Meu Diário
23/10/2022 00h01
FACADA VIRTUAL

            Qual a mais perigosa? Uma facada real ou uma facada virtual?



            Podemos fazer essa avaliação de forma bem consistente observando o que está acontecendo com o nosso Presidente, Jair Bolsonaro.



            Todos sabemos que em sua campanha, na cidade de Juiz de Fora-MG, ele recebeu uma facada covarde quando estava sendo conduzido nos ombros por um dos seus eleitores. O criminoso foi preso onde se encontra até hoje, sem que os demais criminosos envolvidos tenham sido identificados publicamente até o momento.



            Essa facada real mostra duas realidades opostas: primeiro, a competência dos serviços de saúde em controlar com a urgência que o caso exigia uma situação tão grave; por outro lado, mostra a incompetência da polícia e da justiça em desvendar o crime com a mesma rapidez com a qual a vítima teve a vida salva.



            Parece que os principados e potestades, anjos e demônios do mundo espiritual tem territórios demarcados no mundo material. Enquanto na saúde prevalece a ação dos anjos salvando vidas, na justiça prevalece a ação dos demônios favorecendo a destruição das vidas.



            Se essas forças espirituais, benignas e malignas, influenciam nossas vidas mais do que possamos imaginar, algumas pessoas parecem ser alvo mais intenso dessas referidas forças. Isso parece ser bem demonstrado no perfil dos dois atuais candidatos à presidência. Enquanto um defende a Verdade, conforme está na Bíblia, o outro defende a mentira conforme é o jogo político, segundo ele. Enquanto um é atingido pelas acusações de suas iniquidades, o outro é atingido por falsas narrativas e facadas. A primeira foi uma facada real que até hoje continua coberta pelas sombras.



            Agora, a facada virtual desferida sobre o mesmo candidato, tem a mesma letalidade que a primeira, a facada real?



            Essa facada virtual se refere a tentativa de, através da fala, se destruir a honra de uma criança de 12 anos, filha do presidente. Claro, ele ao receber a notícia, isso serviu como uma facada na sua alma. Não tem como na primeira facada, o risco da hemorragia ou da infecção bacteriana parar o seu coração. Mas tem como objetivo destruir a fortaleza de seu âmago cristão, de servir ao próximo como gostaria de ser servido. Vale a pena lutar com tanto sacrifício por uma população que te esfaqueia fisicamente o seu corpo, esfaqueia sem escrúpulos a sua reputação, e agora, sem o mínimo de pudor ou decência esfaqueia a honra da sua filha menor?



            É isto que essa facada virtual pretende... deixar nosso candidato abatido no campo de batalha, correndo agora não sangue pelo seu corpo, mas lágrimas pelo seu rosto, de desespero por não poder salvar sua filha da maldade, como ele foi salvo pelos cirurgiões...



            Parece que não temos a quem apelar para corrigir tantas iniquidades... mas não é verdade. O comando da guerra está no mundo espiritual. Somos espécies de marionetes cujo livre arbítrio decide seguir o mal ou o bem, segundo os frutos que são produzidos pelas ideologias defendidas. Nosso comandante é Jesus, o Cristo, que obedece à vontade do Pai conforme Ele nos ensinou. Podemos ser trucidados pelo engenho do mal, aqui no campo material, mas tudo sofre reorientações no mundo espiritual onde a justiça divina jamais falha ou esquece qualquer centavo que ficar restando. Não basta dizer sou cristão, basta reconhecer em que lado você está trabalhando, militando... é no Caminho, na Verdade e na Vida que o Cristo ensinou?



Publicado por Sióstio de Lapa em 23/10/2022 às 00h01
 
22/10/2022 22h17
TEMPLÁRIOS – POBRES CAVALEIROS DO CRISTO

            Fazendo reflexão sobre o conteúdo dos Templários apresentado pela Brasil Paralelo, coloco aqui para nossas considerações atuais.



            Os Cavaleiros Templários travaram uma luta de duplo front. Uma luta contra a carne e o sangue, mas também contra os espíritos malignos espalhados nos ares.



            São Bernardo de Claraval diz, na história desses cavaleiros, que jamais poderiam se render no campo de batalha, e que eles contribuíram fortemente para mudar para sempre o destino do Ocidente, de Portugal e do nosso Brasil.



            Todo peregrino cristão que quisesse ir para a terra de Canaã e Israel, naquela época, tinha o seu caminho impedido e corria risco de vida real.



            Um grupo de nobres da França se reuniu e formou uma Ordem. Tinha o voto de não recuar do campo de batalha. Foram membros de uma ordem religiosa e militar ao mesmo tempo. Como religiosos, esses cavaleiros faziam voto de pobreza, castidade e obediência. Como militares, faziam outro voto: proteger os peregrinos que se dirigiam à Jerusalém. Mas proteger de quem? Qual era a ameaça? O que isso tem a ver com a história do Brasil?



            A história dos Cavaleiros Templários está ligada à história das Cruzadas e muitos altos e baixos. A Cruzadas foram investidas militares para salvar dos muçulmanos, os lugares Santos no Oriente.



            Os peregrinos cristãos que iam à Terra Santa passaram séculos sendo atacados pelos muçulmanos. O caminho não era seguro e peregrinar significava o risco de perder a própria vida



            Em 1120 o rei Balduino II de Jerusalém pediu ajuda. Um grupo de cavaleiros atendeu o seu chamado. Estavam dispostos a se sacrificar para proteger os peregrinos. Foram chamados de Pobres Cavaleiros de Cristo.



Nos primeiros 10 anos não há muitos relatos sobre suas atividades. Isso mudou com as pregações de um santo católico, São Bernardo de Claraval. Por volta de 1129 ele apresentou a causa dos Templários ao Papa Honório II.



Assim, a Igreja reconheceu oficialmente a Ordem dos Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão. Foi o próprio São Bernardo que escreveu os fundamentos espirituais que os cavaleiros deveriam seguir. A batalha seria dupla, lutar contra si mesmo e contra os inimigos de Cristo.



Podemos observar que desde essa época existia a compreensão de que a guerra que nos envolvemos na Terra está sendo travada em dois fronts: uma luta com nossos irmãos de carne e sangue, no campo material, e também no campo espiritual com os espíritos malignos espalhados pelos ares e que dominam nossas mentes com mentiras e falsas narrativas. É importante ter este conhecimento, pois os irmãos que lutam ferrenhamente contra os princípios cristãos, por mais perversos e imorais que mostram ser, estão também fortemente hipnotizados pelas estratégias do mal. Aqui, hoje, entre nós, o principal veículo que instrumentaliza essa hipnose maligna é os meios de comunicação, principalmente a televisão, onde os nossos irmãos ingênuos deixam os seus aparelhos ligados diuturnamente para manter suas mentes no que o mal deseja, sem que tenhamos capacidade de discernimento.



Publicado por Sióstio de Lapa em 22/10/2022 às 22h17
 
21/10/2022 23h54
REFLEXÃO SOBRE A FESTA

            Esta festa de aniversário de 70 anos foi fruto de uma intuição gestada no meio de tantas dificuldades que surgiram para viabilizar uma festa tradicional, como tinha se pensado desde o início da programação.



            O convite feito à mais de 100 pessoas de forma virtual, para uma reunião virtual festiva, contou com cerca de 40 pessoas, sendo aproximadamente 15 de forma presencial.



            Abri a sala pela plataforma Meet do Google as 18h30 como estava no convite, para acolher os primeiros a chegar e conversar informalmente com eles.



            Às 19h comecei a reunião dizendo que iria abordar minha trajetória de vida em dois blocos. O primeiro se caracterizava pelos meus primeiros anos de vida até cerca dos 45 anos, considerando a metade da média de vida que estamos alcançando.



            Nessa primeira fase o ponto nevrálgico foi a mudança de paradigmas que se operou na minha consciência. Eu já estava casado e queria cumprir até o fim da minha vida os compromissos assumidos desde o momento do casamento, principalmente a fidelidade ao amor exclusivo à minha esposa. Depois de muitas reflexões sobre os ensinamentos espirituais, principalmente do Cristo, quanto ao amor incondicional e o “fazer ao próximo aquilo que desejamos ser feito a nós”, resolvi mudar a minha forma de amar, praticar o amor inclusivo, com quantas mulheres que se aproximassem de mim e o afeto pudesse fluir, sem ferir os critérios do amor incondicional, até a intimidade sexual se fosse o caso. Esta mesma condição que eu assumia como permitida e até necessária para a construção do Reino de Deus, a minha esposa também podia praticar.



            Coloquei dessa forma e dei espaço para que houvesse críticas e apontamentos de onde eu estaria errado, pois sou acusado muitas vezes de trazer sofrimento às mulheres que se envolvem comigo. Meus convidados não apontaram nenhuma crítica que sinalizasse um erro de comportamento frente aos critérios éticos envolvidos na lei de Deus.



            Parti então para o segundo bloco de reflexão onde apontei o caminho que minha vida tinha assumido de forma prioritária no campo espiritual, reconhecendo a existência de uma guerra espiritual que se arrasta ao longo dos séculos e que hoje mostra uma acirrada luta por todo o mundo e principalmente no Brasil. Relatei que eu me considerava um combatente nesta guerra dentro do exército do Cristo e que irei procurar agir com mais protagonismo, reconhecendo Nossa Senhora da Conceição Aparecida como a rainha do Brasil. Uma das atividades que já estou no planejamento de realizar, seria a prática de um rezar um terço a favor do Brasil e contra a ameaça comunista.



            Mais uma vez meus convidados não apresentaram nenhuma crítica a esse posicionamento e depois de algumas manifestações de reconhecimento as minhas diversas atividades, em todos os campos, minha companheira fez um depoimento reforçando o que eu acabara de falar e dizendo que realmente sofre por minha forma de pensar e agir, mas foi escolha dela ficar ao meu lado e dessa forma não tem o que reclamar de mim, pelo contrário, agradece o quanto eu ajudei no seu crescimento pessoal e espiritual, inclusive os membros de sua família e amigos. Ela terminou o relato cantando a canção de São Francisco, e dessa forma encerramos a reunião, que considero foi um sucesso, pelo menos para a minha consciência, que ficou mais satisfeita do que se tivesse sido de forma tradicional, como foi a dos 60 anos.



Publicado por Sióstio de Lapa em 21/10/2022 às 23h54
 
20/10/2022 00h15
FESTA DE ANIVERSÁRIO

            Conforme as mensagens que tenho recebido do Pai referente a festa de aniversário que parentes e amigos estão planejando fazer para mim, resolvi mais uma vez fazer alterações de última hora.



            Tenho me colocado numa encruzilhada, numa festa de cunho materialista desejado pela maioria dos parentes e amigos, e num momento de cunho espiritual que levem todos ao meu redor a uma reflexão na vida que levamos, e nossa sintonia com Deus.



            Hoje é este dia. Estou dando a 70a. volta em torno do sol. Da mesma forma que nos primeiros anos de minha vida eu não percebia a importância do sol, mesmo assim acontecia com relação a Deus. Só vim perceber a importância como Pai, Criador de todos nós, entes da Natureza, muito depois de perceber a importância do sol.



            Agora, com todo conhecimento que adquiri, da importância de me aproximar do Pai pela prática do Amor Incondicional, minha mente capta as intuições para elaborar as diversas estratégias para esta festa de aniversário.



            Algumas dessas estratégias foram descartadas por vários motivos, e em todos eles, acredito que esteja o “dedo do Pai”. Portanto, esta é a última estratégia que elaborei nos últimos minutos do dia anterior, que imagino ser esta também a escolha do Pai.



            Será uma festa com o uso da tecnologia para incluir todos que queiram participar, independente da distância em que estejam.



            Abrirei uma sala na plataforma meet e enviarei o endereço para todas as pessoas que tenham algum grau de relacionamento comigo.



            As 18h30 abrirei a sala e ficarei na recepção de todos que estejam chegando, conversando de maneira informal.



            As 19h a reunião propriamente dita será iniciada. Falarei a todos da minha progressão de vida, os caminhos que Deus ofereceu a mim e que eu segui. Desde o momento do nascimento, da infância, adolescência, até chegar no momento atual.



            Todos poderão intervir a qualquer momento, explicando o que minha fala fez ele lembrar, e coloca o fato e minha.



            No final, agradeço a presença de todos, o quanto foi importante refletir de forma coletiva com as pessoas que trilham pelo mesmo caminho que eu ou que mesmos distante, por outros caminhos, mas cuja meta é a aproximação com Deus.



            Encerraremos com uma prece, e apagarei o bolo encimado pelo Espírito Santo, fecharei a sala após a despedida fraterna e me juntarei as pessoas que estavam junto comigo presencialmente, para um jantar coletivo.  



Publicado por Sióstio de Lapa em 20/10/2022 às 00h15
 
19/10/2022 00h01
UMA POESIA EVOLUTIVA

            Uma mensagem espiritual... Uma reflexão material...



Não se consegue precisar, com absoluta certeza, quando surgiram nas vastidões terrestres os primeiros agrupamentos de hominídeos. Pesquisadores e arqueólogos, vem exumando das entranhas do solo, fósseis e esqueletos, objetos primitivos e carvões de fogueiras ancestrais que hão admitido que estamos vagando no mundo a aproximadamente 10 milhões de anos. Desde o surgimento dos primatas, seguindo-se os elementos macacóides e sua evolução para formas mais avançadas, temos no laboratório da natureza primoroso altar onde o mármore grosseiro da evolução material foi e continua sendo lapidado de maneira incessante.



A dentição saiu da grosseria e do primitivismo para o atual conjunto de 32 dentes na boca, o conjunto cerebral sofreu profundo aperfeiçoamento para registrar cores e sons, os olhos passaram por lapidação cuidadosa dos prepostos do Cristo de Deus para enxergarem além das paisagens desérticas do paleolítico, permitindo mais dilatada permanência do Espírito imortal na argamassa orgânica em que se agita, nas tramas da evolução.



O córtex cerebral, expandindo suas diversas funções facultou, ao longo de milhares de séculos, melhor capacidade de apreensão do campo sensório, outorgando ao ser mais dilatada interação com as forças espirituais que o cercavam continuamente. De um pensamento quase que estritamente refém das sensações grosseiras, descontínuo e assinalado por baixas vibrações, o cultivo do pensamento religioso, os primórdios da filosofia e o culto aos antepassados, seja nas cavernas ou posteriormente nos templos do politeísmo ancestral, fizeram com que a sede de saber se dilatasse além dos estreitos limites da matéria, impondo às civilizações a busca da compreensão da vida e do significado existencial.



Nasce o sacerdócio primitivo, herdeiro e curador de elevados conhecimentos acerca do transcendente.



Não basta consumir proteínas e nutrientes com que o vasilhame carnal seja mantido em sua funcionalidade passageira. O ser tem ânsia de saber porque existe e qual sua destinação após a morte.



Tateando a lousa fria dos mausoléus, a lágrima se lhe fez lixívia que suavizou o olhar para o infinito, apontando-lhe dilatados horizontes além das cartilagens em que se movimenta.



O anseio pelo sagrado o abrasou. A fome de Deus o consumiu. A oração, mesmo quando articulada no clima do desespero ou das exigências descabidas, já mobilizava matéria mental sutil, permitindo que o ser expandisse suas energias em direção aos vastos continentes vibratórios que o cercavam, e onde se movimentam milhões de inteligências desprovidas do envelope de ossos.



Nessa interação, mesmo que não percebida pela consciência, o ser sorveu farto material de natureza psíquica, que confortou o coração sedento de respostas.



A dor da separação pela morte vem sendo amenizada. O intercâmbio psíquico com as inteligências domiciliadas além da matéria densa o nutre de intuições e pensamentos novos e sua curiosidade o emula à investigação incessante, onde a tênue fronteira entre os dois planos existenciais se dilui com acentuada frequência, permitindo troca de informações que elucidam paulatinamente as incógnitas do destino.



A concepção de Deus abandonou o antropomorfismo ancestral para redimensionar a Divindade como uma abstração, um moto contínuo, uma inteligência suprema e incausada, que guia pelo instinto desde o batráquio das regiões pantanosas até o ninhal de estrelas no infinito.



No caos reside uma ordem implícita. Agitam-se os elementos em convulsões gigantescas para se articularem em novas estruturas. O átomo evolui para a angelitude.



O instinto é lapidado para se tornar razão, a caminho da intuição.



A fera vagueia nas florestas e nas savanas, buscando apenas satisfazer as necessidades básicas, mas chega um momento em que a Providência Divina a encaminha para a sublimação dos vagidos animalescos, desenvolvendo outros campos em adormecimento no terreno das possibilidades infinitas.



O carbono, oculto no seio da terra, se faz diamante ao longo de milhares de anos.



E na direção de todos os fenômenos que regem as balizas da evolução terrestre, a condução segura e amorosa do Cristo, a se expressar na ternura com que aprimora as ovelhas da imensa Casa de Israel.



Jorros incessantes de amor dulcificam as difíceis experiências evolutivas. Missionários, atendendo Sua invitação de esperança e amor, se materializam periodicamente na crosta, alimentando a Ciência, iluminando a Filosofia e desmaterializando a Religião, a fim de que o trio, em harmonia, catapulte o ser na direção das estrelas, após percorrido os sombrios vales das experimentações palingenésicas.



E quando o bruto se transmuta no sensível, a lagarta deixa o casulo para experimentar a leveza das falenas, o Espírito compreende o imenso caminho que lhe está posto à frente, se fazendo solidário e amoroso, buscando alcançar sua fatalidade evolutiva: unir-se ao Divino para mais servir e amar.



Henrique de Luna e Marta



Salvador, 23.08.2022



Publicado por Sióstio de Lapa em 19/10/2022 às 00h01



Página 9 de 798 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » «anterior próxima»


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr