Meu Diário
15/01/2024 00h01
DIVISÃO NA IGREJA CATÓLICA 03 LIBERDADE E OBRIGAÇÃO

            Farei aqui, para a nossa reflexão, a transcrição do vídeo publicado pelo Frei Tiago de São José, em 09-12-23, com o título “Confusão e Divisão na Igreja: Prof. Roberto de Mattei e o Anarco-vacantismo. Farei algumas retiradas a meu critério, mas que não prejudique o conteúdo, inclusive colocando entre aspas algumas considerações dentro do texto que eu considere importante no papel que vou desempenhar como acadêmico universitário, em busca da Verdade e evitando e/ou denunciando as falsas narrativas. 03 – Liberdade e Obrigação.



            Em uma declaração datada de 09 de novembro, Monsenhor Viganò afirmou que o inimigo da Igreja age com coerência e premeditação ao realizar exatamente o oposto do que se espera do Vigário de Cristo, do sucessor do Príncipe dos Apóstolos. Ele exerce a sua autoridade de Papa contra a autoridade de Cristo. Como ele pode ser considerado o seu Vigário?



            Este é um argumento muito sólido, com todo o sentido. Como ele pode ser Papa, ou seja, Vigário de Cristo, aquele que está no lugar do Cristo, usando a autoridade de Cristo e ao mesmo tempo agindo contra aquilo que Cristo instituiu através dos seus Vigários no decorrer de 2000 anos de história.



            Em resumo, Monsenhor Viganò admite que Francisco ocupa materialmente o trono de São Pedro e por isso nega ser um sedevacantista. Mas ao mesmo tempo está convencido de que Bergoglio não é formalmente Papa porque carece dessa intenção de fazer o bem da Igreja que constitui a forma e a essência do papado.



            (...)



            A última declaração que foi feita no Concílio Vaticano II foi como um xeque-mate, perverso, anticatólico, pois declara que o ser humano é livre para escolher a sua religião. Então, se o ser humano é livre para escolher a sua religião, então Deus não revelou uma verdade. Se Ele revelou uma verdade, então não podemos dizer que o ser humano é livre. O ser humano é obrigado a acolher a verdade revelada por Deus. Ele é livre para ir contra Deus, isso é outra coisa. A pessoa pode fazer a opção: não quero deus, tudo bem, ele é livre de optar de ser contra Deus. Mas a Igreja dizer que você tem o direito de escolher a sua religião é a mesma coisa que dizer que existem boas religiões e que também conduzem à salvação, e que podem estar em oposição à Igreja Católica. Isso é um atestado de suicídio para o catolicismo e essa é a marca principal do Concílio Vaticano II que dá origem ao nascimento de uma nova igreja.



            Vejo certa incoerência nesse parágrafo, relacionado ao livre arbítrio que Deus nos concedeu. Portanto, estamos livres para decidir em qualquer instância que sejamos provocados, seja em aceitar ou não determinada religião, seja aceitar a própria existência do Pai, do Criador. No entanto, tem razão quando fala da Igreja Católica onde todos os integrantes aceitam a condição de que fora dela não há salvação. Se um membro da Igreja diz a uma pessoa que pode escolher qualquer religião, que é seu direito de livre arbítrio, sem advertir que fora da Igreja não há salvação, deixando entender que todas estão niveladas na mesma condição de alcançarem o Reino de Deus, então comete um sério erro, contra si, contra a Igreja e contra quem precisa da informação.



            Contra si, pois sabe que está dentro de uma Igreja que tem a missão de salvar exclusivamente àqueles que reconhecem a sua importância e ingressam dentro dela, e não entrega essa informação ao necessitado;



            Contra a Igreja, pois foi formada com esse objetivo, de salvar as almas por todo o mundo, daí o termo Católico associado ao seu título, e quem deve fazer isso é quem já estar dentro dela, usufruindo do direito de salvação da alma; e



            Contra o necessitado, pois não tem a devida informação de que é exclusivamente nesta Igreja Católica que ele vai encontrar a condição de salvar sua alma, vai exercer o seu livre arbítrio sem considerar o erro mortal que está cometendo.



Publicado por Sióstio de Lapa em 15/01/2024 às 00h01
 
14/01/2024 00h01
INIQUIDADES... BOMBAS SOBRE O EXÉRCITO CRISTÃO

            No Evangelho de Mateus (24:12) é registrado um trecho do que Jesus disse aos discípulos quando saía do templo: “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará”.



            Dentro da perspectiva da Guerra Espiritual, Jesus como nosso comandante estava explicando a estratégia de Satanás, o nosso adversário.



Para conseguir que nós cristãos, adormeçamos espiritualmente e perca a capacidade de integrar o exército do Cristo, Satanás procura afastarmos de Deus, fazendo com que nosso amor por Ele esfrie, soltando bombas de iniquidades.



Tive a comprovação desse fato assistindo ontem a uma live de um padre que foi excomungado. Era um padre que procurava seguir a verdade de acordo com as regras da Igreja Católica, da qual ele era um sacerdote. Porém, em entrevistas públicas deixava transparecer as críticas que fazia a alguns malfeitos que acontecia dentro da Igreja, inclusive por seus superiores. Então foi organizado um tribunal para o seu julgamento cheio de iniquidades que levou na sua excomunhão. Tanto é verdade que essas pessoas que organizaram este tribunal estavam cheias de iniquidades, que o próprio juiz que conduziu o julgamento logo depois foi preso pela polícia federal devido a desvio de recursos da Igreja.



Logo em seguida esse padre discorria sobre como se sentia no momento, uma pessoa que não acreditava em Deus da forma que a Igreja Católica ensina e que o cristianismo presta um desserviço à sociedade, trazendo mais malefícios que benefícios e por isso não se considera mais um cristão e não aconselha ninguém a seguir Cristo.



Percebi exatamente o que o Cristo disse naquele momento, naquela época e que Mateus registrou. As bombas de iniquidades espalhadas por todos os ambientes, até dentro das Igrejas, fizeram esfriar o amor de uma pessoa que já havia se consagrado ao sacerdócio, quanto mais de uma pessoa que não tem uma formação tão sólida.



Satanás sabe que se for bem-sucedido em levar-nos a priorizar outras coisas, materiais, como família, necessidades corporais, desejos, emprego, ele conquistará espaço em nossa vida. E esse espaço é a área que ele usará como base para avançar em seu ataque para derrotar Deus destruindo nossas almas, a criação divina.



No exemplo do padre excomungado através de iniquidades, o Cristo perdeu um aliado e Satanás cooptou mais uma pessoa para minar o exército do Cristo. Percebi que o padre não é uma pessoa má, que não usa a mentira como arma de ataque ou de vingança, mas está atacando frontalmente a natureza mística do nosso líder espiritual e consequentemente a estratégia divina que faz o combate ao maligno.



O amor por Deus deve ser a força motivadora de nossa vida. Tem que ser algo que nos consuma, fazendo com que tudo o mais fique em segundo plano. Não podemos servir a Deus com o coração dividido. Temos de amá-lo de todo o coração, alma e mente, com todas as forças. Temos de amar a Deus muito mais que a nós mesmos ou à nossa família.



Sei que ainda não estou neste nível de combatente ao lado de Cristo, este que demonstrou em todos os momentos como um filho obediente deve agir, até mesmo chorando e suando sangue na perspectiva do cálice de sofrimento que iria sorver, para cumprir a vontade do Pai.  



O mundo que vivo está cheio de hedonistas. Os espíritos do egoísmo, da ganância, da lascívia e da cobiça estão à solta. Sei que não pratico tantas iniquidades quanto eu vejo ao redor, mas hoje mesmo estou planejando com a família um momento de lazer na praia. Não seria o momento de colocar a vontade de Deus em primeiro plano?



Falta em mim a sabedoria para conduzir essa reflexão e a coragem para a colocar em prática, se o resultado for contrário aos meus desejos materiais.



Publicado por Sióstio de Lapa em 14/01/2024 às 00h01
 
13/01/2024 00h01
NASCER DE NOVO

            No Youtube tem uma série de vídeos que mostram a vida de Jesus. Vou reproduzir o trecho do diálogo que o Mestre tem com Nicodemos, um mestre israelita, para nossas reflexões...



            - Rabi, sabemos que é mestre vindo da parte de Deus. Ninguém pode fazer o que o Senhor faz se não estiver com Ele.



            - Nicodemos, preste atenção. Em verdade te digo que se alguém não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus.



            - Nascer de novo? Como pode um homem nascer de novo se já ficou adulto e cresceu? Não podemos retornar ao ventre materno e recomeçar...



            - Nicodemos, ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nascer da água e do Espirito. Quem nasce do homem tem a natureza humana e quem nasce do Espírito Santo tem a natureza dEle, que é espiritual. Por isso você precisa nascer de novo. O vento sopra aonde quer, ouve-se a sua voz, mas ninguém sabe de onde ele vem e nem para onde ele vai. A mesma coisa acontece com todos que nascem do Espírito.



            - Não entendo...



            - Você é um mestre em Israel e não compreende. Esse é o problema. Você ensina e fala daquilo que não sabe. Nós falamos daquilo que sabemos e vimos, mas vocês não aceitam nosso testemunho. Se falando das coisas terrenas você não crer, imagina das coisas celestiais. Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu único filho para que todo que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna.



            - Mas quem merece tamanho sacrifício?



            - Ele não fez isso para julgar o mundo, Nicodemos, mas para que o mundo fosse salvo por Ele. Basta crer e você não será julgado.



            - É só isso? Crer?



            - Só. Porém, as pessoas amam mais as trevas do que a luz, porque a luz expõe o que elas fazem de mal. Só quem pratica a verdade se aproxima da Luz e Suas obras sejam vistas claramente.



            Jesus quer mostrar a Nicodemos que a humanidade vive envolta em trevas, dominada pelo Behemoth, o monstro criado por Deus para proteger a nossa individualidade corporal. Por isso, seguindo os instintos animais que dão energia a esse monstro de sete cabeças que reside dentro de nós, agimos como qualquer animal irracional, sempre em busca dos interesses egoístas que o corpo exige, atacando o próximo de todas as formas que a inteligência superior do espécime humano apresenta. Esse homem que nasceu da carne e vive hipnotizado pelos interesses da carne, precisa saber da prioridade do espírito criado por Deus que também habita este homem e que deve ter a responsabilidade com o Pai, de se comportar como um filho do Criador e irmão de todo ser humano que é o seu próximo, agindo com ele como se estivesse agindo consigo mesmo.



            Como Deus percebeu que a humanidade não conseguiria sair dessa escravidão mental que as trevas proporcionaram em sua consciência, decidiu enviar o Seu filho mais evoluído espiritualmente para mostrar o Caminho com a luz da Verdade, para que o espírito humano, acreditando, pudesse refazer os seus passos e se dirigir em direção ao Pai, em busca da Vida eterna do espírito.



            Mesmo assim, com este filho divino chegando até nós, dando suas lições e praticando os milagres que somente um filho com a proximidade de Deus como Jesus tem, poderia realizar, não conseguiu convencer a muitos que se beneficiam das iniquidades que as trevas lhes trazem. E isso não aconteceu somente na época em que Jesus estava entre nós. Até hoje isso acontece ao nosso redor, apesar de tantas igrejas proliferarem pelo mundo. Basta ver o que acontece em nosso Brasil, um país indicado para ser o coração do mundo e a pátria do Evangelho, se encontrar totalmente dominado pelas trevas, onde a Verdade não tem o direito de se expressar.



Publicado por Sióstio de Lapa em 13/01/2024 às 00h01
 
12/01/2024 00h01
MEU PRÓPRIO ESTADO

            Lendo a vida de Santo Tomás de Aquino, um trecho com relação a opinião contrária dos pais quanto ao seu destino, me chamou a atenção...



            Não haverá a recear, porém, a oposição declarada da família? Os projetos dos condes de Aquino sofrerão completo malogro caso o futuro abade do Monte-Cassino se mostre decidido a ficar simples Irmão Pregador. Por isso, quando, durante umas férias passadas em Roccasseca, Tomás se abre com seus pais, Lindolfo opõe-lhe uma recusa categórica – fiel aos poderosos interesses que o determinaram a consagrar o filho mais novo à Ordem de São Bento.



            Este obstáculo previsto não inutiliza, de forma alguma, a resolução tomada pelo estudante de Nápoles. Mais tarde, Tomás de Aquino dará, na Summa Theológica, a explicação do seu ponto de vista a tal respeito: “Quando os pais – diz – não estão em situação tal que tenham grande necessidade dos serviços dos filhos, quando estes podem, omitindo o consentimento dos pais ou contrariando mesmo a sua vontade expressa, entrar em religião, porque, depois de ter ultrapassado a puberdade, cada um é livre e tem o direito de escolher o seu próprio estado, sobretudo se se trata do serviço de Deus – vale mais obedecer ao Pai das nossas almas, para que vivamos, que aos geradores da nossa carne.



            Portanto, fiz logo a conexão desse trecho, com o meu próprio estado de alma. Quando o Pai falou em minha consciência para eu seguir o Caminho da Verdade indicada pelo Cristo, mesmo que (quase) ninguém tenha visto essa Verdade da forma que a vi. Mesmo assim eu fui adiante e projetei encontrar a Vida Eterna ao lado do Pai, no final de minha jornada.



            Dessa forma, refiz a minha trilha, os paradigmas pelos quais seguia, e fui pelo novo Caminho na companhia do meu “pet” de sete cabeças que mora dentro de mim. É aquele animal mitológico, energético, o Behemoth, criado por Deus dentro de todos nós para vigiar e lutar pela preservação e continuação do corpo biológico.



            Este animal energético, invisível, adquire vida pela força dos instintos e tenta direcionar o nosso comportamento para garantir a nossa sobrevivência pessoal, mesmo que isso prejudique a todos ao redor.



            Neste ponto encontramos o confronto entre a alma criada por Deus e que deve agir fraternalmente com todos os irmãos, fazendo ao próximo àquilo que desejamos ser feito a nós. O corpo de carne criado por nossos pais biológicos possui o Behemoth com suas sete cabeças em busca de vantagens pessoais, mesmo que desobedeçam a vontade do Pai. Este foi o dilema encontrado por Santo Tomáz de Aquino e que também encontrei em minhas reflexões. Apesar da diferença de espiritualidade que apresentamos, a mesma decisão eu tomei: obedecer ao Pai que criou a minha alma que tem a vida eterna, do que obedecer ao pai que criou a minha carne que tem vida efêmera.  



Publicado por Sióstio de Lapa em 12/01/2024 às 00h01
 
11/01/2024 00h01
CARACTERÍSTICAS DA DITADURA

            Encontrei este texto em tom satírico nas redes sociais e que mostra de forma clara a condição de ditadura que estamos entrando celeremente...



https://x.com/david_agape_/status/1732092772549533777?s=20



Olha que exercício interessante. O David Ágape fez uma pesquisa via Chat GPT para listar quais as principais características de uma ditadura; no tuíte são listadas as 5 principais com imagens "meramente ilustrativas", claro... rs



1 - Regime antidemocrático onde todos os poderes do Estado estão concentrados em um indivíduo, um grupo ou um partido. Este poder é exercido sem respeitar os princípios constitucionais democráticos, e a participação da população é inexistente ou extremamente limitada​.



2 - O ditador ou o grupo no poder exerce controle absoluto, frequentemente pela força ou fraude, e não admite oposição a seus atos e ideias. Qualquer forma de oposição política ou desafio ao regime é reprimida, muitas vezes através de medidas como censura e perseguição política.



3 - As liberdades individuais são frequentemente suprimidas em uma ditadura. Isso inclui a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa, e outras liberdades civis. Os espaços de comunicação e deliberação são fortemente regulados ou completamente suprimidos​.



4 - Em ditaduras o poder político é absoluto e ilimitado, concentrando-se nas mãos de um único indivíduo, partido ou grupo, muitas vezes com uma inclinação militar. Essa centralização do poder implica pouca ou nenhuma abertura para o debate político ou participação pública.



5- Em muitas ditaduras, o poder é exercido com o apoio de um único partido político, cuja ideologia é considerada a única correta. Outros partidos políticos são frequentemente proibidos ou severamente limitados.



Graças a Deus não vivemos nada minimamente parecido com isso.



Em 1980, ano que terminei o curso médico, eu vivia uma condição totalmente diversa dessa. Na minha Universidade havia protestos contra os atuais presidentes da República e eu observava a luta de todas as universidades, fazendo o coro de outras instituições pelo retorno da democracia com o slogan difundido nas ruas: “Diretas Já”.



Hoje, com o país coberto pelas sombras do autoritarismo judiciário, a liberdade restrita, com inocentes presos às centenas e outros ameaçados, com a destruição das reputações ou até mesmo da vida física.



Fico a imaginar... onde estão as instituições, capitaneadas pelas universidades, que antes faziam tanto alvoroço pela liberdade de ter uma democracia através do voto direto para Presidente da República? Será que estão retraídas pelo medo, foram cooptadas pelas iniquidades, ou estão todas vendo que tudo está correto e somente eu estou vendo um autoritarismo que se firma cada vez mais nas falsas narrativas, usando a principal armas das sombras... a mentira?



Publicado por Sióstio de Lapa em 11/01/2024 às 00h01



Página 9 de 887 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » «anterior próxima»


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr