essa lição de Jesus mostra que não devo perder meu sabor de sal para temperar as almas, mesmo hipnotizadas. Devo continuar mostrando os ensinamentos dEle a todos ao meu redor, e isso não implica eu deixar o projeto de criar a Nova Ordem de Cristo, com as pessoas devidamente consciente de qual é o Caminho, a Verdade e a Vida.



Publicado por Sióstio de Lapa em 04/11/2022 às 00h01
 
03/11/2022 00h01
GUERRA DE QUINTA GERAÇÃO

O mundo passa uma nova faceta da guerra espiritual que nos acompanha desde os tempos de Adão e Eva. Os fatos mostram uma realidade que estamos vivenciando no mundo e principalmente no Brasil, dessa guerra acontecendo com novas armas, como vírus que elimina grande parte da população em todas as culturas. O adversário não tem face, não tem uniforme, como era visto nas gerações de guerras anteriores.



 A agenda de dominação da elite dos dominadores, com o poder financeiro nas mãos, mantém a população alienada do que está acontecendo, sem nenhuma consideração pela dignidade humana, tão preciosa para os princípios cristãos que aqueles que seguem os ensinamentos de Jesus Cristo tem como valores invioláveis.



 O comportamento sutil desses dominadores global, em busca do controle geral sem resistência, simula um  jogo de xadrez, onde cada movimento de um determinado pais representa o movimento de uma peça do xadrez que implica em ver a condição de toda a conjuntura global e busca do xeque-mate global, a instalação do reino do Anticristo, como está previsto nas profecias.



Essa condição de luta pelo poder representa um novo tipo de guerra, uma guerra de quinta geração. Na primeira geração, as guerras eram conduzidas pelos contingentes humanos, quem tivesse mais gente, teria mais condições de vitória. As guerras de segunda geração eram determinadas pelo poder de fogo, de artilharia que dizimava os adversários para em seguida entrar a infantaria. As guerras de terceira geração tem como exemplo a que foi conduzida pelos nazistas, usando a velocidade, com tanques apoiado pela aviação para dominar com rapidez os adversários. As guerras de quarta geração já envolvia a articulação com diversos atores no cenário bélico, como aconteceu com a guerra ao terrorismo na caçada ao terrorista Bin Laden. E finalmente chegamos na guerra de quinta geração onde todos os recursos são empregados principalmente os elementos envolvidos na guerra cultural pela destruição da Verdade pelo enviesamento das narrativas, na dominação pela infiltração dos inimigos, o uso de armas biológicas e estratégias de destruição dos valores morais e financeiros dos adversários.



Esta é a situação que estamos vivenciando no nosso país que é o reflexo do que acontece no mundo, a luta dos dominadores globais pela hegemonia. O dirigente da nação-alvo é atacado ininterruptamente, com falsas narrativas para destruir a sua moral e até sua existência física, e solapar as riquezas do pais. Os cidadãos atordoados e hipnotizados pelas falsas narrativas veiculadas constantemente pelas mídias, principalmente a televisão, associado ao setor de justiça enviesado, mantém a população presa a falsos slogans sem interesse em verificar a realidade do que está acontecendo.



É preciso que consigamos organizar uma resistência para se opor a esse projeto que visa o cerceamento de nossa liberdade e nos levar a uma condição de escravidão, onde não podemos falar o que pensamos ou até mesmo ser obrigado a falar o que do interesse dos adversários.



É momento urgente para que nós, cristãos, façamos ressurgir o movimento dos antigos templários que chegaram no Brasil com a denominação de Ordem de Cristo. Cavaleiros com pensamentos juramentados nas lições do Evangelho e disciplina de conduta militar.



Publicado por Sióstio de Lapa em 03/11/2022 às 00h01



Página 6 de 798 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » «anterior próxima»


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr