Meu Diário
23/08/2020 00h21
ESPIRITUALISMO E POLÍTICA

            Jogo de palavras interessante, que encontrei no site Consciencial, que mais uma vez serve para nossas reflexões, em momento tão conturbado na política.

            Espiritualista com dharma avançado, não defende político, defende ideal.

            Espiritualista consciente, não defende político, defende seu povo.

            Espiritualista maduro, não tem partido, tem consciência.

            Espiritualista lúcido, não defende político, Ele cobra de todos os políticos.

            Espiritualista discernidor, não cria nichos exclusivistas, cria integração e universalismo.

            Espiritualista compassivo, não quer ver o circo pegar fogo, Ele quer reconstruir com o que resta.

            Espiritualista maduro, lúcido, consciente e que busca a compaixão, não busca, deseja ou alimenta polarizações extremas e antagonismos patológicos típicos das massas impensantes e incautas.

            Enquanto as massas impensantes destilam seu ódio, baseados em sua falta de cultura e de discernimento consciencial (paradigma consciencial), o espiritualista lúcido e sagaz, sobrepaira e sabe, que a política é apenas um subconjunto de um campo maior chamado consciência e cosmoética.

            A cada um segundo suas obras.

A cada um segundo seu discernimento consciencial.

Cada um “enxerga” o que pode, mas a ação resultante disso é o conteúdo de seu coração.

É momento de união e de pensar nas partes mais baixas da pirâmide social.

Os mestres e anjos nos convocam, mas quem aceita o convite sem exercer justificativas autocorruptoras?

            Dalton - mensagem mediúnica de vários espíritos universalista que precisam de nós para trabalharem em equipe. www.consciencial.org

            O trabalho político é muito importante para a sociedade. É uma atividade complexa e também bastante vulnerável no rompimento dos valores éticos e entrar nos processos iníquos, principalmente atos de corrupção.

            O Brasil, considerado o “Coração do mundo e a Pátria do Evangelho”, estava mergulhado na corrupção que parecia não se ter mais solução, que iríamos mergulhar na insolvência moral, na pobreza e na ditadura dos ideais comunistas e socialistas. De repente, surgiu uma pessoa do nada, uma voz dissonante da corrupção, apesar de viver cercado por ela. Deus providenciou para que essa pessoa fosse eleita, contrária a todos os prognósticos da política tradicional. Chegou a ser esfaqueado em praça publico e a população fez sua campanha, sem tempo de televisão, sem apoiadores tradicionais de compra de favores.

            Agora estamos num caminho mais apropriado politicamente, apesar de tanta gente boa, com boas convicções, ainda se encontrar hipnotizadas dentro de um círculo de ataque a tal presidente, cujo único defeito que eles apontam é ser grosseiro nas respostas e aparentar ser perigoso. Mas assim também não era Pedro, que chegou a decepar a orelha de um solado? Mesmo assim o Cristo não o deixou como cuidador de suas ovelhas?


Publicado por Sióstio de Lapa em 23/08/2020 às 00h21
 
22/08/2020 00h21
O MEDO DO VAZIO

            Mais um texto divulgado pelo site consciencial que trago aqui para dividir as reflexões com meus leitores.

            "Mestre, como posso enfrentar o isolamento? Limpa a tua casa. A fundo. Em cada canto. Mesmo os que nunca sentiste a coragem e a paciência para limpar. Torna a tua casa brilhante e bem cuidada. Remove poeira, teias de aranha, impurezas. Mesmo no lugar mais oculto. A tua casa representa-te: se cuidas dela, também te cuidas.

- Mestre, mas o tempo é longo. Depois de cuidar de mim na minha casa, como posso viver o isolamento? -Conserta o que pode ser corrigido e remove o que não precisas mais. Dedica-te à colcha de retalhos, cose o início das calças, costura bem as bordas desgastadas dos vestidos, restaura uma peça de mobiliário, repara tudo o que vale a pena reparar. O resto, deita fora. Com gratidão. E com a consciência de que o seu ciclo terminou. Consertar e remover o que está fora de ti permite corrigir ou remover o que está por dentro.

- Mestre e depois o quê? O que posso fazer o tempo todo sozinho? -Semeia. Até uma pequena semente num vaso. Cuida de uma planta, rega-a todos os dias, fala com ela, dá um nome, remove as folhas secas e as ervas daninhas que podem sufocá-la e roubar energia vital preciosa. É uma maneira de cuidar das tuas sementes interiores, dos teus desejos, das tuas intenções, dos teus ideais.

-Mestre e se o vazio vier visitar-me? ... se vier o medo da doença e da morte? -Fala com eles. Prepara a mesa para eles também, reserva um lugar para cada um dos teus medos. Convida-os para jantar contigo. E pergunta-lhes por que vieram de tão longe para a tua casa. Que mensagem eles te querem trazer. O que eles te querem comunicar. 

- Mestre, acho que não posso fazer isso ...

- A tua questão não é isolar os problemas, mas o medo de enfrentar os teus dragões internos, aqueles que sempre quiseste afastar de ti. Agora não podes fugir. Olha nos olhos deles, ouve e descobrirás que te colocaram contra a parede. Eles isolaram-te para que pudessem falar contigo. Como as sementes que só podem brotar se estiverem sozinhas.

(do mural de Zen Toyo)

            Taí... um texto tão simples, aparentemente tão fácil de praticar, e embarbasquei nele. Não encontro tempo para limpar a minha casa, meu escritório, mesmo sabendo que é importante. Minha casa está representando tumulto que existe dentro de mim, com tantas coisas circulando em minha mente, sem conseguir dar uma disciplina.

            Sei que isso é importante, a sabedoria implícita em coisas tão simples nos faz ver o quanto ainda somos frágeis e incapazes e conduzir ações associadas ao processo evolutivo que temos que percorrer.

            Tenho que resolver essa charada: como consertar e remover o que está inútil fora de mim, para corrigir e remover o que está inútil dentro de mim, se não encontro o tempo para a realização da tarefa?


Publicado por Sióstio de Lapa em 22/08/2020 às 00h21
 
21/08/2020 07h43
MENSAGEM A HUMANIDADE

            O site consciencial traz mais um texto interessante para nossa reflexão, com origem no mundo espiritual. Vejamos.

MENSAGEM À HUMANIDADE PELA FRATERNIDADE DA CRUZ E DO TRIÂNGULO

            Estimados amigos e irmãos planetários.

Que as ondas regeneradoras do Cristo possam banhar a todos, sem distinção. Que a Canção do Senhor, executada pela flauta magnânima de Krishna possa ser ouvida pelos quatro cantos do mundo. E que o caminho do meio de Gautama, o Buda, possa servir de norte aos corações mais aflitos.

            A Terra passa por um sinal de alerta, uma trombeta de atenção. É salutar que fique claro aos homens que o Senhor do Universo não manda aos seus filhos nenhuma praga. O mal que acomete a humanidade neste momento não foi desencadeado pelas mãos do Absoluto. Quem de vós lançaria um raio de maldade a um dos seus filhos? “Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará benefícios aos que lhe pedirem?”.

            No entanto, a pandemia que varre o globo terrestre atualmente nada mais é que o resultado de anos e anos a fio de desrespeito à natureza, da costumeira devastação ambiental e da falta de esmero com a Mãe Gaia. O homem ávido por saciar sua fome a qualquer preço, sem o mínimo de bom senso e cuidados com a higiene, promove atitudes insanas e canibais, para saciar o seu prazer glutão.

            Nacos de dejetos pútridos penetram pela boca e desemboca nos estômagos incautos, sem qualquer responsabilidade. A busca por uma alimentação exótica, a queima demente das matas e das florestas, a aniquilação da fauna e da flora, o hábito frequente de poluir as águas doces e salgadas, são fatores determinantes para o surgimento de micro vidas, cujo mote principal é se alimentar da humanidade.

            Somadas a estas práticas funestas, estão a falta de compaixão do irmão para com o irmão, desavenças, conflitos, raivas espumantes pelas opiniões contrárias, desamor. O mundo é uma rede de confrontos.

            Hoje, a humanidade está sendo obrigada a se unir para combater o inimigo em comum. Mesmo assim, ainda há contendas...

            Irmãos, a Terra não perecerá. Ao longo dos séculos, o orbe planetário passou por diversas modificações em cataclismos, catástrofes, guerras, pestes. Todavia, muitas pessoas clamavam pelo “meteoro” e, finalmente, o bólido surgiu em forma de vírus.

            Até meados do século XX, duas guerras mundiais foram eclodidas. O mundo também passou por uma pandemia que aniquilou mais de 50 milhões de pessoas. A Terra assim reagia doente. O desencarne coletivo frequentou o ambiente planetário em menos de trinta anos.

            E o que foi mudado diante disso tudo?

            Ideais nefastos, necropolíticas de higienização de raças, preconceito crescente aos que eles julgam “diferentes”, sectarismo, fome antropófaga pelo poder monetário acima de tudo e de todos e uma devastadora injustiça social são costumes frequentes que geram reações quase que imediatas.

            Como a humanidade deseja que a Terra reaja? Estamos na fase aguda que a espiritualidade chama de carma planetário. Momento de reflexão, de meditação, de voltar as atenções a si mesmo e ao próximo para um bem maior.

            A sirene foi ligada para que todos ouçam.

            O mundo terá que passar por esta provação para que, finalmente, possa mudar de pensamentos e atitudes. Parafraseando Francisco de Assis, esta é a hora definitiva de chamar todos os seres vivos de irmãos.

            É o momento da profilaxia do corpo e da alma. De mudar a forma de pensar e de agir para a manutenção da nossa casa no Universo.

            Aqui, no plano espiritual, um mar de pânico pode ser avistado. Choros compulsivos, desespero, medo, tristeza e incertezas do amanhã podem ser ouvidos. Estamos todos em quarentena pela humanidade. No entanto, nossa quarentena não pode ser isolada. É preciso enfrentar este deserto e ajudar todos os que clamam e os que não clamam.

            Vocês não conseguem perceber o nosso árduo trabalho, mas estamos em tempo integral (sem contar os ponteiros dos relógios), o tempo todo, mesmo sabendo que por aqui não temos o mesmo tempo que a humanidade.

            Ninguém está só. Nenhuma alma. Somos invisíveis a olhos nus, mas visíveis aos olhos do Criador. Assim como enfermeiros, médicos, faxineiros, cientistas, profissionais de saúde, entre tantas profissões heroicas, estamos na linha de frente para o combate desta pandemia. Estamos a postos para emanar energias curativas e tranquilizadoras. Deste lado, os desencarnados recebem os primeiros cuidados com carinho, zelo e afeição, todos são amparados. Muitos chegam surpresos, aterrorizados, mas as hostes de luz prestam seu serviço de socorro, de consolo, de abrigo e amor.

            Apaziguem vossos corações e confiem no Alto! Tudo isso vai passar, mas a humanidade não passará, permanecerá. Contudo, esperamos que a humanidade definitivamente tenha aprendido a lição.

            Com amor, nós, amigos astrais da Fraternidade da Cruz e do Triângulo

Médium - Maurício Santini

Informações coerentes com os estudos espirituais e com a realidade que testemunhamos no mundo. Resta a nós fazermos nossa parte, associados ao exército do Cristo e referendando a justiça do Arcanjo Miguel.


Publicado por Sióstio de Lapa em 21/08/2020 às 07h43
 
20/08/2020 07h42
CHICO XAVIER NA PENITENCIÁRIA DE SÃO PAULO

            Tenho certa dificuldade de ver com bons olhos a comunidade carcerária. Talvez a visita que Chico Xavier fez à Penitenciária de São Paulo sirva para melhorar o meu olhar cristão, com a alguns dos meus leitores que pensam como eu. Vejamos.

Em uma entrevista concedida em Uberaba, na data de 11/03/1979, a um grupo de jovens integrantes da Juventude Espírita Abel Gomes, do Rio de Janeiro, em fraternal clima de bate-papo, Chico Xavier respondeu a diversas questões propostas.

Ao longo da entrevista, o médium narrou fatos interessantes ocorridos durante uma visita que fez à Penitenciária de São Paulo. Esclarecendo sobre a importância do livro espírita e, com aquele seu modo simples de falar, sua humildade para colocar os fatos e situações, ele comentou:

— Sabe que na Penitenciária de São Paulo, o livro está entrando muito? Já fui lá duas vezes, antes de ficar doente. A Diretoria da Casa pediu àqueles que quisessem ouvir a prece e a palestra, se inscrevessem — 542 se inscreveram. Eu estive com esses 542 companheiros. Foi um encontro tão agradável que tive vontade de passar férias na cadeia… não para ficar descansando, mas para conversar toda noite com os que pudessem conversar, mesmo na cela — porque lá têm espíritos brilhantes, maravilhosos…

P. — Na cela, há espíritos maravilhosos?

R. — Ali dentro da Penitenciária.

P — Na condição de preso, não é?

R — De presos. Desses 542, um me disse:

— “Pois é, Chico Xavier, nós somos tratados por números. Muitos são os presos e os cárceres, então têm que colocar número, n. º 3, n. º 14, isso dá muito desgosto. “ Então eu disse assim: — Meu filho, quem é de nós hoje que não é tratado por número? É número de telefone, de carro, de casa, do CEP, não sei de que, do CIC, nós ainda estamos com mais números que você. Só que agora estamos na cela ambulante e vocês estão na fixa.

Eles riram muito.

Há muita gente boa presa, nós temos que compreender a situação deles…

Carinho aos reeducandos.

P. — Chico, os espíritos brilhantes que estão lá dentro, têm a tarefa de ajudar a recuperar os outros que estão nessa situação, é por isso que estão lá dentro? Ou cometeram erros e estragaram a reencarnação?

R. — Absolutamente, e a gente tem que compreender a situação deles, porque eles todos estão com o coração na flor dos olhos, mas, pedindo entendimento.

Terminada a reunião, na hora de sair da sala, eu disse ao Diretor: Preciso ir embora, mas, antes eu quero beijar e abraçar a todos. Ele falou para mim: — “Deus me livre. Não, senhor. Você não vai abraçar, nem beijar ninguém. “ Então eu disse a ele: — Não senhor doutor, eu não viria aqui fazer prece, para depois me distanciar dos nossos irmãos. Não está certo. Haverá tempo, o senhor disse que só precisará do salão daqui a uma hora e tanto… sendo assim… eu lhe peço licença para abraçar. — “Chico, nesse salão, no outro dia, mataram um guarda de 23 anos. Afiaram a colher até virar punhal. Mataram e não se soube quem matou. Aqui tem criminosos com sentenças de 200 a 300 anos, eles podem te matar…”

— Pouco importa, vim aqui para o encontro e o senhor não me permite abraçar?

— Então você vai fazer o seguinte: você vai abraçar através da mesa. — (Deus me livre). — Tem que recuar esse povo que veio com você (umas 40 pessoas). Ficam só duas senhoras tomando nota porque seus encontros serão rápidos e nós vamos colocar 18 baionetas armadas em cima. Se houver qualquer coisa você morre também. “ Eu fiquei na frente e comecei a abraçar os 542. Eu abraçava e beijava; muitos que falavam comigo, um segredinho, podia falar assim… meio minuto. Dos 542, só um, de uns 40 anos, chegou perto de mim e ficou impassível como uma estátua. O Diretor estava ali perto de mim e eu pedi às duas senhoras que dessem a cada um, uma rosa. Quando aquele chegou e ficou parado eu disse a ele: — O senhor permite que eu o abrace? — “Perfeitamente”, respondeu-me. Então eu o abracei, mas ele estava ereto.

— O Sr. deixa que eu o beije? — “Pode beijar. “ Eu beijei de um lado, de outro, beijei quatro vezes, aí duas lágrimas rolaram dos olhos dele. Então ele disse: — “Muito obrigado. “ E foi embora. Foi o único que ficou ereto, mas chorou…, mas todos receberam o abraço.

  • Emmanuel/Chico Xavier - Livro: Entender Conversando.

Pois é... apesar da violência que existe dentro dessas instituições, acredito que muitas almas “boas” estejam ali dentro. Mas também sei que existem muitas outras almas cristalizadas no mal, que podem fazer maldade apenas porque tem uma chance. A história de Chico Xavier me sensibilizou, mas ainda não foi suficiente para tirar de mim a ojeriza ou o medo de me expor como ele fez. Reconheço que esta é mais uma falha na minha consciência cristã, o próprio Jesus recomenda o que Chico Xavier fez. Mas, este não é o único aspecto negativo que ainda possuo e por isso estou aqui neste planeta, para quebrar as arestas negativas que ainda possuo agregadas ao espírito.


Publicado por Sióstio de Lapa em 20/08/2020 às 07h42
 
19/08/2020 00h19
DEUS, ADVOGADO E JUIZ

            Recebi um vídeo antigo de um programa de jurados conduzido pelo apresentador Sílvio Santos, onde uma das juradas fez uma pergunta que gerou uma resposta muito especial, apesar de simples, que trago aqui para nossa reflexão.

            - Sílvio, por que você sempre foi vitorioso?

            - Realmente eu costumo ter mais vitórias do que derrotas por uma razão. Quando o ser humano está com a razão, Deus é o seu advogado. Ninguém vence o ser humano quando ele tem razão. Quando o ser humano não está com a razão, Deus é o juiz e o demônio é o advogado de quem não tem razão. Quem tem razão, forte ou fraco, vence sempre. O Bem sempre vence o Mal. O Mal vence por alguns minutos, por algum tempo, mas o Bem sempre vence o Mal. E não teríamos razão para viver, mesmo que essa vida termine no pó, não teríamos nenhuma razão para viver se o Mal vencesse o Bem.

            Pode parecer simplória, mas para mim tem uma inteligência implícita, muito útil para os dias atuais, onde a guerra entre o Bem e o Mal adquire alta proporções, onde a mentira, o fake news, domina o noticiário, onde não sabemos bem onde nos situar, mesmo querendo estar do lado do Bem, podemos muito bem, estar alinhado com o Mal. O campo político estar emaranhado com esse caldo, onde o Bem as vezes usa as armas do Mal, e o Mal as vezes toma decisões bem próximas ao Bem.

            É necessário que sejamos atentos, prudentes ao analisar toda ação do nosso conhecimento. Podemos estar convictos de estar certos, mas alguém de fora, de olhar neutro, pode perceber muita incoerência com a verdade, com o Bem.

            Lembro que em 2002 eu defendia as posições políticas da esquerda e votei no Lula que se elegeu presidente pela primeira vez. Logo veio o escândalo do mensalão, onde foi descoberto o pagamento a parlamentares para eles votarem na proposta de interesse do governo. O presidente que elegi dizia que não sabia nada do que ocorria, todos sabendo que essas maracutaias tinham origem no seu gabinete, nas pessoas mais próximas, de total confiança. Isso fez com que eu tirasse o meu apoio a esse presidente e ao seu partido. Em seguida, diversos outros escândalos vieram à tona e todos os níveis da administração se mostraram comprometidos com a corrupção. O país sentia esse sangramento dos seus recursos para os bolsos e para a ideologia dos administradores de esquerda. O caso da Lavajato foi o estopim que colocou milhares de brasileiros nas ruas de todas as principais cidades, e entre eles eu, à procura de uma solução para tanto descalabro. O Congresso parecia todo contaminado pela corrupção, vários deputados e senadores com mais de um processo de má gestão ou corrupção com o dinheiro público. Enriquecimento instantâneo e vergonhoso acontecia às nossas barbas, como o filho de Lula e parece que todos estavam com rabo preso às iniquidades. 

            Dentro desse contexto, uma só voz parecia fazer eco ao nosso clamor nas ruas, a do deputado federal Jair Bolsonaro. Dessa forma ele foi eleito, inclusive com o meu voto, da forma mais bela que se pode imaginar, algo que eu sempre sonhei fazer na campanha de um simples vereador e não conseguia. Me eleger sem comprar votos de ninguém, ser eleito porque o povo tinha confiança em mim. Nunca usei dinheiro de cota partidária, diretamente. Posso ter sido beneficiado indiretamente por alguma propaganda na qual eu fui incluído.

            Esta foi minha trajetória até chegar neste ponto em que defendo até agora o presidente Bolsonaro, porque não vejo ele fazer nada de iniquidade que os seus antecessores fizeram. No entanto, pessoas da minha mais alta estima, educadas, politizadas, fazem duras críticas por eu estar apoiando um presidente dessa estirpe. Será que estou errado? Deixo aqui a reflexão para meus leitores ajudar nessa compreensão: será que eu estou tendo Deus como advogado ou como testemunha de acusação? Pois e eu considerar que estou errado, tenho que rapidamente mudar de opinião. Mas tenho que ter argumentos sólidos para isso acontecer, como aconteceu a minha posição politica, de esquerda para a direita.


Publicado por Sióstio de Lapa em 19/08/2020 às 00h19



Página 8 de 638 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr